Jô Soares Onze e Meia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jô Soares Onze e Meia
Logotipo do programa à época de sua extinção
Informação geral
Formato Talk show
Gênero Comédia
Duração 2 horas
Criador(es) Jô Soares
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Câmera Multicâmera
Apresentador(es) Jô Soares
Tema de abertura "The Varsity Drag" (Johnny Williams)
Tema de encerramento Instrumental
Localização SBT
Exibição
Emissora de televisão original Brasil SBT
Formato de exibição 480i (SDTV)
Formato de áudio Mono
Transmissão original 17 de agosto de 198830 de dezembro de 1999
N.º de temporadas 1
N.º de episódios 2309
Cronologia
Programa do Jô
Programas relacionados Late Night with David Letterman
The Noite

Jô Soares Onze e Meia foi um late-night talk show apresentado pelo humorista Jô Soares no Sistema Brasileiro de Televisão (SBT). A atração estreou em 17 de agosto de 1988[1] e ficou no ar até 30 de dezembro de 1999. Inicialmente, era exibido somente das terças às sextas-feiras, passando a ser de segunda a sexta pouco tempo depois. Esse programa caracterizou-se por mostrar o lado entrevistador de Jô, que, até então, era mais conhecido somente como humorista.[1]

Ao todo, foram realizadas 6 927 entrevistas, num total de 2 309 edições do programa.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1988, Jô Soares saiu da Rede Globo, onde fizera o humorístico Viva o Gordo até o ano anterior, porque queria renovar sua carreira; porque recebera uma proposta salarial melhor; e porque Daniel Filho não o teria deixado fazer um programa de entrevistas no fim de noite, inspirado no que fazia José Silveira Sampaio,[2] com quem Jô trabalhara na década de 1960. A sugestão da mudança para o SBT partiu do humorista Carlos Alberto de Nóbrega.[3]

O programa ganhou esse nome porque, teoricamente, começaria às onze e meia da noite. Entretanto, o SBT sempre foi conhecido por alterar sua grade de programação em função dos desígnios de seu proprietário, Sílvio Santos, e, por isso, o programa, às vezes, começava à meia-noite; outras, a uma da madrugada; o que se tornou motivo de muitas anedotas.

O programa viria a registrar alguns momentos importantes da história recente do Brasil. Por exemplo, quando entrevistou muitos dos candidatos à presidência da República das eleições de 1989, a primeira após o longo período da ditadura militar. Ficou famosa a entrevista "pouco amigável" entre Jô e o então presidenciável Fernando Collor de Melo. Em certa hora, Jô repreendeu Collor por ele só olhar para a câmera e não para ele, o entrevistador.

Em 1989, no dia 12 de julho, foi realizada, no programa, a última entrevista do cantor Raul Seixas a uma emissora de tevê aberta (já que o cantor veio a falecer no mês seguinte), entrevista que contou também com a participação do cantor Marcelo Nova.[4]

Em 1992, o grande destaque foi a "CPI eletrônica", que nada mais era do que entrevistar, todos os dias, algum integrante da Comissão Parlamentar de Inquérito que investigava a corrupção no governo Fernando Collor, procedimento que Jô repetiria 13 anos depois, agora na Rede Globo, com os parlamentares que investigavam o Escândalo do Mensalão.[5]

Em 1995, os Mamonas Assassinas surgiram para o Brasil através do programa Jô Soares Onze e Meia.

Em 1995, Carlos Villagrán veio ao programa e deu uma entrevista ao Jô. No mesmo dia, ele também conheceu seu dublador no Brasil, Nelson Machado. Villagrán, quando veio ao Brasil, participou deste programa e do Programa Livre.

O programa foi exibido pela última vez em 30 de dezembro de 1999, sendo extinto quando Jô Soares voltou para a Rede Globo, onde estreou o similar Programa do Jô em 3 de abril de 2000.[6]

Referências

  1. a b c «Carreira na TV». site da TV Globo. 30 de junho de 2010. Consultado em 20 de maio de 2013. Cópia arquivada em 11 de julho de 2012 
  2. CONTI, Mario Sergio (2012). Notícias do Planalto. [S.l.]: Companhia das Letras. 523 páginas. p.444 
  3. CONTI, Mario Sergio, p.139.
  4. «Entrevista - Jô Soares». Memória Roda Viva. 26 de março de 1990. Consultado em 14 de maio de 2015 
  5. FERNANDES, Nelito. «Fôlego gordo na crise». Época. Consultado em 14 de maio de 2015 
  6. «Relembre momentos marcantes da carreira do apresentador e da atração, que foi exibida pela primeira vez em 3 de abril de 2000.». EGO. 3 de abril de 2015. Consultado em 14 de maio de 2015