Batalha do Álamo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha do Álamo
Parte da Revolução do Texas
1854 Alamo.jpg
O Álamo, como desenhado em 1854.
Data 23 de fevereiro a 6 de março de 1836
Local Atual San Antonio, Texas
Desfecho Vitória mexicana
Combatentes
 México Texas República do Texas
Comandantes
Antonio López de Santa Anna William Barret Travis 
James Bowie 
Forças
1.800[1] 189[1]
Baixas
400 a 600 mortos e feridos[1] Todos mortos[1]

Batalha do Álamo foi uma batalha e um evento crucial na Revolução do Texas, nos Estados Unidos. Depois de um cerco de treze dias, as tropas mexicanas sob o comando do presidente general Antonio López de Santa Anna lançaram um ataque sobre a missão Álamo perto de San Antonio de Béxar (atual San Antonio, Texas). Todos os defensores texanos foram mortos. A crueldade percebida de Antonio López durante a batalha inspirou muitos texanos, tanto colonos do Texas quanto aventureiros dos Estados Unidos a se juntarem ao exército texano. Estimulado por um desejo de vingança, os texanos derrotaram o exército mexicano na Batalha de San Jacinto, no dia 21 de abril de 1836, terminando a revolução.

Vários meses antes, os texanos tinham conduzido todas as tropas mexicanas do Texas Mexicano. Cerca de 100 texanos foram então guarnecidos no Álamo. A força texana cresceu um pouco, com a chegada de reforços liderados pelos co-comandantes James Bowie e William B. Travis. Em 23 de fevereiro, cerca de 1 500 mexicanos marcharam em San Antonio de Béxar como o primeiro passo em uma campanha para voltar a tomar o Texas. Pelos dez dias seguintes, os dois exércitos envolveram-se em vários conflitos com baixas mínimas. Ciente de que sua guarnição não poderia resistir a um ataque por uma força tão grande, Travis escreveu várias cartas pedindo por mais homens e suprimentos, mas menos de 100 homens chegaram como reforços.

Nas primeiras horas da manhã do dia 6 de março, o exército mexicano avançou para o Álamo. Após repelir dois ataques, os texanos não foram capazes de repelir um terceiro. Como os soldados mexicanos escalaram as paredes externas, a maioria dos soldados texanos se retirou para os edifícios interiores. Os defensores incapazes de chegar a esses pontos foram mortos pela cavalaria mexicana enquanto tentavam escapar. Entre cinco a sete texanos teriam se rendido e foram rapidamente executados. A maioria dos relatos de testemunhas oculares cita entre 182 a 257 texanos mortos, enquanto a maioria dos historiadores concorda que no Álamo entre 400 e 600 mexicanos foram mortos ou feridos. Vários combatentes foram enviados para Gonzales para espalhar a notícia da derrota texana. A notícia provocou tanto uma forte corrida para se juntar ao exército texano em pânico, conhecido como "The Runaway Scrape", como ao exército texano, enquanto a maioria dos colonos, e o novo governo da República do Texas, fugiam do avanço do exército mexicano.

No México, a batalha tem sido muitas vezes ofuscada pelos acontecimentos da Guerra Mexicano-Americana de 1846 - 1848. No Texas do século XIX, o complexo do Álamo gradualmente tornou-se conhecido como um local de batalha, e não uma ex-missão. O legislativo do Texas comprou o terreno e os edifícios no início do século XX, e designou a capela Álamo como um santuário do Estado do Texas. O Álamo é agora "o local turístico mais popular no Texas".[2] O Álamo tem sido objeto de numerosas obras de não-ficção que começam em 1843. A maioria dos americanos, no entanto, estão mais familiarizados com os mitos espalhados por muitos dos filmes e das adaptações para televisão,[3] incluindo a década de 1950 a minissérie da Disney Davy Crockett e em 1960, com o filme de John Wayne The Alamo. Em termos de etnia entre os defensores texanos, 13 eram texanos nativos, 11 com ascendência mexicana. O resto dos defensores de Álamo consistiu de 41 homens nascidos na Europa, dois judeus, dois negros, e o restante foi de americanos de outros estados. As forças de Antonio López eram um conglomerado de ex-cidadãos espanhóis, mestiços hispano-mexicanos e indígenas mexicanos.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Sob a presidência de Antonio López de Santa Anna, o governo mexicano começou a se afastar de um modelo federalista. As políticas cada vez mais autoritárias, incluindo a revogação da Constituição de 1824 no início de 1835, incitou muitos federalistas à revolta.[5] A região de fronteira do Texas Mexicano era povoada em grande parte por imigrantes dos Estados Unidos. Estes estavam acostumados a um governo federalista e amplos direitos individuais, e foram bastante enfáticos em demonstrar seu descontentamento nessa guinada do México para o centralismo.[6] Já desconfiados devido às tentativas americanas anteriores de comprar o Texas,[7] as autoridades mexicanas culparam os imigrantes americanos pela agitação naquela região, muitos dos quais haviam feito pouco esforço para se adaptar à cultura do país onde agora residiam.[8]

Em outubro, os texanos enfrentaram tropas mexicanas na primeira batalha oficial da Revolução do Texas.[9] Decidido a esmagar a rebelião, Antonio López começou a reunir uma grande força, o Exército de Operações do Texas, para restaurar a ordem.[10] A maioria de seus soldados era de recrutas inexperientes,[11] e um grande número tinha sido recrutado à força.[12]

Fall of the Alamo, por Theodore Gentilz em 1844, retrata o complexo Álamo a partir do Sul. Os alojamentos baixos, a capela, e a paliçada de madeira ligando-se em primeiro plano.

Os texanos derrotaram sistematicamente as tropas mexicanas já estacionadas no Texas. O último grupo de soldados mexicanos na região, comandado pelo cunhado de Antonio López, o general Martín Perfecto de Cos se rendeu em 9 de dezembro após o cerco de Béxar.[9] Até este ponto, o Exército Texano foi reforçado por muitos homens recém-chegados à região, principalmente aventureiros dos Estados Unidos. Muitos colonos do Texas, despreparados para uma longa campanha, voltaram para casa.[13] Irritado com o que considerou ser uma interferência americana nos assuntos mexicanos, Antonio López lançou uma resolução classificando os estrangeiros que lutassem no Texas como piratas. Na prática, esta decisão bania a captura de prisioneiros de guerra, pois naquela época os piratas capturados eram executados imediatamente.[13] [14] Antonio López reiterou esta mensagem em uma carta com palavras fortes para o presidente dos Estados Unidos Andrew Jackson. Esta carta não foi amplamente divulgada, e é improvável que a maioria dos recrutas americanos que serviam no exército texano estivesse ciente de que não haveria prisioneiros de guerra.[15]

Quando as tropas mexicanas partiram da San Antonio de Béxar (atual San Antonio, Texas), soldados texanos estabeleceram uma guarnição no Álamo, um antigo posto avançado religioso espanhol que havia sido transformado numa fortaleza improvisada.[16] Descrito por Antonio López como uma "fortificação irregular dificilmente digna desse nome",[16] o Álamo tinha sido projetado para resistir a um ataque por tribos nativas, e não a uma artilharia equipada.[17] O complexo se estendia por 1,2 hectares, perfazendo cerca de 400 m de perímetro para defender.[18] Uma praça no seu interior era delimitada a leste pela capela e ao sul por um edifício de apenas um andar conhecido como "alojamentos baixos".[19] Havia uma paliçada de madeira entre estes dois edifícios.[20] Existia ainda um quartel de dois andares estendido ao norte da capela.[19] No canto norte da parede leste, havia um curral para cavalos.[21] As paredes em torno do complexo tinham pelo menos 84 centímetros de espessura e sua altura variava entre 2,7 e 3,7 metros.[22] [Nota 1]

Para compensar a falta de aberturas para tiros, o engenheiro texano Green B. Jameson construiu passarelas para permitir que os defensores disparassem acima dos muros; este método, no entanto, deixava a parte superior do corpo do atirador exposta.[18] Tropas mexicanas haviam deixado para trás 19 canhões, que Jameson instalou ao longo dos muros. Um grande canhão de 18 libras chegou no Texas com o New Orleans Greys. Jameson posicionou este canhão no canto sudoeste do complexo. Ele se gabava do comandante texano do Exército Sam Houston de que os texanos poderiam "chicotear 10-1 com a nossa artilharia".[23]

A guarnição texana foi deploravelmente sub-dimensionada e sub-provisionada, com menos de 100 soldados remanescentes até 6 de janeiro de 1836.[24] O coronel James C. Neill, comandante da atuação no Álamo, escreveu ao governo provisório: "Se alguma vez houve um dólar aqui, eu não tenho conhecimento disso."[24] Neill solicitou tropas e suprimentos adicionais, sublinhando que a guarnição era susceptível de ser incapaz de resistir a um cerco que durasse mais de quatro dias.[24] [25] O governo texano estava em tumulto e incapaz de fornecer muita assistência.[26] [Nota 2] Quatro homens diferentes alegaram ter sido dado o comando de todo o exército:[Nota 3] em 14 de janeiro, Neill se aproximou de um deles, Sam Houston, para assistência na coleta de material, roupas e munições.[26]

Prelúdio para a batalha[editar | editar código-fonte]

James Bowie chegou ao Alamo em 19 de janeiro, com ordens para destruir o complexo. Em vez disso, tornou-se co-comandante da guarnição.

Sam Houston não poderia poupar o número de homens necessários para montar uma defesa bem sucedida.[27] Em vez disso, ele enviou o coronel James Bowie com 30 homens para retirar a artilharia do Álamo e destruir o complexo.[26] [Nota 4] Bowie era incapaz de transportar a artilharia desde o Álamo, pois a guarnição não tinha os animais de tração necessários. Neill logo convenceu Bowie de que a localização tinha importância estratégica.[28] Em uma carta ao governador Henry Smith, Bowie argumentou que "a salvação do Texas depende, em grande medida, em manter Béxar fora das mãos do inimigo. Ele serve como piquede de guarda de fronteira, e se estiver em posse de Antonio López, não há fortaleza da qual se possa repeli-lo em sua marcha em direção ao rio Sabine.[29] [Nota 5] No final da carta de Smith, "O coronel Neill e eu chegamos à resolução solene de que vamos preferir morrer nestas valas do que dá-las ao inimigo."[29] Bowie também escreveu para o governo provisório, pedindo "homens, dinheiro, fuzis, canhões e pólvora."[29] Poucos reforços foram autorizados; cavalaria oficial William B. Travis chegou a Béxar com 30 homens em 3 de fevereiro. Cinco dias depois, um pequeno grupo de voluntários chegou, incluindo o famoso sertanejo e ex-congressista dos Estados Unidos Davy Crockett, do Tennessee.[30]

Em 11 de fevereiro, Neill deixou o Álamo, provavelmente para recrutar reforços adicionais e reunir suprimentos.[31] Ele transferiu o comando a Travis, o oficial do exército regular de mais alto escalão na guarnição.[29] Voluntários compunham grande parte da guarnição, e eles não estavam dispostos a aceitar Travis como seu líder.[Nota 6] Os homens, em vez disso, elegeram Bowie, que tinha uma reputação como um lutador feroz, como seu comandante. Bowie celebrou e ficou muito embriagado e criou confusão em Béxar. Para mitigar os maus sentimentos resultantes, Bowie concordou em dividir o comando com Travis.[31] [32] [33]

General Antonio López de Santa Anna, que liderou as tropas mexicanas no Texas, em 1836.

Como os texanos lutaram para encontrar homens e suprimentos, Antonio López continuou a reunir os homens em San Luis Potosí, até o final de 1835 o seu exército tinha 6 019 soldados.[34] Em vez de avanço ao longo da costa, onde os suprimentos e reforços poderiam ser facilmente entregues por mar, Antonio López ordenou a seu exército para o interior para Béxar, o centro político do Texas e o local da derrota de Cos.[34] O exército começou a marchar para o norte no final de dezembro.[34] Oficiais usaram a longa viagem para treinar os homens. Muitos dos novos recrutas não sabiam como usar a mira de suas armas, e muitos se recusaram a disparar a partir do ombro, devido ao grande recuo.[35]

O progresso foi lento. Não havia mulas suficientes para transportar todos os suprimentos, e muitos dos carroceiros, todos os civis, saíram quando o seu pagamento foi atrasado. O grande número de soldaderas - mulheres e crianças que seguiam o exército consumido os suprimentos já escassos. Os soldados foram rapidamente reduzidos a rações parciais.[36] Em 12 de fevereiro, eles cruzaram o rio Grande.[37] [Nota 7] As temperaturas no Texas atingiram mínimos históricos, e até 13 de fevereiro cerca de 38 - 41 cm de neve havia caído. Hipotermia, disenteria e grupos de comanches de ataque teve um forte impacto sobre os soldados mexicanos.[38]

Em 21 de fevereiro, Antonio López e sua vanguarda chegaram às margens do rio Medina, 40 km de Béxar.[39] [40] Sem saber da proximidade do exército mexicano, a maioria da guarnição de Álamo juntou-se aos residentes Béxar em uma festa.[41] [Nota 8] Depois de acompanhar a celebração planejada, Antonio López ordenou ao general Joaquín Ramírez y Sesma para atacar imediatamente o Álamo desprotegido, mas as chuvas repentinas fizeram a incursão parar.[40]

Cerco[editar | editar código-fonte]

Investimento[editar | editar código-fonte]

Nas primeiras horas de 23 de fevereiro, os moradores começaram a fugir de Béxar, temendo a iminente chegada do exército mexicano. Embora convencido pelos relatórios, Travis posicionou um soldado na torre da Catedral de San Fernando, o local mais alto da cidade, para observar sinais de uma força que se aproxima. Várias horas depois, batedores texanos relataram ter visto tropas mexicanas 2,4 km fora da cidade.[41] Alguns arranjos foram feitos para um cerco potencial. Um grupo de texanos ficou de guarda no Álamo, enquanto outros roubavam comida nas casas recentemente abandonadas.[42] Vários membros da guarnição que viviam na cidade trouxeram suas famílias com eles quando eles relataram ao Álamo. Entre estes estavam Almaron Dickinson, que trouxe sua esposa Susanna e sua filha bebê Angelina, Bowie, que estava acompanhado pelos primos e sua falecida esposa, Gertrudis Navarro e Juana Navarro Alsbury, e filho do Alsbury;[43] e Gregorio Esparza, cuja família subiu pela janela da capela Álamo depois que o exército mexicano chegou.[44] Outros membros da guarnição não conseguiram se apresentar ao serviço, a maioria dos homens que trabalham fora de Béxar não tentaram esgueirar-se linhas mexicanas.[45]

Eu respondo a você, de acordo com a ordem de Sua Excelência, que o exército mexicano não pode chegar a um acordo sob quaisquer condições com os estrangeiros rebeldes a quem não há recurso à esquerda, se quiserem salvar suas vidas, do que colocar-se imediatamente no disposição do Governo Supremo do qual só eles podem esperar clemência após algumas considerações.

Resposta de José Bartres aos pedidos texanos para uma rendição honrosa, como citado no diário de Juan Almonte[46]

Ao final da tarde, Béxar foi ocupada por cerca de 1 500 soldados mexicanos.[47] Quando as tropas mexicanas levantaram uma bandeira vermelho-sangue, significando sem resistência, Travis respondeu com um disparo do maior canhão do Álamo.[48] Acreditando que Travis tinha agido às pressas, Bowie enviou Jameson para se reunir com Antonio López.[46] Travis ficou irritado pois Bowie agiu unilateralmente e enviou o seu próprio representante, o capitão Albert Martin.[49] Ambos os emissários se reuniram com o coronel Juan Almonte e José Bartres. De acordo com Almonte, os texanos pediram uma rendição honrosa, mas foram informados de que qualquer um que se entregasse, deveria fazê-lo incondicionalmente.[46] Ao saber disso, Bowie e Travis mutuamente acordaram em disparar o canhão novamente.[49] [Nota 9]

Confrontos[editar | editar código-fonte]

A primeira noite do cerco foi relativamente calma.[50] Ao longo dos dias seguintes, os soldados mexicanos estabeleceram baterias de artilharia, inicialmente, cerca de 300 m das paredes sul e leste do Álamo.[51] A terceira bateria foi posicionada a sudeste do forte. Todas as noites, as baterias se aproximavam das paredes do Álamo.[52] Durante a primeira semana do cerco, mais de 200 balas de canhão foram disparadas no Álamo. A princípio, os texanos combinavam fogo de artilharia mexicana, muitas vezes reutilizando as balas de canhão dos mexicanos.[53] [54] Em 26 de fevereiro, Travis ordenou à artilharia que economizasse pólvora e balas.[53]

Dois eventos notáveis ocorreram na quarta-feira de 24 de fevereiro. Em algum momento daquele dia, Bowie entrou em colapso devido a uma doença,[55] Travis deixou a critério comando da guarnição.[55] No final daquela tarde, dois batedores mexicanos se tornaram as primeiras vítimas do cerco.[56] [Nota 9] Na manhã seguinte, 200 a 300 soldados mexicanos cruzaram o rio San Antonio e se esconderam em barracos abandonados perto das paredes do Álamo.[52] [56] [57] Vários texanos aventuraram-se fora do Álamo para queimar as cabanas[57] enquanto texanos dentro do Álamo forneciam cobertura.[58] [59] Depois de uma batalha de duas horas, as tropas mexicanas se retiraram para Béxar.[52] [59] Seis soldados mexicanos foram mortos e outros quatro ficaram feridos.[52] Nenhum texano ficou ferido.[60]

O vento do norte soprou em 25 de fevereiro, baixando a temperatura a 4° C.[53] Nenhum dos exércitos estava preparado para temperaturas tão baixas.[61] Os texanos tentavam reunir lenha, mas foram impedidos pelas tropas mexicanas.[53] Na noite de 26 de fevereiro, o coronel Juan Bringas enviou vários texanos para queimar mais cabanas.[62] Segundo o historiador J.R. Edmondson, um texano foi morto.[63]

Reforços[editar | editar código-fonte]

Estou determinado a sustentar-me o maior tempo possível e morrer como um soldado que nunca se esquece de que é devido a sua própria honra e que de seu país.
VITÓRIA OU MORTE.

trecho da carta de William B. Travis Ao povo do Texas e todos os americanos no mundo.[64]

Antonio López posicionou um posto a leste do Alamo, na estrada de Gonzales.[52] [65] Almonte e 800 dragões estavam posicionados ao longo da estrada para Goliad.[66] Durante todo o cerco essas cidades tinham recebido vários mensageiros, despachados por Travis a implorar por reforços e suprimentos.[48] [67] A mais famosa de suas cartas, escrita em 24 de fevereiro, foi dirigida ao povo do Texas e todos os americanos no mundo. De acordo com a historiadora Mary Deborah Petite, a carta é "considerada por muitos como uma das obras-primas do patriotismo americano".[68] Cópias da carta foram distribuídas no Texas,[69] e, finalmente, reimpressas nos Estados Unidos e grande parte da Europa.[56] Como a notícia do cerco espalhada por todo o Texas, e potenciais reforços reunidos em Gonzales, eles esperavam encontrar-se com o coronel James Fannin, que estava previsto para chegar a partir de Goliad com sua guarnição.[70] Em 26 de fevereiro, depois de dias de indecisão, Fannin ordenou 320 homens, quatro canhões, e várias carroças de abastecimento para marchar em direção ao Álamo, a 140 km de distância. Este grupo viajou menos de 1,6 km, antes de voltar atrás.[71] [72] Fannin culpou a retirada em seus oficiais, os agentes e homens recrutados acusados de abortar a missão.[73]

William B. Travis se tornou o único comandante texano no Álamo em 24 de fevereiro.

Os texanos reunidos em Gonzales não estavam cientes do retorno de Fannin para Goliad, e a maioria continuou a esperar. Impaciente com a demora, em 27 de fevereiro Travis ordenou a Samuel G. Bastian para ir para Gonzales "para apressar os reforços".[74] Segundo o historiador Thomas Ricks Lindley, Bastian encontrou a Gonzales Ranging Company liderada pelo tenente George C. Kimble e mensageiro de Travis para Gonzales, Albert Martin, que tinha cansado de esperar por Fannin. Uma patrulha mexicana atacacou o grupo fora do Álamo com quatro homens, incluindo Bastian.[Nota 10] [75] Na escuridão, os texanos dispararam contra os restantes 32 homens, a quem eles assumiram que eram soldados mexicanos. Um homem foi ferido, e as suas palavras em inglês convenceram os defensores a abrir os portões.[Nota 11] [76]

Em 3 de março, os texanos assistiram das suas muralhas cerca de 1 000 mexicanos invadirem Béxar. O exército mexicano comemorou em voz alta durante toda a tarde, tanto em honra de seus próprios esforços quanto com a notícia de que as tropas do general José de Urrea haviam derrotado o coronel texano Frank W. Johnson na batalha de San Patricio em 27 de fevereiro.[77] A maioria dos texanos no Álamo acreditava que Sesma vinha liderando as forças mexicanas durante o cerco, e eles erroneamente atribuíram a celebração à chegada de Antonio López. Os reforços elevaram o número de soldados mexicanos em Béxar a quase 3 100.[78]

Com a chegada dos reforços mexicanos, Travis solicitou o envio de três homens, incluindo Davy Crockett, para encontrar a força de Fannin, que ele ainda acreditava estar a caminho.[79] Os batedores descobriram um grande grupo de texanos acampados a 32 km do Álamo.[80] A pesquisa de Lindley indica que até 50 de esses homens tinham vindo de Goliad após a abortada missão de resgate de Fannin. Os outros tinham deixado Gonzales alguns dias antes.[81] Pouco antes do amanhecer em 4 de março, parte da força texana rompeu as linhas mexicanas e entrou no Álamo. Soldados mexicanos levaram um segundo grupo em toda a pradaria.[80] [Nota 12]

Preparações para o ataque[editar | editar código-fonte]

Em 4 de março, um dia depois de seus reforços chegaram, Antonio López propôs um ataque ao Álamo. Muitos de seus oficiais superiores recomendaram esperar dois canhões de 12 libras previstos para chegar em 7 de março.[82] Naquela noite, uma mulher local, Juana Navarro Alsbury provavelmente prima de Bowie, aproximou-se de Antonio López para negociar uma rendição para os defensores Álamo.[83] De acordo com muitos historiadores, esta visita provavelmente aumentou a impaciência de Antonio López, como o historiador Timothy Todish observou, "não teria havido pouca glória em uma vitória sem derramamento de sangue".[84] Na manhã seguinte, Antonio López anunciou a seu exército que o ataque iria ocorrer no início em 6 de março. Antonio López ordenou que os homens de Béxar fossem dispensados das linhas de frente, de modo que eles não seriam obrigados a lutar contra suas próprias famílias.[84]

A lenda diz que, em algum momento de 5 de março, Travis reuniu seus homens e explicou que um ataque era iminente, e que o exército mexicano iria prevalecer. Ele supostamente desenhou uma linha no chão e perguntou quem está disposto a morrer pela causa texana era para cruzar e ficar ao lado dele, apenas um homem (Moses Rose) disse ter recusado.[85] A maioria dos estudiosos desconsideram este conto, como não há provas de fontes primárias para apoiá-lo (a história só surgiu décadas após a batalha em uma história de terceira mão).[86] No entanto, Travis aparentemente, em algum momento antes do ataque final, reuniu os homens para uma conferência para informá-los sobre a terrível situação e dar-lhes a oportunidade de fugir ou ficar e morrer pela causa.[87]

O último texano verificado ter deixado o Álamo foi James Allen, um mensageiro que levava mensagens pessoais de Travis e vários dos outros homens em 5 de março.[88]

Ataque final[editar | editar código-fonte]

Combates exteriores[editar | editar código-fonte]

Envio inicial de tropas mexicanas[89] [90]
Comandante Tropas Equipamentos
Cos 350 10 Escadas

2 Barras de ferro
2 Machados

Castrillón 400 10 Escadas
Romero 400 6 Escadas
Morales 125 2 Escadas
Sesma 500 Cavalarias
Antonio López 400 Reservistas

Às 10 horas do dia 5 de março, a artilharia mexicana cessou seu bombardeio. Como Antonio López tinha antecipado, os texanos exaustos logo caíram no primeiro sono ininterrupto muitos haviam começado desde o cerco começou.[91] Logo após a meia-noite, mais de 2 000 soldados mexicanos começaram a se preparar para o ataque final.[92] Menos de 1 800 foram distribuídos em quatro colunas, comandadas por Cos, coronel Francisco Duque, coronel José María Romero e o coronel Juan Morales.[89] [90] Veteranos foram posicionados no exterior das colunas de controlar melhor os novos recrutas e os recrutas no meio.[93] Como medida de precaução, 500 mexicanos de cavalaria foram posicionados ao redor do Álamo para impedir a fuga de ambos soldados texanos ou mexicanos. Antonio López permaneceu no acampamento com os 400 reservistas.[90] [94] Apesar do frio, os soldados receberam ordens para não usar casacos compridos, o que poderia impedir seus movimentos.[90] Nuvens esconderam a lua, e, portanto, os movimentos dos soldados.[95]

Às 05:30 da manhã tropas avançaram silenciosamente. Cos e seus homens se aproximaram do canto noroeste do Álamo,[93] enquanto Duque levou seus homens do noroeste em direção a uma brecha reparada na muralha norte do Álamo.[96] A coluna comandada por Romero marcharam em direção à muralha leste, e a coluna de Morales destinada para o parapeito baixo pela capela.[96]

Os três sentinelas texanos posicionados fora das muralhas foram mortos durante o sono,[96] [97] permitindo que soldados mexicanos se aproximar sem ser detectados dentro do alcance dos mosquete das muralhas.[96] Neste ponto, o silêncio foi quebrado por gritos de "¡Viva Antonio López!" e a música dos corneteiros.[92] O barulho acordou os texanos.[97] A maioria dos não-combatentes reuniu-se na sacristia da igreja para segurança.[98] Travis foi levado às pressas para o seu posto gritando "Vamos lá rapazes, os mexicanos estão sobre nós e nós vamos dar-lhes o inferno!"[96] e, como ele passou por um grupo de tejanos "¡No rendirse, muchachos!" ("Não se rendam, meninos").[91]

Plano do Álamo, criado por José Juan Sánchez-Navarro em 1836. Locais marcados R e V denotam canhões mexicanos; posição S indica as tropas de Cos.

Nos momentos iniciais do ataque, tropas mexicanas estavam em desvantagem. Sua formação de coluna permitiu que apenas os soldados das linhas de frente disparassem de forma segura.[99] Desconhecendo os perigos, os recrutas inexperientes nas fileiras "cegamente viravam as armas", ferindo ou matando os soldados na frente deles.[100] A concentração apertada de tropas também ofereceu um excelente alvo para a artilharia texana.[99] Com a falta de metralha, os texanos preencheram seu canhão com qualquer metal que puderam encontrar, inclusive dobradiças, pregos e ferraduras, essencialmente transformando os seus canhões em mosquetes gigantes.[96] De acordo com o diário de José Enrique de la Peña, "uma única rajada de canhões acabou com metade da sociedade de caçadores de Toluca".[101] Duque caiu de seu cavalo, depois de sofrer um ferimento na coxa e quase foi pisoteado por seus próprios homens. O general Manuel Castrillón assumiu rapidamente o comando da coluna de Duque.[21]

Embora alguns na frente das fileiras dos mexicanos tenham hesitado, os soldados na parte de trás foram empurrados sobre eles.[99] À medida que as tropas se concentraram contra as muralhas, os texanos foram forçados a inclinar-se por cima dos muros para atirar, deixando-os expostos ao fogo mexicano. Travis se tornou um dos primeiros defensores a morrer, beleado enquanto dispara sua arma para os militares abaixo dele, embora uma fonte diga que ele tirou a espada e esfaqueou um oficial mexicano que invadiu a muralha antes de sucumbir à sua lesão.[99] Pouco tempo depois, com escadas, os mexicanos chegaram às muralhas.[102] Os poucos soldados que conseguiram escalar as escadas foram rapidamente mortos ou espancados na volta. Como os texanos descarregando seus rifles e descarregando novamente, no entanto, eles acharam cada vez mais difícil recarregar durante a tentativa de manter os soldados mexicanos longe do topo das muralhas.[21]

Os soldados mexicanos se retiraram e se reagruparam, mas seu segundo ataque foi repelido. Quinze minutos de batalha, eles atacaram uma terceira vez.[21] [99] Durante o terceiro ataque, a coluna de Romero, apontando para a muralha leste, foi exposta a tiros de canhão e se deslocaram-se para o norte, misturando-se com a segunda coluna.[21] A coluna de Cos, sob o fogo dos texanos na muralha oeste, também se desviou para o norte.[103] Quando Antonio López viu que a maior parte de seu exército estava reunida contra a muralha norte, que temia uma derrota; "em pânico", mandou os reservistas para a mesma área.[104] Os soldados mexicanos mais próximos da muralha norte perceberam que a muralha improvisada continha muitas lacunas e brexas. Um dos primeiros a escalar a parede de 3,7 m foi o general Juan Amador, em seu desafio, seus homens começaram fervilhando até a muralha. Amador abriu o poterna da muralha norte, permitindo que os soldados mexicanos entrassem no complexo.[102] Outros subiram através de portos de arma na muralha oeste, que tiveram poucos defensores.[105] Como os defensores texanos abandonaram a muralha norte e a extremidade norte da muralha oeste,[102] [105] atiradores texanos na extremidade sul do Álamo viraram seus canhões para o norte e dispararam para os soldados mexicanos que avançavam. Isso deixou o extremidade sul do Álamo desprotegida; em poucos minutos soldados mexicanos haviam subido pelas as muralhas e mataram os canhoneiros, ganhando o controle de canhões de 18 libras do Álamo.[95] A essa altura, os homens de Romero tinham tomado a muralha leste do complexo e foram avançando através do curral.[105]

Combates interiores[editar | editar código-fonte]

Grande Deus, Sue, os mexicanos estão dentro de nossas paredes! Se poupar, poupar o meu filho

As últimas palavras do texano defensor Almaron Dickinson para sua esposa Susanna, que se preparava para defender a capela.[103]

Como planejado anteriormente, a maioria dos texanos voltou para o quartel e para a capela. Buracos foram cavados nas paredes para permitir que os texanos disparassem suas armas.[103] Incapazes de chegar ao quartel, texanos posicionaram-se ao longo da muralha oeste para o rio San Antonio. Quando a cavalaria recarregou, os texanos se esconderam e começaram a disparar a partir de uma vala. Sesma foi forçado a enviar reforços, e os texanos acabaram sendo mortos. Sesma informou que este conflito envolveu 50 texanos, mas Edmondson acredita que o número foi maior.[106]

Os defensores do curral de bovinos recuaram para o curral de cavalos. Depois de descarregarem suas armas, um pequeno grupo de texanos subiu por cima do muro baixo, circulou atrás da igreja e correu a pé para a pradaria leste, que parecia vazia.[103] [105] [107] Como a cavalaria mexicana avançou sobre o grupo, Almaron Dickinson e sua equipe de artilharia viraram um canhão de volta e atiraram contra a cavalaria, provavelmente infligindo baixas. No entanto, todos os texanos que escapam foram mortos.[107]

O último grupo texano permanecer a céu aberto foi o de Crockett e os seus homens, defendendo o muro baixo na frente da igreja. Incapaz de recarregar, eles usaram suas armas e tacos e lutaram com facas. Depois de uma saraivada de fogo e uma onda de baionetas mexicanas, os poucos texanos restantes neste grupo recuaram em direção à igreja.[106] O exército mexicano agora controlava todas as paredes exteriores e o interior do complexo Álamo, exceto para a igreja e salas ao longo das paredes leste e oeste.[108] Soldados mexicanos voltaram sua atenção para a bandeira texana tremulando do telhado de um edifício. Quatro mexicanos foram mortos antes da bandeira do México ser levantada no local.[Nota 13] [109]

The Fall of the Alamo (1903) por Robert Jenkins Onderdonk, retrata Davy Crockett empunhando seu rifle como um porrete contra tropas mexicanas que tentavam violar as muralhas do Álamo.

Durante a hora seguinte, o exército mexicano trabalhou para garantir o controle completo do Álamo.[110] Muitos dos defensores remanescentes foram abrigados nas salas de quartéis fortificados.[111] Na confusão, os texanos tinham negligenciado cravar seu canhão antes de recuar. Soldados mexicanos viraram o canhão em direção ao quartel.[102] Como cada porta foi arrancada pelos soldados mexicanos que disparavam uma salva de mosquetes nos quartos escuros, em seguida, iam para o combate corpo-a-corpo.[111]

Muito doente para participar na batalha, Bowie provavelmente morreu na cama. Testemunhas da batalha deram relatos conflitantes sobre sua morte. Algumas testemunhas sustentaram que viram vários soldados mexicanos entrar no quarto de Bowie, baionetá-lo, e levá-lo vivo fora do quarto.[112] Outros afirmaram que Bowie se matou ou foi morto por soldados ao levantar a cabeça.[113] Segundo o historiador Wallace Chariton, o "mais popular, e provavelmente o mais preciso"[114] versão é que Bowie morreu em sua cama, "costas apoiadas contra a parede, e usando suas pistolas e sua famosa faca".[113] Os dois primeiros soldados mexicanos que invadiram o quarto foram baleados e mortos pelas pistolas de Bowie, e puxando a faca, Bowie matou um ou dois outros soldados antes que o resto o esfaqueacem repetidamente com suas baionetas.

Os últimos dos texanos a morrer foram os 11 homens que operavam os dois canhões de 12 libras na capela.[109] [115] Um tiro do canhão de 18 libras destruiu as barricadas na frente da igreja, e os soldados mexicanos entraram no prédio depois de disparar uma saraivada inicial de mosquete. A equipe de Dickinson disparou seus canhões da abside para os soldados mexicanos na porta. Sem tempo para recarregar, os texanos, incluindo Dickinson, Gregorio Esparza e James Bonham, agarraram seus rifles e atiraram antes de ser baionetados até a morte.[116] Robert Evans, o dono da artilharia, tinha sido encarregado de guardar a pólvora para não cair em mãos dos mexicanos. Ferido, ele se arrastou para o paiol de pólvora, mas foi morto por uma bala de mosquete com sua tocha apenas alguns centímetros da pólvora.[116] Se ele tivesse conseguido, a explosão teria destruído a igreja e matado as mulheres e crianças escondidas na sacristia.[117]

Quando os soldados se aproximaram da sacristia, um dos jovens filhos do defensor Anthony Wolf levantou-se para puxar um cobertor sobre os ombros.[116] Na escuridão, os soldados mexicanos confundiram com um adulto e o mataram.[Nota 14] [118] Possivelmente o último texano a morrer no campo de batalha tenha sido Jacob Walker,[119] que tentou se esconder atrás de Susanna Dickinson e foi baionetado na frente das mulheres.[120] Outro texano, Brigido Guerrero, também buscou refúgio na sacristia.[116] Guerrero, que desertou do exército mexicano em dezembro de 1835, foi poupado após convencer os soldados de que ele era um prisioneiro dos texanos.[118] [121]

Ás 06h30 da manha a batalha pelo Álamo acabou.[120] Soldados mexicanos inspecionaram cada cadáver, baionetaram qualquer corpo que se movia.[118] Mesmo com todos os texanos mortos, soldados mexicanos continuaram a atirar, alguns matando uns aos outros no meio da confusão. Generais mexicanos foram incapazes de parar a sede de sangue e apelaram para Antonio López para obter ajuda. Embora o general tenha ordenado, a violência continuava e os corneteiros finalmente receberam as ordens para soar uma retirada. Por 15 minutos depois, os soldados continuaram a atirar em cadáveres.[122]

Consequência[editar | editar código-fonte]

Baixas[editar | editar código-fonte]

A cripta da Catedral de San Fernando pretende manter as cinzas dos defensores do Álamo. Os historiadores acreditam que o mais provável é que as cinzas tenham sido enterradas perto do Álamo.

De acordo com muitos relatos da batalha, entre cinco a sete texanos se renderam.[Nota 15] [123] [124] Furioso que as suas ordens tinham sido ignoradas, Antonio López exigiu a execução imediata dos sobreviventes.[125] Semanas depois da batalha, as histórias que circularam era de que Crockett estava entre aqueles que se renderam.[124] No entanto, Ben, um ex-escravo americano que cozinhava para um dos oficiais de Antonio López, afirmou que o corpo de Crockett foi encontrado rodeado por "nada menos do que dezesseis cadáveres mexicanos".[126] Os historiadores discordam sobre qual a versão da morte de Crockett é precisa.[Nota 16] [127]

Antonio López teria dito ao capitão Fernando Urizza que a batalha "era apenas um pequeno caso".[128] Outro oficial, em seguida, observou que "com outra vitória como esta, pois isso, que vamos para o inferno".[Nota 17] [129] Em seu relatório inicial Antonio López afirmou que 600 texanos foram mortos, com apenas 70 soldados mexicanos mortos e 300 feridos.[130] Seu secretário, Ramón Martínez Caro, mais tarde repudiou o relatório.[131] Outras estimativas sobre o número de soldados mexicanos mortos variou de 60 - 200, com um adicional de 250 - 300 feridos.[129] A maioria dos historiadores do Álamo coloca o número de mortos mexicanos entre 400 - 600.[129] [132] [133] Isso representaria cerca de um terço dos soldados mexicanos envolvidos no ataque final, que as observações de Todish é "uma taxa de baixas temida por todos os padrões".[129] A maioria das testemunhas contou 182 texanos mortos.[134] Alguns historiadores acreditam que, pelo menos, um texano, Henry Warnell, escapou com vida da batalha. Warnell morreu alguns meses depois por caudas das feridas sofridas, durante a batalha final ou durante a sua longa fuga como um mensageiro.[135] [136]

Soldados mexicanos foram enterrados no cemitério local, Campo Santo.[Nota 18] [130] Logo após a batalha, o coronel José Juan Sanchez Navarro propôs que um monumento fosse erguido para os soldados mexicanos caídos. Cos rejeitou a ideia.[137]

Os corpos dos texanos foram empilhados e queimados.[Nota 19] [130] A única exceção era o corpo de Gregorio Esparza. Seu irmão Francisco, um oficial do exército de Antonio López, recebeu permissão para dar a Gregorio um enterro apropriado.[130] As cinzas foram deixados onde caíram até fevereiro de 1837, quando Juan Seguín voltou a Béxar para examinar os restos mortais. Um caixão simples inscritos com os nomes de Travis, Crockett, e Bowie estava cheio de cinzas das piras funerárias.[138] De acordo com um artigo de 28 de marco de 1837, do Telegraph and Texas Register,[139] Seguín enterrou o caixão debaixo de uma árvore de pêssegos. O local não foi marcado e não pode agora ser identificado.[140] Seguín mais tarde alegou que ele tinha colocado o caixão em frente ao altar da Catedral de San Fernando. Em julho de 1936, o caixão foi descoberto enterrado naquele local, mas de acordo com o historiador Wallace Chariton é improvável que realmente contenha os restos mortais dos defensores do Álamo. Fragmentos de uniformes foram encontrados no caixão, e sabe-se que os defensores do Álamo não usavam uniformes.[139]

Sobreviventes texanos[editar | editar código-fonte]

Susanna Dickinson sobreviveu à batalha do Álamo. Antonio López mandou-a para espalhar a palavra da derrota dos texanos aos colonos do Texas.

Na tentativa de convencer os outros escravos no Texas para apoiar o governo mexicano sobre a rebelião texana, Antonio López poupou o escravo de Travis, Joe.[141] No dia seguinte à batalha, ele entrevistou cada combatente individualmente. Impressionado com Susanna Dickinson, Antonio López se ofereceu para adotar a sua filha Angelina e educar os filhos dela na Cidade do México. Dickinson recusou a oferta, o que não foi estendida a Juana Navarro Alsbury para seu filho, que era maior de idade.[129] Cada mulher recebeu um cobertor e dois pesos de prata.[142] Alsbury e as outras mulheres Tejano foram autorizadas a voltar para suas casas em Béxar; Dickinson, sua filha e Joe foram enviadas para Gonzales, escoltado por Ben. Elas foram encorajadas a relacionar os eventos da batalha, e informar o restante das forças do Texas que o exército de Antonio López era imbatível.[129]

Impacto na revolução[editar | editar código-fonte]

Durante o cerco, os delegados recém eleitos de todo o Texas se reuniram na Convenção de 1836. Em 2 de março, eles declararam a independência, formando a República do Texas. Quatro dias depois, os delegados que estavam na convenção receberam um telegrama escrito por Travis em 3 de março. Era um aviso de sua terrível situação. Sem saber que o Álamo já havia caído, Robert Potter foi escolhido pela convenção para marchar imediatamente a fim de ajudar na defesa do Álamo. Sam Houston convenceu os delegados a permanecer em Washington-on-the-Brazos para desenvolver uma constituição. Depois de ter sido nomeado único comandante de todas as tropas texanas, Houston viajou para Gonzales para assumir o comando dos 400 voluntários que ainda estavam à espera de Fannin para levá-los ao Álamo.[143]

Poucas horas depois da chegada de Houston, em 11 de março, Andres Barcenas e Anselmo Bergaras chegaram com a notícia de que o Álamo havia caído e que todos os texanos foram mortos.[144] Com a esperança de deter o pânico, Sam Houston prendeu os homens como espiões inimigos. Eles foram liberados horas depois quando Susanna Dickinson e Joe chegaram a Gonzales e confirmaram a história.[145] Percebendo que o exército mexicano em breve avançaria para os assentamentos texanos, Houston aconselhou todos os civis da região a partir e ordenou seu novo exército a bater em retirada.[146] Isso provocou um êxodo em massa, conhecido como Runaway Scrape, e a maioria dos texanos, incluindo os membros do novo governo, fugiram para o leste.[147]

Apesar das perdas no Álamo, o exército mexicano no Texas estava em vantagem numérica em relação ao exército texano na proporção de quase seis para um.[148] Antonio López presumiu que o conhecimento da disparidade no número de soldados, e o destino trágico dos soldados texanos no Álamo, iria acabar com a resistência inimiga,[149] e fazer com que os texanos deixassem rapidamente o território.[150] Mas as notícias da queda do Álamo tiveram o efeito oposto, e os homens correram para se juntar ao exército de Houston.[149] O New York Post publicou num editorial que "tivesse [Antonio López] tratado os derrotados com moderação e generosidade, teria sido difícil, senão impossível, despertar essa simpatia geral para com o povo do Texas, que agora incita tantos espíritos aventureiros e ardentes a se juntar para ajudar seus irmãos".[151]

Na tarde de 21 de abril, o exército texano atacou o acampamento de Antonio López perto do Ferry Lynchburg. O exército mexicano foi pego de surpresa, e a batalha de San Jacinto acabou em apenas 18 minutos. Durante os combates, muitos dos soldados texanos gritavam repetidamente "Lembre-se do Álamo!"[152] Antonio López foi capturado no dia seguinte, e teria dito a Houston: "Esse homem pode considerar-se nascido para não ter um destino comum com quem conquistou o Napoleão do Oeste. E agora resta para ele ser generoso com os vencidos."[153] Sam Houston retrucou: "Você deveria ter lembrado disso no Álamo".[153] Antonio López foi forçado a ordenar suas tropas a deixar o Texas, pondo um fim no controle mexicano da província e dando alguma legitimidade à nova república.[153]

Legado[editar | editar código-fonte]

Vila do Álamo, um set de filmagem e atração turística norte de Brackettville

Após a batalha, Antonio López foi alternadamente visto como um herói nacional ou um pária. A percepção mexicana da batalha, muitas vezes reflete o ponto de vista dominante.[154] Antonio López teve sua reputação depreciada após sua captura na Batalha de San Jacinto, e muitos relatos mexicanos da batalha foram escritos por homens que tinham sido, ou se tornaram, seus críticos sinceros. Muitos outros historiadores acreditam que algumas das histórias, como a execução de Crockett, pode ter sido inventada para desacreditar ainda mais Antonio López.[127] Na história mexicana, a luta pelo Texas, incluindo a batalha do Álamo, foi logo ofuscada pela Guerra Mexicano-Americana, travada entre 1846 e 1848.[154]

Em San Antonio de Béxar, a população, em grande parte tejana, via o complexo do Álamo como mais do que apenas um local da batalha; ele representou décadas de assistência como uma missão, um hospital ou um posto militar.[155] Com o aumento da população de língua inglesa, o complexo tornou-se mais conhecido pela batalha. O foco tem-se centrado principalmente nos defensores texanos, com pouca ênfase dada ao papel dos soldados tejanos que serviram no exército texano, ou às ações do exército mexicano.[156] No início do século XX, o legislativo do Texas comprou a propriedade e nomeou as "Filhas da República do Texas" como zeladoras permanentes[157] do que é hoje um santuário oficial do Estado.[2] Em frente à igreja, no centro do Álamo, foi erguido um monumento, projetado por Pompeo Coppini, que homenageia os texanos e tejanos que morreram durante a batalha.[158] Bill Groneman escreveu na sua obra Battlefields of Texas que o Álamo tornou-se "o ponto turístico mais popular no Texas".[2]

Monumento aos defensores de Álamo

Os primeiros relatos em língua inglesa da batalha foram escritos e publicados por Texas Ranger e o historiador amador John Henry Brown.[159] E o relato seguinte da batalha era de Reuben Potter, The Fall of the Alamo, publicado em The Magazine of American History em 1878. Potter baseou seu trabalho em entrevistas com muitos dos sobreviventes mexicanos da batalha.[159] [160] O primeiro livro completo de não-ficção que cobre a batalha, The Alamo, de John Myers Myers, foi publicado em 1948.[161] Nas décadas desde então, a batalha tem lugar de destaque em muitas obras de não-ficção, mas de acordo com Todish et al., "Não pode haver dúvida de que a maioria dos americanos provavelmente formou sua opinião sobre o que ocorreu no Álamo não de livros, mas dos vários filmes feitos sobre a batalha."[162] A primeira versão para o cinema da batalha surgiu em 1911, quando Gaston Méliès dirigiu The Immortal Alamo.[3] A batalha tornou-se mais conhecida depois que, na década de 1950, a Disney produziu com destaque a minissérie Davy Crockett, que foi em grande parte baseada em mitos.[3] Depois de alguns anos, John Wayne dirigiu e estrelou em 1960 uma das mais conhecidas versões cinematográficas, The Alamo, cuja precisão histórica era questionável.[163] [Nota 20] Em 2004, um outro filme, também chamado The Alamo, foi lançado. Ele é considerado mais fiel aos fatos reais do que os outros filmes.[164]

Vários compositores foram inspirados pela Batalha do Álamo. The Ballad of Davy Crockett de Tennessee Ernie Ford passou 16 semanas nas paradas da música country, chegando em 4º lugar em 1955.[165] Marty Robbins gravou uma versão da canção "The Ballad of the Alamo", em 1960, que passou 13 semanas nas paradas de sucesso, chegando a 34º.[166] Jane Bowers com a canção "Remember the Alamo" foi gravada por artistas como Johnny Cash[167] e Donovan[168]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. A praça cobria uma área de 23 m de comprimento e 19 m de largura. O alojamento baixo tinha 35 m de comprimento, e o quartel tinha 57 m de comprimento e 5,5 m de largura. (Myers (1948), pp 180-81).
  2. Uma semana depois que James C. Neill enviou sua carta, o legislador provisório texano pediu o impeachment do governador, que, por sua vez dissolveu o legislativo. A constituição provisória tinha dado nenhum partido autoridade para realizar tais ações, e ninguém no Texas tinha certeza que estava no comando. (Todish et al. (1998), pp. 30–31.)
  3. Sam Houston, James Fannin, Frank W. Johnson, e o Dr. James Grant. (Todish et al. (1998), p. 30.)
  4. As ordens de Sam Houston para James Bowie eram vagas, e os historiadores discordam sobre a sua intenção. Uma interpretação é que as ordens de Bowie foram para destruir apenas as barricadas que o exército mexicano havia erguido em torno de San Antonio de Béxar, e que ele deve esperar no Álamo até o governador Henry Smith decidir se o Álamo deveria ser demolido e a artilharia removida. Smith nunca deu ordens sobre esta questão. (Edmondson (2000), p. 252.)
  5. O rio Sabine marcou a fronteira oriental do Texas mexicano.
  6. Voluntários do exército texano afirmaram o direito de escolher seus próprios líderes, e a maioria deles não estavam dispostos a servir a sub-oficiais do exército regular.
  7. Embora o rio Grande agora marque a fronteira entre o Texas e o México, nesta época o rio Nueces, várias centenas de quilômetros ao norte, foi considerado o limite sul do Texas mexicano.
  8. A festa foi em comemoração ao aniversário de George Washington, o primeiro presidente dos Estados Unidos.
  9. a b Apesar de Antonio López ter relatado mais tarde que um canhão texano, em 23 de fevereiro, matou dois soldados mexicanos e outros oito feridos, nenhum outro oficial mexicano informou as mortes que ocorreram a cada dia. (Todish et al. (1998), p. 40., Edmondson (2000), p. 304.)
  10. Diário do coronel Juan Almonte não mencionou quaisquer conflitos naquela noite. Em 1837, de Antonio López secretário Roman Martinez Caro relatou "dois pequenos reforços de Gonzales que conseguiram romper as nossas linhas e entrar na fortaleza. A primeira consistia de quatro homens que ganharam o forte uma noite, e o segundo foi um grupo de vinte e cinco." (Lindley (2003), p. 131.)
  11. Estes reforços texanos foram posteriormente apelidados de Immortal 32.
  12. O diário de Almonte informou que havia um conflito naquela noite, mas que as tropas mexicanas haviam repelido o ataque. (Lindley (2003), p. 143.)
  13. O tenente José Maria Torres leva o crédito do levantamento bem sucedido da bandeira mexicana. Ele foi mortalmente ferido no processo. (Todish et al. (1998), p. 54.)
  14. De acordo com Edmondson, Anthony Wolf, em seguida, correu para o quarto, pegou seu outro filho vivo, e saltou com o filho da rampa de canhão na parte de trás da igreja, ambos foram mortos por tiros de mosquete antes de chegar no chão. (Edmondson (2000), p. 372.)
  15. Edmondson especula que esses homens poderiam ter estado doentes ou feridos e, portanto, incapazes de lutar. (Edmondson (2000), p. 373)
  16. De acordo com Petite (1998), p. 124, "Cada um conta uma história de rendição-execução de Crockett que vem de um antagonista declarado (ou por motivos políticos ou militares) de Antonio López. Acredita-se que muitas histórias, como a rendição-execução de Crockett, foram criadas e espalhadas a fim de desacreditar Antonio López e adicionar ao seu papel como vilão ".
  17. A identidade deste oficial é contestada. Edmondson (2000), p. 374 afirma que esta observação foi feita pelo coronel Juan Almonte, que ouviu do cozinheiro de Almonte, Ben. Todish et al. (1998), p. 55. atribui a observação ao tenente-coronel José Juan Sanchez Navarro.
  18. De acordo com Francisco Ruiz, possivelmente, o Alcaide de Béxar, o cemitério estava quase cheio e que ele, em vez disso jogou alguns dos cadáveres no rio. (Edmondson (2000), p. 374.) No entanto, Sam Houston informou em 13 de março que todos os mexicanos foram enterrados. (Lindley (2003), p. 277.)
  19. Cremar corpos era um anátema na época, como a maioria dos cristãos acredita que um corpo não pode ser ressuscitado, se não fosse todo. (Petite (1998), p. 139.)
  20. Os historiadores J. Frank Dobie e Lon Tinkle solicitaram não ser listados como consultores históricos nos créditos de The Alamo por causa de sua disjunção da história reconhecida. (Todish et al., p. 188.)

Referências

  1. a b c d Texas State Historical Association
  2. a b c Groneman (1998), p. 52.
  3. a b c Nofi (1992), p. 213.
  4. Flores, Richard R. Remembering the Alamo (Austin: University of Texas Press, 2002)
  5. Todish et al. (1998), p. 6.
  6. Henson (1982), p. 96.
  7. Edmondson (2000), p. 78.
  8. Barr (1990), p. 4.
  9. a b Barr (1990), p. 56.
  10. Hardin (1994), p. 98.
  11. Hardin (1994), p. 99.
  12. Todish et al. (1998), p. 20.
  13. a b Barr (1990), p. 63.
  14. Scott (2000), p. 71.
  15. Scott (2000), pp. 74–75.
  16. a b Edmondson (2000), p. 129.
  17. Edmondson (2000), p. 128.
  18. a b Edmondson (2000), p. 131.
  19. a b Myers (1948), p. 181.
  20. Todish et al. (1998), p. 10.
  21. a b c d e Edmondson (2000), p. 364.
  22. Myers (1948), p. 180.
  23. Hardin (1994), p. 111.
  24. a b c Todish et al. (1998), p. 29.
  25. Todish et al. (1998), p. 30.
  26. a b c Todish et al. (1998), p. 31.
  27. Edmondson (2000), p. 252.
  28. Hopewell (1994), p. 114.
  29. a b c d Hopewell (1994), p. 115.
  30. Hardin (1994), p. 117.
  31. a b Todish et al. (1998), p. 32.
  32. Hopewell (1994), p. 116.
  33. Hardin (1994), p. 120.
  34. a b c Hardin (1994), p. 102.
  35. Lord (1961), p. 67.
  36. Hardin (1994), p. 103.
  37. Lord (1961), p. 73.
  38. Hardin (1994), p. 105.
  39. Lord (1961), p. 89.
  40. a b Todish et al. (1998), p. 36.
  41. a b Nofi (1992), p. 76.
  42. Edmondson (2000), pp. 299–301.
  43. Lord (1961), p. 95.
  44. Lord (1961), p. 105.
  45. Lindley (2003), p. 89.
  46. a b c Todish et al. (1998), pp. 40–41.
  47. Todish et al. (1998), p. 40.
  48. a b Nofi (1992), p. 78.
  49. a b Edmondson (2000), p. 308.
  50. Edmondson (2000), p. 310.
  51. Nofi (1992), p. 81.
  52. a b c d e Todish et al. (1998), p. 43.
  53. a b c d Hardin (1994), p. 132.
  54. Petite (1999), p. 34.
  55. a b Nofi (1992), p. 80.
  56. a b c Todish et al. (1998), p. 42.
  57. a b Tinkle (1985), p. 118.
  58. Lord (1961), p. 109.
  59. a b Tinkle (1985), p. 119.
  60. Tinkle (1985), p. 120.
  61. Nofi (1992), p. 83.
  62. Todish et al. (1998), p. 44.
  63. Edmondson (2000), p. 325.
  64. Lord (1961), p. 14
  65. Lord (1961), p. 107.
  66. Scott (2000), p. 102.
  67. Myers (1948), p. 200.
  68. Petite (1998), p. 88.
  69. Petite (1998), p. 90.
  70. Tinkle (1985), p. 162.
  71. Edmondson (2000), p. 324.
  72. Nofi (1992), p. 95.
  73. Scott (2000), pp. 100–101.
  74. Lindley (2003), p. 130.
  75. Lindley (2003), p. 131.
  76. Edmondson (2000), p. 340.
  77. Todish et al. (1998), p. 47.
  78. Edmondson (2000), p. 349.
  79. Lindley (2003), p. 140.
  80. a b Lindley (2003), p. 142.
  81. Lindley (2003), pp. 137–38.
  82. Todish et al. (1998), p. 48.
  83. Edmondson (2000), p. 355.
  84. a b Todish et al. (1998), p. 49.
  85. Hopewell (1994), p. 126.
  86. Chariton (1992), p. 195.
  87. Hardin (1994), p. 124.
  88. Edmondson (2000), p. 360.
  89. a b Edmondson (2000), p. 356.
  90. a b c d Edmondson (2000), p. 357.
  91. a b Todish et al. (1998), p. 51.
  92. a b Edmondson (2000), p. 362.
  93. a b Hardin (1994), p. 138.
  94. Todish et al. (1998), p. 50.
  95. a b Lord (1961), p. 160.
  96. a b c d e f Hardin (1994), p. 138-139.
  97. a b Tinkle (1985), p. 196.
  98. Edmondson (2000), p. 363.
  99. a b c d e Todish et al. (1998), p. 52.
  100. Petite (1998), p. 113.
  101. Hardin (1994), p. 146.
  102. a b c d Hardin (1994), p. 147.
  103. a b c d Todish et al. (1998), p. 53.
  104. Petite (1998), p. 112.
  105. a b c d Edmondson (2000), p. 366.
  106. a b Edmondson (2000), p. 368.
  107. a b Edmondson (2000), p. 367.
  108. Edmondson (2000), p. 369.
  109. a b Todish et al. (1998), p. 54.
  110. Petite (1998), p. 114.
  111. a b Edmondson (2000), p. 370.
  112. Groneman (1996), p. 214.
  113. a b Hopewell (1994), p. 127.
  114. Chariton (1992), p. 74.
  115. Petite (1998), p. 115.
  116. a b c d Edmondson (2000), p. 371.
  117. Tinkle (1985), p. 216.
  118. a b c Edmondson (2000), p. 372.
  119. Tinkle (1985), p. 218.
  120. a b Lord (1961), p. 166.
  121. Groneman (1990), pp. 55–56.
  122. Tinkle (1985), p. 220.
  123. Edmondson (2000), p. 373.
  124. a b Petite (1998), p. 123.
  125. Hardin (1994), p. 148.
  126. Tinkle (1985), p. 214.
  127. a b Petite (1998), p. 124.
  128. Lord (1961), p. 167.
  129. a b c d e f Todish et al. (1998), p. 55.
  130. a b c d Edmondson (2000), p. 374.
  131. Hardin (1994), p. 156.
  132. Hardin (1961), p. 155.
  133. Nofi (1992), p. 136.
  134. Nofi (1992), p. 133.
  135. Edmondson (2000), p. 407.
  136. Groneman (1990), p. 119.
  137. Petite (1998), p. 134.
  138. Petite (1998), p. 131.
  139. a b Chariton (1990), p. 78.
  140. Petite (1998), p. 132.
  141. Petite (1998), p. 128.
  142. Petite (1998), p. 127.
  143. Edmondson (2000), p. 375.
  144. Nofi (1992), p. 138.
  145. Edmondson (2000), p. 376.
  146. Todish et al. (1998), p. 67.
  147. Todish et al. (1998), p. 68.
  148. Lord (1961), p. 190.
  149. a b Edmondson (2000), p. 378.
  150. Hardin (1994), p. 158.
  151. Lord (1961), p. 169.
  152. Todish et al. (1998), p. 69.
  153. a b c Todish et al. (1998), p. 70.
  154. a b Glaser (1985), p. 98.
  155. Schoelwer (1985), p. 18.
  156. Schoelwer (1985), pp. 52, 56.
  157. Todish et al. (1998), p. 199.
  158. Groneman (1998), p. 56.
  159. a b Lindley (2003), p. 106.
  160. Nofi (1992), p. 211.
  161. Cox, Mike (March 6, 1998), "Last of the Alamo big books rests with 'A Time to Stand'", The Austin-American Statesman 
  162. Todish et al. (1998), p. 187.
  163. Todish et al. (1998), p. 188.
  164. Culpepper, Andy (April 8, 2004), A different take on 'The Alamo', CNN, http://www.cnn.com/2004/SHOWBIZ/Movies/04/08/the.alamo/, visitado em 2008-05-22 
  165. Todish et al. (1998), p. 194.
  166. Todish et al. (1998), p. 196.
  167. Edwards (2009), p. 148
  168. Chemerka (2009), p. 157

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Bibliografia básica[editar | editar código-fonte]

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Revolução do Texas
GonzalesGoliadConcepción - LipantitlánPastoBéxarSan PatricioAgua DulceÁlamoRefugioColetoSan Jacinto
[editar]