Quaga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaQuaga
Estado de conservação
Extinta
Extinta  (1883) (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Perissodactyla
Família: Equidae
Gênero: Equus
Espécie: E. quagga
Subespécie: E. q. quagga
Nome trinomial
Equus quagga quagga
(Boddaert, 1785)
Distribuição geográfica
Antiga área de ocorrência (em vermelho)
Antiga área de ocorrência (em vermelho)
Sinónimos

Quaga (nome científico: Equus quagga quagga) é uma subespécie extinta de zebra-da-planície. Muito numerosos no passado, os quagas viviam no sul da África. Ao contrário das outras zebras, estes animais apresentavam listras apenas na metade da frente do corpo, enquanto que a traseira era de cor castanha lisa. A extinção dos quagas foi causada pela caça massiva dos colonos bôeres, que procuravam a sua carne e pele. O fato de se alimentarem nas pastagens do gado foi também um fator que levou ao extermínio. O último animal foi caçado em 1878 e o último exemplar morreu no Jardim Zoológico de Amesterdã em 1883.

O quagga (Equus quagga quagga) foi uma subespécie de zebra das planícies que viveu na África do Sul até ser extinta no final do século XIX. Por muito tempo se pensou que fosse uma espécie distinta, mas os primeiros estudos genéticos confirmaram que era uma subespécie de zebra das planícies. Um estudo mais recente sugeriu que era o cline ou ecótipo mais meridional da espécie. O nome foi derivado de sua chamada, que soava como "kwa-ha-ha".

Com cerca de dois metros e meio de comprimento e 1,35 m de altura até ombro, o quaga se distinguia de outras zebras por seu padrão limitado de listras essencialmente marrons e brancas, principalmente na parte frontal do corpo. A traseira era marrom e sem listras, parecida com a de um cavalo. A distribuição das listras variou consideravelmente entre os indivíduos. Pouco se sabe sobre o comportamento do quaga, mas ele formava bandos de 30 a 50 indivíduos. Os quagas foram descritos como selvagens e vívidos, mas também eram considerados mais dóceis que a zebras-de-burchell. Eles eram encontrados em grande número na região de Karoo da Província do Cabo e na parte sul do Estado Livre de Orange na África do Sul.

Depois que a colonização holandesa na África do Sul começou, o quagga foi amplamente caçado, pois competia com animais domesticados por forragem. Alguns foram levados para zoológicos na Europa, mas os programas de reprodução não tiveram sucesso. A última população selvagem vivia no Estado Livre de Orange; o quagga foi extinto na natureza em 1878. O último espécime cativo morreu em Amsterdã em 12 de agosto de 1883. Apenas um quagga foi fotografado vivo e apenas 23 peles estão preservadas hoje. Em 1984, o quagga foi o primeiro animal extinto a ter seu DNA analisado. O Projeto Quagga está tentando recriar o fenótipo do padrão de pelagem e características relacionadas por meio da criação seletiva de zebras de Burchell.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Ilustração de 1804 de Samuel Daniell, que foi a base da suposta subespécie E. q. Danielli.

A palavra "quaga" (quagga, em inglês) significa "zebra" na língua do povo Khoikhoi, nativo do sul da África.[2][3] É uma onomatopeia do som emitido pelo animal, às vezes transcrito como kwa-ha-ha,[4] kwahaah,[5] ou oug-ga.[6] Até hoje o nome ainda é usado coloquialmente por algumas pessoas para se referir a zebra-da-planície.[4] A primeira descrição científica do quaga foi a do naturalista holandês Pieter Boddaert, em 1778. Ele considerou o animal como um espécie distinta, batizando-o com o binômio Equus quagga.[7] O quaga, a zebra-da-planície e a zebra-da-montanha foram tradicionalmente classificados no subgênero Hippotigris.[8]

Sempre houve muito debate sobre o grau de "parentesco" do quaga em relação à zebra-da-planície, se é uma subespécie desta ou uma espécie separada. Ele está muito mal representado no registro fóssil, e a identificação dos poucos resquícios encontrados é incerta, uma vez que foram coletados num momento histórico no qual a palavra "quaga" se referia a todas as zebras.[4] Crânios fósseis de Equus mauritanicus da Argélia foram apontados como tendo afinidades com o quaga e a zebra-da-planície, mas podem estar muito danificados para permitir que conclusões definitivas sejam tiradas a partir deles.[9] Quagas também foram identificados em pinturas rupestres atribuídas ao povo .[10] O zoólogo britânico Reginald Innes Pocock, em 1902, foi talvez o primeiro a sugerir que o quaga é uma subespécie de zebra-da-planície. Como o animal foi descrito cientificamente e batizado antes da zebra-da-planície, o nome trinominal para o quaga ficou E. quagga quagga; prevalecendo o binômio E. quagga para a zebra-da-planície e, consequentemente, todas as suas outras subespécies.[9]

Quaga jovem e um macho adulto de zebra-de-burchell por Robert Gordon (1777).

Historicamente, a taxonomia do quaga foi ainda mais difícil de ser definida porque acreditava-se que a população extinta mais austral de zebra-de-burchell (Equus quagga burchellii, antes Equus burchellii burchellii) era uma subespécie distinta (às vezes até mesmo considerada uma espécie separada, E. burchellii). A população vivente de zebra-da-planície mais ao norte, a "zebra-de-damara", chegou a ser chamada de Equus quagga antiquorum, mas sabe-se hoje que se trata do mesmo táxon da zebra-de-burchell. Durante muito tempo pensou-se que a população extinta era muito próxima do quaga, uma vez que a pelagem também exibia poucas listras na parte traseira.[8] Com base nisso, Shortridge classificou os dois no agora em desuso subgênero Quagga em 1934.[11] A maioria dos especialistas sugere que as duas subespécies representam duas extremidades de uma variação clinal.[12]

Diferentes subespécies de zebras-das-planícies foram reconhecidas como membros do táxon Equus quagga pelos primeiros pesquisadores, porém houve muita confusão sobre quais delas eram válidas.[13] Subespécies de quaga foram descritas com base em disparidades nos padrões das listras, mas essas diferenças foram atribuídas a variações individuais dentro das mesmas populações.[14] Algumas subespécies e até mesmo espécies, tal como E. q. danielli e Hippotigris isabellinus, foram propostas tendo como base apenas ilustrações (iconotipos) de espécimes aberrantes de quagas.[15][16] Alguns autores descreveram o quaga como uma espécie de cavalo selvagem, em vez de uma zebra, e um estudo craniométrico de 1980 parecia confirmar seu parentesco com o cavalo (Equus caballus).[12] Hoje, acredita-se que os primeiros estudos morfológicos estavam equivocados. O uso de esqueletos de espécimes empalhados pode ser problemático, porque os taxidermistas mais antigos às vezes usavam crânios de burros e cavalos dentro das peças que montavam quando os originais não estavam disponíveis.[17]

Evolução[editar | editar código-fonte]

Esqueleto no Grant Museum, um dos sete que restaram.

O quaga foi o primeiro animal extinto a ter seu DNA analisado,[18] e este estudo, feito em 1984, lançou o campo da análise de DNA antigo. A pesquisa confirmou que o quaga é mais estreitamente relacionado com zebras do que cavalos,[19] com o quaga e a zebra-da-montanha (Equus zebra) compartilhando um antepassado de 3 a 4 milhões de anos atrás.[18] Um estudo imunológico publicado no ano seguinte, revelou que o quaga está mais próximo da zebra-das-planícies.[20] Outro artigo de 1987 sugeriu que o DNA mitocondrial do quaga divergiu numa faixa de cerca de 2% por milhão de anos, similar ao que acontece em outras espécies de mamíferos, e mais uma vez confirmou sua estreita relação com a zebra-da-planície.[21]

Estudos morfológicos posteriores chegaram a conclusões conflitantes. A análise de medições cranianas feita em 1999 descobriu que o quaga era tão diferente da zebra-da-planície quanto esta o é da zebra-da-montanha.[19] Até que, em 2004, um estudo de peles e crânios, sugeriu que o quaga não era uma espécie separada, mas sim uma subespécie da zebra-da-planície.[8] Apesar desta descoberta, muitos autores ainda consideram a zebra-da-planície e o quaga como sendo espécies distintas.[4]

Um estudo genético publicado em 2005 confirmou o status de subespécie do quaga. A pesquisa mostrou que o animal tinha pouca diversidade genética, e que divergiu das outras subespécies de zebras-das-planícies apenas entre 120 mil e 290 mil anos atrás, durante o Pleistoceno, e possivelmente no penúltimo máximo glacial. Seu padrão de pelagem diferente talvez tenha evoluído rapidamente por causa do isolamento geográfico e/ou adaptação a um ambiente mais seco. Além disso, as subespécies de zebras-das-planícies tendem a ser menos listradas quanto mais ao sul é seu habitat, e o quaga era o que vivia mais ao sul de todos eles. Outros grandes ungulados africanos também divergiram em outras espécies e subespécies durante este mesmo período, provavelmente por causa da mesma mudança climática.

O cladograma simplificado abaixo é baseado na análise de 2005 (alguns táxons compartilham haplótipos e não podem, portanto, serem diferenciados):[19]

A pele do Museu de História Natural de Berlim teve seu DNA analisado.


zebra-das-montanhas (E. zebra)




zebra-de-grevy (E. grevyi)





quaga (E. q. quagga)



zebra-de-damara (E. q. antiquorum) - zebra-de-chapman (E. q. chapmani)




zebra-de-grant (E. q. boehmi)





Um estudo genético de 2018 das populações de zebras-das-planícies confirmou o quaga como um membro da espécie. Os pesquisadores não encontraram evidências de diferenciação subespecífica com base nas diferenças morfológicas entre as populações de zebras que vivem mais ao sul, incluindo os quagas. As populações modernas de zebras-das-planícies podem ter se originado do sul da África, e o quaga parece ser menos divergente das populações vizinhas do que a população vivente mais ao norte, no nordeste de Uganda. Em vez disso, o estudo apoiou um continuum genético norte-sul para zebras-das-planícies, com a população de Uganda sendo a mais distinta. As zebras da Namíbia parecem ser as mais próximas geneticamente dos quagas.[22]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Pintura de um garanhão na coleção de Luís XVI em Versalhes por Nicolas Maréchal (1793).

Diversos relatos indicam que o quaga media cerca de 2,57 metros de comprimento e 1,25 a 1,35 metros de altura até o ombro.[12] Seu padrão de pelagem era único entre os equídeos: semelhante ao da zebra na frente, porém mais parecido com o do cavalo na parte traseira do corpo.[19] O animal tinha listras marrons na cabeça e no pescoço, lombo marrom, e abdome, cauda e patas brancas. As listras eram mais escuras na cabeça e no pescoço e tornavam-se gradualmente mais claras em direção às espáduas, misturando-se com o marrom avermelhado do dorso e flancos, até desaparecer ao longo do costado. Pode ter possuído um alto grau de polimorfismo, com alguns indivíduos praticamente sem listras e outros com padrões semelhantes à população mais ao sul (já extinta) da zebra-de-burchell, na qual as listras cobriam a maior parte do corpo, exceto a parte traseira, patas e abdome.[12] Os quagas também tinham uma larga faixa dorsal escura, além de uma crina ereta com listras marrons e brancas.[6]

Fêmea do zoológico de Londres (1870), único quaga fotografado vivo.

O único quaga fotografado vivo foi uma fêmea que vivia no Zoológico de Londres. São conhecidas cinco fotografias deste indivíduo, todas tiradas entre 1863 e 1870.[23] Com base nessas imagens e nos relatos escritos, vários observadores acreditam que as listras nos quagas eram claras sobre um fundo escuro, ao contrário de outras zebras. Reinhold Rau, pioneiro do Projeto Quagga, afirmou que se trata de uma ilusão de óptica; na verdade, a cor base é branco creme e as listras são grossas e escuras.[12] No entanto, evidências embriológicas sustentam a ideia de que as zebras são de cor escura com posterior surgimento de listas brancas.[24]

Vivendo na região mais ao sul da área de ocorrência das zebras-das-planícies, o quaga tinha uma espessa pelagem de inverno que trocava todo ano. Seu crânio foi descrito como tendo um perfil reto e um diastema côncavo, e como sendo relativamente largo com um occipital estreito.[8][25] Tal como outras zebras-das-planícies, o quaga não tinha uma papada no pescoço como a da zebra-da-montanha.[9] Um estudo morfológico de 2004 descobriu que as características do esqueleto da população mais ao sul da zebra-de-burchell e do quaga são sobrepostas, e que são impossíveis de ser distinguidas. Alguns exemplares também pareciam ser intermediários entre os dois no que se refere às listras, e alguns indivíduos da população sobrevivente da zebra-de-burchell ainda exibem um padrão de listras limitado. Por conseguinte, pode concluir-se que morfologicamente as duas subespécies são muito parecidas. Hoje, alguns exemplares empalhados de quagas e zebras-de-burchell do sul são tão semelhantes que é impossível identifica-los com precisão, caso não haja registro da localização onde o exemplar foi obtido. As fêmeas utilizadas no estudo eram, em média, maiores que os machos.[8]

Comportamento e ecologia[editar | editar código-fonte]

O quaga foi a subespécie de zebra-da-planície cuja área de distribuição estava mais ao sul no continente africano; eles viviam principalmente ao sul do rio Orange. Era um animal que pastava, e o alcance de seu habitat era restrito aos campos e ao cerrado árido da região do Karoo na África do Sul, hoje parte das províncias de Cabo Setentrional, Cabo Oriental, Cabo Ocidental e Estado Livre.[12][26] Estas áreas são conhecidas por suas flora e fauna peculiares e grande quantidade de espécies endêmicas.[25][27]

Pouco se sabe sobre o comportamento dos quagas na natureza. Além disso, às vezes não fica claro nos relatos antigos sobre qual tipo de zebra o autor está se referindo.[12] A única fonte que descreve de forma inequívoca o quaga na província de Estado Livre é o registro do militar, engenheiro e caçador inglês William Cornwallis Harris.[8] Ele escreveu em 1840:

Pintura baseada num modelo vivo de um quaga macho vivo por Jacques-Laurent Agasse, do início da década de 1800.

Quagas eram vistos em rebanhos de 30 a 50 indivíduos e, por vezes, viajavam enfileirados.[12] Eles podem ter sido simpátricos com as zebras-de-burchell entre os rios Vaal e Orange.[8][27] Esta afirmação é questionada,[8] e não há nenhuma evidência de que eles se acasalavam.[27] Também poderia ter compartilhado uma pequena parte de seu território com a zebra-das-montanhas de Hartmann (Equus zebra hartmannae).[19]

A fêmea de Londres e um cuidador do zoológico, 1864.

Os quagas foram descritos como animais muito ativos e temperamentais, especialmente os garanhões. Durante a década de 1830, foram usados ​​como animais de tração para carruagens em Londres, e os machos provavelmente eram castrados para mitigar sua natureza volátil.[29] Fazendeiros também os usaram para proteger seus gados, pois geralmente atacavam invasores.[29][30] Por outro lado, quagas que viviam em cativeiro em zoológicos europeus foram apontados como domáveis e mais dóceis que a zebra-de-burchell. Há relato de um indivíduo que viveu em cativeiro por 21 anos e 4 meses, morrendo em 1872.[12]

Uma vez que a função prática das listras não foi determinada para zebras em geral, não está claro por que o quaga não tinha listras em suas partes traseiras. Uma função críptica para proteção contra predadores (listras obscurecem uma zebra individual no rebanho) e moscas-picadoras (que são menos atraídas por objetos listrados), bem como várias funções sociais, são hipóteses que tem sido propostas para zebras em geral. As diferenças nas listras das partes traseiras podem ter ajudado no reconhecimento intra-específico durante a debandada de rebanhos mistos, de modo que os membros de uma subespécie ou espécie seguiriam sua própria espécie. Também há evidências de que as zebras desenvolveram padrões de listras como termorregulação para se resfriar, e que o quaga os perdeu pois vivia num clima mais frio,[31] embora as zebras-das-montanhas vivam em ambientes semelhantes e têm um padrão listrado bem destacado.[32] Um estudo de 2014 apoiou fortemente a hipótese da mosca-picadora, e o quaga parece ter vivido em áreas com menor quantidade de atividade da mosca do que outras zebras.[33]

Declínio e extinção[editar | editar código-fonte]

O último quaga é exibido empalhado no Naturalis, em Leiden

Fácil de ser encontrado e morto, o quaga foi caçado pelos primeiros colonos neerlandeses, e mais tarde pelos bôeres, por sua carne e pele. As peles eram comercializadas ou utilizadas pelos próprios habitantes locais. O animal era especialmente vulnerável ​​à extinção devido a sua distribuição limitada, e pode ter competido com o gado doméstico por pastagens.[30] Já havia desaparecido de boa parte de sua área de ocorrência ainda na década de 1850. A última população na natureza, no Estado Livre de Orange, foi extirpada no final da década de 1870.[12] E o último indivíduo selvagem conhecido morreu em 1878.[30]

Exemplares de quagas também foram capturados e enviados para a Europa, onde eram exibidos em zoológicos.[12] Lorde Morton, na tentativa de salvar o animal da extinção, iniciou em Londres um programa de reprodução em cativeiro. Mas só conseguiu obter um único quagua: um indivíduo macho que, por falta de opção, cruzou com uma égua comum. O resultado foi o nascimento de uma fêmea híbrida com listras de zebra no dorso e nas patas. A égua do Lorde Morton, como ficou conhecida, foi vendida e posteriormente cruzada com um garanhão preto, resultando em uma descendência que voltou a ter listras da zebra, conforme a descrição publicada em 1820 pela Royal Society.[34] Esta sequência de cruzamentos levou a novas ideias sobre telegonia, referida como pangênese por Charles Darwin.[26] No final do século XIX, o zoólogo escocês James Cossar Ewart argumentou contra essas ideias e provou, com várias experiências de cruzamentos, que as listras de zebra podem aparecer como uma característica atávica a qualquer momento.[35]

Quaga e pombo-passageiro no Museu de História Natural de Basileia: dois ícones da extinção provocada por humanos.

O quaga foi por muito tempo considerado um candidato adequado para domesticação, pois era visto como o mais dócil dos "cavalos listrados". Os primeiros colonos holandeses na África do Sul já haviam aventando essa possibilidade, porque seus cavalos importados não se saíam muito bem no clima extremo, e eram regularmente vítimas da temida peste equina africana. Em 1843, o naturalista inglês Charles Hamilton Smith escreveu que o quaga era "inquestionavelmente o melhor concebido para a domesticação, tanto no que diz respeito à força quanto à docilidade". Houve apenas alguns poucos registros de espécimes domesticados ou domados na África do Sul. Na Europa, os únicos casos confirmados são de dois machos na tração de um faetonte conduzido por Joseph Wilfred Parkins, xerife de Londres entre 1819 e 1820; e os quagas e seus filhotes híbridos do zoológico de Londres, usados ​​para puxar um carrinho e transportar vegetais do mercado para o zoológico. Em 1889, seis anos depois da morte do último quaga, o naturalista Henry Bryden escreveu que o fato de "um animal tão bonito, tão capaz de ser domesticado e usado," e tão abundante até pouco tempo atrás, ter sido varrido da face da Terra era "certamente uma vergonha para a civilização dos nossos dias".[35][36]

O espécime de Londres morreu em 1872, e o de Berlim em 1875. O último exemplar em cativeiro, uma fêmea do zoológico Natura Artis Magistra, em Amsterdã, viveu naquele local de 9 de maio de 1867 até sua morte em 12 de agosto de 1883, mas sua procedência e a causa mortis não foram registradas.[14] Na época, sua morte não foi reconhecida como significando a extinção de sua linhagem, e o zoológico solicitou outro espécime; os caçadores acreditavam que o animal ainda podia ser encontrado adentrando-se mais no território da Colônia do Cabo. Como os habitantes locais usavam o termo quagga para se referir a todas as zebras, isso pode ter causado confusão. A extinção do quaga foi internacionalmente aceita pela Convenção para a Preservação de Animais Selvagens, Pássaros e Peixes na África em 1900. Existem 23 espécimes de quaga empalhados e montados em todo o mundo, incluindo um jovem, dois potros e um feto. Além disso, restaram uma cabeça e pescoço montados, um pé, sete esqueletos completos e amostras de vários tecidos. Um vigésimo quarto espécime montado foi destruído em Königsberg, na Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial; e vários outros esqueletos e ossos foram perdidos ao longo dos anos.[37][38] O último exemplar vivo foi homenageado em um selo holandês em 1988.[39]

Projeto Quagga[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Projeto Quagga
Zebras-das-planícies normais e zebras do Projeto Quagga no Parque Nacional Mokala.

Após a descoberta do parentesco muito próximo entre o quaga e as zebras-das-planícies que ainda vivem na natureza, Reinhold Rau iniciou o Projeto Quagga em 1987 na África do Sul. Através da técnica de reprodução seletiva, o projeto visa produzir uma população de zebras-das-planícies com um padrão de pelagem de listras reduzidas, semelhante ao dos quagas. Eventualmente, esses animais seriam soltos na antiga área de ocorrência do quaga. Para diferenciar os quagas e as zebras do projeto, os envolvidos no programa se referem a elas como "Rau quaggas". A população fundadora foi composta por 19 indivíduos da Namíbia e da África do Sul, escolhidos por terem faixas reduzidas na parte traseira do corpo e nas pernas. O primeiro potro do projeto nasceu em 1988. Após a criação de uma população suficientemente parecida com o quaga, os participantes do projeto planejam fazer a soltura no Cabo Ocidental.[17][40]

A introdução na natureza dessas zebras parecidas com o quaga poderia fazer parte de um programa abrangente de restauração, incluindo esforços contínuos como a erradicação de árvores não nativas. Quagas, gnus e avestruzes, que ocorreram juntos durante os tempos históricos em uma associação mutuamente benéfica, poderiam ser mantidos lado a lado em áreas onde a vegetação nativa deve permanecer como área de pastagem natural. No início de 2006, os animais de terceira e quarta geração produzidos pelo projeto foram considerados semelhantes às representações e espécimes preservados do quaga. Esse tipo de criação seletiva é chamado de seleção retro-ativa. A prática é controversa, uma vez que as zebras resultantes se parecerão com os quagas apenas na aparência externa, mas serão geneticamente diferentes. A tecnologia para usar o DNA recuperado para clonagem ainda não foi desenvolvida.[5][41]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Tradução livre de: "The geographical range of the quagga does not appear to extend to the northward of the river Vaal. The animal was formerly extremely common within the colony; but, vanishing before the strides of civilisation, is now to be found in very limited numbers and on the borders only. Beyond, on those sultry plains which are completely taken possession of by wild beasts, and may with strict propriety be termed the domains of savage nature, it occurs in interminable herds; and, although never intermixing with its more elegant congeners, it is almost invariably to be found ranging with the white-tailed gnu and with the ostrich, for the society of which bird especially it evinces the most singular predilection. Moving slowly across the profile of the ocean-like horizon, uttering a shrill, barking neigh, of which its name forms a correct imitation, long files of quaggas continually remind the early traveller of a rival caravan on its march. Bands of many hundreds are thus frequently seen doing their migration from the dreary and desolate plains of some portion of the interior, which has formed their secluded abode, seeking for those more luxuriant pastures where, during the summer months, various herbs thrust forth their leaves and flowers to form a green carpet, spangled with hues the most brilliant and diversified.".

Referências

  1. Hack, M.A., East, R. & Rubenstein, D.I. (2008). «Equus quagga ssp. quagga» (em inglês). The IUCN Red List of Threatened Species. Consultado em 2 de agosto de 2020 
  2. Dicionário Aulete. «Quaga». Lexikon Editora Digital. Consultado em 2 de agosto de 2020 
  3. «Definition of quagga in English». Lexico.com (em inglês). Oxford University Press. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  4. a b c d Skinner, John D; Chimimba CT (2005). The Mammals of the Southern African Subregion (em inglês) 3ª ed. Cambridge: Cambridge University Press. p. 537–546. ISBN 0-521-84418-5 
  5. a b Max, DT (1 de janeiro de 2006). «Can You Revive an Extinct Animal?» (em inglês). The New York Times. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  6. a b Este artigo incorpora texto do artigo «Quagga» (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  7. Groves, Colin P; Grubb P (2011). Ungulate Taxonomy (em inglês). [S.l.]: Johns Hopkins University Press. p. 16. ISBN 1421400936 
  8. a b c d e f g h Groves, Colin P; Bell CH (2004). «New investigations on the taxonomy of the zebras genus Equus, subgenus Hippotigris» (PDF). Mammalian Biology - Zeitschrift für Säugetierkunde (em inglês). 69 (3): 182-96. doi:10.1078/1616-5047-00133  [ligação inativa]
  9. a b c Azzaroli, Augusto; Stanyon R (1991). «Specific identity and taxonomic position of the extinct Quagga» (PDF). Rendiconti Lincei (em inglês). 2 (4): 425-436. doi:10.1007/BF03001000  [ligação inativa]
  10. Ouzman, S; Taçon PSC, Mulvaney K, Fullager R (2002). «Extraordinary Engraved Bird Track from North Australia: Extinct Fauna, Dreaming Being and/or Aesthetic Masterpiece?». Cambridge Archaeological Journal (em inglês). 12. 103 páginas. doi:10.1017/S0959774302000057 
  11. Groves, CP; Willoughby DP (1981). «Studies on the taxonomy and phylogeny of the genus Equus. 1. Subgeneric classification of the recent species». Mammalia (em inglês). 45 (3). doi:10.1515/mamm.1981.45.3.321 
  12. a b c d e f g h i j k Nowak, Ronald M (1999). Walker's Mammals of the World (em inglês). 1. Baltimore: Johns Hopkins University Press. p. 1024–1025. ISBN 0801857899 
  13. St. Leger, J (1932). «LXVII.—On Equus quagga of South-western and Eastern Africa». Journal of Natural History Series 10 (em inglês). 10 (60): 587-593. doi:10.1080/00222933208673614 
  14. a b Bruggen, Adolf Cornelis van (1959). «Illustrated notes on some extinct South African ungulates». South African Journal of Science (em inglês). 55: 197–200 
  15. Schlawe, L; Wozniak W (2010). «Über die ausgerotteten Steppenzebras von Südafrika QUAGGA und DAUW, Equus quagga quagga» (PDF). Zeitschrift des Kölner Zoos (em alemão). 2: 97–128. Consultado em 3 de agosto de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 3 de março de 2016 
  16. Smith, CH (1841). «The Natural History of Horses: The Equidae or Genus Equus of Authors». Edinburgh: W.H. Lizars (em inglês): 388. doi:10.5962/bhl.title.21334 
  17. a b Harley, EH; Knight MH, Lardner C, Wooding B, Gregor M (2009). «The Quagga Project: Progress over 20 Years of Selective Breeding». South African Journal of Wildlife Research (em inglês). 39 (2): 155. doi:10.3957/056.039.0206 
  18. a b Higuchi, R; Bowman B, Freiberger M, et al (1984). «DNA sequences from the quagga, an extinct member of the horse family». Nature (em inglês). 312 (5991): 282–284. doi:10.1038/312282a0 
  19. a b c d e Hofreiter, M; Caccone A, Fleischer RC, et al (2005). «A rapid loss of stripes: The evolutionary history of the extinct quagga». Biology Letters (em inglês). 1 (3): 291–295. doi:10.1098/rsbl.2005.0323 
  20. Lowenstein, JM; Ryder OA (1985). «Immunological systematics of the extinct quagga (Equidae)». Experientia (em inglês). 41 (9): 1192–1193. doi:10.1007/BF01951724 
  21. Higuchi, RG; Wrischnik LA, Oakes E, et al (1987). «Mitochondrial DNA of the extinct quagga: Relatedness and extent of postmortem change». Journal of Molecular Evolution (em inglês). 25 (4): 283–87. doi:10.1007/BF02603111 
  22. Pedersen, CET; Albrechtsen, A; Etter, PD; Johnson, EA; et al. (2018). «A southern African origin and cryptic structure in the highly mobile plains zebra». Nature Ecology & Evolution (em inglês). 2 (3): 491–498. doi:10.1038/s41559-017-0453-7 
  23. Huber, Walter (1994). «Dokumentation der fünf bekannten Lebendaufnahmen vom Quagga, Equus quagga quagga Gmelin, 1788 (Mammalia, Perissodactyla, Equidae)». Spixiana (em alemão). 17: 193–199 
  24. Prothero, Donald R; Schoch RM (2003). Horns, Tusks, and Flippers: The Evolution of Hoofed Mammals (em inglês). [S.l.]: Johns Hopkins University Press. p. 221. ISBN 0801871352 
  25. a b Kingdon, Jonathan (1988). East African Mammals: An Atlas of Evolution in Africa, Volume 3, Part B: Large Mammals (em inglês). [S.l.]: University of Chicago Press. p. 139. ISBN 0226437221 
  26. a b Heywood, Peter (2013). «The quagga and science: What does the future hold for this extinct zebra?». Perspectives in Biology and Medicine (em inglês). 56 (1): 53–64. doi:10.1353/pbm.2013.0008 
  27. a b c Hack, Mace A; East R, Rubenstein DI (2002). «Status and Action Plan for the Plains Zebra (Equus burchelli)». In: Moehlman PD. Equids: Zebras, Asses, and Horses: Status Survey and Conservation Action Plan (em inglês). Oxford: IUCN/SSC Equid Specialist Group. p. 44. ISBN 2831706475 
  28. Sir Cornwallis Harris, citado em Duncan, FM (1913). Cassell's natural history. Londres: Cassell. p. 350–351. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  29. a b Piper, Ross (2009). Extinct animals: an encyclopedia of species that have disappeared during human history (em inglês). [S.l.]: Greenwood Press. ISBN 9780313349874 
  30. a b c Weddell, Bertie J (2002). Conserving Living Natural Resources: In the Context of a Changing World (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. p. 46. ISBN 0521788129 
  31. Larison, B; Harrigan, RJ; Thomassen, HA; et al. (2015). «How the zebra got its stripes: a problem with too many solutions». Royal Society Open Science (em inglês). 2 (1): 140452. doi:10.3957/056.039.0206 
  32. Ruxton, Graeme D (2008). «The possible fitness benefits of striped coat coloration for zebra». Mammal Review (em inglês). 32 (4): 237–244. doi:10.1046/j.1365-2907.2002.00108.x 
  33. Caro, Tim; Izzo A, Reiner RC, et al (2014). «The function of zebra stripes». Nature Communications (em inglês). 5. doi:10.1038/ncomms4535 
  34. Birkhead, TR (2003). A Brand New Bird: How Two Amateur Scientists Created the First Genetically Engineered Animal (em inglês). [S.l.]: Basic Books. p. 145. ISBN 0465006655 
  35. a b Reinier, S (2018). Monument for the Quagga (em inglês). Amsterdã: [s.n.] ISBN 9781370284931 
  36. Bryden, H (1889). Kloof and Karoo (em inglês). [S.l.]: Longmans, Green and Co 
  37. Rau, RE (1974). «Revised list of the preserved material of the extinct Cape colony quagga, Equus quagga quagga (Gmelin)». Annals of the South African Museum. Annale van die Suid-Afrikaanse Museum (em inglês). 65: 41–87 
  38. Rau, RE (1978). «Additions to the revised list of preserved material of the extinct Cape Colony quagga and notes on the relationship and distribution of southern plains zebras». Annals of the South African Museum (em inglês). 77: 27–45 
  39. De Vos, R (2014). «Stripes faded, barking silenced: remembering quagga». Animal Studies Journal (em inglês). 3 (1) 
  40. Page, T; Hancock, C (2016). «Zebra cousin went extinct 100 years ago. Now, it's back» (em inglês). CNN. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  41. Freeman, Carol (2009). «Ending Extinction: The Quagga, the Thylacine, and the Smart Human». Leonardo's Choice (em inglês): 235–256. doi:10.1007/978-90-481-2479-4_13 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Quaga