The Wide Window

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
The Wide Window
Janela Larga (PT)
O Lago das Sanguessugas (BR)
Capa da edição americana.
Autor(es) Lemony Snicket
Idioma inglês
País  Estados Unidos
Série A Series of Unfortunate Events
Ilustrador Brett Helquist
Arte de capa Brett Helquist
Editora HarperCollins
Lançamento 25 de fevereiro de 2000
Páginas 214
ISBN 0-06-440768-3
Edição portuguesa
Tradução Ruy Wahnon
Editora Terramar
Lançamento 2003
Formato capa mole
Páginas 189
ISBN 972-710-338-3
Edição brasileira
Tradução Carlos Sussekind
Editora Cia. das Letras
Lançamento 2001
Páginas 186
ISBN 853590171X
Cronologia
The Reptile Room
The Miserable Mill

The Wide Window (O Lago das Sanguessugas (título no Brasil) ou Janela Larga (título em Portugal)) é o terceiro livro da série A Series of Unfortunate Events. Foi escrito por Lemony Snicket, pseudônimo do autor Daniel Handler, e ilustrado por Brett Helquist. Foi lançado em 25 fevereiro de 2000.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Depois da morte de seu segundo tutor, os jovens Baudelaire são levados à casa de uma nova tutora, praticamente suspensa às margens do Lago Lacrimoso. Sua nova tutora, Tia Josephine, é viúva (pois seu marido morreu comido pelas sanguessugas), morre de medo de corretores, tem fascínio pela ortografia. Desta vez, conde Olaf usa a fantasia de Capitão Sham e finge uma amizade com Josephine. Ele telefona para a tutora dos órfãos revelando sua identidade, e a obriga a escrever um bilhete de suicídio. Após isso, quebra a grande janela da casa (para os órfãos pensarem que ela se jogou) e vai embora para uma gruta do Lago Lacrimoso. A sorte foi que a obsessão de Josephine pela ortografia levou os órfãos a descobrirem o lugar onde ela estava pelos erros de ortografia do seu bilhete de suicídio.

História[editar | editar código-fonte]

O Lago das Sanguessugas começa com as três crianças sentadas no Cais de Dâmocles, no Lago Lacrimoso e Sr. Poe acabava de arranjar um táxi para levá-los para o topo do monte, onde ficava sua nova cidade. Eles são levados a uma casa na extremidade do desfiladeiro, segurada por uma estrutura de madeira.

Dentro, eles encontram a nova tutora, Josephine Anwhistle. Ela é uma mulher tímida que tem medo de tudo desde que seu marido Belo morreu nas mãos das sanguessugas do Lago Lacrimoso; ela não toca no telefone, no forno, radiador, etc. Ela ama gramática e possui uma enorme biblioteca do assunto. Também há uma enorme janela com vista para o lago.

O Furacão Hermano está chegando, então as crianças vão para a cidade para comprar suprimentos. Lá conhecem capitão Sham, que é na verdade conde Olaf num disfarce. As crianças tentam avisar Tia Josephine, mas eles não podem provar por causa da perna de pau que estava usando no lugar da tatuagem de olho e do tapa-olho que encobre sua sobrancelha. A tutora acha ele atraente e não acredita neles.

Mais tarde naquela noite, capitão Sham chama Josephine, que não ouve as crianças quando tentam novamente avisá-la. As crianças são acordadas por um barulho e correm para a biblioteca, achando a janela quebrada e o bilhete de suicídio de Josephine.

Os três irmãos ficam chocados, mas com suspeitas, porque o bilhete diz que o novo tutor deles é o Capitão Sham e está cheio de erros de gramática. Eles pensam que Olaf está por trás disso e ligam para Poe. Eles não podem provar nada, mas quando Sr. Poe e Olaf estão conversando, Klaus descobre um código no bilhete formado por todos os erros de gramática: PGRUTA, ou Gruta do P.

As crianças correm para as docas, roubam um barco da companhia do Capitão Sham, vão até a Gruta do P, onde acham Josephine se escondendo. Ela fala que Olaf fez ela escrever o bilhete, mas ela jogou uma almofada na janela, e foi se esconder, deixando o código.

Os Baudelaire a convencem para se juntar a eles e eles navegam pelo lago de volta, quando são atacados por sanguessugas. As crianças têm certeza que elas não vão atacar, já que não tinham comido na última hora (elas são cegas e só atacam se sentem cheiro de comida). Mas Josephine comeu uma banana pouco antes de eles chegarem. Elas atacam o barco e estão o destruindo quando Capitão Sham os resgata em outro barco. Olaf joga Josephine na água, que provavelmente é devorada, mas isso não é deixado claro para o leitor, pois logo ele leva as crianças com ele sem deixar que elas a salvassem.

De volta às docas, Poe está quase entregando as crianças para Sham, quando Sunny morde a falsa perna de pau de Sham, revelando sua verdadeira perna e a tatuagem. Olaf é novamente descoberto e deixa as crianças no frio em procura de outro guardião.

Edição em paperback[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos a coleção Desventuras em Série foi lançada primeiro em capa dura. Agora está sendo lançado uma nova versão em paperback, brochura. Nesta nova versão além do nome original também há um nome opcional. O nome do terceiro livro é The Wide Window or, Disappearance!. Em português, "A Janela larga ou, Desaparecimento!" Além disso, também há uma capa nova, comentários de Lemony Snicket e ilustrações inéditas.

Referências culturais e alusões literárias[editar | editar código-fonte]

  • O nome do Cais de Dâmocles, presumivelmente, faz alusão ao lendário Dâmocles figura grega que tinha uma espada pendurada sobre sua cabeça. A ilustração mostra os três Baudelaire de pé no Cais de Dâmocles. No arco de entrada para o cais, há uma espada penduradas sobre suas cabeças.
  • No livro anterior da série, as notas finais citam o Café Kafka, uma referência ao autor austro-húngaro Franz Kafka. Um dos contos de Kafka, "Josephine, a Cantora, ou a Nação dos Ratos" (en: Josephine the Singer, or the Mouse Folk), mostra Josephine, o único rato que capaz de cantar. A tutora dos Baudelaire é parecida com um rato por possuir medo de tudo (tímida como um rato). Também no conto, a música de Josephine soa como uma assobio se ouvida no ângulo errado, o que pode ser uma referência ao falecido marido de tia Josephine de assobiar com biscoitos em sua boca (junto com a mãe dos Baudelaire). O sobrenome de tia Josephine era Anwhistle, fazendo com que seu marido fosse Ike Anwhistle (no original inglês, os mesmos sons de "I can whistle" ou "Eu consigo assobiar").
  • Os nomes Ike e Josephine podem se referir ao Furacão Ike e Furacão Josephine.
  • O Furacão Herman pode ser em referência ao escritor Herman Melville, autor de Moby Dick.
  • Lacrimoso (Lago Lacrimoso) significa "dado a ou causador de lágrimas".