Vítor Aguiar e Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Vítor Manuel Aguiar e Silva)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vítor Aguiar e Silva
Nascimento 15 de setembro de 1939 (79 anos)
Real
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Professor, escritor e poeta
Principais trabalhos Competência linguística e competência literária (1977)
Prémios Prémio Vida Literária (2007)

Prémio Vasco Graça Moura – Cidadania Cultural (2018)

Vítor Manuel Pires de Aguiar e Silva (Real, 15 de setembro de 1939[1]) é um professor, escritor e poeta português. Natural da freguesia de Real, concelho de Penalva do Castelo, iniciou seus estudos no Liceu Nacional de Viseu. Já na Universidade de Coimbra, concluiu o curso de Letras, licenciando-se em Filologia Românica. Após obter seu doutorado em Literatura Portuguesa, assumiu a cadeira de professor na Faculdade de Letras da mesma universidade em 1979, sendo transferido para a Universidade do Minho em 1989, onde ocupou o cargo de vice-reitor durante 12 anos.[1][2]

Participou da proposta de criação do Instituto Camões, como coordenador do grupo de trabalho. Também coordenou a Comissão Nacional de Língua Portuguesa (CNALP), tendo ainda sido membro do Conselho Nacional de Cultura.[2]

É um dos eminentes professores signatários da Petição em Defesa da Língua Portuguesa Contra o Acordo Ortográfico, que desde 2 de Maio de 2008 recolheu mais de 128 000 assinaturas.

Prémios e distinções[editar | editar código-fonte]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Para uma interpretação do classicismo (1962);
  • O teatro de actualidade no romantismo português: 1849-1875 (1965);
  • Teoria da literatura (1967);
  • Notas sobre o cânone da lírica camoniana (1968);
  • Maneirismo e barroco na poesia lírica portuguesa (1971);
  • O significado do episódio da Ilha dos Amores na estrutura de Os Lusíadas (1972);
  • A oposição democrática e sua ideologia totalitária (1973);
  • Reforma do sistema educativo (1973);
  • A estrutura do romance (1974);
  • Competência linguística e competência literária: sobre a possibilidade de uma poética gerativa (1977);
  • Crítica de Livros: teoria literária (1977);
  • Fialho de Almeida e o problema sociocultural do francesismo (1983);
  • Teoria e metodologia literárias (1990);
  • Imaginação e pensamentos utópicos no episódio da "Ilha dos Amores" (1988);
  • Maria Alice Nobre Gouveia: 1927-1988 (1991);
  • Camões: labirintos e fascínios (1994);
  • A lira dourada e a tuba canora : novos ensaios camonianos (2008);
  • Jorge de Sena e Camões: trinta anos de amor e melancolia (2009);
  • As humanidades, os estudos culturais, o ensino da literatura e a política da língua portuguesa (2010);
  • Dicionário de Luís de Camões (2011).

Referências