José Ribeiro e Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José Ribeiro e Castro
Presidente do CDS – Partido Popular e Deputado de Flag of Portugal.svg Portugal
Período Legislaturas de 1976, 1980, 1999, 2009 e 2011
Partido CDS – Partido Popular
Religião Católico
Profissão Advogado

José Duarte de Almeida Ribeiro e Castro GOIH (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 24 de dezembro de 1953) é um advogado e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Advogado de profissão,[1] é licenciado em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa, tendo tido também um percurso na comunicação social — foi, nomeadamente, diretor de informação, diretor-geral e administrador da TVI (no período em que essa estação era controlada pelo Grupo Renascença e outras entidades ligadas à Igreja Católica); vogal do Conselho de Opinião e presidente da Comissão de Fiscalização da RTP; membro do Conselho Editorial da revista Sábado.

Militante destacado do CDS, participou na criação da Juventude Centrista e da Fundação dos Trabalhadores Democratas-Cristãos. Viria a liderar o CDS – Partido Popular, após a demissão de Paulo Portas, em 2005, num congresso realizado em Lisboa, em que derrotou a ala portista reunida em Telmo Correia.[2] Portas regressaria em 2007, derrotando Ribeiro e Castro em eleições diretas.

Foi deputado à Assembleia da República, eleito nas legislaturas iniciadas em 1976, 1980, 1999, 2009 e 2011. Entre 2009 e 2011, presidiu à Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros[3] e, entre 2011 e 2013, foi presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura.[4] No final dessa legislatura, decidiu não voltar a apresentar-se a eleições e abandonou o Parlamento.[5]

Foi Secretário de Estado Adjunto do Vice-Primeiro-Ministro Diogo Freitas do Amaral, nos governos da Aliança Democrática, chefiados por Francisco Sá Carneiro e Francisco Pinto Balsemão, respetivamente em 1980 e de 1981 a 1983. Nesses períodos, teve a tutela do Gabinete de Macau, sendo o membro do Governo responsável pelas relações com o Território de Macau e a sua Administração.

Em 1986, foi diretor da campanha de Diogo Freitas do Amaral nas eleições presidenciais de 1986.

Foi adjunto do Ministro da Educação Roberto Carneiro, sendo Primeiro-Ministro Aníbal Cavaco Silva.

Em finais de 1999, assumiu o lugar de deputado ao Parlamento Europeu, em substituição de Paulo Portas, vindo a ser reeleito, em 2004, para novo mandato, que terminou em 2009. No Parlamento Europeu, exerceu várias funções, nomeadamente as de vice-presidente da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais e vice-presidente do Intergrupo Família e Direitos da Criança.[6]

A nível autárquico, foi deputado na Assembleia Municipal de Odemira, eleito em 1982 e novamente em 2013, e presidente da Assembleia Municipal de Sintra, em 2001.

Foi vice-presidente da Direção do Sport Lisboa e Benfica entre 1997 e 1998 e comentador desportivo de futebol.

Teve uma participação no cinema, ao interpretar o antigo ministro da Defesa Adelino Amaro da Costa no filme Camarate (em 2001), sobre o acidente de aviação com o mesmo nome e que vitimou Francisco Sá Carneiro e Amaro da Costa.

Em 2016, tornou-se membro-conselheiro do movimento de cidadania Melhor Alentejo.

Condecorações[7][8][editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

É filho de Fernando Augusto Santos e Castro, que foi o 56.º Presidente da Câmara Municipal de Lisboa e o 120.º governador-geral de Angola, e de sua mulher Maria Helena Santos Silva de Almeida Ribeiro.

Casou primeira vez, civilmente, em 1975, com Marta Maria de Morais dos Santos Pais, da qual tem uma filha:

  • Ana Marta Santos Pais e Castro (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 30 de agosto de 1976), casada com Pedro Monteiro de Barros Tavares (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 3 de Dezembro de 1976), com geração

Casou segunda vez religiosamente pela Igreja Católica, a 13 de setembro de 1980, com Maria da Conceição Meneses Lobo Machado (17 de setembro de 1954), trineta do 1.º Visconde de Paço de Nespereira, da qual tem um filho e duas filhas:

  • Pedro Augusto Lobo Machado Ribeiro e Castro (Lisboa, Alvalade, 1 de março de 1982), casado em Mafra, Enxara do Bispo, na Igreja de Nossa Senhora da Assunção, a 3 de outubro de 2010 com Maria de Castro Sampaio Cassanheira, com geração
  • Maria Lobo Machado Ribeiro e Castro (Lisboa, Alvalade, 27 de março de 1984), casada em Cartaxo, Pontével, na Igreja de Nossa Senhora da Purificação, a 20 de maio de 2016 com Tiago Miguel Rebelo Tavares (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 16 de julho de 1980), com geração
  • Joana Lobo Machado Ribeiro e Castro (Lisboa, Alvalade, 8 de agosto de 1986)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Paulo Portas
Presidente do CDS – Partido Popular
20052007
Sucedido por
Paulo Portas
  1. Parlamento de Portugal - Biografia de José Ribeiro e Castro (CDS-PP)
  2. Público Três mil militantes ratificam liderança de Ribeiro e Castro in Jornal Público, 18/06/2005.
  3. José Ribeiro e Castro expressa alegria com anúncio libertação in Jornal Diário de Notícias, 09/12/2010.
  4. Ribeiro e Castro renuncia à presidência da Comissão de Educação in TVI24, 29/09/2013.
  5. Ribeiro e Castro abandona Parlamento com críticas ao CDS e ao sistema partidário in Jornal Público, 23/06/2015.
  6. «José RIBEIRO E CASTRO | Historial das legislaturas | Deputados | Parlamento Europeu». www.europarl.europa.eu. Consultado em 1 de abril de 2017. 
  7. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "José Ribeiro e Castro". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 5 de janeiro de 2018. 
  8. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras». Resultado da busca de "José Ribeiro e Castro". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 25 de fevereiro de 2015.