Weird Science

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Weird Science
Cartaz de lançamento do filme.
No Brasil Mulher Nota 1000[1]
Em Portugal Que Loucura de Mulher[2]
 Estados Unidos
1985 •  cor •  93 min 
Direção John Hughes
Produção Joel Silver
Roteiro John Hughes
Baseado em "Made of the Future" de
Al Feldstein
Elenco Anthony Michael Hall
Ilan Mitchell-Smith
Kelly LeBrock
Bill Paxton
Género comédia romântica, fantasia, ficção científica
Música Ira Newborn (instrumental)
Oingo Boingo (música-tema)
Direção de fotografia Matthew F. Leonetti
Edição Mark Warner
Christopher Lebenzon
Scott Wallace
Companhia(s) produtora(s) Hughes Entertainment
Silver Pictures
Distribuição Universal Pictures
Lançamento Estados Unidos 2 de agosto de 1985
Brasil 10 de novembro de 1985
Portugal 15 de janeiro de 1987
Idioma inglês
Orçamento US$ 7,5 milhões
Receita US$ 23.834.048 (internamente)

Weird Science (Brasil: Mulher Nota 1000 /Portugal: Que Loucura de Mulher) é um filme norte-americano de 1985, dos gêneros comédia romântica, fantasia e ficção científica, escrito e dirigido por John Hughes e estrelado por Anthony Michael Hall, Ilan Mitchell-Smith e Kelly LeBrock.

O título é inspirado na revista Weird Science, publicada pela editora EC Comics nos anos 50 (anterior ao Comics Code Authority) a partir da qual o enredo é desenvolvido e expandido baseado na história de Al Feldstein "Made of the Future", publicada na quinta edição da revista em 1951.[3] Os direitos foram adquiridos pelo produtor do filme, Joel Silver.[4] A música-tema "Weird Science" foi escrita e tocada pela banda de new wave Oingo Boingo, enquanto os trabalhos de trilha sonora foram conduzidos por Ira Newborn. O filme foi realizado pela Hughes Entertainment em conjunto com a Silver Pictures (empresas pertencentes a John Hughes e Joel Silver, respectivamente) e foi distribuído pela Universal Pictures, sendo produzido por Silver.

Foi bem sucedido nas bilheterias, acumulando só em seu país de origem US$ 23,834,048, contra seu orçamento de cerca de US$ 7,5 milhões,[5] tornando-se, posteriormente, um filme cult.[6][7]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gary Wallace e Wyatt Donnelly são dois adolescentes nerds que são frequentemente humilhados pelos atletas mais velhos da escola Ian e Max, causando vergonha e constrangimento aos dois. Após passarem vergonha depois de terem seus calções abaixados pelos valentões na frente de Deb e Hilly, as líderes de torcida do colégio, Gary convence o tenso Wyatt de que eles precisam de um impulso de popularidade para tentar atrair as duas garotas, que são seus respectivos interesses amorosos. Sozinho no fim de semana sem os pais de Wyatt, Gary é inspirado pelo clássico filme Frankenstein de 1931 para criar uma mulher virtual usando o computador de Wyatt, infundindo-a com tudo que eles podem conceber para fazer a mulher dos sonhos perfeita. Depois de conectar eletrodos a uma boneca e invadir um sistema de computador do governo para obter mais energia, uma onda de energia cria uma mulher virtual em carne e osso e inteligente com poderes mágicos ilimitados, a qual eles batizam de Lisa. Prontamente, ela faz aparecer um Cadillac para levar os meninos a um bar em Chicago, usando seus poderes para manipular as pessoas para que acreditem que Gary e Wyatt são maiores de idade.

Eles voltam para casa bêbados e encontram Chet, o irmão mais velho malvado de Wyatt, que extorque dinheiro dele para comprar seu silêncio. Lisa concorda em se manter escondida dele, mas ela percebe que Gary e Wyatt, embora extremamente amáveis, são muito tensos e passivos e precisam ter mais autoconfiança em si mesmos. Depois de outra experiência humilhante no shopping quando Max e Ian derramam um sorvete em Gary e Wyatt na frente das pessoas, Lisa conta aos valentões sobre uma festa na casa de Wyatt, da qual Wyatt não tinha conhecimento prévio, antes de partir em um Porsche 928 que ela havia "produzido" para Gary. Apesar dos protestos de Wyatt, Lisa insiste que a festa aconteça de qualquer maneira, a fim de melhorar a postura dos meninos. Ela vai encontrar os pais de Gary, Al e Lucy, que, para o constrangimento de Gary, ficam chocados e desanimados com as coisas que ela diz e sua maneira franca ao dizer que a festa irá contar com bebidas, sexo e drogas. Depois que ela aponta uma arma para eles (mais tarde revelado a Gary ser uma pistola d'água), ela altera suas memórias para que Lucy se esqueça do conflito; no entanto, Al esquece que Gary é seu filho.

Na casa de Wyatt, a festa sai do controle enquanto Gary e Wyatt se escondem no banheiro, onde eles se encontram com Deb e Hilly e se envergonham com elas. Mais tarde, no quarto de Wyatt, Ian e Max convencem Gary e Wyatt a recriarem os experimentos que originaram Lisa, mas após se esquecerem de usar uma boneca o experimento falha; Lisa aparece e os repreende pelo mau uso da magia para impressionar seus algozes. Uma vez que se esqueceram de usar uma boneca, o experimento puxa a imagem de um míssil de uma revista na ponta dos eletrodos para fazer aparecer um míssil real no meio da casa, destruindo-a parcialmente. Enquanto isso, os avós de Wyatt repentinamente chegam para visitar seu neto e confrontam Lisa sobre a festa, mas ela os congela e os esconde em um armário. Lisa percebe que os meninos precisam de um desafio para aumentar sua confiança e faz com que uma gangue de motoqueiros mutantes invada a festa, causando caos e fazendo os meninos correrem.

Quando os motoqueiros tomam Deb e Hilly como reféns, os garotos decidem confrontar os motoqueiros, fazendo com que Deb e Hilly se apaixonem por eles; eles utilizam a arma de Lisa (que surpreendentemente dispara um tiro de verdade) para afugentar a gangue, fazendo os motoqueiros irem embora. Na manhã seguinte, Chet chega e avista a casa toda bagunçada, com uma ocorrência de neve caindo em seu quarto, além do míssil; Lisa diz aos meninos para acompanharem as meninas para casa delas enquanto ela fala com Chet a sós. Quando levam as meninas em suas residências, Gary e Wyatt revelam seus sentimentos à elas e as duas meninas retribuem, orgulhando-os. Voltando para a casa, os meninos avistam Chet transformado em uma bolha mutante falante por Lisa; ele se desculpa com Wyatt por seu comportamento abusivo. No andar de cima, Lisa garante que Chet logo voltará ao normal e, percebendo que seu propósito está completo, abraça Gary e Wyatt antes de se desmaterializar. Quando ela sai, a casa é magicamente limpa e tudo volta ao normal, incluindo Chet, que volta a sua forma humana.

O filme se encerra no colégio de Gary e Wyatt, onde Lisa aparece como a nova professora de ginástica da turma, dando a entender que continuará com sua missão de cuidar dos dois meninos.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Anthony Michael Hall como Gary Wallace
  • Ilan Mitchell-Smith como Wyatt Donnelly
  • Kelly LeBrock como Lisa
  • Bill Paxton como Chet Donnelly
  • Robert Downey como Ian
  • Robert Rusler como Max
  • Suzanne Snyder como Deb
  • Judie Aronson como Hilly
  • Vernon Wells como líder da gangue de motoqueiros
  • Jennifer Balgobin como uma dos membros da gangue dos motoqueiros
  • Britt Leach como Al Wallace, o pai de Gary
  • Barbara Lang como Lucy Wallace, a mãe de Gary
  • Ivor Barry como Henry Donnely, o avô de Wyatt e Chet
  • Ann Coyle como Carmen Donnelly, a avó de Wyatt e Chet
  • Doug MacHugh como Sr. Donnely, o pai de Wyatt e Chet
  • Pamela Gordon como Sra. Donnely, a mãe de Wyatt e Chet
  • Michael Berryman como um dos motoqueiros mutantes da gangue
  • John Kapelos como Dino
  • D'Mitch Davis como o homem do bar
  • Jill Whitlow como Susan, a vendedora de perfume
  • Wally Ward como Art

Notas de produção[editar | editar código-fonte]

No documentário de John Hughes, Don't You Forget About Me, Kelly LeBrock descreve sua personagem Lisa como "Mary Poppins com seios".[8] Em uma entrevista na Comic Con, Kelly LeBrock disse que quando ela fez a cena do beijo com Ilan Mitchell-Smith, ele se empolgou e enfiou a língua em sua garganta. Depois ela disse a ele: "Se você fizer isso de novo, eu vou chutar o seu traseiro!". O nome da personagem é inspirado na Apple Lisa.[9]

Anthony Michael Hall havia deixado a produção National Lampoon's European Vacation para atuar em Weird Science.[10]

A revista Time, da qual Gary e Wyatt acidentalmente criam um míssil nuclear, é a edição de 31 de janeiro de 1983.[11]

Anos depois, Ilan Mitchell-Smith deixaria o trabalho de ator para ser professor de literatura medieval na Califórnia.[8]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

O tema do filme, "Weird Science", foi interpretado pela banda Oingo Boingo e escrito pelo vocalista da banda, Danny Elfman. O álbum da trilha sonora foi lançado pela MCA Records:[12]

  1. "Weird Science" – Oingo Boingo
  2. "Private Joy" – Cheyne
  3. "The Circle" – Max Carl
  4. "Turn It On" – Kim Wilde
  5. "Deep in the Jungle" – Wall of Voodoo
  6. "Do Not Disturb (Knock Knock)" – The Broken Homes
  7. "Forever" – Taxxi
  8. "Why Don't Pretty Girls Look at Me" – The Wild Men Of Wonga
  9. "Method to My Madness" – The Lords of the New Church
  10. "Eighties" – Killing Joke
  11. "Weird Romance" - Ira and the Geeks

Recepção[editar | editar código-fonte]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Considerando seu orçamento de US$ 7,5 milhões, Weird Science tornou-se um sucesso de bilheteria arrecadando US$ 23.834.048 só nos Estados Unidos.

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

No agregador de resenhas Rotten Tomatoes, o filme tem uma taxa de aprovação de 57% com base em 35 comentários e uma classificação média de 5,66/10; seu consenso crítico diz: "Dificilmente do mesmo nível que os outros filmes adolescentes de John Hughes, o decididamente pateta Weird Science ainda consegue algumas risadas com sua premissa ridícula e performances agradáveis".[13]

Roger Ebert chamou LeBrock de "maravilhosa" em seu papel e achou que, como resultado, o filme era "mais engraçado e um pouco mais profundo do que a história previsível que poderia ter sido".[14] O crítico Janet Maslin, do The New York Times, escreveu: "O Sr. Hughes mostra que pode criar tantos tipos de piadas idiotas que apenas um garoto de catorze anos poderia amar. Há garotos de catorze anos que vão ao cinema apenas para assistir o besteirol Weird Science, isso ajuda o filme a conquistar um moderado sucesso, mas para o resto da população, sua promoção é extenuante o suficiente para ser motivo de chacota".[15] A revista Variety escreveu: "Weird Science não é tão estranho quanto deveria ser e, na verdade, é um filme infantil bastante convencional e casto. O diretor e escritor John Hughes desperdiça a oportunidade de comentar sobre a luta pelo poder entre os sexos em troca de algumas risadas fáceis".[16] Gene Siskel, do jornal Chicago Tribune, deu ao filme uma estrela e meia em quatro e escreveu: "Que decepção Weird Science é! Um maravilhoso roteirista e diretor pegou uma ideia fofa sobre dois adolescentes 'Dr. Frankensteins' criando uma mulher perfeita por computador e a transformou em um deserto vulgar, estúpido e cheio de efeitos especiais".[17] Sheila Benson do Los Angeles Times descreveu LeBrock como "triunfante" e o "maior trunfo do filme", ​​mas achou que o apelo do filme se limitava ao público de garotos de quinze anos e "talvez aos de dezesseis, se eles ainda não forem muito exigentes".[18] Rita Kempley, do The Washington Post, disse: "Inacreditavelmente, John Hughes, o criador de Sixteen Candles and The Breakfast Club, escreve e dirige esta fantasia sórdida de efeitos especiais, com Kelly LeBrock em um papel degradante como escrava de amor de uma dupla de crianças de quinze anos".[19]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Saturno

  • Indicado na categoria de Melhor Atuação de Ator Jovem (Ilan Mitchell-Smith).

Legado[editar | editar código-fonte]

Série de televisão[editar | editar código-fonte]

Uma série de televisão baseada no filme foi exibida no canal a cabo USA Network e contou com 88 episódios, de 1994 a 1998. Seguindo o mesmo enredo básico do filme, a série estrelou Vanessa Angel como Lisa, Michael Manasseri como Wyatt, John Mallory Asher como Gary e Lee Tergesen como Chet.

Remake e sequências[editar | editar código-fonte]

Em 2013, a Universal Pictures estava planejando um remake de Weird Science com o produtor original Joel Silver retornando para a produção e Michael Bacall escrevendo o filme.[20] O remake foi pensado originalmente para tentar distinguir-se do filme original, utilizando uma comédia mais ousada. No entanto, a partir de meados de 2019, nada do remake havia sido feito.[21]

Paródia[editar | editar código-fonte]

Em 2013, o site Funny or Die fez uma esquete intitulada "Weird Science 2" protagonizada pela brasileira Alessandra Ambrosio.[22]

Referências

  1. «Mulher Nota 1000». Brasil: CinePlayers. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  2. «Que Loucura de Mulher». Portugal: SapoMag. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  3. 20 Movies You May Not Know Were Based on Comics
  4. Snider, Eric (30 de março de 2016). «15 Fun Facts About Weird Science». Mental Floss. Consultado em 20 de fevereiro de 2019 
  5. «Weird Science (1985)». Box Office Mojo. Consultado em 10 de dezembro de 2010 
  6. «Late Night TV, The Force & Cult Films—Oliver Grand» 
  7. rossmcguinness20 (9 de maio de 2015). «Weird Science is 30: 15 weirdly great things about the '80s classic - Metro News». Metro 
  8. a b Weird Science is 30: 15 weirdly great things about the ’80s classic Metro
  9. Mulher Nota 1000 AdoroCinema
  10. Loucas Aventuras de Uma Família Americana na Europa AdoroCinema
  11. TIME Magazine
  12. «Various - Weird Science - Music From The Motion Picture Soundtrack». Discogs 
  13. «Weird Science (1985)». Rotten Tomatoes. Consultado em 10 de dezembro de 2010 
  14. Ebert, Roger (2 de agosto de 1985). «Weird Science movie review». RogerEbert.com. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  15. Maslin, Janet (August 2, 1985). "Film: 'Weird Science,' Youth Fantasy". The New York Times. C8.
  16. "Film Reviews: Weird Science". Variety. August 7, 1985. 18.
  17. Siskel, Gene (August 2, 1985). "'Weird Science' proves even John Hughes can short-circuit". Chicago Tribune. Section 7, Page A.
  18. Benson, Sheila (August 2, 1985). "'Science' Fulfills Teen-Age Dreams". Los Angeles Times. Part VI, p. 1.
  19. Kempley, Rita (August 2, 1985). "'Weird Science': Computer Garbage". The Washington Post. Weekend, p. 23.
  20. Mulher Nota 1000 vai ganhar um remake Omelete
  21. Cima, Miguel (29 de junho de 2018). «9 Remakes Currently In Development (And 11 That Are Rumored)». ScreenRant (em inglês). Consultado em 29 de outubro de 2018 
  22. https://www.funnyordie.com/2013/8/15/17718132/weird-science-2-with-alessandra-ambrosio Funny or Die

Ligações externas[editar | editar código-fonte]