Série Vaga-Lume

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Série Vaga-Lume
Informações
Autor Marcos Rey
Lúcia Machado de Almeida
Luiz Puntel
Idioma original Português
Publicado entre 1973-atualmente
Editora Brasil Editora Ática
País  Brasil
Gênero Literatura infanto-juvenil

A Série Vaga-Lume é uma coleção de livros brasileiros voltada para o público infantojuvenil, lançada em janeiro de 1973, pela Editora Ática. Ao longo do tempo sofreu alterações no formato. Suas capas clássicas, nas quais as imagens ficam para fora do quadro, marcaram época. Escolhida por inúmeras escolas, a série conta com um suplemento de atividades para estudantes.[1]

Vaga-Lume Júnior[editar | editar código-fonte]

A série traz também livros voltados exclusivamente para o público infantil, denominada Vaga-Lume Júnior. Neles se notam textos mais curtos, fontes maiores e ilustrações coloridas.

História[editar | editar código-fonte]

No início do ano de 1973, a Editora Ática lançou a série com o objetivo de oferecer literatura de qualidade para o público juvenil e, assim, promover o gosto pela leitura, principalmente para jovens que buscam aventuras literárias.

Quando o projeto surgiu, muitos autores foram convidados a participar, inclusive conhecidos por obras de outros gêneros ou voltados a outros públicos. Todos os originais passam por seguidas avaliações de qualidade.

Até 2013, a coleção tinha um total de 91 obras, divididas na série Vaga-lume, com 69 livros, e a Vaga-lume Júnior, com 22. No primeiro grupo, as mais vendidas são A Ilha PerdidaO Escaravelho do DiaboAçúcar AmargoDeu a Louca no Tempo e A Turma da Rua Quinze.

Mesmo após décadas da primeira edição, as principais características foram mantidas.[2]

"Desde o seu lançamento, a série passou por quatro reformulações, mas a maioria dos livros ainda hoje tem a mesma ilustração de capa da já clássica primeira edição”, ressaltou a editora de livros juvenis da Ática, Carla Bitelli. [3]

Lista de livros publicados[editar | editar código-fonte]


1973 – A ilha perdida (Maria José Dupré)
1973 – Cabra das Rocas (Homero Homem)
1973 – Coração de Onça (Ofélia Fontes e Narbal Fontes)
1973 – Éramos Seis (Maria José Dupré)
1974 – O Escaravelho do Diabo (Lúcia Machado de Almeida)
1974 – O Gigante de Botas (Ofélia Fontes e Narbal Fontes)
1975 – O Caso da Borboleta Atíria (Lúcia Machado de Almeida)
1976 – Cem noites Tapuias (Ofélia Fontes e Narbal Fontes)
1977 – Menino de Asas (Homero Homem)
1978 – Tonico (José Rezende Filho)
1979 – Spharion (Lúcia Machado de Almeida)
1980 – A Serra dos Dois Meninos (A. Fraga Lima)
1981 – O Mistério do Cinco Estrelas (Marcos Rey)
1981 – Zezinho, o dono da porquinha preta (Jair Vitória)
1981 – O Feijão e o Sonho (Orígenes Lessa)
1982 – Aventuras de Xisto (Lúcia Machado de Almeida)
1982 – O rapto do Garoto de Ouro (Marcos Rey)
1982 – Xisto no espaço (Lúcia Machado de Almeida)
1982 – Tonico e Carniça (Assis Brasil e José Rezende Filho)
1983 – Um Cadáver Ouve Rádio (Marcos Rey)
1983 – Xisto e o Pássaro Cósmico (Lúcia Machado de Almeida)
1983 – A Primeira Reportagem (Sylvio Pereira)
1984 – Sozinha no Mundo (Marcos Rey)
1984 – Os Pequenos Jangadeiros (Aristides Fraga Lima)
1984 – Os Barcos de Papel (José Maviael Monteiro)
1984 – Deus me Livre! (Luiz Puntel)
1985 – O Mistério dos Morros Dourados (Francisco Marins)
1985 – Dinheiro do céu (Marcos Rey)
1985 – Perigos no Mar (Aristides Fraga Lima)
1985 – A Grande Fuga (Sylvio Pereira)
1986 – Bem-vindos ao Rio (Marcos Rey)
1986 – Pega Ladrão (Luiz Galdino)
1986 – Açúcar Amargo (Luiz Puntel)
1986 – O Outro Lado da Ilha (José Maviael Monteiro)
1987 – Enigma na Televisão (Marcos Rey)
1987 – Os Passageiros do Futuro (Wilson Rocha)
1988 – Meninos sem Pátria (Luiz Puntel)
1988 – A Montanha das Duas Cabeças (Francisco Marins)
1988 – O Ninho dos Gaviões (José Maviael Monteiro)
1988 – Garra de Campeão (Marcos Rey)
1989 – A Vida Secreta de Jonas (Luiz Galdino)
1989 – Aventura no Império do Sol (Silvia Cintra Franco)
1989 – Quem Manda já Morreu (Marcos Rey)
1989 – A Turma da Rua Quinze (Marçal Aquino)
1990 – Na Barreira do Inferno (Silvia Cintra Franco)
1990 – Um Leão em Família (Luiz Puntel)
1990 – Corrida Infernal (Marcos Rey)
1990 – Na Mira do Vampiro (Lopes dos Santos)
1991 – A Árvore que Dava Dinheiro (Domingos Pellegrini)
1991 – A Maldição do Tesouro do Faraó (Sérsi Bardari)
1991 – O Desafio do Pantanal (Silvia Cintra Franco)
1991 – Na Rota do Perigo (Marcos Rey)
1992 – Ameaça nas Trilhas do Tarô (Sérsi Bardari)
1992 – O Jogo do Camaleão (Marçal Aquino)
1992 – Tráfico de Anjos (Luiz Puntel)
1992 – Um Rosto no Computador (Marcos Rey)
1992 – O Fantasma de Tio William (Rubens Francisco Lucchetti)
1992 – Confusões & Calafrios (Silvia Cintra Franco)
1993 – Um Gnomo na Minha Horta (Wilson Rocha)
1993 – Office-boy em Apuros (Bosco Brasil)
1993 – Doze Horas de Terror (Marcos Rey)
1993 – O Segredo dos Sinais Mágicos (Sérsi Bardari)
1993 – A Aldeia Sagrada (Francisco Marins)
1994 – O Mistério da Cidade-Fantasma (Marçal Aquino)
1994 – Agitação à Beira-mar (Leusa Araujo)
1994 – O Brinquedo Misterioso (Luiz Galdino)
1994 – Um Inimigo em Cada Esquina (Raul Drewnick)
1995 – O Diabo no Porta-malas (Marcos Rey)
1995 – O Fabricante de Terremotos (Wilson Rocha)
1995 – Viagem pelo Ombro da Minha Jaqueta (Lô Galasso)
1995 – Em Busca do Diamante (Francisco Marins)
1995 – A Vingança da Cobra (Marcos Bagno)
1995 – Vencer ou Vencer (Raul Drewnick)
1996 – O Primeiro Amor e Outros Perigos (Marçal Aquino)
1996 – O Super Tênis (Ivan Jaf)
1996 – A Charada do Sol e da Chuva (Luiz Galdino)
1996 – Terror na Festa (Janaína Amado)
1997 – Gincana da Morte (Marcos Rey)
1997 – Jogo Sujo (Marcelo Duarte)
1997 – Missão no Oriente (Luiz Puntel)
1997 – O Preço da Coragem (Raul Drewnick)
1998 – A Magia da Árvore Luminosa (Rosana Bond)
1998 – Segura, peão! (Luiz Galdino)
1999 – A Grande Virada (Raul Drewnick)
1999 – A Guerra do Lanche (Lourenço Cazarré)
1999 – O Robô que Virou Gente (Ivan Jaf)
2000 – Nas Ondas do Surfe (Edith Modesto)
2000 – Operação Nova York (Luiz Antonio Aguiar)
2001 – Correndo Contra o Destino (Raul Drewnick)
2001 – Deu a Louca no Tempo (Marcelo Duarte)
2001 – Tem Lagartixa no Computador (Marcelo Duarte)
2002 – Crescer é uma Aventura (Rosana Bond)
2002 – S.O.S. Ararinha-azul (Edith Modesto)
2003 – Manobra Radical (Edith Modesto)
2003 – Na Ilha do Dragão (Maristel Alves dos Santos)
2004 – O Ouro do Fantasma (Manuel Filho)
2005 – A Noite dos Quatro furacões (Raul Drewnick)
2005 – O Grito do Hip-Hop (Fátima Chaguri e Luiz Puntel)
2005 – O Segredo dos Índios (Edith Modesto)
2006 – O Senhor da Água (Rosana Bond)
2007 – A Chave do Corsário (Eliana Martins)
2007 – Morte no Colégio (Luis Eduardo Matta)
2007 – Salvando a Pele (Mário Teixeira)
2008 – O Mestre dos Games (Afonso Machado) [4]

Curiosidades =[editar | editar código-fonte]

1. Estima-se que somente a obra A Ilha Perdida, de Maria José Dupré, já ultrapassou a marca de 2,2 milhões de exemplares vendidos.

2. Um dos maiores sucessos da série, O Escaravelho do Diabo, de Lúcia Machado de Almeida (1910-2005), foi lançado primeiramente em 1956 como um folhetim da revista O Cruzeiro.

3. Inicialmente, a série se caracterizava pela presença de obras já consagradas, de autores idem. Já na segunda década após seu lançamento, tanto os textos quanto os autores passaram a ser inéditos.

4. Milton Rodrigues Alves, um dos ilustradores da série, conta que, para ilustrar O Caso da Borboleta Atíria, passou muitas e muitas horas em um Museu de Zoologia. “Não tínhamos internet, e a melhor maneira de saber a forma de um Dynastes Hercules era indo ao Museu”, conta Milton.

Referências

  1. «17 Curiosidades Sobre a Coleção Vaga-Lume». Homo Literatus. 10 de outubro de 2013. Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  2. «Saiba mais sobre os livros da Série Vaga-lume relançados pela Ática». O Globo. 12 de abril de 2016. Consultado em 7 de fevereiro de 2019 
  3. Oliveira, Fernanda (3 de abril de 2014). «A importância da coleção Vaga-lume na formação de novos leitores». Saraiva Conteúdo. Consultado em 18 de maio de 2016 
  4. ago 2018 - 19h32, Rodrigo Schiszler 21. «Os livros sensacionais da Coleção Vaga-Lume | Memória». VEJA SÃO PAULO. Consultado em 7 de fevereiro de 2019