Baba Yaga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Baba Yaga, de Ivan Bilibin

Baba Yaga (russo: Ба́ба-Яга́) é uma figura do folclore do leste europeu. É uma mulher velha e ossuda que viaja pelos céus montada em um almofariz. Os rastros que deixa, apaga com uma vassoura. Mora em uma casa móvel, com patas de galinha, cuja fechadura é uma boca cheia de dentes. Isaac Bashevis Singer descreveu Baba Yaga com um nariz vermelho arrebitado, com narinas largas e ardentes, olhos em chama como carvão em brasa e com cardos a sair do crânio em vez de cabelos. Singer referiu também a existência de babas menores e de pequenos demônios chamados dziads.

Ajuda os puros de coração e devora os impuros.

Originalmente concebida como uma entidade benfazeja, ao longo do tempo foram lhe atribuindo um caráter sinistro.

Referências[editar | editar código-fonte]

Isaac Bashevis Singer, Stories for Children, Joseph & Koza, pag. 146-151, Farrar, Straus and Giroux, 1991

A banda Emerson Lake & Palmer também já fez algumas menções a Baba Yaga em algumas de suas músicas, como "The Hut of Baba Yaga". No entanto, este tema é apenas uma adaptação da música A Cabana de Baba-Yaga sobre Patas de Galinha e Ossos de cachorro, obra que faz parte da suíte Quadros de uma Exposição, originalmente da autoria do compositor russo Modest Mussorgsky.


A banda Edguy também fez menção à Baba Yaga, em seu novo álbum, "Space Police, Defenders of the Crown" na música chamada "The Realms of Baba Yaga".

O autor Raphael Draccon menciona Baba Yaga em sua série de livros, Dragões de Éter.


Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.