Cárpatos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cárpatos ocidentais em Alto Tatra, Polônia
Imagem de satélite dos Cárpatos

Os Cárpatos (checo, eslovaco e polonês Karpaty, ucraniano Карпати [Karpati], romeno Carpaţi, húngaro Kárpátok) formam a ala oriental do grande sistema de montanhas da Europa, percorrendo 1500 km ao longo das fronteiras da República Checa, Eslováquia, Polônia, Romênia e Ucrânia. Constituindo a segunda cadeia mais longa de montanhas da Europa (atrás apenas dos Alpes Escandinavos), os Cárpatos abrigam as maiores populações europeias de ursos-pardos[1] , lobos[2] , camurças e linces[3] , além de um terço de todas as espécies vegetais da Europa[4] .

Desde 2003, o patrimônio geológico e natural dos Cárpatos é protegido por um acordo mútuo entre os países que o contêm, conhecido como Convenção dos Cárpatos[5] .

Nome[editar | editar código-fonte]

O nome vem do grego trácio Καρπάτῆς όρος (Karpates oros), que significa "montanhas rochosas",[6]

A região foi habitada pela tribo dácia dos Carpos, que vivia no primeiro milênio a.C. nas elevações orientais das montanhas; seu nome deve ter origem correlacionada à dos próprios montes. Em documentos romanos tardios, os Cárpatos Orientais eram chamados Montes Sarmatici (provavelmente relacionado aos Sármatas), enquanto os ocidentais já recebiam o nome Carpates. A 'Geografia de Ptolomeu registra o uso do nome. Na Saga de Hervör, o nome das montanhas aparece na forma germânica Harvaða fjöllum (ver Lei de Grimm). Documentos húngaros dos séculos XIII-XV nomeiam tais montanhas como Torchal, Tarczal ou, menos frequentemnte, Montes Nivium.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Os Cárpatos começam no Danúbio perto de Bratislava e Viena, contornam a Hungria e a Transilvânia em um largo semicírculo cuja concavidade está dirigida ao sudoeste e terminam-se novamente no Danúbio, entre a Romênia e a Sérvia. O comprimento total dos Cárpatos é de mais de 1500 km e sua largura varia entre 12 e 500 km. A total coberta é de 209 000 km², com 53% na Romênia, 17% na Eslováquia, 10% na Ucrânia, 9% na Polônia, 4% na Sérvia, 4% na Hungria, 2% na República Tcheca] e 0,2% na Áustria[7] . A região de maior altura dos Cárpatos, nos Tatra nos Alpes da Transilvânia coincide com sua maior largura.

Da mesma forma que os Alpes, os Cárpatos não formam uma cadeia ininterrupta de montanhas, mas são compostos de diversos grupos distintos tanto orografica como geologicamente. Seus picos raramente atingem mais do que 2500 m e, portanto, não apresentam regiões de neve eterna tampouco grandes geleiras.

Os Cárpatos são separados de outras regiões montanhosas pelos vales de alguns grandes rios. Assim, o Danúbio, na região de Bratislava, os separa dos Alpes (que toca os Cárpatos nos Montes Leitha e Bakony) e na região de Orsova os separa dos Bálcãs. Os vales do rio March e do rio Oder separam os Cárpatos das cadeias da Silésia e da Morávia. A sudoeste, são margeados pela Panoniana enquanto a nordeste encontram a planície da Galícia.

Divisões[editar | editar código-fonte]

Principais regiões dos Montes Cárpatos.
1. Cárpatos Ocidentais Exteriores
2. Cárpatos Ocidentais Interiores
3. Cárpatos Orientais Exteriores
4. Cárpatos Orientais Interiores
5. Cárpatos Meridionais
6. Montes Apuseni
7. Planalto da Transilvânia
8. Cárpatos Sérvios
São mostrados também os principais rios que nascem no complexo: a. Vístula, b. Danúbio, c. Tisa, d. Sava, e. Dniestre, f. Prut.

Os Cárpatos podem ser divididos de algumas maneiras diferentes, dependendo do interesse geográfico ou cultural. A chamada divisão horizontal separa em Cárpatos externos, mais baixos e mais ao norte, e Cárpatos internos, mais ao sul. Já a divisão vertical separa em Cárpatos ocidentais, orientais e meridionais.

Uma divisão mais completa e consensual separa nas seguintes oito regiões:

1. Cárpatos Ocidentais Exteriores, com paisagens menos montanhosas e de baixa altitude[8] , incluindo a cadeia dos Beskides;
2. Cárpatos Ocidentais Interiores, contidos principalmente na Eslováquia central e norte da Hungria e consistindo de cadeis isoladas e separadas por vales profundos; dentre elas, destacam-se as Montanhas Tatra, a região mais elevada dos Cárpatos[8] ;
3. Cárpatos Orientais Exteriores, contidos na Polônia, Ucrânia e Romênia, um pouco mais acidentados e mais compactos que os Cárpatos Ocidentais Exteriores[8] ; incluem os Bieszczady poloneses;
4. Cárpatos Orientais Interiores, incluindo os Montes Rodna;
5. Cárpatos Meridionais ou Alpes da Transilvânia, que são o segundo grupo de montanhas mais altas da região (cerca de 2500 m), contendo amplos vales e tendo como pico o Monte Moldoveanu;
6. Montes Apuseni ou Montes do Entardecer, contidos inteiramente na Romênia. São ricos em cavernas e montanhas isoladas, com passagens fáceis entre elas. Seus picos mais altos são os Montes Bihor;
7. Planalto da Transilvânia: uma região com vales e cânions cercados por pequenas cadeias de montanhas, com alturas entre 150 e 250 metros;
8. Cárpatos Sérvios: inclui os bancos meridionais do Danúbio, as Portas de Ferro do Danúbio e o Parque Nacional de Đerdap.

Montanhas principais[editar | editar código-fonte]

A montanha mais alta é a Gerlachovsky na Eslováquia, com 2655 metros de altitude. Os 15 picos mais altos, incluindo o Gerlachovsky, situam-se na cadeia das Montanhas Tatra. Além deles, outros picos acima de 2500 m podem ser encontrados nos Alpes da Transilvânia, notadamente nas cadeias de montanhas Făgăraş, Parâng, Retezat e Bucegi.

Hidrologia[editar | editar código-fonte]

Os Cárpatos abrigam as nascentes de muitos dos principais rios da Europa Central, incluindo o Vístula, o Dniestre e muitos efluentes do Danúbio, como Váh, Tisa, Olt, Siret e Prut. Cerca de 90% de suas águas correm para o Mar Negro, embora alguns rios que descem pela face norte da cordilheira correm para o Mar Báltico[9] .

Os rios dos Cárpatos têm dois períodos anuais de cheia, um na primavera (Março-Abril) e outro, mais forte, no verão (Junho-Julho), que frequentemente levam a enchentes desastrosas. Para tentar combater o problema, foram construidos alguns grandes reservatórios de águas, principalmente no vale do Danúbio, na fronteira entre a Romênia e a Sérvia.[9]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é do tipo continental, com temperaturas entre 19 e 38 °C no verão e entre -12 e 3 °C no inverno.

Os invernos são governados pelas massas de ar polares vindo do nordeste e do leste, enquanto que, nas outras estações, predominam as massas de ar oceânicas, vindas a oeste. A distância do Oceano Atlântico e a influência das massas de ar dos Alpes e do Maciço da Boêmia geram baixos índices de precipitação nos Cárpatos (ficando em torno dos 1800 mm anuais nos maçiços mais altos e abaixo de 600 mm nas áreas de depressão)[10] .

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população em torno dos Cárpatos é estimada em cerca de 17 milhões de habitantes[11] . Fora dos grandes centros urbanos, as zonas oriental e meridional possuem densidade populacional muito menor que a zona ocidental.

Os principais centros urbanos, em ordem decrescente de população (acompanhados do país a que pertence e do número de habitantes), são: Bratislava (Eslováquia: 470 000), Cluj-Napoca (Romênia: 310 000), Braşov (Romênia: 285 000), Košice (Eslováquia: 234 000), Oradea (Romênia: 205 000), Miskolc (Hungria: 180 000), Sibiu (Romênia: 155 000), Târgu Mureș (Romênia: 146 000), Baia Mare (Romênia: 138 000), Tarnów (Polônia: 117 000), Râmnicu Vâlcea (Romênia: 111 000), Uzhhorod (Ucrânia: 111 300), Piatra Neamţ (Romênia: 106 000), Suceava (Romênia: 105 000), Drobeta-Turnu Severin (Romênia: 105 000).

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Peter Christoph Sürth. Braunbären (Ursus arctos) in Europa (em alemão). Arquivado do original em 8 de Outubro de 2007. Página visitada em 17 de Dezembro de 2011.
  2. Peter Christoph Sürth. Wolf (Canis lupus) in Europa (em alemão). Arquivado do original em 8 de Outubro de 2007. Página visitada em 17 de Dezembro de 2011.
  3. Peter Christoph Sürth. Eurasischer Luchs (Lynx lynx) in Europa (em alemão). Arquivado do original em 8 de Outubro de 2007. Página visitada em 17 de Dezembro de 2011.
  4. The Encyclopedia of Earth. Carpathian montane conifer forests (em inglês). Página visitada em 17 de Dezembro de 2011.
  5. The Carpathian Convention. Página visitada em 18 de Dezembro de 2011.
  6. Douglas Harper. Carpathian. Online Etymology Dictionary. Página visitada em 10 de Março de 2011.
  7. Mikuláš Argalács, Dominik Michalík (2003). Pro Region Slovakia: Karpaty (em eslovaco). Página visitada em 12 novembre 2011.
  8. a b c Carpathian Heritage Society. Physiography (em inglês). Página visitada em 18 de Dezembro de 2011.
  9. a b Carpathian Heritage Society. Drainage (em inglês). Página visitada em 18 de Dezembro de 2011.
  10. Carpathian Heritage Society. Climate (em inglês). Página visitada em 18 de Dezembro de 2011.
  11. Carpathian Network of Protected Areas. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês). Página visitada em 18 de Dezembro de 2011.