Stefan Löfven

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Stefan Löfven
43.º Primeiro-ministro da Suécia
Período 3 de outubro de 2014 – presente
Monarca Carlos XVI Gustavo
Antecessor(a) Fredrik Reinfeldt
Líder do Partido Social-Democrata
Período 27 de janeiro de 2012 – 4 de novembro de 2021
Antecessor(a) Håkan Juholt
Sucessor(a) Magdalena Andersson
Dados pessoais
Nome completo Kjell Stefan Löfven
Nascimento 21 de julho de 1957 (64 anos)
Estocolmo, Estocolmo, Suécia
Progenitores Mãe: Iris Melander
Pai: Ture Melander
Alma mater Universidade de Umeå
Esposa Ulla Arvidsson (2003–presente)
Partido Operário Social-Democrata
Profissão Soldador
Assinatura Assinatura de Stefan Löfven
Serviço militar
Serviço/ramo Força Aérea da Suécia
Anos de serviço 1976–1977

Kjell Stefan Löfven (Hägersten, 21 de julho de 1957) é um político sueco, membro do Partido Social-Democrata e primeiro-ministro da Suécia.[1][2] Foi líder do Partido Social-Democrata entre 2012 e 2021, tendo sido sucedido no posto por Magdalena Andersson em 4 de novembro de 2021.[3]

Após as eleições gerais de 2014, ele foi nomeado primeiro-ministro, liderando um governo de coalizão minoritária com o Partido Verde. Ele foi confirmado para um segundo mandato em 18 de janeiro de 2019 após longas negociações após a inconclusiva eleição de 2018, com o impasse resultante sendo resolvido apenas devido à abstenção dos membros do Partido do Centro, do Partido de Esquerda e dos Liberais.[4]

Em 22 de agosto de 2021, Löfven anunciou que se aposentaria como líder dos social-democratas no congresso do partido em novembro e renunciaria como primeiro-ministro após a eleição de seu sucessor.[5] Em setembro de 2021, foi confirmado que a ministra das Finanças, Magdalena Andersson, seria a única candidata no congresso a substituir Löfven.[6] Andersson foi eleita presidente do partido em 4 de novembro.[7] Löfven renunciou oficialmente ao cargo de primeiro-ministro em 10 de novembro de 2021, com Magdalena Andersson sendo eleita como sua provável sucessora.[8][9][10]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Stefan Löfven nasceu em Estocolmo, mas foi adoptado aos 10 meses de idade por uma família de trabalhadores humildes em Sollefteå.[11] Aos 13 anos, funda a associação local da Juventude Social-Democrata Sueca (SSU).[12] Depois de ter feito um curso de dois anos do ensino médio, Löfven estudou Serviço Social na Universidade de Umeå, tendo abandonado os estudos depois de um ano e meio. Em seguida fez um curso prático de soldadura de 48 semanas em Kramfors.[13]

Depois de ter trabalhado nos correios e numa serração, Löfven esteve empregado como soldador numa empresa de fabrico de material de guerra em Örnsköldsvik entre 1979 e 1995,[14] A partir de então, foi muito ativo no poderoso Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos (IF Metall),[15] um dos maiores sindicatos do país,[16] e uma importante organização do movimento operário social-democrata na Suécia, tendo sido presidente no período 2006-2012.[1]

Desde 2006, faz parte da Comissão Executiva do Partido Social-Democrata.[1] Em 2012, foi eleito líder dos Social-Democratas, numa conferencia interna da direção do partido.[17] Em outubro de 2014, tomou posse como Primeiro-Ministro do Governo Löfven.[18]

Política[editar | editar código-fonte]

O seu partido, os Sociais-Democratas, saiu vitorioso nas eleições gerais de 2014 na Suécia, conquistando 31% dos votos. Löfven anunciou então que pretendia formar uma coligação governamental com o Partido Verde, e ter uma colaboração pontual com outros partidos, tendo indicado à esquerda o Partido da Esquerda, e à direita o Partido do Centro e o Partido Liberal. Igualmente, tencionava manter alguns amplos acordos parlamentares, incluindo mesmo os partidos conservadores Partido Moderado e Partido Democrata-Cristão.[19]

Apesar de o Governo Löfven ter sido aprovado pelo Parlamento, a proposta de Orçamento do Estado do mesmo governo foi vencida pela proposta da oposição, protagonizada pela Aliança de centro-direita e viabilizada pelo Partido dos Democratas Suecos de extrema-direita,[20] tendo Stefan Löfven convocado novas eleições para março do ano seguinte.[21]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Stefan Löfven» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 4 de outubro de 2014 
  2. «CV Stefan Löfven» (em sueco). Socialdemokraterna. Consultado em 25 de maio de 2016 
  3. «CV Stefan Löfven» (em sueco). Regeringskansliet (Chancelaria do Governo). Consultado em 4 de novembro de 2021 
  4. «Stefan Löfven voted back in as Swedish prime minister». www.thelocal.se (em inglês). The Local. 18 de janeiro de 2019. Consultado em 18 de janeiro de 2019 
  5. «Live: Statsminister Stefan Löfven avgår i höst» (em sueco). DN.SE. 22 de agosto de 2021. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  6. Rafaela Lindeberg, Niclas Rolander (29 de setembro de 2021). «Sweden's Finance Chief Nominated to Become First Female PM». Bloomberg. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  7. «Magdalena Andersson vald till Socialdemokraternas nya partiledare» (em sueco). DN.SE. 4 de novembro de 2021. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  8. «Pressmeddelande: Statsministern begär entledigande hos talmannen». Riksdag. Consultado em 11 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2021 
  9. «Stefan Löfven resigns as Prime Minister of Sweden». The Local Sweden. 10 de novembro de 2021. Consultado em 10 de novembro de 2021 
  10. «Swedish PM to hand in resignation, Fin Min likely successor». Reuters. 10 de novembro de 2021. Consultado em 10 de novembro de 2021 
  11. Lena Melin (10 de agosto de 2014). «Helt rätt av Löfven att prata om sin bakgrund» (em sueco). Aftonbladet. Consultado em 23 de setembro de 2014 
  12. Niklas Svensson (27 de dezembro de 2013). «Stefan Löfven: "Hon är mitt livs kärlek"» (em sueco). Expressen. Consultado em 23 de setembro de 2014 
  13. «Centro-esquerda é apontada como vencedora das eleições suecas». O Globo. 14 de setembro de 2014 
  14. Viktor Adolfsson (22 de janeiro de 2013). «"Stefan pluggade i det tysta och gillade schack"» (em sueco). Nyheter 24. Consultado em 23 de setembro de 2014 
  15. «Ãntligen regeringsskifte!». www.ifmetall.se. IF Metall. Consultado em 30 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 8 de dezembro de 2014 
  16. «Ordförandens sida». www.ifmetall.se. IF Metal. Consultado em 27 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014 
  17. «Stefan Löfven ny partiordförande». www.socialdemokraterna.se (em sueco). Social Demokraterna. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2012 
  18. «Regeringsförklaringen den 3 oktober 2014» (em sueco). Chancelaria do Governo da Suécia. Consultado em 4 de outubro de 2014. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014 
  19. «Esquerda vence eleições legislativas na Suécia». www1.folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. 14 de setembro de 2014. Consultado em 16 de setembro de 2014 
  20. «Suécia antecipa eleições pela primeira vez em 50 anos após veto da extrema-direita». Reuters. O Globo. 3 de dezembro de 2014. Consultado em 4 de dezembro de 2014 
  21. Anette Holmqvist (3 de dezembro de 2014). «Han hade inget val» (em sueco). Aftonbladet. Consultado em 4 de dezembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Håkan Juholt
Líder da oposição
2012–2014
Sucedido por
Fredrik Reinfeldt