Robocop Gay

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Robocop Gay"
Single de Mamonas Assassinas
do álbum Mamonas Assassinas
Lançamento Outubro de 1995
Formato(s) CD single
Gênero(s) Rock cômico, pop rock, rockabilly, hard rock
Duração 2:58
Gravadora(s) EMI
Composição Dinho, Júlio Rasec
Produção Rick Bonadio
Cronologia de singles de Mamonas Assassinas
"Vira-Vira"
(1995)
"Mundo Animal"
(1995)

"Robocop Gay" foi um dos maiores hits da banda Mamonas Assassinas,[1][2][3] tornando-se um grande sucesso na época.[4][5] Foi a 76ª música mais tocada no país no ano de 1995[6] e também se tornou um sucesso na Argentina.[7] Segundo uma pesquisa realizada pelo Estadão em 2016 no site do ECAd, esta era a segunda música do grupo mais tocada (em casas de diversão, casas de festas, música ao vivo, rádio, show e sonorização ambiental) e a segunda mais regravadas por outros artistas. Em ambas categorias atrás apenas de Pelados em Santos.[8]

"Robocop Gay" foi uma das 2 músicas – juntamente com Pelados em Santos - que foram gravadas numa fita demo que o Mamonas enviou a várias gravadoras, e que os fez assinar com a EMI.[9]

"Eu peguei a fita cassete e pus pra tocar. Puta, eu ouvi o “Robocop Gay”... Eu chorei de rir, mas chorei, mas eu ria muito! Era muito engraçado... a coisa mais engraçada que eu já ouvi na minha vida. Nesse mesmo dia, eu liguei pro Dinho e falei: “Meu, isso aqui é bom pra caralho, meu, o que vocês gravaram é legal.”"[10]

Foi a segunda música da banda a fazer parte da trilha sonora de uma telenovela brasileira: Caminhos do Coração, exibida pela Rede Record em 2007/2008.[8] Curiosamente, a primeira música a fazer parte de uma trilha sonora de novela foi Sabão Crá Crá,[8] que também está presente neste single.

Música[editar | editar código-fonte]

A canção compara uma travesti alterado por cirurgia plástica a um ciborgue homossexual, no caso o RoboCop do filme homônimo. Em entrevista ao Jô Soares Onze e Meia, os Mamonas admitiram que a letra teve inspiração de um personagem do próprio Jô Soares, o Capitão Gay.[10] Versões ao vivo da música contavam com o "Melô do Piripiri" (da canção "Je suis la femme", da cantora Gretchen), inserido antes do refrão.

Sucesso em karaokes,[11] a música costuma se fazer presentes em programas de reality show, como em A Fazenda, em 2009,[12] em 2012[13] e no Big Brother Brasil, também em 2009.[14]

Formatos e faixas[editar | editar código-fonte]

N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Robocop Gay"  Dinho, Júlio Rasec 2:59
2. "Sabão Crá Crá (The Mad Ku Ku)"  (música folclórica) 0:42
Duração total:
3:41

Polêmica[editar | editar código-fonte]

Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo (desde setembro de 2013).

Em 2007, a música foi tema do personagem Danilo (Cláudio Heinrich), na novela Caminhos do Coração.[16] Este fato acabou gerando vários protestos de sites e blogs na internet ligados a grupo de LGBTs.[17]

O autor da trama, Tiago Santiago, defendeu a escolha da música com os seguintes dizeres:

É o que também defende o sociólogo Paulo Irineu Barreto. Segundo ele, diferentemente do que muitos pensam, a música não tem um cunho preconceituoso, e deve ser entendida como uma espécie de hino pela tolerância.

Em 2013, um grupo de jovens cantou a música em um voo para o deputado Marco Feliciano, notório por suas opiniões contra o casamento gay. Feliciano aparentemente não reconheceu a canção, ao relatar que "cerca de 10 gays me constrangeram, dois vieram a minha poltrona gritando, cantando música bizarra".[20]

Referências

  1. rollingstone.com.br/ Mamonas Assassinas - "Robocop Gay" ao vivo no Programa Livre
  2. estadao.com.br/ Dez anos sem os Mamonas Assassinas
  3. vejasp.abril.com.br/
  4. infoescola.com/[ligação inativa] Pop-Rock brasileiro – Anos 90
  5. pop.com.br/ Arquivado em 25 de dezembro de 2013, no Wayback Machine. Quinze anos sem os Mamonas Assassinas
  6. mofolandia.com.br/ Arquivado em 20 de agosto de 2013, no Wayback Machine. Músicas mais tocadas de 1995
  7. [1]
  8. a b c imirante.com/ Músicas dos Mamonas Assassinas são tocadas até hoje
  9. «Atenção Creuzebeck: 17 anos sem Mamonas Assassinas». Consultado em 22 de março de 2013. Arquivado do original em 21 de maio de 2013 
  10. a b revistabrasileiros.com.br/ Arquivado em 3 de fevereiro de 2014, no Wayback Machine. A revolução dos Mamonas
  11. vejasp.abril.com.br/
  12. rederecord.r7.com/ Arquivado em 13 de junho de 2013, no Wayback Machine. Peões cantam e Igor dança Robocop Gay
  13. videos.r7.com/ Arquivado em 13 de junho de 2013, no Wayback Machine. Vavá canta "Robocop Gay" para Léo Áquilla na tarde deste sábado (4)
  14. abril.com.br/ Arquivado em 26 de dezembro de 2013, no Wayback Machine. Homens se empolgam com “Robocop Gay”
  15. «Mamonas Assassinas ‎– Robocop Gay (CD)». Discogs. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  16. revistaladoa.com.br/ Robocop gay em trilha de novela causa polêmica
  17. aids.gov.br/ Arquivado em 3 de março de 2016, no Wayback Machine. Quando noticiamos aqui que a música 'Robocop Gay', do falecido grupo Mamonas Assassinas, seria tema do personagem...
  18. estadao.com.br/ Record enfrenta protestos contra trilha de personagem gay
  19. paginacultural.com.br/ Parte 2 de “Mamonas Assacínicas: um sonoro ‘não’ para uma sociedade incoerente!”
  20. Grupo canta 'Robocop Gay' para deputado Feliciano em pleno voo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]