Park Geun-hye

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Este é um nome coreano; o nome de família é Park.
Park Geun-hye
박근혜
11ª Presidente da Coreia do Sul Coreia do Sul
Período 25 de fevereiro de 2013
a 25 de fevereiro de 2018
Antecessor(a) Lee Myung-bak
Sucessor(a) -
Líder do Partido Saenuri
Período 17 de dezembro de 2011
a 15 de maio de 2012
Antecessor(a) Hong Jun-pyo
Sucessor(a) Hwang Woo-yea
Período 23 de março de 2004
a 10 de julho de 2006
Antecessor(a) Choe Byeong-ryeol
Sucessor(a) Kang Jae-sup
Primeira-dama da Coreia do Sul
Período 16 de agosto de 1974
a 26 de outubro de 1979
Antecessor(a) Yuk Young-soo
Sucessor(a) Hong Gi
Membro da Assembleia Nacional
Período 30 de maio de 2012
a 10 de dezembro de 2012
Período 3 de abril de 1998
a 29 de maio de 2012
Antecessor(a) Kim Suk-won
Sucessor(a) Lee Jong-jin
Vida
Nascimento 2 de fevereiro de 1952 (64 anos)
Daegu, Coreia do Sul
Dados pessoais
Alma mater Universidade Sogang
Universidade de Grenoble
Partido Saenuri
Religião Ateísmo[1]
Park Geun-hye
Nome em coreano
Hangul 박근혜
Hanja 槿
Romanização Revisada Bak Geunhye
McCune-Reischauer Pak Kŭnhye

Park Geun-hye (Daegu, 2 de fevereiro de 1952) é a atual presidente da Coreia do Sul e a primeira presidente mulher de seu país.[2] Ela foi a presidente do partido conservador Grande Partido Nacional (GNP) entre 2004 e 2006 e entre 2011 e 2012 (o GNP mudou seu nome para "Partido Saenuri" em fevereiro de 2012). Park foi membro da Assembleia Nacional da Coreia do Sul, servindo por quatro legislaturas consecutivas como representante constituinte entre 1998 e 2012, e seu quinto mandato foi de junho a dezembro de 2012.

É filha de Park Chung-hee (que foi presidente de 1963 a 1979), cujo governo foi marcado pelo forte anticomunismo e pelo Milagre do Rio Han, período de significativo crescimento econômico. Enquanto jovem, teve ambos os pais assassinados; em 1974, no Teatro Nacional da Coréia, sua mãe Yuk Young-soo foi morta por um tiro disparado por um norte-coreano, que tinha como objetivo assassinar Park Chung-hee, seu pai. Em 1979, seu pai foi morto por um tiro disparado pelo diretor da Agência Central de Inteligência da Coréia do Sul.

Park Geun-hye, assim como seu predecessor e companheiro de partido Lee Myung-bak, é contra a chamada Sunshine Policy ("Política do Pôr-do-sol"). A presidente adota uma política mais dura ante agressões norte-coreanas, mas é a favor da reunificação da península. Ela é geralmente considerada como uma das políticas mais influentes da Coreia desde os "três Kims" (Kim Young-sam, Kim Dae-jung e Kim Jong-pil).[3]

Presidência[editar | editar código-fonte]

Park Geun-hye em seu discurso de posse, 2013.

Park tornou-se o 11ª presidente da Coreia do Sul em 25 de fevereiro de 2013, sucedendo a Lee Myung-bak. À meia-noite do mesmo dia, ela tomou posse de toda as autoridades presidenciais, incluindo a prerrogativa de Comandante Supremo das Forças armadas do país. Em seu discurso de posse diante da Assembleia Nacional, Park mencionou seus planos de uma "nova era de esperança", citando também seus objetivos de "prosperidade econômica, felicidade do povo e enriquecimento cultural". A presidente expressou particularmente suas expectativas de que a Coreia do Norte entregasse suas armas nucleares e de uma era de reunificação dos dois países.

A cerimônia de posse foi a maior na história da Coreia do Sul, com público de mais de 70.000 pessoas. Além de representantes diplomáticos residentes no país, delegações estrangeiras foram enviadas de 24 países do mundo; entre os quais a ex-primeira-ministra tailandesa Yingluck Shinawatra, o então Conselheiro de Segurança Nacional Thomas Donilon e o ex-primeiro-ministro japonês Yasuo Fukuda.

Política externa[editar | editar código-fonte]

Um de seus primeiros atos externos como Presidente da Coreia do Sul foi um encontro bilateral com o Secretário de Estado John Kerry e o Presidente Barack Obama. A visita de Park aos Estados Unidos foi sua primeira viagem ao estrangeiro após sua posse presidencial. A viagem durou de 5 a 9 de maio de 2013, incluindo as cidades de Washington, D.C., Nova Iorque e Los Angeles.[4]

Assim como a grande maioria de seus antecessores, Park têm tido uma postura próxima com os Estados Unidos, que mantém cerca de 20 mil militares no país.[5] Durante sua visita de Estado aos Estados Unidos, Park discursou diante do Congresso dos Estados Unidos, onde conclamou por uma ação conjunta contra as ameaças da Coreia do Norte. Park também sugeriu uma relação global mais ampla entre os dois países.[6] Segundo sua avaliação sobre a segurança na península coreana, as capacidades de dissuasão são o fator mais importante. Park afirmou, no discurso, que a aliança coreana-estadunidense é a "mais bem-sucedida do mundo".

Referências

  1. Kang Hyun-kyung (3 de setembro de 2012). «Atheist Park may have advantages». Consultado em 20 de dezembro de 2012. 
  2. Geoffrey Lou Guray (19 de dezembro de 2012). «South Korea Elects First Female President -- Who Is She?». PBS NewsHour. Consultado em 19 de dezembro de 2012. 
  3. Sin Su-jeong(신수정) (14 de julho de 2009). «역시 박근혜! 지지율 29% 1위…5월보다 다소 하락 (Park Geun-hye topped with 29% approval rate.. slightly declined from May)». Herald Business(헤럴드 경제) (em coreano). Consultado em 13 de maio de 2012. 
  4. Parsons, Christi (07 de maio de 2013). «North Korea looms over Obama's meeting with South Korea president». Los Angeles Times. 
  5. Christine Ahn; Hyun Lee (21 de outubro de 2011). «Number of US troops in South Korea by year». NZ-DPRKSociety. 
  6. «SBS 뉴스 :: 리다이렉트 페이지». 
Precedido por
Lee Myung-bak
Presidente da Coreia do Sul
2013 - presente
Sucedido por
Incumbente
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Park Geun-hye