Academia da Força Aérea (Brasil)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Academia da Força Aérea
País  Brasil
Corporação Força Aérea Brasileira
Subordinação Departamento de Ensino da Aeronáutica
Missão Ensino militar
Sigla AFA
Criação 1960
Aniversários 10 de julho
Marcha Canção da Academia da Força Aérea (Bandeirantes do Ar)
Lema Ninho das Águias
Comando
Comandante Brigadeiro do Ar Carlos Eduardo
Sede
Sede Pirassununga -  São Paulo
Localidade Campo Fontenelle
Endereço Estrada de Aguaí, s/nº

Academia da Força Aérea (AFA) é um estabelecimento de ensino em nível superior da Força Aérea Brasileira, situado em Pirassununga, Estado de São Paulo e reconhecido pelo Ministério da Educação. Integra o sistema de formação e aperfeiçoamento de pessoal do Comando da Aeronáutica (COMAER) e está subordinada ao Departamento de Ensino (DEPENS) da Força Aérea Brasileira (FAB). Tem como finalidade a formação de oficiais da ativa para os quadros de aviadores, intendentes e de infantaria da FAB.

É considerada uma das melhores escolas de formação de pilotos militares do mundo e forma não apenas pilotos militares para a Força Aérea Brasileira, como também para Forças Aéreas de países da América Latina, África, Ásia e Europa, mediante acordos internacionais de cooperação.

O ingresso na AFA ocorre mediante a aprovação em concursos públicos anuais de admissão, de âmbito nacional. As informações sobre esses concursos estão disponíveis em todas as organizações do Comando da Aeronáutica.

Atualmente, a Academia forma cadetes dos seguintes cursos:

  • Curso de Formação de Oficiais de Infantaria da Aeronáutica (CFOINF)
  • Curso de Formação de Oficiais Aviadores (CFOAV)
  • Curso de Formação de Oficiais Intendentes (CFOINT).

Além disso, todos os cadetes da Academia, ao final do curso, recebem o título de bacharéis em Administração, com ênfase em Administração Pública.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A AFA é a instituição sucessora da antiga Escola de Aeronáutica, originalmente sediada no Campo dos Afonsos e que, no passado, formou oficiais aviadores e intendentes para a FAB, desde a criação do antigo Ministério da Aeronáutica, em 1941.

A mudança de denominação, de Escola de Aeronáutica para Academia da Força Aérea (AFA), deu-se no ano de 1969. Em 1971 a Academia foi transferida para suas novas instalações em Pirassununga, São Paulo, município que reunia as melhores condições de clima e temperatura de todo o país para a prática de atividades de instrução aérea.

Em 1972, a AFA formou a primeira turma de oficiais aviadores e intendentes.

Instalações prediais e infraestrutura[editar | editar código-fonte]

As instalações da AFA, em Pirassununga, foram construídas de acordo com um plano diretor, o qual pode ser modificado conforme com eventuais necessidades, desde que aprovado pelas autoridades competentes. A Academia dispõe de uma área construída de 215.246m², sendo 141.800m² de área administrativa e 73.246m² de área residencial.

A Academia conta com uma estação de tratamento de água e rede hidráulica com aproximadamente 15km, com capacidade de 6.000.000 litros/dia, utilizando as águas do Rio Mojiguaçu, próximo ao distrito de Cachoeira de Emas, importante pólo turístico da região. O sistema de energia elétrica constitui-se de 41km de redes (aéreas e subterrâneas) de tensão. A rede viária tem 50 km, e a rede telefônica tem cerca de 23 km.

Cursos de Formação de Oficiais[editar | editar código-fonte]

Os Cadetes Infantes (CFOInf) estudam Métodos de Defesa e Segurança das Instalações Militares, Emprego de Defesa Antiaérea de Aeródromos e Sítios, Comando de Frações de Tropas e do Serviço de Salvamento e Combate a Incêndio (SESCINC), além Legislação Militar, Direito Militar, Emprego de Armamento, Serviço Militar e Mobilização, entre outras. Os Infantes ainda passam pelos Estágios de: Básico de Combatente de Montanha e de Instrutor de Tiro. A instrução de Pára-quedismo para os infantes é ministrada pelo Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento, o PÁRA-SAR, e tem o objetivo de capacitá-los ao desempenho de missões de ataque e resgate. Após quatro anos de formação acadêmica, são declarados Aspirantes-a-Oficial e começam a desempenhar suas atividades operacionais de combatente terrestre, como elemento-chave do Sistema de Defesa do Comando da Aeronáutica, em todo o território nacional.

Os Cadetes Intendentes (CFOInt) estudam em laboratórios de administração e intendência, onde aprendem a ciência e a tecnologia moderna da gestão econômico-financeira e dos serviços especializados de intendência, preparando-se assim para as tarefas de um combatente de superfície, integrado ao sistema logístico do Comando da Aeronáutica. Após quatro anos acadêmicos, são declarados Aspirantes-a-Oficial e começam a desempenhar suas atividades administrativo-operacionais nas diversas Organizações do Comando da Aeronáutica, distribuídos por todo o território nacional. O Curso de Formação de Oficiais Intendentes aceita matrícula de cadetes do sexo feminino na AFA.

Os Cadetes Aviadores (CFOAv) iniciam a instrução aérea na 2ª série, voando o T-25 "UNIVERSAL", avião de instrução primária/básica de fabricação nacional, e, nessa aeronave, voam cerca de 75 horas. Na 4ª série, os cadetes realizam a sua instrução na aeronave T-27 "TUCANO", turboélice de instrução avançada, também de fabricação nacional, no qual voam cerca de 125 horas.

Atividade Aérea[editar | editar código-fonte]

A aeronave Neiva T-25 (instrução primária) possui dois assentos e um motor a pistão, marca Lycoming IO 540 K1D5, de 300 HP. A aeronave T-27 ou Embraer EMB-312 Tucano (instrução avançada), também de dois lugares, é equipado com um motor turbo-hélice Pratt & Whitney de 750 SHP.

A instrução com a aeronave T-25 é realizada no Setor Leste da AFA, no 2° Esquadrão de Instrução Aérea, que tem a disposição uma Pista de 1902m de comprimento, com a Taxiway na mesma dimensão.

A instrução com a aeronave T-27 é realizada no Setor Oeste da AFA, no 1° Esquadrão de Instrução Aérea, que tem a disposição duas Pistas de 2.000m de comprimento, com a Taxiway na mesma dimensão.

A AFA tem uma intensa atividade aérea devido principalmente a instrução dos cadetes e também dos seus oficiais instrutores, chegando a quase 2/5 do que se voa por toda a FAB, sendo considerado o Aeródromo com o maior movimento de aeronaves militares da América Latina. Para que tudo ocorra dentro da mais completa segurança, a AFA mantem um serviço de alerta de Busca e Salvamento (SAR), com helicóptero (H-50 - Helibrás Esquilo) e tripulação, além de um SESCINC, previsto nos Batalhões de Infantaria da Aeronáutica, no caso o BINFA-84 e Ambulância/UTI, durante as 24 horas.

Organizações Sediadas na Guarnição de Aeronáutica de Pirassununga[editar | editar código-fonte]

A Guarnição de Aeronáutica de Pirassununga conta, além da AFA, com outras Unidades da FAB, as quais são: Fazenda da Aeronáutica de Pirassununga (FAYS), Prefeitura de Aeronáutica de Pirassununga (PAYS), Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA) - a Esquadrilha da Fumaça e o Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Pirassununga (DTCEA YS). O quartel ainda é sede de um Advogado Geral da União, através de um núcleo de assessoria jurídica (NAJ).

Na estrutura interna, a AFA possui as seguintes divisões:

- Divisão Administrativa;

- Divisão de Ensino;

- Batalhão de Infantaria - 84;

- Divisão de Suprimento e Manutenção;

- Corpo de Cadetes.

Duas Rodovias Estaduais Paulistas permitem o acesso a AFA: SP-225 e SP-201.

A AFA ainda realiza a mais importante festa aeronáutica do interior do Estado de São Paulo, o Domingo Aéreo. Este evento já comportou, no ano de 2006, aproximadamente, 57 mil pessoas. No ano de 2011, 53 mil pessoas vieram à festa.

Aeródromo[editar | editar código-fonte]

Campo Fontenelle Abreviatura: SBYS (ICAO) ou QPS (IATA)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]