Paralisia de Bell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Paralisia de Bell
Homem com paralisia de Bell à direita tentando mostrar seus dentes e elevar as sobrancelhas
Especialidade Neurologia, otorrinolaringologia, cirurgia bucomaxilofacial
Sintomas Incapacidade de mover os músculos faciais de um lado, mudança no paladar, dor ao redor da orelha[1]
Início habitual Mais de 48 horas[1]
Duração < 6 meses[1]
Fatores de risco Diabetes, recente infecção do trato respiratório superior
Método de diagnóstico Com base nos sintomas[1]
Tratamento Corticosteroides, colírio, tapa-olho[1]
Prognóstico A maioria se recupera completamente[1]
Frequência 1-4 por 10.000 por ano[2]
Classificação e recursos externos
CID-10 G51.0
CID-9 351.0
DiseasesDB 1303
MedlinePlus 000773
eMedicine emerg/56
MeSH D020330
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A paralisia de Bell é um tipo de paralisia facial que resulta em uma incapacidade temporária de controlar os músculos faciais no lado afetado do rosto.[1] Os sintomas podem variar de leve a grave.[1] Eles podem incluir contração muscular, fraqueza ou perda total da capacidade de mover um ou, em casos raros, ambos os lados do rosto.[1] Outros sintomas incluem a queda da pálpebra, alteração do paladar e dor ao redor da orelha. Normalmente, os sintomas aparecem em 48 horas.[1] A paralisia de Bell pode desencadear uma sensibilidade aumentada ao som conhecido como hiperacusia.[3]

A causa da paralisia de Bell é desconhecida.[1] Os fatores de risco incluem diabetes, recente infecção do trato respiratório superior e gravidez.[1][4] Resulta de uma disfunção do nervo facial (nervo craniano VII)[1] Muitos acreditam que isso se deve a uma infecção viral que resulta em inchaço.[1] O diagnóstico é baseado na aparência da pessoa e descartando outras causas possíveis.[1] Outras condições que podem causar fraqueza facial incluem tumor cerebral, acidente vascular cerebral, síndrome de Ramsay Hunt tipo 2, miastenia grave e doença de Lyme.[2]

A condição normalmente melhora sozinha com a maioria atingindo a função normal ou quase normal.[1] Verificou-se que os corticosteroides melhoram os resultados, enquanto os medicamentos antivirais podem ter um pequeno benefício adicional.[5] O olho deve ser protegido contra ressecamento com o uso de colírio ou tapa-olhos.[1] A cirurgia geralmente não é recomendada.[1] Frequentemente, os sinais de melhora começam em 14 dias, com recuperação completa em seis meses.[1] Alguns podem não se recuperar completamente ou apresentar recorrência dos sintomas.[1]

A paralisia de Bell é a causa mais comum de paralisia do nervo facial unilateral (70%).[2][6] Ocorre em 1 a 4 por 10.000 pessoas por ano.[2] Cerca de 1,5% das pessoas são afetadas em algum momento de suas vidas.[7] Ocorre mais comumente em pessoas entre 15 e 60 anos.[1] Homens e mulheres são afetados igualmente.[1] Seu nome é uma homenagem ao cirurgião escocês Charles Bell (1774-1842), que descreveu pela primeira vez a conexão do nervo facial com a condição.[1]

Fisiopatologia[editar | editar código-fonte]

A paralisia de Bell é o resultado de um mau funcionamento do nervo facial (nervo craniano VII), que controla os músculos da face. A paralisia facial é tipificada pela incapacidade de mover os músculos da expressão facial. A paralisia é do tipo de neurônio motor infranuclear/inferior.

Acredita-se que, como resultado da inflamação do nervo facial, a pressão é produzida no nervo onde ele sai do crânio dentro de seu canal ósseo (o forame estilomastóideo), bloqueando a transmissão de sinais neurais ou danificando o nervo. Pacientes com paralisia facial para os quais uma causa básica pode ser encontrada não são considerados como portadores de paralisia de Bell em si. As possíveis causas de paralisia facial incluem tumor, meningite, acidente vascular cerebral, diabetes mellitus, traumatismo craniano e doenças inflamatórias dos nervos cranianos (sarcoidose, brucelose,etc.). Nessas condições, os achados neurológicos raramente se restringem ao nervo facial. Bebês podem nascer com paralisia facial.[8] Em alguns casos, a paralisia facial bilateral tem sido associada à infecção aguda pelo HIV.

Em algumas pesquisas, o vírus do herpes simples tipo 1 (HSV-1) foi identificado na maioria dos casos diagnosticados como paralisia de Bell através da amostragem de fluido endoneurial.[9] Outras pesquisas, no entanto, identificaram, de um total de 176 casos diagnosticados como paralisia de Bell, HSV-1 em 31 casos (18%) e herpes zoster em 45 casos (26%).[10]

Além disso, a infecção pelo HSV-1 está associada à desmielinização dos nervos. Este mecanismo de dano nervoso é diferente do mencionado acima — que o edema, inchaço e compressão do nervo no canal ósseo estreito são responsáveis por danos nos nervos. A desmielinização pode até não ser causada diretamente pelo vírus, mas por uma resposta imune desconhecida.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Nervo facial: os núcleos do nervo facial estão no tronco cerebral (eles estão representados na ilustração como „θ“).

Em laranja: nervos oriundos do hemisfério esquerdo do cérebro
Em amarelo: nervos oriundos do hemisfério direito do cérebro.

Obs.: Observe que a inervação da testa recebe fibras de ambos hemisférios cerebrais (representada em amarelo e laranja).

A paralisia de Bell é caracterizada por uma flacidez facial súbita unilateral, que geralmente surge em horas.

Os achados mais comuns incluem a flacidez da sobrancelha, incapacidade de fechar o olho, desaparecimento do sulco nasolabial e o desvio da boca para o lado não afetado.

Outros achados possíveis incluem lacrimejamento, hiperacusia e perda do paladar nos dois terços anteriores da língua.

Em algumas pessoas pode-se observar o sinal de Bell, que corresponde ao movimento do olho para cima e para fora no lado afetado, quando o paciente tenta piscar. A paralisia ou fraqueza é frequentemente precedida ou acompanhada de dor próxima da região do ouvido.

Os médicos devem determinar se os músculos da testa estão poupados. Devido a uma peculiaridade anatômica, os músculos da testa recebem inervação de ambos os lados do cérebro. A testa pode então ainda estar enrugada (inervada) em um paciente cuja paralisia facial é causada por um problema em um dos hemisférios do cérebro (paralisia facial central). Se o problema reside no próprio nervo facial (paralisia periférica) todos os sinais nervosos são perdidos, incluindo os que vão para a musculatura da testa.

O grau de lesão do nervo pode ser avaliado através da escala de House-Brackmann.

Causas[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que alguns vírus estabeleçam uma infecção persistente (ou latente) sem sintomas, como o vírus herpes simplex, herpes zoster [11] e o vírus Epstein-Barr. A reativação de uma infecção viral existente tem sido sugerida[12] como causa da paralisia de Bell aguda. Estudos[13] sugerem que esta nova ativação poderia ser precedida por trauma, fatores ambientais e transtornos metabólicos ou emocionais, sugerindo que por fim, diversas condições podem desencadear a reativação.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

A paralisia de Bell é um diagnóstico de exclusão, por eliminação de outras causas possíveis. Logo, por definição, nenhuma causa específica pode ser confirmada. A paralisia de Bell é geralmente referida como idiopática ou criptogênica, significando que ela tem causas desconhecidas.

Exames complementares não são necessários em todos os casos. Alguns pacientes podem se beneficiar de exames de imagem, eletroneuromiografia e exames de sangue.

Diagnóstico diferencial[editar | editar código-fonte]

Diversas doenças podem ser confundidas com a paralisia de Bell e entram no diagnóstico diferencial, como, por exemplo: doença de Lyme, infecção pelo HIV, síndrome de Melkersson-Rosenthal, otite média, colesteatoma, sarcoidose, síndrome de Sjögren e tumor da glândula parótida.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Em pacientes com paralisia facial incompleta, nos quais o prognóstico de recuperação é muito bom, o tratamento pode ser desnecessário. Os pacientes que se apresentam com paralisia completa, marcada por uma incapacidade de fechar os olhos e a boca no lado envolvido, são geralmente tratados. O tratamento precoce (dentro de 3 dias a partir do surgimento) é necessário para que a terapia seja efetiva.[14] Os esteróides tem se demonstrado efetivos em melhorar a recuperação, enquanto os antivirais não.

Esteroides[editar | editar código-fonte]

A prednisolona, um corticosteroide, se usada precocemente no tratamento da paralisia de Bell, melhora significantemente as chances de recuperação completa em 3 e 9 dias quando comparada ao tratamento com a droga anti-viral aciclovir ou a nenhum tratamento.[15]

Antivirais[editar | editar código-fonte]

Os antivirais (como o aciclovir e o valaciclovir) são usados no tratamento devido a uma ligação teórica entre a paralisia de Bell e os vírus herpes simples e varicela zoster.[15]

No entanto, alguns estudos não têm demonstrado eficácia em melhorar a recuperação da paralisia de Bell em associação com os esteróides.[16]

Cuidados com os olhos[editar | editar código-fonte]

Em casos de paralisia mais intensa, o fechamento insuficiente da pálpebra e a diminuição da produção de lágrimas podem afetar a córnea. Para evitar lesões de córnea por ressecamento e trauma, costuma-se usar lágrima artificial e/ou pomadas oftalmológicas. Também podem ser utilizados óculos ou tampões protetores.

Tratamentos alternativos[editar | editar código-fonte]

A eficácia da acupuntura permanece desconhecida porque os estudos disponíveis são de baixa qualidade.[17] Os procedimentos cirúrgicos para descomprimir o nervo facial tem sido tentados, mas não tem provado benefícios.

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

Mesmo sem nenhum tratamento, a paralisia de Bell tende a ter um bom prognóstico. Em estudo feito em 1982, quando ainda nenhum tratamento estava disponível, 85% de 1.011 pacientes demonstrou os primeiros sinais de recuperação dentro das primeiras 3 semanas após o surgimento da doença. Nos 15% restantes, a recuperação ocorreu nos 3-6 meses restantes. Após uma acompanhamento de pelo menos 1 ano ou até a cura, a recuperação completa ocorre em mais de dois terços (71%) de todos os pacientes. A recuperação foi considerada moderada em 12% e pobre em somente 4% dos pacientes.[18]

Outro estudo demonstrou que a paralisia incompleta desaparece completamente, quase sempre durante um mês. Os pacientes que recuperam movimento dentro das primeiras duas semanas quase sempre recuperam-se completamente. Quando a remissão não ocorre até a terceira semana ou mais tarde, uma significante maioria dos pacientes desenvolve sequelas.[19]

Um terceiro estudo mostrou um melhor prognóstico para pacientes jovens, com idade abaixo de 10 anos, enquanto pacientes acima dos 61 anos apresentaram um pior prognóstico.[13]

Complicações[editar | editar código-fonte]

As principais complicações da paralisia de Bell são perda crônica da gustação (ageusia), espasmo facial crônico e infecções da córnea. Para prevenir estas infecções, os olhos podem ser protegidos por tapadores ou encobertos durante os períodos de sono e descanso. Colírios de composição semelhante à lágrima ou pomadas oftalmológicas podem ser recomendadas, especialmente para casos com paralisia completa. Quando o olho não fecha completamente, o reflexo do piscar também é afetado, e cuidados devem ser tomados para proteger o olho de uma lesão.

Outra complicação pode ocorrer no caso de uma regeneração incompleta ou errônea do nervo facial lesionado. O nervo pode ser considerado como um grupo de pequenas conexões nervosas individuais menores que se ramificam para seus destinos próprios. Durante a regeneração, os nervos geralmente são capazes de localizar seu caminho tradicional para o destino correto - mas alguns nervos podem seguir um caminho colateral levando a uma condição conhecida como sincinesia. Por exemplo, a regeneração de músculos que controlam os músculos anexos ao olho podem fazer um caminho colateral e também regenerar conexões que atingem os músculos da boca. Desta maneira, o movimento de um afetará o outro. Por exemplo, o canto da boca levantar-se involuntariamente em uma pessoa que fecha os olhos.

Além disso, durante a recuperação, uma parcela muito pequena dos pacientes pode exibir a síndrome das lágrimas de crocodilo, também conhecida como reflexo gustolagrimal ou síndrome de Bogorad. Nesta síndrome, as pessoas liberam lágrimas enquanto comem. Isso é creditado a uma regeneração inadequada do nervo facial, um ramo que controla as glândulas salivares e lacrimais. O suor gustativo também pode ocorrer.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A incidência anual da paralisia de Bell é de cerca de 20 para 100.000 habitantes, e a incidência aumenta com a idade.[20] A herança familiar tem sido encontrada em 4-14% dos casos.[21]

Não há predileção por raça, sexo ou localização geográfica. No entanto, a paralisia de Bell afeta três vezes mais mulheres grávidas do que mulheres não grávidas, principalmente no terceiro trimestre de gestação ou na primeira semana pós-parto.[22] Também afeta quatro vezes mais pessoas diabéticas do que a população em geral.[23]

Um faixa de diversas taxas de incidência anual já foi descrita na literatura: 15,[21] 24,[24] e 25-53[25] (todas taxas por 100.000 habitantes por ano). A paralisia de Bell não é uma doença que deve ser notificada, o que complica a aferição de suas estatísticas.

História[editar | editar código-fonte]

Sir Charles Bell

O médico persa Muhammad ibn Zakariya al-Razi (865-925) detalhou a primeira descrição conhecida da paralisia facial periférica e central.[26][27]

Cornelis Stalpart van der Wiel (1620-1702) em 1683 fez um relato da paralisia de Bell e creditou ao médico persa Ibn Sina (980-1037) a descrição dessa condição diante dele. James Douglas (1675-1742) e Nicolaus Anton Friedreich (1761-1836) também o descreveram.

Sir Charles Bell, que dá nome à doença, apresentou três casos na Royal Society of London em 1829. Dois casos foram idiopáticos e o terceiro devido a um tumor na glândula parótida.

Uma pessoa notável com paralisia de Bell é o ex-primeiro-ministro do Canadá, Jean Chrétien. Durante a eleição federal canadense de 1993, a primeira de Chrétien como líder do Partido Liberal do Canadá, o opositor Partido Conservador Progressivo do Canadá publicou um anúncio de ataque no qual dubladores o criticavam por causa de imagens que pareciam destacar suas expressões faciais anormais. O anúncio foi interpretado como um ataque à aparência física de Chrétien e gerou raiva generalizada entre o público, enquanto Chrétien usou o anúncio para se tornar mais simpático aos eleitores. O anúncio teve o efeito adverso de aumentar a liderança de Chrétien nas pesquisas e a reação subsequente garantiu a eleição para os liberais, que o partido ganhou de forma esmagadora.

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w «Bell's Palsy Fact Sheet» [Ficha informativa sobre paralisia de Bell]. NINDS (em inglês). 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 23 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 8 de abril de 2011 
  2. a b c d Fuller, Geraint; Morgan, Cathy (Dezembro de 2016). «Bell's palsy syndrome: mimics and chameleons» [Síndrome da paralisia de Bell: mímicos e camaleões] (em inglês). 16 6ª ed. Practical Neurology. pp. 439–444. PMID 27034243. doi:10.1136/practneurol-2016-001383. Consultado em 23 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 27 de abril de 2021 
  3. Purves, Dale (2012). Neuroscience [Neurociência] 5ª ed. Sunderland (Massachusetts): Sinauer. p. 283. ISBN 9780878936953. Consultado em 23 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 9 de março de 2021 
  4. Hussain, Ahsen; Nduka, Charles (Maio de 2017). «Bell's facial nerve palsy in pregnancy: a clinical review» [Paralisia do nervo facial de Bell na gravidez: uma revisão clínica] (em inglês). 37 4ª ed. Journal of Obstetrics and Gynaecology. pp. 409–415. ISSN 1364-6893. PMID 28141956. doi:10.1080/01443615.2016.1256973. Consultado em 23 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2021 
  5. Gagyor, Ildiko; Madhok, Vishnu B; Daly, Fergus; Somasundara, Dhruvashree; Sullivan, Michael; Gammie, Fiona; Sullivan, Frank (Novembro de 2015). «Antiviral treatment for Bell's palsy (idiopathic facial paralysis)» [Tratamento antiviral para paralisia de Bell (paralisia facial idiopática)] (PDF) 11ª ed. The Cochrane Database of Systematic Reviews. pp. CD001869. PMID 26559436. doi:10.1002/14651858.CD001869.pub8. Consultado em 23 de outubro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 24 de fevereiro de 2021 
  6. Dickson, Gretchen (2014). Primary Care ENT, An Issue of Primary Care: Clinics in Office Practice [Otorrinolaringologia da Atenção Básica, Uma Questão da Atenção Básica: Clínicas na Prática de Consultório] (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 138. ISBN 978-0323287173. Consultado em 23 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2020 
  7. Grewal, D. S. (2014). Atlas of Surgery of the Facial Nerve: An Otolaryngologist's Perspective [Atlas de Cirurgia do Nervo Facial: Perspectiva do Otorrinolaringologista] (em inglês). [S.l.]: Jaypee Brothers Publishers. p. 46. ISBN 978-9350905807. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2016 
  8. Shela, Amit M. (2001). «Facial nerve palsy due to birth trauma» [Paralisia do nervo facial devido a trauma de nascimento]. medlineplus.gov. Consultado em 26 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2021 
  9. Murakami, Shingo; Mizobuchi, Mutsuhiko; Nakashiro, Yuki; Doi, Takashi; Hato, Naohito; Yanagihara, Naoaki (1 de Janeiro de 1996). «Bell palsy and herpes simplex virus: identification of viral DNA in endoneurial fluid and muscle» [Paralisia de Bell e vírus do herpes simples: identificação de DNA viral no fluido endoneural e músculo] 1ª pt.1 ed. Annals of Internal Medicine (em inglês). 124: 27–30. PMID 7503474. doi:10.7326/0003-4819-124-1_Part_1-199601010-00005 
  10. Furuta, Yasushi; Ohtani, Fumio; Chida, Eiji; Mesuda, Yasushi; Fukuda, Satoshi; Inuyama, Yukio (Maio de 2001). «Herpes simplex virus type 1 reactivation and antiviral therapy in patients with acute peripheral facial palsy» [Reativação do vírus do herpes simples tipo 1 e terapia antiviral em pacientes com paralisia facial periférica aguda]. Auris, Nasus, Larynx (em inglês). 28: 13–17. PMID 11683332. doi:10.1016/S0385-8146(00)00105-X 
  11. Facial Nerve Problems and Bell's Palsy Information on MedicineNet.com
  12. Furuta Y, Ohtani F, Chida E, Mesuda Y, Fukuda S, Inuyama Y (2001). «Herpes simplex virus type 1 reactivation and antiviral therapy in patients with acute peripheral facial palsy». Auris Nasus Larynx. 28 Suppl: S13–7. PMID 11683332. doi:10.1016/S0385-8146(00)00105-X 
  13. a b Kasse et al. (2003) Clinical data and prognosis in 1521 cases of Bell’s palsy. International Congress Series (2003) Issue Vol.1240 Page no. 641-647 ISSN 05315131 (page 646)
  14. Hato N, Matsumoto S, Kisaki H; et al. (2003). «Efficacy of early treatment of Bell's palsy with oral acyclovir and prednisolone». Otol. Neurotol. 24 (6): 948–51. PMID 14600480. doi:10.1097/00129492-200311000-00022 
  15. a b Sullivan FM, Swan IR, Donnan PT; et al. (2007). «Early treatment with prednisolone or acyclovir in Bell's palsy». N. Engl. J. Med. 357 (16): 1598–607. PMID 17942873. doi:10.1056/NEJMoa072006 
  16. Lockhart P, Daly F, Pitkethly M, Comerford N, Sullivan F (2009). «Antiviral treatment for Bell's palsy (idiopathic facial paralysis)». Cochrane Database Syst Rev (4): CD001869. PMID 19821283. doi:10.1002/14651858.CD001869.pub4 
  17. He L, Zhou MK, Zhou D; et al. (2007). «Acupuncture for Bell's palsy». Cochrane Database Syst Rev (4): CD002914. PMID 17943775. doi:10.1002/14651858.CD002914.pub3 
  18. Peitersen E (1982). «The natural history of Bell's palsy». Am J Otol. 4 (2): 107–11. PMID 7148998  quoted in Roob G, Fazekas F, Hartung HP (1999). «Peripheral facial palsy: etiology, diagnosis and treatment». Eur. Neurol. 41 (1): 3–9. PMID 9885321. doi:10.1159/000007990 
  19. Peitersen E, Andersen P (1966). «Spontaneous course of 220 peripheral non-traumatic facial palsies». Acta Otolaryngol.: Suppl 224:296+. PMID 6011525 
  20. Ahmed A (2005). «When is facial paralysis Bell palsy? Current diagnosis and treatment». Cleve Clin J Med. 72 (5): 398–401, 405. PMID 15929453. doi:10.3949/ccjm.72.5.398 
  21. a b Döner F, Kutluhan S (2000). «Familial idiopathic facial palsy». Eur Arch Otorhinolaryngol. 257 (3): 117–9. PMID 10839481. doi:10.1007/s004050050205. Consultado em 27 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2013 
  22. Bender, Paula Gillingham. "Facing Bell's Palsy while pregnant." Arquivado em 10 de maio de 2005, no Wayback Machine. (Commercial website). Sheknows: Pregnancy and Baby. Retrieved on 2007-09-06.
  23. "Bell's Palsy InfoSite & Forums: Facial Paralysis FAQs" (Website). Bell's Palsy Information Site. Retrieved on 2007-09-06.
  24. Wolf SR (1998). «[Idiopathic facial paralysis]». HNO (em German). 46 (9): 786–98. PMID 9816532. Consultado em 27 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 23 de junho de 2000 
  25. Morris AM, Deeks SL, Hill MD; et al. (2002). «Annualized incidence and spectrum of illness from an outbreak investigation of Bell's palsy». Neuroepidemiology. 21 (5): 255–61. PMID 12207155. doi:10.1159/000065645 
  26. Sajadi, Mohammad M.; Sajadi, Mohamad-Reza M.; Tabatabaie, Seyed Mahmoud (Julho de 2011). «The history of facial palsy and spasm: Hippocrates to Razi» [A história da paralisia facial e espasmo: Hipócrates a Razi] 2ª ed. Neurology (em inglês). 77: 174-178. PMC 3140075Acessível livremente. PMID 21747074. doi:10.1212/WNL.0b013e3182242d23 
  27. van de Graaf,, Robert C.; Nicolai, Jean-Philippe A. (Novembro de 2005). «Bell's palsy before Bell: Cornelis Stalpart van der Wiel's observation of Bell's palsy in 1683» [A paralisia de Bell antes de Bell: a observação de Cornelis Stalpart van der Wiel sobre a paralisia de Bell em 1683] 6ª ed. Otology & Neurotology (em inglês). 26: 1235-1238. PMID 16272948. doi:10.1097/01.mao.0000194892.33721.f0