Marlene Matheus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Marlene Matheus
Marlene em 2007.
Presidente do Sport Club Corinthians Paulista
Período 1991–1993
Antecessor Vicente Matheus
Sucessor Alberto Dualib
Dados pessoais
Nascimento 24 de setembro de 1936
São Paulo, Brasil
Morte 2 de julho de 2019 (82 anos)
São Paulo, Brasil
Cônjuge Vicente Matheus

Marlene Colla Matheus (São Paulo, 24 de setembro de 19362 de julho de 2019) foi uma dirigente esportiva brasileira, foi presidente do Sport Club Corinthians Paulista de 1991 até 1993. Era a esposa de Vicente Matheus, que fora presidente do clube por dezoito anos durante vários mandatos não consecutivos de 1959 a 1991, e com o prestígio de seu marido, elegeu-se presidente do clube, sendo a primeira e única a ter sido presidente da agremiação.[1]

Marlene nasceu no tradicional bairro do Brás. Bailarina de flamenco, conheceu Vicente Matheus durante as comemorações pela conquista do título paulista do IV Centenário, em 1954. Casaram-se em 14 de agosto de 1968. Em 1971, quando Matheus retornou ao Corinthians como vice-presidente, Marlene começou a trabalhar na parte social do clube. Desde então, se tornou uma das figuras mais populares do alvinegro. Sem poder concorrer novamente à presidência, Vicente seguiu os conselhos do amigo Mário Campos (falecido anos antes), e endossou o nome de Marlene como sua sucessora.

Os associados aprovaram a ideia e a elegeram em 1991 com 2.119 votos, tornando-a a primeira mulher à frente de um grande clube brasileiro. Em 1993, na ratificação do Conselho Deliberativo, Alberto Dualib, então presidente do órgão, organizou um golpe para afastá-los do comando. No ano seguinte, uma mudança estatutária impediu a realização de eleições no Parque São Jorge. Vicente e Marlene, unidos a outros opositores, pediram na justiça o afastamento dele. Em 1997, a morte do lendário presidente corintiano a deixou sozinha na luta pela devolução do Corinthians ao povo. Marlene foi membro nata do CORI (Conselho de Orientação) e foi contra a parceria com a MSI, repetindo o gesto das tentativas anteriores. Através de uma aliança com Andrés Sanches, líder do Movimento Renovação & Transparência, disputou uma vaga no conselho deliberativo, como conselheira quadrienal. A eleição confirmou seu carisma, na primeira vitória importante contra Dualib.

Morreu em 2 de julho de 2019 em São Paulo, após alguns dias de internação.[2][1]

Referências

  1. a b «Morre Marlene Matheus, única presidente mulher do Corinthians». Uol. Consultado em 3 de julho de 2019 
  2. «Morre Marlene Matheus, ex-presidente do Corinthians». GloboEsporte.com. 2 de julho de 2019. Consultado em 2 de julho de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.