Pandemia de COVID-19 na Palestina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19 na Ásia
Pandemia de COVID-19 em 2020 na Palestina
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Origem Wuhan, Hubei
Local Palestina
Período 5 de março de 2020
(8 meses e 25 dias)
Início Belém
Estatísticas globais
Casos confirmados 46 746
Mortes 402
Casos que recuperaram 40 162

Este artigo documenta os impactos da pandemia de coronavírus de 2020 na Palestina e pode não incluir todas as principais respostas e medidas contemporâneas.

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Em 5 de março, 7 casos de COVID-19 na Palestina foram confirmados perto de Palestina, na Cisjordânia.[1][2][3] O Ministério da Saúde da Palestina afirmou que os casos foram detectados pela primeira vez em um hotel na área de Belém, onde um grupo de turistas gregos havia visitado o hotel no final de fevereiro; mais tarde, dois foram diagnosticados com o vírus.[4] Espera-se que a Basílica da Natividade seja fechada após os casos.[5] Como resultado, o governo palestino anunciou a proibição de completa da entrada de turistas estrangeiros.[6] Declarou, ainda, estado de emergência na Cisjordânia em 5 de março. Escolas, universidades, mesquitas e demais igrejas foram fechadas por um mês.[7]

Em 7 de março, 22 novos casos foram confirmados. A cidade de Belém foi bloqueada quando 16 casos de infecção foram detectados na Cisjordânia, incluindo 9 em Belém.[8] O bloqueio é imposto por militares israelenses, já que Israel controlava todas as entradas da região. Segundo o Ministério da Ministério de Defesa de Israel, o bloqueio de Belém é imposto em acordo com as autoridades palestinas.[9]

Em 9 de março, as autoridades palestinas anunciaram mais 5 casos na Cisjordânia; quatro foram registrado em Belém e um em Tulcarém.[10] Em 13 de março, o Ministério da Saúde da Palestina confirmou 35 casos de coronavírus, concentrados, principalmente, na região de Belém.[11] Em 14 de março, 3 novos casos foram anunciados, elevando o número total para 38.[12]

Em 16 de março, um segundo caso foi confirmado em Tulcarém, elevando o número total para 39. O primeiro-ministro Mohammad Shtayyeh afirmou que o Kuwait havia contribuído com US$ 5,5 milhões para ajudar a Palestina.[13][14]

Em 18 de março, o número de casos aumentou para 44.[15] 40 casos pertencem a Belém, dois a Tulcarém, um a Ramala e outro a Nablus.[16][17] O ministro da Defesa de Israel, Naftali Bennett, afirmou que "a partir de quarta-feira, os palestinos da Cisjordânia, que trabalham ou comercializam em setores essenciais, como saúde, agricultura e construção, podem residir em Israel"; mais de 100 000 trabalhadores palestinos da Cisjordânia, que trabalham em Israel, geralmente retornam para a casa diariamente.[18] Yotam Shefer, da Coordenação de Atividades Governamentais e dos Territórios, anunciou o fechamento das áreas administrativas por palestinos na Cisjordânia na quarta-feira, a fim de limitar a disseminação do coronavírus, dizendo aos jornalistas que a decisão havia sido tomada em conjunto a Autoridade Palestina.[19]

Israel e a Autoridade Palestina criaram uma sala de operações conjunta para combater a pandemia, segundo o porta-voz do governo Ibrahim Milhem. Um funcionário do Ministério da Defesa de Israel confirmou, posteriormente, a criação de uma sala de operações, mas não forneceu maiores detalhes.[20] O coordenador humanitário das Organização das Nações Unidas (ONU) Jamie McGoldrick anunciou, durante uma videoconferência, o apoio financeiro de US$ 1 milhão a fim de fornecer apoio técnico e sanitário à Palestina.[21]

Em 19 de março, Milhem confirmou 3 novos casos, elevando o total para 47. No comunicado diário, informou que os dois casos eram de estudantes que vinham da França; estes entraram em quarentena após a chegada. O terceiro caso é um indivíduo de Nablus com suspeita de ter a doença, mas que permaneceu em quarentena.[22]

O Ministro da Saúde local, Dr. Mai Al-Kaila, anunciou que 17 dos 19 casos que estavam em quarentena em Belém haviam se recuperado. O ministro disse, ainda, em uma coletiva de imprensa, que os pacientes recuperados poderiam voltar para casa, com ênfase para aderir à quarentena em domicílio, além da medição de temperatura constante. Confirmou, no mesmo dia, mais um caso da doença, tratando-se de um palestino da província de Salfit que havia ido ao Paquistão.[23]

Em 21 de março, mais 4 casos foram confirmados, elevando o total para 52.[24] Três dos novos casos eram estudantes de Ramala que voltaram do Reino Unido; o quarto era um médico de Hebron que contraiu a doença enquanto trabalhava em um hospital israelense. No mesmo dia, fontes oalestinas confirmaram os dois primeiros casos na cidade de Gaza; dois dos palestinos que viajaram do Paquistão e entrara em Gaza pelo Egito deram positivo para o vírus e foram postos em quarentena. O Ministério da Saúde disse que 53 casos foram confirmados na Cisjordânia.[25][26][27]

Em 22 de março, o porta-voz do governo palestino informou 59 como o total de casos confirmados, incluindo os dois em Gaza.[28][29] Após uma reunião de emergência, Shtayyeh anunciou a proibição de mais duas semanas da movimentação dentro e entre as cidades palestinas, com exceção das instalações de saúde, farmácias, padarias e mercearias.[30][31] O Qatar anunciou, em 23 de março, o envio de US$ 150 milhões para fomentar Gaza e os demais programas humanitários da ONU, a fim de conter o surto de coronavírus na região.[32][33]

Referências

  1. Haaretz (6 de março de 2020). «Israel Orders Closure on Bethlehem After Seven Coronavirus Cases Discovered». Haaretz. Consultado em 6 de março de 2020 
  2. «Palestinians confirm seven cases». The Jerusalem Post. Consultado em 6 de março de 2020 
  3. «Coronavirus in Palestine: Suspected cases near Bethlehem». Middle East Eye. Consultado em 6 de março de 2020 
  4. «Palestinians confirm 7 coronavirus cases, declare tourist ban» 
  5. «Church of Nativity in Bethlehem to close over coronavirus fears». www.aljazeera.com. Consultado em 9 de março de 2020 
  6. «Palestinians announce West Bank tourism ban over coronavirus». France24. 5 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  7. staff, T. O. I.; Agencies. «PA shutters West Bank, Israel quarantines Bethlehem after coronavirus found». www.timesofisrael.com. Consultado em 6 de março de 2020 
  8. «Bethlehem under lockdown after coronavirus cases confirmed». www.aljazeera.com. Consultado em 9 de março de 2020 
  9. «Bethlehem Becomes a Ghost Town After Coronavirus Closure». Haaretz. 8 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  10. «Palestine confirms 5 more coronavirus cases». www.aa.com.tr. Consultado em 9 de março de 2020 
  11. «The risk remains very high: 35 cases of Corona virus disease Palestine». PNN (em inglês). Consultado em 15 de março de 2020 
  12. «Palestine reports 3 new coronavirus cases in Bethlehem». www.aa.com.tr. Consultado em 15 de março de 2020 
  13. «New coronavirus case confirmed in Palestine». Roya News. 16 de março de 2020. Consultado em 16 de março de 2020 
  14. 16 March WHO
  15. «Live Updates Israeli Coronavirus Diagnoses Spike by 27 Percent, Top Brass to Prepare for Full Lockdown». Haaretz. 18 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  16. «Palestine confirms three new coronavirus cases». Wafa. 18 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  17. 18 March WHO
  18. «Due to Corona, Israel to Let Palestinian Workers Stay in Workplaces». IMEMC. 17 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  19. «Coordinating with Abbas, Israel puts virus closure on PA-ruled West Bank areas». Timews of Israel. 18 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  20. «Israel, Palestinians set up joint operations room to combat coronavirus». Jerusalem Post. 18 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  21. «UN official applauds Palestinians' efforts to cope with Coronavirus». WAFA. 18 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  22. «Spokesman: Three new cases of coronavirus in Palestine; total 47». WAFA. 19 de março de 2020. Consultado em 19 de março de 2020 
  23. «Palestine confirms new coronavirus case, recovery of 17 others». WAFA. 20 de março de 2020. Consultado em 20 de março de 2020 
  24. «Health minister confirms 4 new cases of coronavirus in Palestine, total 52, including 17 cured». WAFA. 21 de março de 2020. Consultado em 21 de março de 2020 
  25. «First coronavirus cases confirmed in the Palestinian Gaza Strip». 22 de março de 2019. Consultado em 22 de março de 2020 
  26. «Palestinians announce first two cases of coronavirus in Gaza Strip». Times of Israel. 21 de março de 2020. Consultado em 21 de março de 2020 
  27. «Palestinians confirm first coronavirus cases in Gaza». www.aa.com.tr. Consultado em 22 de março de 2020 
  28. «Six new coronavirus cases in Palestine». 22 de março de 2020. Consultado em 22 de março de 2020 
  29. 22 March WHO
  30. «WHO delegation arrives in Gaza Strip». 22 de março de 2020. Consultado em 22 de março de 2020 
  31. «Palestine PM bans movement between and inside of cities». PNN. 22 de março de 2020. Consultado em 22 de março de 2020 
  32. «Qatar donating $150mn to support Gaza's coronavirus battle». MEMO. 23 de março de 2020. Consultado em 23 de março de 2020 
  33. «Qatar announces $150 million aid to Gaza to support U.N. programs, efforts to contain coronavirus». Reuters. 23 de março de 2020. Consultado em 23 de março de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a pandemia de COVID-19 é um esboço relacionado ao Projeto Saúde. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.