Olocum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Olocum[1] (em iorubá: Olóòkun) é o Senhora e dona do Oceano.[2]

África[editar | editar código-fonte]

Na Mitologia iorubá, no Benim, Olocum é considerada como divindade do mar. Senhora (Olô) dos Oceanos (Ocum).

Citação: "Oloxá/Olocum é o nome de duas Forças Espirituais na tradição religiosa da África Ocidental chamada "IFA". A palavra Olaxá significa dona do lago, olho " dona ou senhora" e sà significa " pequeno rio ou lago. A palavra "Olocum" significa" dona dos mares "ol" que significa dona ou majestade e "okun "que significa" oceano ". Olocum e Olaxá são irmãs e dentro do culto iorubá simbolizam a fertilidade e prosperidade.[3]

Olocum é o Orixá Senhora do mar, é uma oluweri, metade mulher e metade-peixe ela trás a fertilidade e prosperidade da sociedade e do convívio familiar. Tem a capacidade de transformar, e sempre carrega a responsabilidade e preocupação com o próximo. Na natureza é simbolizada pelo mar profundo e é a verdadeira dona das profundezas do presente, onde ninguém jamais esteve. Representa os segredos do fundo do mar, como ninguém sabe o que está no fundo do mar, apenas Olocum. Também representa a riqueza do fundo do mar e da saúde. Olocum é um dos Orixás mais e poderoso do culto aos Orixás com ela se tem a aprendizagem do valor e importância da vida e da família. Olocum é a união e conexão de todos os membros da sociedade.

Mascarados Eió Olocum no Festival Eió em Lagos, Nigéria

Cuba[editar | editar código-fonte]

Em Cuba, Olokun que é fundamento de Ifá, foi ligado ao fundo do oceanos por Obatalá para evitar que sua força fizesse calamidades.[4][5]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]