Lia (minissérie)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lia
Informação geral
Formato minissérie
Gênero
Duração 60 minutos
Criador(es) Paula Richard
País de origem  Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Juan Pablo Pires
Cinematografia Anderson Sérgio
Câmera Multicâmera
Roteirista(s) Cláudia Valli
Larissa de Oliveira
Méuri Luiza
Natália Piserni
Elenco
Tema de abertura Instrumental
Empresa(s) de produção RecordTV
Casablanca
Localização Rio de Janeiro, RJ
Exibição
Emissora de televisão original Brasil RecordTV
Formato de exibição 3840i (4K)
Transmissão original 26 de junho – 9 de julho de 2018
N.º de episódios 10

Lia é uma minissérie brasileira produzida pela RecordTV em parceria com a produtora Casablanca e exibida de 26 de junho a 9 de julho de 2018, com total de 10 episódios, substituindo a telenovela Apocalipse e sendo substituída por Jesus.[1] Escrita por Paula Richard com colaboração de João de Oliveira, Joaquim de Assis, Larissa de Oliveira, Méuri Luiza, Natália Piserni, Natália Sambrini e Rodrigo Ribeiro, tendo direção geral de Juan Pablo Pires.[2] É a primeira minissérie desde Plano Alto, em 2014.

Conta com Bruna Pazinato, Graziella Schmitt, Felipe Cardoso, Júlia Maggessi, Bruno Ahmed, Leandro Lima, Brenno Leone e Suzana Alves nos papéis centrais.[3]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A tradição em produzir minisséries épicas se iniciou na RecordTV no verão de 2010 com a minissérie A História de Ester, de forma ainda despretensiosa e em forma de teste para ver a aceitação do público em um produto tão distinto do que se costumava fazer na televisão – acostumada com obras que iam, no máximo, até o período escravagista brasileiro.[4] Sem grandes pretensões, a minissérie surpreendeu a direção ao manter uma média de 11 pontos.[5] A segunda produção do gênero, a minissérie Sansão e Dalila, entrou no ar no início de 2011, recebendo um investimento de 12 milhões de reais e mantendo os índices do ano anterior.[6] Em 24 de janeiro de 2012 o projeto mais ambicioso até então, Rei Davi, estreou com gravações ocorridas no Canadá e Chile.[7] A trama chegou aos 16 pontos e liderança do horário em determinados dias.[8]

Em 2013 entra no ar a quarta e última minissérie sequencial da temática, José do Egito, com um investimento de mais de R$ 60 milhões, o maior já empregado em uma minissérie até então no Brasil.[9] As gravações foram realizadas no Chile, Egito, Israel e Palestina, envolvendo 300 profissionais viajando para a produção.[10] Em 2014 a emissora apostou em um formato diferente para a produção épica, lançado em duas temporadas o seriado Milagres de Jesus, que trazia em cada episódio uma história diferente.[11] Cada episódio foi orçado em R$ 900 mil, o maior para um seriado nacional.[12]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2018 a direção da emissora decidiu adiar em três semanas a estreia da telenovela Jesus, substituta de Apocalipse, para não coincidir com a época dos jogos da Copa do Mundo, que tradicionalmente gera uma defasagem de telespectadores na teledramaturgia e poderia refletir com uma audiência menor para o início da trama.[13] Paula Richard foi convocada para desenvolver uma minissérie sobre a história de Lia para ocupar a lacuna até o fim do torneio esportivo, entregando a faixa de horário em tempos normais para a futura telenovela.[13] Na época chegou-se a cogitar que Jesus estreasse apenas em agosto, sendo que Lia seria substituída por outra minissérie, baseada na história de Rute, porém os planos foram abortados para coincidir a estreia com o início da propaganda eleitoral.[14] O diretor argentino Juan Pablo Pires foi convocado para dirigir o projeto.[14] As gravações começaram em 7 de maio e, quatro dias depois, as primeiras imagens foram liberadas para a imprensa.[15]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

A direção da minissérie decidiu apostar em uma atriz iniciante para o posto de protagonista, escolhendo Bruna Pazinato para contracenar com os veteranos após sua boa repercussão em O Rico e Lázaro.[16] Priscila Fantin chegou a ser cogitada para interpretar Raquel, porém a emissora desistiu de contratá-la após o alto salário pedido pela atriz.[17] Graziella Schmitt foi efetivada para o papel.[18] Brenno Leone, Graziella Schmitt, Júlia Maggessi e Suzana Alves estavam escalados para a "novela das sete" Topíssima, porém foram realocados para a minissérie com o adiamento da trama para 2019.[19]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Lia (Bruna Pazinato) é uma jovem forte e que nunca deixou de acreditar no amor apesar dos percalços. Após perder a mãe aos 5 anos, ela criou sozinha a irmã mais nova, Raquel (Graziella Schmitt), e passou diversos maus-tratos nas mãos de sua madrasta, a venenosa Laila (Suzana Alves), que odeia o fato do marido, Labão (Theo Becker), ter tido outra família antes e criou seus filhos com o aldeão, Eliabe (Felipe Cunha) e Nananias (Saulo Meneghetti), com todo conforto, enquanto as enteadas viviam na miséria. Lia se apaixona por Jacó (Felipe Cardoso), mas ele só tem olhos para Raquel, que não gosta dele, mas aceita suas investigas apenas para afrontar a irmã, a quem culpa pelas desgraçadas que a vida trouxe. Após fazer um acordo de que trabalharia 7 anos para Labão em troca da mão de Raquel, Jacó acaba sendo enganado pelo sogro, que lhe entrega em matrimônio Lia coberta com um véu, alegando que a mais velha deve se casar antes, porém o agricultor não desiste da amada e trabalha mais 7 anos em troca da mão de Raquel também.

Casadas com o mesmo homem, Raquel passa a ter todo luxo e conforto, enquanto Lia é humilhada por Jacó e vive aos farrapos. Ao longo dos anos Lia tem sete filhos: Rúben (Leandro Lima), Simeão (Brenno Leone), Levi (Maurício Pitanga), Judá (Bru Malucelli), Issacar (Marcus Bessa), Zebulom (Igor Fernandez) e Diná (Júlia Maggessi) – a única mulher da casa e a única a receber amor do pai, o que causa inveja dos demais irmãos – enquanto Raquel só gera José (Bruno Peixoto), tido por Jacó como o único homem da casa digno de afeto. Com o passar dos anos e a ajuda do conselheiro Saul (Augusto Garcia), Lia consegue aos poucos mostrar a Jacó o verdadeiro significado do amor. Enquanto isso Diná sofre com o constante assédio do Príncipe Siquém (Bruno Ahmed), que estupra a moça. O ocorrido faz com que Simeão e Rúben iniciem uma rebelião na cidade à caça do estuprador, matando diversas pessoas em seu caminho.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Bruna Pazinato Lia Paddan
Graziella Schmitt Raquel Paddan
Felipe Cardoso Jacó de Israel
Júlia Maggessi Diná de Israel
Bruno Ahmed Príncipe Siquém
Leandro Lima Rúben de Israel
Brenno Leone Simeão de Israel
Suzana Alves Laila Paddan
Theo Becker Labão Paddan
Augusto Garcia Saul
Thais Müller Zilpa Mayan
Cacá Ottoni Bila Mut
Felipe Cunha Eliabe Paddan
Saulo Meneghetti Hananias Paddan
Bruno Peixoto José de Israel
Maurício Pitanga Levi de Israel
Bru Malucelli Judá de Israel
Marcus Bessa Issacar de Israel
Igor Fernandez Zebulom de Israel
Rafael Awi Dã Mut
Caio Lucas Leão Naftali Mut
Matheus Venâncio Aser Mayan
Walter Nunes Gade Mayan

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Paula Jubé Adinah Paddan (jovem)
Pedro Monteiro Esaú de Israel
Silvio Matos Sr. Isaque de Israel
Rose Abdallah Srª. Rebeca de Israel
Paulo Carvalho Rei Hamor
Mariana Cysne Dalila
Laura Svacina Lia (jovem)
Sofia Budke Raquel (jovem)
Isabella Tigre Zilpa (jovem)
Nica Bonfim Parteira

Audiência[editar | editar código-fonte]

Apesar de não possuir uma meta estabelecida por se tratar de uma minissérie provisória no horário das 20h45, a trama registrou 10 pontos de média em seu primeiro capítulo na Grande São Paulo e 12 no Rio de Janeiro – onde manteve a vice-liderança.[20]

Referências

  1. «Record TV inicia gravações da minissérie "Lia"». Minuto Livre. Consultado em 9 de junho de 2018 
  2. «Theo Becker de Oliveira será marido de Suzana Alves na minissérie 'Lia'». Notícias de TV. Consultado em 15 de junho de 2018 
  3. «Record TV começa gravações da nova minissérie Lia». Pleno News. Consultado em 9 de junho de 2018 
  4. «Record investe na mais alta qualidade em "A História de Ester"». BOL. 20 de dezembro de 2009. Consultado em 29 de outubro de 2017 
  5. «Confira como foi a estreia da minissérie A História de Ester». Gospel Prime. 4 de março de 2010. Consultado em 29 de outubro de 2017 
  6. «Record estreia minissérie Sansão e Dalila com investimento de R$ 12 milhões». Veja. Consultado em 15 de maio de 2012 
  7. «Rei Davi bate a Globo no ibope por 16,5 a 10,2». R7. 24 de fevereiro de 2012. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  8. «Rei Davi bate recorde no Ibope com liderança absoluta». R7. 22 de fevereiro de 2012. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  9. «Um capítulo de "José" custa 133% a mais do que um de "Salve Jorge"». RD1. 27 de março de 2013. Consultado em 9 de agosto de 2013. Arquivado do original em 20 de outubro de 2013 
  10. «Superprodução bíblica». ISTOÉ Independente. 18 de janeiro de 2013. Consultado em 9 de agosto de 2013 
  11. «Record irá reprisar a série Milagres de Jesus nas manhãs de domingo». Consultado em 6 de abril de 2017 
  12. «Record investe 900 mil por episódio de Milagres de Jesus». Televisão UOL. Consultado em 19 de janeiro de 2014 
  13. a b «RecordTV adia novela Jesus, substituta de Apocalipse». Pleno. Consultado em 9 de junho de 2018 
  14. a b «Record produz minisséries bíblicas a toque de caixa com diretor argentino». Notícias de TV. Consultado em 15 de junho de 2018 
  15. «Record TV inicia gravação da minissérie Lia». R7. Consultado em 9 de junho de 2018 
  16. «Bruna Pazinato é a nova queridinha da Record». Veja. Consultado em 9 de junho de 2018 
  17. «Priscila Fantin é cotada para ser nova protagonista de minissérie da Record». IG. Consultado em 9 de junho de 2018 
  18. «Priscila Fantin desmente revista e diz que não fechou com a Record». UOL. Consultado em 9 de junho de 2018 
  19. «Com Suzana Alves, ex-Tiazinha, Record inicia gravação de nova minissérie». UOL. Consultado em 9 de junho de 2018 
  20. Gabriela Antunes. «'Lia' estreia com dez pontos em São Paulo e 12 no Rio». Patrícia Kogut.O Globo. Consultado em 27 de junho de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]