Open Society Foundations

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Open Society Foundations
upright=!Artigos sem imagens
História
Fundação
Quadro profissional
Tipo
Estado legal
Sede social
País
Organização
Fundador
Afiliação
Open Research Funders Group (d)Visualizar e editar dados no Wikidata
Orientação política
Website

A Open Society Foundations (OSF), anteriormente Open Society Institute, é uma rede internacional de filantropia fundada pelo magnata George Soros.[1] Ela apoia financeiramente grupos da sociedade civil em todo o mundo, com o objetivo declarado de promover a justiça, a educação, a saúde pública e a mídia independente.[2][3] O nome do grupo é inspirado no livro de Karl Popper, de 1945, The Open Society and Its Inemies.[4]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

A OSF possui filiais em 37 países,[5] abrangendo um grupo de fundações regionais e de países, como a Open Society Initiative para a África Ocidental e a Open Society Initiative para a África Austral; sua sede fica na cidade de Nova York . Em 2018, a OSF anunciou que estava fechando seu escritório europeu em Budapeste e se mudando para Berlim, em resposta à legislação aprovada pelo governo húngaro, visando as atividades da fundação.[6] Desde a sua criação em 1993, a OSF registrou gastos acima de 11 bilhões de dólares, principalmente em doações para ONGs, alinhadas com a missão da organização.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Em 28 de maio de 1984, Soros assinou um contrato entre a Fundação Soros ( Nova York) e a Academia Húngara de Ciências, o documento fundador da Fundação Soros em Budapeste.[8] Isto foi seguido por várias fundações na região para ajudar os países a se afastarem do comunismo.[9]

Em 1991, a fundação fundiu-se com a Fondation pour une Entraide Intellectuelle Européenne, afiliada do Congresso para a Liberdade Cultural, criada em 1966 para imbuir cientistas da Europa Oriental 'não-conformistas' com ideias anti-totalitárias e capitalistas.[10]

O Open Society Institute foi criado nos Estados Unidos em 1993 para apoiar as fundações Soros na Europa Central e Oriental e na antiga União Soviética.[5]

Em agosto de 2010, começou a usar o nome Open Society Foundations (OSF) para refletir melhor seu papel como benfeitor para grupos da sociedade civil em países ao redor do mundo.[11]

Soros acredita que não pode haver respostas absolutas para questões políticas porque o mesmo princípio de reflexividade se aplica aos mercados financeiros.[12]

Em 2012, Christopher Stone ingressou na OSF como o segundo presidente. Ele substituiu Aryeh Neier, que atuou como presidente de 1993 a 2012.[13] Stone anunciou em setembro de 2017 que estava deixando o cargo de presidente.[14] Em janeiro de 2018, Patrick Gaspard foi nomeado presidente da OSF.[15]

Em 2016,a OSF teria sido alvo de uma violação de segurança cibernética. Documentos e informações supostamente pertencentes a organização foram publicados por um site. A violação de segurança cibernética foi descrita como compartilhando semelhanças com ataques cibernéticos vinculados à Rússia que atingiram outras instituições, como o Comitê Nacional Democrata.[16]

Em 2017, Soros transferiu 18 bilhões de dólares para a Fundação.[17]

Atividades[editar | editar código-fonte]

George Soros em uma palestra na Malásia

Seu orçamento de 873 milhões de dólares em 2013 foi classificado como o segundo maior orçamento de filantropia privada nos Estados Unidos, depois do orçamento da Fundação Bill e Melinda Gates, com 3,9 bilhões de dólares.[18]

A fundação informou ter concedido pelo menos 33 milhões de dólares a organizações de direitos civis e justiça social nos Estados Unidos.[19] Esse financiamento incluiu grupos como a Organização para Lutas Negras e Missourians Organizing for Reform and Empowerment, que apoiaram protestos após os assassinatos de Trayvon Martin, Eric Garner, Tamir Rice e Michael Brown.[20][21][22] De acordo com o Center for Responsive Politics, a OSF gasta grande parte de seus recursos em causas democráticas em todo o mundo e também contribuiu para grupos como a Fundação Tides.[23]

A OSF tem sido um grande apoiador financeiro da reforma da imigração dos Estados Unidos, incluindo o estabelecimento de um caminho para a cidadania dos imigrantes ilegais.[24]

Os projetos da OSF incluíram a Campanha Nacional de Segurança e Direitos Humanos e o Lindesmith Center, que realizou pesquisas sobre a reforma das drogas.[2]

O programa de bolsistas visitantes da Fundação Soros da Biblioteca do Congresso foi iniciado em 1990.[25] [26]

Recepção e influência[editar | editar código-fonte]

Em 2007, Nicolas Guilhot (pesquisador associado do CNRS) escreveu na Critical Sociology que as Open Society Foundations servem para perpetuar instituições que reforçam a ordem social existente, como a Fundação Ford e a Fundação Rockefeller fizeram antes delas. Guilhot argumenta que o controle sobre as ciências sociais por interesses monetários despolitizou esse campo e reforçou uma visão capitalista da modernização.[27]

Um esforço da OSF em 2008 na região dos Grandes Lagos africanos, com o objetivo de espalhar a conscientização sobre direitos humanos entre prostitutas em Uganda e outras nações da região, não foi bem recebido pelas autoridades de Uganda, que consideraram um esforço para legalizar e legitimar a prostituição.[28]

A Open Society Foundation foi criticada em editoriais pró-Israel por incluir fundos para os grupos ativistas Adalah e I'lam, que eles dizem serem anti-Israel e que apoiam a estratégia de boicote, desinvestimento e sanções. Entre os documentos divulgados pelo DCleaks, um relatório da OSF diz: "Por várias razões, queríamos construir um portfólio diversificado de subsídios para lidar com Israel e a Palestina, financiando grupos judaicos de Israel e PCI (cidadãos palestinos de Israel), além de criar um portfólio de subsídios palestinos e, em todos os casos, para manter discrição e uma distância relativa - particularmente na frente jurídica".[29][30][31]

Em 2015, a Rússia proibiu as atividades da OSF em seu território, declarando que "verificou-se que a atividade da OSF e da Fundação de Assistência do Instituto da Sociedade Aberta representa uma ameaça para as fundações do sistema constitucional da Federação Russa. e a segurança do estado".[32]

Em 2017, as Open Society Foundations e outras ONGs que promovem o governo aberto e ajudam os refugiados foram alvo de repressão por governos autoritários que foram encorajadospelo governo Trump. Vários políticos do leste europeu, como Liviu Dragnea na Romênia, e figuras tradicionalmente de direita, como Szilard Nemeth na Hungria e Nikola Gruevsk na Macedônia, que pediu uma "des Sorosização" da sociedade, além de Jaroslaw Kaczynski na Polônia, que disse que os grupos financiados por Soros querem "sociedades sem identidade".[33] Alguns desses grupos financiados por Soros na região dizem que os novos ataques são uma forma de assédio e intimidação, que se tornaram mais abertos após a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos. Stefania Kapronczay, da União Húngara de Liberdades Civis, que recebe metade de seu financiamento de fundações apoiadas por Soros, afirma que as autoridades húngaras estão "testando as águas" em um esforço para ver "com o que podem lidarr".

Em 2017, o governo do Paquistão ordenou que a Open Society Foundation interrompesse as operações no país.[34]

Em maio de 2018, a Open Society Foundations anunciou que mudará seu escritório de Budapeste para Berlim, em meio à interferência do governo húngaro.[35][36][37]

Em novembro de 2018, a Open Society Foundations anunciou que está encerrando suas operações na Turquia e fechando seus escritórios em Istambul e Ancara devido a "falsas acusações e especulações além da medida", em meio à pressão do governo turco e da interferência governamental através da detenção de intelectuais e acadêmicos liberais turcos.[38][39][40]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Donor profile: George Soros». Center for Public Integrity 
  2. a b Harvey, Kerric (2013). Encyclopedia of Social Media and Politics. SAGE Publications. [S.l.: s.n.] ISBN 9781483389004 
  3. «Open Society Foundation mission and values», OSI, Soros, September 6, 2012  Verifique data em: |data= (ajuda).
  4. de Cock, Christian; Böhm, Steffen (2007), «Liberalist Fantasies: Žižek and the Impossibility of the Open Society», Organization, 14 (6): 815–836, doi:10.1177/1350508407082264, consultado em 26 de outubro de 2012, cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2013 .
  5. a b «Philanthropy vs. Tyranny: Inside the Open Society Foundations' Biggest Battle Yet». Inside Philanthropy 
  6. «The Open Society Foundations to Close International Operations in Budapest». Open Society Foundations (em inglês) 
  7. «Expenditures». Open Society Foundations 
  8. Tény, Nóvé Béla, Soros (PDF), HU: KKA .
  9. Hoduski-Abbott, Bernadine E. (2003). Lobbying for Libraries and the Public's Access to Government Information. Scarecrow. Lanham: [s.n.] ISBN 9780810845855 
  10. Guilhot. «A NETWORK OF INFLUENTIAL FRIENDSHIPS: THE FONDATION POUR UNE ENTRAIDE INTELLECTUELLE EUROPÉENNE AND EAST-WEST CULTURAL DIALOGUE, 1957-1991». Minerva. 44: 379–409. JSTOR 41821373 
  11. Schrier, H. Edward (2013). The Battle of the Three Wills: As It Relates to Good & Evil. Author House. [S.l.: s.n.] ISBN 9781481758765 
  12. Soros, George; Wien, Byron; Koenen, Krisztina (1995). Soros on Soros: Staying Ahead of the Curve. John Wiley. New York: [s.n.] ISBN 978-0-471-11977-7 
  13. «Criminal Justice Expert Named to Lead Soros Foundations». The New York Times 
  14. «What Just Happened at the Open Society Foundations? And What Comes Next?». Inside Philanthropy 
  15. «Patrick Gaspard Named President of the Open Society Foundations» 
  16. «Russian Hackers of DNC Said to Nab Secrets From NATO, Soros». Bloomberg 
  17. «George Soros Transfers $18 Billion to His Foundation, Creating an Instant Giant». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660 
  18. «Top philanthropic foundations: A primer». Devex 
  19. «No, George Soros Didn't Give $33 Million to #BlackLivesMatter». The Daily Beast 
  20. Ferguson Inc. — The city's protest movement tries to find a path forward; Politico; March 4, 2015
  21. Riot Act;Snopes; January 17, 2015
  22. «George Soros funds Ferguson protests, hopes to spur civil action». Washington Times 
  23. «Capital Rivals: Koch Brothers vs. George Soros». Center for Responsive Politics 
  24. «The Big Money Behind the Push for an Immigration Overhaul». New York Times 
  25. Hoduski-Abbott, Bernadine E. (2003). Lobbying for Libraries and the Public's Access to Government Information. Scarecrow. Lanham: [s.n.] ISBN 9780810845855 
  26. Kranich, Nancy (2001). Libraries & Democracy: The Cornerstones of Liberty. American Library Association. [S.l.: s.n.] ISBN 9780838908082 
  27. «Reforming the World: George Soros, Global Capitalism and the Philanthropic Management of the Social Sciences». Critical Sociology. 33: 447–477. doi:10.1163/156916307X188988  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  28. «Uganda prostitute workshop banned». BBC 
  29. «Soros Hack Reveals Evidence of Systemic Anti-Israel Bias». Tablet Magazine 
  30. David Israel. «DC Leaks Publishes George Soros' Files Showing Millions Contributed to Anti-Israel Causes». Jewish Press 
  31. George Soros hacked, documents posted online Rachel Kaplan, 14/08/16
  32. Reuters. Russia bans George Soros foundation as state security 'threat'. November 30, 2015.
  33. «After Trump Win, Anti-Soros Forces Are Emboldened in Eastern Europe». The New York Times 
  34. Sayeed, Saad (13 December 2017) "Pakistan orders George Soros foundation, other aid groups to close," Reuters
  35. «George Soros foundation to close office in 'repressive' Hungary». al Jazeera 
  36. «Soros foundation to leave Hungary». BBC News 
  37. «Soros foundation to close office in Budapest over Hungarian government's 'repressive' policies». The Daily Telegraph 
  38. «Açık Toplum Vakfı Türkiye'deki faaliyetlerini sonlandırıyor». Deutsche Welle Türkçe 
  39. «Soros foundation to close in Turkey after being bashed by Erdogan». www.aljazeera.com 
  40. Reuters. «George Soros's Open Society Foundations to pull out of Turkey». The Guardian 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]