Seu Madruga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Seu Madruga
Personagem de El Chavo del Ocho
Nome original Don Ramón
Língua original Espanhol
Outro(s) nome(s) Chipanzé reumático, Tripa Escorrida, Pacote de Osso Seco
Morada Mora na casa n° 72 da vila, com sua filha, Chiquinha (Já morou na casa n° 14, apenas em um esquete de 1971)
Idade Entre 45 a 50 anos
Origem  México
Sexo Masculino
Cabelo Preto
Olhos Azuis
Actividade(s) Ex pugilista

Desempregado (diversos bicos)

Família Chiquinha (filha)
Malicha (afilhada)
Seu Madroga (primo)
Dona Neves (avó)
Criado por Roberto Gómez Bolaños
Dublagem Carlos Seidl na dublagem de 1984-1992 do SBT
Marco Moreira na dublagem do SBT 2012- atualmente
Temporada(s) 1972-1979; 1981-1982
Outros El Chapulín Colorado
Série Chaves, ¡Ah que Kiko!
Género(s) Comédia de situação
Primeira aparição "Remédio Duro de Engolir" (1971)
Última aparição "O Cachorrinho" (1979)
O Regresso do Seu Madruga(1981)
Interpretado por Ramón Valdés
IMDb IMDb
Projecto Televisão  · Portal Televisão

Don Ramón (no Brasil: Seu Madruga[1] [2] [3] ou ainda Seu Ramón) é um personagem do seriado de televisão humorístico mexicano El Chavo del Ocho (Chaves, no Brasil) interpretado pelo ator mexicano Ramón Valdés (1923-1988).[2] [1]

Na trama, o personagem tem como filha uma garotinha chamada Chiquinha (Maria Antonieta de las Nieves), cuja mãe morreu no seu nascimento.[1] Madruga é sempre injustamente castigado com bofetadas no rosto pela vizinha Dona Florinda (Florinda Meza), além de viver fugindo das cobranças de 14 meses de aluguel atrasados, feitas pelo Senhor Barriga (Edgar Vivar), dono da vila. Sempre repreende o protagonista, Chaves, por suas travessuras, com cascudos na cabeça, porém, não o odeia. Apesar de estar frequentemente de mau humor, é um homem de bom coração, que ama todas as pessoas na vila, especialmente as crianças.

Ramón Valdés faleceu em 9 de agosto de 1988, aos 65 anos de idade, devido a um câncer de estômago que se espalhou pelo corpo e atingiu sua espinha,[4] [5] e deixa muitas saudades. Mesmo hoje, o personagem Seu Madruga é cultuado e bastante querido, possuindo diversas páginas, blogs e comunidades em sites de relacionamentos Orkut, Facebook, dentre outras tantas, em sua homenagem.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Mora no apartamento nº 72 com a filha Chiquinha[1] [3] (somente no primeiro episódio da série eles residem no n° 14) e deve 14 meses atrasados de aluguel ao proprietário da vila, Senhor Barriga, sempre inventando desculpas e escapadas para evitar pagar ou ser despejado[3] [2] . Às vezes, perde a paciência com as crianças, aplicando cascudos em Chaves e beliscões em Quico. Neste caso, sempre que é flagrado por Dona Florinda, leva um potente tabefe. Às vezes, é acusado por ela mesmo sem sequer ter feito algo ao bochechudo. Também, apesar de inventar desculpas para não pagar o aluguel na maioria dos episódios, Seu Madruga já pagou pelo menos um mês em certas ocasiões, ou fez trabalhos e favores para o Senhor Barriga que lhe renderam alguns meses a menos em sua dívida.

Exerceu diversos ofícios, incluindo cabeleireiro, professor de boxer, mecânico, carpinteiro, pintor, carregador de lenha, empresário, professor de música (violão), fotógrafo, lavador, "agente especializado em compra e venda de artigos para o lar" (popularmente conhecido como "homem da roupa velha" ou "velho do saco"), leiteiro, lutador de boxe, mestre de obras, professor substituto, sapateiro, professor de futebol americano, vendedor de confetes, vendedor de balões e vendedor de churros.

Sua vizinha, Dona Clotilde, conhecida como "Bruxa do 71" pelos meninos, é apaixonada por ele e, para agradá-lo, costuma fazer-lhe bolos e salgadinhos. Normalmente, as guloseimas são visadas e roubadas pelas crianças da vila.

Possui um carinho especial por Chaves. Mesmo batendo nele e o castigando, são como pai e filho e Madruga ajuda o menino sempre que pode, lhe oferecendo comida ou abrigo, ou o remunerando por um trabalho (mal) feito. Chaves procura retribuir os gestos, mas acaba vacilando quando deixa o homem irritado por motivos fúteis e ignorantes, ou quando delata o mesmo (sem querer querendo), como dizer que já esteve na cadeia, ou já viu revistas proibidas, como no episódio "O vale de 1 milhão de cruzeiros".

Personalidade[editar | editar código-fonte]

Seu Madruga está na faixa dos 50 anos de idade (provavelmente estimada entre 45 e 50 anos; certa vez ele próprio afirmou ter 50 em um episódio, porém, em outro, afirma que "ninguém é velho aos 40 e tantos anos" ao falar de si próprio, deixando claro que pode ainda não ter chegado aos 50), e apesar de ser apenas um senhor vivido, não tolera piadas relativas à sua idade, geralmente feitas pelas crianças. É um homem maduro, porém um tanto preguiçoso e desleixado com sua vida e suas responsabilidades. Vive arranjando bicos para conseguir dinheiro (chegou a dizer que nunca concluiu o colégio), mesmo com a fama de não gostar de trabalhar.

Seu Madruga é visto como "bruto e selvagem" (como dito pelo seu crítico, Professor Girafales)[6] , que perde a paciência com muita facilidade, inclusive com os garotos e principalmente com Chaves. Costuma se envolver em alguns contratempos com outras pessoas, até alguns vizinhos (principalmente Dona Florinda), e sempre tem uma desculpa para escapar dos problemas (muitas vezes verdadeiras e outras por malandragem).

Apesar disso, é um homem com muita fé na vida, que tenta manter o bom humor, apesar das más situações e opiniões calosas que o cercam. Demonstra ter um bom coração e boas intenções, que são notadas em momentos distintos por todos ao seu redor.

Relação com outros personagens (na série original e na animada)[editar | editar código-fonte]

Chaves (El Chavo): Apesar de serem comuns as desavenças entre os dois, possuem uma relação bem amistosa e uma considerável amizade. Não é incomum ver Chaves na casa de Seu Madruga ou ter ambos conversando amigavelmente, bem como são várias as vezes em que ele pede favores ao garoto. Quando ocorrem desentendimentos, porém, a maneira dele punir Chaves é sempre com um cascudo na cabeça do pobre órfão. Em algumas ocasiões, pode-se observar que Seu Madruga e Chaves têm uma relação fraterna semelhante a de pai e filho, uma vez em que Madruga, mesmo que não intencionalmente, procura educar Chaves, por mais que de maneira dura. O pai de Chiquinha foi o primeiro a conhecer Chaves, quando este chegou à vila sem ter para onde ir, ainda bem pequeno. No desenho, graças à ausência de Chiquinha, o papel de Seu Madruga como figura paterna para Chaves é um pouco mais notável.

Quico: Ambos estão frequentemente em conflito, devido a Seu Madruga (mesmo sendo inocente) sempre levar a culpa de tudo que acontece ao garoto e Dona Florinda insistir que seu filho (Quico) não deve se juntar a ele, por considerá-lo uma gentalha. É muito difícil ver os dois em harmonia: Quico sempre está apoiando sua mãe e Seu Madruga não suporta as muitas bobagens e burrices do garoto, várias vezes agredindo Quico por causa disso (por exemplo, quando Quico brinca com sua bola muito perto de Seu Madruga, atrapalhando-o quando está trabalhando ou lendo jornal, quando Quico debocha de Seu Madruga com gargalhadas e também quando o menino faz a ele uma série de perguntas ridículas, as quais sempre terminam com suas frases "Licença!" ou "Não deu!"). Embora deteste Quico, Seu Madruga sempre o defende quando Chaves ou Chiquinha tentam agredi-lo, mesmo sabendo que Dona Florinda nunca o escuta, e a falta de inteligência de Quico o impede de dizer a mãe que Seu Madruga nunca é o culpado (são raríssimas as vezes em que Quico declara à mãe a inocência de Seu Madruga e, mesmo assim, ela encontra razão para esbofeteá-lo). A reação mais cômica entre os dois é quando Quico diz seu bordão "Gentalha, Gentalha!" e soca o peito de Madruga. Sua maneira de punir Quico em geral é através de beliscões. Curiosamente, os dois possuem tamanhos semelhantes na série original. Apesar disso tudo, os dois atores (Villagrán [Quico] e Valdéz [Seu Madruga]) possuíam uma relação muito amigável.[7]

Chiquinha (La Chilindrina) - (apenas na série original): Os dois mantém uma boa relação de pai e filha, apesar de terem suas rusgas, sempre devido às travessuras de Chiquinha. Por vezes, Seu Madruga perde a paciência com a rebenta, quando ela o desobedece ou lhe faz passar vergonha, principalmente perto do Professor Girafales ou de alguma mulher. Ele a castiga batendo nela ou a mandando para casa, ao que ela reage chorando escandalosamente. Ela também costuma chorar quando sente que seu pai irá repreendê-la. Mesmo assim, ela é rápida em defendê-lo contra quem o agride, geralmente Dona Florinda, por mais que erroneamente (como dizer "abusa do meu pai só porque ele é velho e está fraco. Por que não se mete com um homem?"). Chiquinha pode ser bem ciumenta, evitando qualquer proximidade romântica que seu pai possa ter com o sexo oposto (o que inclui Dona Clotilde e a personagem Glória).

Dona Florinda: Sua arqui-inimiga. Ela sempre o considerou uma gentalha, devido à sua condição social. Por várias vezes demonstra sentir nojo de Seu Madruga e sempre o culpa e esbofeteia por todas as coisas que acontecem a Quico ou a ela mesma. Ela pode ir tão longe quanto deixá-lo engessado e roxo, com muletas e até mandá-lo para o hospital. Seu Madruga nunca revidou os maus-tratos que recebeu por considerar errado bater em uma mulher (apesar de castigar Chiquinha com palmadas ou cintadas, visto que trata-se de sua filha), embora por vezes a xingue, como no episódio "A Briga dos Pombinhos", em que irrita o Professor Girafales, chamando-a de "a valentona do 14".

É raro ver Dona Florinda o tratando bem e dizendo coisas boas a seu respeito (normalmente em episódios especiais de Natal e Ano-Novo), e Dona Florinda já chegou a dizer que tem orgulho de tê-lo como vizinho, no episódio em que Chaves come todos os churros que ela fez e ele (Seu Madruga) deveria vender. Ao invés de acusar o garoto órfão, Seu Madruga assume a responsabilidade dizendo que ele próprio havia comido tudo. Esperando apanhar, ele se surpreende quando ela o cumprimenta, dizendo que Chaves confessou ter comido os churros. Ainda assim, dificilmente há trégua entre os dois, e é ainda mais raro ver Seu Madruga "vencer" Florinda no final, por exemplo, quando ignora totalmente os tapas dela (devido a um beijo de Glória), ou quando a "velha coroca" cai nas travessuras das crianças.

Senhor Barriga: A relação dos dois se baseia quase que inteiramente na dívida de aluguel de Seu Madruga, fato que gera graves discussões e desavenças entre eles. Às vezes, Sr. Barriga aceita perdoar-lhe parte da dívida em troca de algum serviço ou por simples caridade. Nas poucas ocasiões em que a dívida do aluguel é esquecida, eles têm um convívio amistoso e mesmo respeito. Um dos fatos mais cômicos entre a dupla é quando Seu Madruga troca as palavras ao conversar com Sr. Barriga (por exemplo, dizer coisas como "Um barriga, Senhor Momento!", se auto-corrigindo para "Um momento, Senhor Barriga!" logo em seguida). Sr. Barriga se resigna em saber que Seu Madruga nunca irá lhe pagar, mas não faz tanta questão que ele saia do imóvel. Em certo episódio, ele revela ao professor Girafales que Seu Madruga e Chiquinha não terão onde viver se saírem da vila, portanto, opta por perdoar a dívida e deixá-los ficar, mesmo sabendo que mais 14 meses de débito virão.

Dona Clotilde: É completamente apaixonada por Seu Madruga e sonha em se casar com ele, o que o desconforta e incomoda profundamente. Assim como as crianças, Seu Madruga casualmente (embora sem intenção) a chama de bruxa. Ela sempre tenta agradá-lo com diversas refeições e sobremesas (como bolos e frangos assados) que não raramente acabam parando em outro estômago que não o de Seu Madruga.

Glória: Possuem uma boa a ótima relação, uma vez que Madruga se apaixonou à primeira vista pela bela vizinha e a ajuda sempre que ela necessita ou precisa de algo para fazer em seu apartamento. Único relacionamento realmente feliz de Seu Madruga com outro inquilino da vila, até hoje não fica claro se foi para frente ou não, uma vez que Glória aprecia a disposição do vizinho em ajudá-la, mas não dá a entender se o vê como parceiro em potencial. No desenho, ela pode chegar a se incomodar com as tentativas de Seu Madruga em chamar-lhe a atenção.

Paty: Assim como Glória, ele trata bem a menina e até a defende quando Chiquinha tenta algo contra a mesma. É a única criança da vila que parece demostrar respeito pelo velho homem. Na série animada, porém, Paty pode colocá-lo em tantas encrencas quanto os demais meninos.

Professor Girafales: Os dois se tratam de maneira cordial, apesar de também terem seus conflitos, especialmente quando o professor sai em defesa de Dona Florinda ou Quico. Seu Madruga às vezes sente pena ao ver o Professor agindo como um cachorrinho adestrado nas mãos de Dona Florinda, pois ele faz todas as vontades dela, mesmo quando está errada. Por vezes, o professor pede ajuda a Seu Madruga para resolver problemas pessoais, em geral relacionados a Dona Florinda. Girafales também costuma se intrometer em assuntos de Madruga que não lhe convém, além de constantemente conversar com ele a respeito do comportamento de sua filha, Chiquinha.

Jaiminho (apenas na série animada): É incomum vê-los interagindo, uma vez que jamais se encontraram na série original, mas, como Jaiminho reside na vila no desenho, ambos têm uma relação pacífica, apoiada no fato de serem muito preguiçosos.

Dublagem no Brasil[editar | editar código-fonte]

Desde o início da série até o ano de 2012, Seu Madruga foi dublado por Carlos Seidl[8] , reconhecido pelo personagem até hoje. Em um vídeo, Seidl confessa que o nome "Seu Madruga" foi dado ao personagem porque entendeu-se que ele possuía aparência cansada, de quem tinha o costume de acordar de madrugada, e que nomeá-lo como "Senhor ("Seu") Ramón" (tradução correta) não seria muito cômico. Em 2012, foi anunciado que Carlos Seidl não iria mais dublar Seu Madruga e ele foi substituído por Marco Moreira, que dublou a 5°temporada do desenho animado do Chaves e os novos episoidos da serie clássica comprados pelo SBT em 2012.

Livro[editar | editar código-fonte]

Em 2010, foi lançado o livro "Seu Madruga - Vila e Obra"[9] , uma homenagem ao personagem mais adorado pelos fãs. A obra foi escrita por Pablo Kaschner, mesmo autor de "Chaves de um Sucesso", e traz curiosidades, entrevistas com as filhas de Ramón Valdés, como dublador de Don Ramon e até mesmo uma entrevista fictícia com Seu Madruga, além de ilustrações e fotos inéditas.

Bordões[editar | editar código-fonte]

  • A gente faz favor só pelo prêmio da satisfação de se ajudar aos outros - Para Chaves.[10]
  • A virtude de bem viver está nos princípios morais - Para Chiquinha.[11]
  • Ah sim, como não. Um da Sapatos Airlines? (quando é questionado pela Chiquinha se ele não viu um sapato voando).[12]
  • Pois escute bem , senhora dos meus pecados. (é como ele se refere a dona Florinda na versão clássica do episódio dos Toureadores).
  • Tinha que ser o Chaves (mesmo/de novo) (depois que o Chaves o acerta de modo involuntário, quase sempre no lugar do Quico)
  • Não existe trabalho ruim, o ruim é ter que trabalhar.[13] [3] [2]
  • Segure isso aqui. (quando pede para o Chaves segurar alguma coisa dele antes de bater)
  • Toma! (quando bate em Chaves)
  • Eu posso explicar (Quando o Seu Madruga quer explicar para a Dona Florinda antes dela bater nele, mas ela sempre bate nele sem deixá-lo explicar)
  • Só não te dou outra porque... (depois que bate no Chaves e o garoto começa a chorar. Às vezes, ao fim dessa frase, ele fala algo sobre sua vozinha, que é anteriormente citada pelo Chaves, em consequência de algum fato que ocorreu após apanhar da Dona Florinda)[1] [3] [2]
  • Digo... digo... (dito para a Dona Clotilde, quando ele a chama de bruxa acidentalmente ou ao Sr. Barriga, quando ele erra o seu nome)
  • Chiquinha, vá já pra casa!
  • Chiquinha, cale a boca! (geralmente quando a Chiquinha o interrompe quando ele está conversando com alguém)
  • Dá licencinha pro Madruguinha ou Uma licencinha pro Madruguinha que vai tomar um cafezinho/uma aguinha[1]
  • Que que foi, que que foi, que que há?/Que que foi, que que foi, que que isso!?[1] [3] [2]
  • Francamente, Francamente!
  • A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena.[14]
  • As pessoas boas devem amar seus inimigos.[15] [2] [3]
  • Desculpe... atores conhecemos, costumes não sabemos. (frase dita ao querer emprestar seu macaco para o Héctor Bonilla consertar seu carro)
  • Escute, aqui minha senhora... (Quando a Dona Florinda está brigando com o Seu Madruga)
  • Não há nada mais trabalhoso que viver sem trabalhar![16]
  • E tudo por culpa de quem? (Referindo-se ao Chaves, após apanhar da Dona Florinda, porque na maioria das vezes a culpa é dele)
  • Diga ao seu Barriga que eu fui... (tentando fugir do aluguel, como pedindo para dizer que ele tinha saído e vai voltar um pouco tarde)
  • Um momentinho, um momentinho.
  • Não chame a srta. Clotilde de bruxa.
  • Não se pode dormir aqui com tanta criança, com tanta bruxa! (tentando dormir por causa da insônia)[17]
  • Fora daqui! (quando ele pede o Chaves para sair de algum lugar, e o menino tenta falar, mas o Seu Madruga sempre o interrompe, normalmente essa discussão termina com Chaves indo embora chutando e com muita raiva)
  • Para aprender uma língua estrangeira, primeiro você tem que estudar anatomia! (Chiquinha: Anatomia?! Olha papai, anatomia não estuda as partes do corpo? / Seu Madruga responde: E a língua não faz parte do corpo?!)

Vestuário e aparência[editar | editar código-fonte]

As roupas do Seu Madruga são inconfundíveis: sempre usa uma camiseta (às vezes, camisa polo) preta, às vezes com um bolso no lado esquerdo do peito (onde guardava seus cigarros), jeans, tênis (geralmente branco) e um chapéu do tipo denim azul. O fato de usar sempre as mesmas roupas foi questionado por Chaves no episódio "O Futebol Americano", ao dizer para Seu Madruga e Professor Girafales que as crianças não seriam capazes de jogar porque "não teriam amor à camisa". Então, Chaves diz a Seu Madruga que ele tinha amor à camisa, por usar sempre a mesma. Porém, em episódios menos comuns, Seu Madruga faz uso de outras peças de roupa, muitas vezes no lugar da tradicional camisa preta com jeans.

Nos primeiros episódios, a camisa preta foi trocada por uma branca ou amarela. Também no primeiro episódio, "Remédio Duro de Engolir", no lugar do famoso chapéu denim, usou uma boina estilo basco, além de outros chapéus em situações mais raras. Em alguns episódios (principalmente os gravados em 1975-1976), Seu Madruga veste uma camiseta preta já gasta em sua pintura ou mesmo uma camiseta acinzentada, ao invés de totalmente preta. Também aparece de terno em certas ocasiões, o que o faz se igualar a outros adultos, como Senhor Barriga e Professor Girafales, já que os dois se vestem formalmente, enquanto Madruga se veste casualmente. Por conta disso, é capaz até de passar despercebido, dado que não costuma variar muito o vestuário.

O bigode característico é também uma marca de seu personagem (além de Ramón Valdéz fazer uso do mesmo em outros quadros em que atua), mesmo assim, hou momentos em que apareceu sem este traço.

Chaves em Desenho Animado[editar | editar código-fonte]

Na versão em desenho animado, Seu Madruga é mostrado como um homem solteiro que mora sozinho, já que Chiquinha não aparece nesta versão. Nos primeiros episódios ele tinha uma personalidade bem parecida com a do seriado, sendo nervoso, se metendo em confusões por culpa do Chaves, constantemente apanhando da Dona Florinda e dando cascudos no Chaves. Do final da segunda temporada até a terceira, ele deixa muitas de suas características de lado, inclusive alguns de seus bordões, além de parar de bater no Chaves e passar a ser mais folgado e mentiroso do que nervoso, dependendo dos outros. No entanto, ele continua a trabalhar fazendo bicos, pulando de emprego em emprego, fugindo do Sr. Barriga e sua cobrança de 14 meses de aluguel atrasado, sendo que o Jaiminho também deve ao cobrador a mesma quantia. Sua paixão por Glória é mais desenvolvida e menos correspondida, além de posteriormente passar a admirar a atriz Loira Margô, personagem exclusiva do desenho.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Vila do Chaves. Personagens de Chaves Vila do Chaves. Visitado em 23 de dezembro de 2014.
  2. a b c d e f g Chaves Web. Seu Madruga. Visitado em 29 de junho de 2015.(em português)
  3. a b c d e f g SBT - Chaves SBT - Sistema Brasileiro de Televisão. Visitado em 2015-07-06.
  4. Atores do Chaves que já morreram - Chaves Web www.chavesweb.com. Visitado em 2015-07-18.
  5. Lembre outros atores de 'Chaves' que já morreram | VEJA.com. Visitado em 2015-07-18.
  6. Nome dado ao Seu Madruga no episódio "Como Treinar um Novo Campeão" (1977).
  7. Carlos Villagrán relembra episódio tragicômico com Ramón Valdés no 'The Noite'. Visitado em 2015-07-19.
  8. Vila do Chaves. Dubladores de Chaves Vila do Chaves. Visitado em 23 de dezembro de 2014.
  9. Morto há 22 anos, o ator Ramón Valdés, eternizado como Seu Madruga, ganha um livro sobre ele. Visitado em 2015-07-07.
  10. Frase citada no episódio "O ladrão da vila" (1976)
  11. Frase citada no episódio "A sociedade - parte 2" (1978)
  12. Frase citada no episódio "A Grande Festa - Parte 1" (1976).
  13. Frase citada no episódio "A Bola de Boliche - Parte 2" (1978)
  14. Frase citada no episódio "Seu Madruga Sapateiro - Parte 1" (1978)
  15. Frase citada no episódio "As Pessoas Boas Devem Amar seus Inimigos" (1978).
  16. Frase citada no episódio "O Gato do Quico - Parte 1" (1975)
  17. Frase citada no episódio "A Insônia do Seu Madruga - Parte 3" (1977)