Metroid

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Zebes)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o jogo eletrônico para a plataforma NES, veja Metroid (jogo eletrônico).
Metroid
Metroid logo.png
Gênero(s) Ação-aventura
Plataforma
Desenvolvedora(s) Nintendo Research & Development 1
Retro Studios
Publicadora(s) Nintendo
Criador(es) Satoru Okada
Gunpei Yokoi
Hiroji Kiyotake
Yoshio Sakamoto
Plataformas
Primeiro título Metroid
6 de agosto de 1986
Último título Metroid: Samus Returns
15 de setembro de 2017
Portal Portal de jogos eletrônicos

Metroid é uma série de jogos eletrônicos da Nintendo. A história se passa em um cenário de ficção científica, centrado na caçadora de recompensas Samus Aran que protege a galáxia dos Piratas Espaciais e suas tentativas de obter o poder de criaturas parasitas, chamadas de Metroid.

A série consiste em oito jogos principais da franquia, três spin-offs e dois remakes aprimorados. Os jogos foram lançados em quase todos os console de videogame da Nintendo, exceto o Nintendo 64 e Wii U. Um jogo está em desenvolvimento para o console Nintendo Switch. Os jogos receberam diferentes níveis de aclamação da crítica. Em setembro de 2012, a série Metroid havia vendido cerca de 17,44 milhões[1] de cópias. A franquia foi representada em outros universos da Nintendo, incluindo a série Super Smash Bros.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Metroid tem elementos de ação e aventura, tiro e plataforma. São centrados em torno de buscas para aperfeiçoamentos da armadura de Samus e habilidades, que permitem superar obstáculos e acessar ambientes novos. Samus encontra vários artefatos em suas aventuras.[2] A maioria dos jogos é do gênero sidescrolling 2D, exceto a série Metroid Prime que usa uma perspectiva em primeira pessoa, com elementos de tiro e exploração com jogabilidade de plataforma. O jogador ganha itens e upgrades para o traje de Samus a medida que avança no cenário, e ocasionalmente derrotando criaturas alienígenas através de combate corpo-a-corpo ou com o canhão Power Beam do traje.[3]

Jogos[editar | editar código-fonte]

Os principais jogos da franquia são focados na jornada de Samus em derrotar as ameaças causadas frequentemente pelos Piratas Espaciais em obter armas biológicas como os Metroids e os Phazon.

Metroid[editar | editar código-fonte]

Linha do tempo de anos de lançamento
1986Metroid
1987
1988
1989
1990
1991Metroid II: Samus Returns
1992
1993
1994Super Metroid
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002Metroid Prime
Metroid Fusion
2003
2004Metroid Prime 2: Echoes
Metroid: Zero Mission
2005Metroid Prime Pinball
2006Metroid Prime Hunters
2007Metroid Prime 3: Corruption
2008
2009Metroid Prime: Trilogy
2010Metroid: Other M
2011
2012
2013
2014
2015
2016Metroid Prime: Federation Force
2017Metroid: Samus Returns
2018
2019
2020
TBAMetroid Prime 4
Ver artigo principal: Metroid (jogo eletrônico)

Foi lançado para o Nintendo Entertainment System (NES) em 1986, Samus Aran foi enviada com a missão de explorar o Planeta Zebes e evitar que os Piratas Espaciais consigam capturar os Metroids. Ela enfrenta o Cérebro Mãe e os seus guardiões Kraid e Ridley.[4] É um jogo eletrônico de rolagem lateral e foi um dos pioneiros do subgênero metroidvania, muito popular atualmente em certos jogos independentes.[5]

Metroid II: Return of Samus[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid II: Return of Samus

Foi lançado para o portátil Game Boy em 1991. A Federação Galáctica considerou a espécie Metroid extremamente perigosa para o universo e enviou Samus para o planeta natal da espécie, o SR388, com o objetivo de exterminar todas as criaturas derivadas dela. Depois de matar todos os seus estágios (Alfa, Gama, Zeta e Omega Metroid) e a Rainha Metroid, Samus encontra um ovo próximo da câmara da Rainha Metroid. Antes do Samus disparar sobre o ovo, um bebê Metroid choca e acredita que Samus seja sua mãe. Depois de ajudar a escapar de volta para sua nave, Samus entrega o filhote para a colônia espacial de Ceres para o estudo da criatura. Metroid II trouxe novos itens e armas e mais detalhes sobre o desenvolvimento dos Metroids.[4]

Super Metroid[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Super Metroid

Foi lançado para o Super Nintendo Entertainment System (SNES) em 1994. A jogabilidade era parecida com a do primeiro jogo, mas com mais equipamentos e um planeta muito mais detalhado. Também possui uma enredo mais complexo que seus dois antecessores. Após os acontecimentos de Metroid II, Samus recebe um sinal de socorro da colônia espacial de Ceres. Ela volta a tempo de se encontrar com Ridley roubando o filhote Metroid. Ela segue na sua nave até uma base reconstruída no Planeta Zebes, onde os Piratas Espaciais estão novamente tentando clonar os Metroids para usá-los como armas. Samus mata mais uma vez versões renascidas de Ridley e Kraid, bem como dos novos guardiões Phantoon e Draygon, e então confronta a Mãe Cérebro mais uma vez com ajuda do bebê Metroid agora já desenvolvido.[4]

Metroid Fusion[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid Fusion

Foi lançado para Game Boy Advance em 2002. Enquanto atua como guarda-costas para os pesquisadores do planeta SR388, Samus é infectada por um parasita nativo conhecido como Parasita X, derivada da espécie Metroid. Os médicos conseguem remover cirurgicamente porções de sua armadura e curam a infecção causada pelo X com uma vacina criada a partir do DNA do filhote Metroid (Metroid II: Return of Samus). A vacina não só permite que ela sobreviva aos parasitas, mas absorva-os para alimentar sua energia e armas. Ela é então enviada para investigar um acidente na estação de pesquisa do Laboratório Espacial Biológico, onde é revelado que espécies de SR388 eram portadores do parasita X.[4][6]

Metroid Prime[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid Prime

Foi lançado para GameCube em 2002 e desenvolvido pela Retro Studios. O jogo se passa no planeta Tallon IV, anteriormente habitado pela raça Chozo. Cinco décadas atrás, a raça Chozo foi exterminada depois que um meteoro atingiu o planeta. O meteoro contaminou o planeta com uma substância corruptiva e mutagênica que os Piratas Espaciais mais tarde chamaram de Phazon. Samus deve viajar pelo mundo de Tallon IV procurando por doze artefatos Chozo que abrirão o caminho para a cratera de impacto do meteoro Phazon, enquanto coleta habilidades e armas que a permitem alcançar novas áreas.[7]

Metroid: Zero Mission[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid: Zero Mission

Foi originalmente lançado para Game Boy Advance em 2004. É um remake de Metroid de 1986 lançado no NES. O enredo segue sendo praticamente o mesmo com algumas áreas novas e alguns eventos adicionais do jogo original.[8]

Metroid Prime 2: Echoes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid Prime 2: Echoes

Foi lançado para o GameCube em 2005 e desenvolvido pela Retro Studios como sequência do primeiro jogo da série Prime. Samus é enviada para investigar o planeta Aether depois que um esquadrão de fuzileiros navais se perderam pelo planeta. Samus encontra todo o esquadrão morto por várias criaturas, principalmente por uma raça maligna chamada Ing. As criaturas da raça Ing são capazes de possuir corpos vivos, mortos e artificialmente inteligentes. Essa característica foi fundamental para que essas criaturas pudessem combater os habitantes da raça dominante de Aether, o Luminoth. Ao encontrar o único membro remanescente de Luminoth (os outros estão congelados em câmaras, aguardando a destruição do Ing), Samus descobre que Aether foi dividido em duas dimensões por um meteoro semelhante ao que caiu em Tallon IV. Samus concorda em ajudar recuperando a energia planetária de Aether (a "Luz de Éter") de Dark Aether.[9]

Metroid Prime Pinball[editar | editar código-fonte]

Uma versão pinball da série lançada para o Nintendo DS. O jogo consiste em seis mesas de pinball, cada uma inspirada em uma área diferente de Metroid Prime.[10]

Metroid Prime Hunters[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid Prime: Hunters

Foi lançado para o Nintendo DS em 2006 como um spin-off da série Prime. Quando a Federação recebe uma mensagem incomum sobre um "Poder Final", Samus é enviada para o "Aglomerado Alíbico na Galáxia Tetra" para investigá-lo e protegê-lo. Outras pessoas também receberam a mensagem, e seis caçadores de recompensas rivais chegam com a intenção semelhante da protagonista. Quando todas as partes chegam à fonte da transmissão, é revelado que a mensagem era uma falsa isca enviada por uma criatura antiga conhecida como Gorea, que pretendia manipular os visitantes para libertá-la de um vazio entre dimensões.[11]

Metroid Prime 3: Corruption[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid Prime 3: Corruption

Foi lançado para o Wii em 2007 como terceiro jogo da trilogia Prime. O Almirante Dane, comandante de um navio da Federação Galáctica,convoca uma reunião com Samus Aran e outros três caçadores de recompensas - Rundas, Ghor e Gandrayda. Os caçadores de recompensas recebem ordens para limpar um vírus de computador de vários supercomputadores orgânicos chamados "Unidades Aurora", localizados em toda a galáxia.[12]

Metroid Other M[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid: Other M

Foi lançado para o Wii em 2010 e foi desenvolvido pela Team Ninja, uma divisão da Koei Tecmo, em conjunto com a Nintendo. Samus recebe um sinal de socorro e segue até uma misteriosa nave chamada "Navio Garrafa". Ela encontra um esquadrão de soldados da Federação Galáctica, incluindo seu amigo Anthony Higgs e seu ex-oficial superior Adam Malkovich. Eles descobrem que a diretora do navio, Madeline Bergman, tem conduzido pesquisas sobre armas biológicas ilegais para a Federação. Logo depois, Samus encontra um sobrevivente que afirma ser Madeline Bergman, mas na verdade é revelado ser um androide com uma inteligência artificial duplicada do Cérebro Mãe, de modo que os Metroids podem ser controlados telepaticamente.[13]

Metroid Prime: Federation Force[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid Prime: Federation Force

Anunciado na E3 2015, Metroid Prime: Federation Force é um spin-off da série Metroid Prime. É um jogo cooperativo de 4 jogadores focado em missões. Ele também possui um modo chamado Metroid Prime: Blast Ball.

Metroid: Samus Returns[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid: Samus Returns

Em junho de 2017, a Nintendo anunciou um remake oficial de Metroid II: Return of Samus para o Nintendo 3DS. Foi publicado em 15 de setembro de 2017.[14]

Metroid Prime 4[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metroid Prime 4

Em junho de 2017, a Nintendo anunciou que o Metroid Prime 4 estava em desenvolvimento para o Nintendo Switch.[15] Alguns rumores de diversas fontes especularam que o jogo estava sendo desenvolvido pela Bandai Namco Studios. Em 25 de janeiro de 2019, a Nintendo lançou um vídeo de três minutos que detalhava que o desenvolvimento do jogo tinha sido reiniciado desde o início, com o Retro Studios assumindo o cargo do desenvolvedor original ainda não confirmado.[16]

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

Aparições e Crossovers[editar | editar código-fonte]

Personagens e elementos da série Metroid apareceram em inúmeras mídias. Samus fez aparição em alguns jogos da Nintendo como Super Mario RPG, Tetris (versão do Nintendo Entertainment System), Tetris DS, Galactic Pinball, Kirby Super Star, Kirby's Dream Land 3 e WarioWare. Vários personagens e ambientes de jogos da franquia apareceram na série Super Smash Bros.

Samus é uma personagem jogável em todos os cinco jogos da franquia e também Samus com o Traje Zero (Zero Suit Samus), uma versão da protagonista usando um traje azul visto em Zero Mission e na série Prime também é jogável.[17]  Ridley faz algumas participações especiais em Super Smash Bros., onde ele pode ser visto voando em um arena temática do planeta Zebes, e em Super Smash Bros. Melee o personagem é visto como um troféu desbloqueável e na abertura do título, ele é visto lutando contra Samus na Estação Espacial Ceres.[18] Em Super Smash Bros. Brawl, Ridley, em suas formas tradicional e Meta Ridley, aparecem como um personagem chefe. Devido ao inúmeros pedidos dos fãs, Ridley tornou-se um lutador jogável em Super Smash Bros. Ultimate ao lado de Dark Samus.[19] Kraid também apareceu em Super Smash Bros. Melee e como um troféu desbloqueável. Vários outros personagens como Metroids, Cérebro Mãe e Dark Samus aparecem como troféus ou adesivos na série Super Smash Bros. também.

Mangá[editar | editar código-fonte]

Foram feitas, uma em 1986 e outra em 2002, adaptações de Metroid para mangá, sendo que a primeira segue a história do primeiro game, e a segunda conta em detalhes a história de Samus, desde a sua infância até o seu primeiro confronto com o tão temido Mother Brain, como visto no game Metroid: Zero Mission. A história é toda vista sob a perspectiva de Samus, com aparições de personagens secundários, inclusive o comandante Adam Malkovich, que ganha destaque em dois dos jogos produzidos: Metroid: Other M e Metroid Fusion.

Elementos da série[editar | editar código-fonte]

Samus Aran[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Samus Aran

Ainda criança, a pequena Aran viu a colônia K-2L, onde nascera, ser devastada por piratas espacias, salva pelo povo alienígena Chozo. Os Chozo, "Homens-Pássaro", criaram-na desde então. Estes lhe concederam o sangue Chozo para que ela tivesse suas habilidades naturais e a ingressaram em um treinamento especial, onde com 14 anos de idade ganhou a Power Suit sua armadura de combate (feita com base em um esqueleto de um Chozo). Com o passar do tempo, Samus fez missões que eram consideradas impossíveis, mas não terminou o treinamento de soldados da Federação Galática, tornando-se então uma caçadora de recompensas.

Sua primeira grande missão fora destruir as reservas de Metroids dos Piratas Espaciais em Zebes, derrotando os líderes Kraid, Ridley e Mother Brain no processo. Depois, acabou com os experimentos dos Pirates envolvendo o mutagênico Phazon, investigou um poder misterioso no sistema Alymbic (enfrentando 6 caçadores concorrentes ao mesmo tempo), e, em busca de soldados da Federação perdidos no planeta Aether, salvou os nativos de invasores de uma dimensão paralela.

Em certa missão, a Federação Galática pediu que Samus exterminasse os Metroids em seu planeta natal, e a caçadora matou todos, exceto um, que foi entregue aos cientistas da Federação. Ridley, porém, sequestrou-o e Samus seguiu-o então até Zebes. Samus então começou a vasculhar o interior do Planeta Zebes para encontrar Ridley. Ela descobre que Mother Brain havia voltado, e ela então destrói Mother Brain de uma vez por todas.

10 anos após o incidente, Samus foi contratada para escoltar um grupo de cientistas da Federação no planeta SR388. Ela é então atacada por um parasita X, um tipo de vírus que era a presa dos extintos Metroids, que após a morte dos Metroids, se espalhou no planeta. Ao voltar em sua nave, Samus fica inconsciente e sua nave bate em um meteoro. Por sorte, Samus é ejetada da nave e encontrada pelos cientistas da Federação, que criam uma vacina a partir das células da larva Metroid que mata os parasitas X. Porém, as partes infectadas da Power Suit de Samus são retiradas, sobrando apenas parte de seu Suit, que fica meio azul e vulnerável. Samus também fica mais vulnerável ao frio, característica dos Metroids. Samus então vai ao L.E.B porque um alerta de infecção pelos vírus X é disparado, e ela descobre que um parasita X a clonou, e fazendo várias missões contra os X, Samus controla a base L.E.B para se explodir junto com o planeta SR388, para que os X fossem exterminados. Ela foge em sua nave antes da destruição da L.E.B .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Guinness World Records 2013: Gamer's Edition. [S.l.: s.n.] 2012. p. 154 
  2. McLaughlin, Rus (8 de outubro de 2020). «IGN Presents The History of Metroid». IGN 
  3. «The 10 Best Video game franchises». Gamepro. 2010 
  4. a b c d «Metroid Time Line». IGN. 18 de outubro de 2002 
  5. Moreira, Thiago (24 de outubro de 2017). «Metroidvania: o gênero que não envelhece». Medium. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  6. Kasavin, Greg (15 de novembro de 2002). «Metroid Fusion Review». Gamespot. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  7. Kasavin, Greg (17 de novembro de 2002). «Metroid Prime Review». Gamespot. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  8. Schedeen, Jesse (12 de fevereiro de 2008). «Stars: Icons - Samus Aran». IGN. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  9. Zero, Falcon (11 de abril de 2010). «Metroid Prime 2: Echoes review». Metroid Recon. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  10. Harris, Craig (21 de outubro de 2005). «Metroid Prime Pinball Review». IGN. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  11. «Metroid Prime Hunters Review». Gamespot. 20 de março de 2006. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  12. Rorie, Matthew (3 de abril de 2009). «Metroid Prime 3: Corruption Walkthrough». Gamespot. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  13. Harris, Craig (27 de agosto de 2010). «Metroid: Other M Review». IGN. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  14. Byford, Sam (13 de junho de 2017). «Nintendo brings back 2D Metroid with Samus Returns for 3DS». The Verge. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  15. Webster, Andrew (13 de junho de 2017). «Metroid Prime 4 is coming to Nintendo Switch». IGN. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  16. «Development update on Metroid Prime 4 for Nintendo Switch». Nintendo UK. 25 de janeiro de 2019. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  17. Thomas, Lucas (4 de abril de 2008). «Super Smash Bros. Brawl FAQ». IGN. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  18. Staff, IGN (31 de julho de 2001). «Smash Profile: Captain Falcon». IGN. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  19. Staff, IGN (8 de fevereiro de 2008). «Smash Bros. Wish-List: All Nintendo Edition». IGN. Consultado em 2 de novembro de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre jogos eletrônicos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.