Cluj-Napoca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cluj-Napoca
Brasão oficial de Cluj-Napoca
Brasão
Localização de Cluj-Napoca na Romênia
Localização de Cluj-Napoca na Romênia
Coordenadas 46° 46' N 23° 36' E
País  Roménia
Condado Cluj
Fundação 1213
(primeiro registro oficial, como Clus)
Prefeito Emil Boc
Área  
  Total 179,5 km²
  Metropolitana 782,7 km²
População  
  Cidade (2007) 310.243[1]
    Densidade   1.771 hab./km²
  Metro 352.646
Website: www.primariaclujnapoca.ro

Loudspeaker.svg? Cluj-Napoca (pronúncia em romeno: /'kluʒ na'poka/; em alemão: Klausenburg; em húngaro: Kolozsvár; em latim: Napoca, Castrum Clus ou Claudiopolis; em iídiche: קלויזנבורג, Kloiznburg), até 1974 Cluj, é a terceira maior cidade da Romênia,[2] capital do judeţ (distrito) de Cluj, no noroeste da Transilvânia. Geograficamente, está situada a uma distância igual das três principais capitais nacionais da região, Bucareste (498 km), Budapeste (354 km), e Belgrado (327 km). A cidade se localiza no vale do rio Someşul Mic, e também é a capital da província histórica da Transilvânia.

Em julho de 2007 310.243 habitantes viviam dentro dos limites da cidade,[2] um declínio sutil em relação aos números registrados no censo de 2002.[3] A área metropolitana de Cluj-Napoca tem uma população de 352.646 habirantes, enquanto a população da área periurbana excede os 400.000 residentes.[4] O novo governo metropolitano de Cluj-Napoca foi implementado a partir de junho de 2008.[5] Já de acordo com dados de 2007, fornecidos pelo serviço de registro populacional do condado, a população total da cidade alcançaria 392.276 pessoas.[6] Este número, no entanto, não inclui a população flutuante de estudantes e outros não-residentes - uma média de mais de 20 mil pessoas por ano, durante o período de 2004-2007, segundo a mesma fonte.[6]

A cidade se estende a partir da Igreja de São Miguel, na Piaţa Unirii ("Praça União"), construída no século XIV e que recebeu o nome de São Miguel Arcanjo, padroeiro da cidade.[7] As fronteiras do município englobam uma área de 179,52 km². Uma análise realizada por uma agência imobiliária romena indicou que, devido ao desenvolvimento da infraestrutura, comunas como Feleacu, Vâlcele, Mărtineşti, Jucu e Baciu eventualmente se tornarão bairros da cidade, o que ampliará ainda mais a sua área.[8]

Hoje em dia a cidade é um dos principais centros acadêmicos, culturais, industriais e comerciais da Romênia. Entre outras instituições, ela hospeda a maior universidade do país, a Universidade Babeş-Bolyai, com o seu famoso jardim botânico; instituições culturais de renome nacional, assim como o maior banco privado romeno. De acordo com a revista americana InformationWeek, Cluj-Napoca está se tornando rapidamente a "tecnópolis" da Romênia.[9]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Inscrição em romeno de livro religioso: "Tiperit en Klus en Anul Domnului 1703" ("Impresso em Klus AD 1703").

A primeira menção escrita do nome – como um Distrito Real – foi feita em 1213, sob o nome latino Castrum Clus.[10] No entanto, apesar do fato de Clus, como nome do condado, ter sido registrado anteriormente, no documento Thomas comes Clusiensis, de 1173,[11] acredita-se que o nome do condado venha do nome do castrum - que poderia ter existido já antes de sua primeira menção, em 1213 - e não vice-versa.[11] Quanto ao nome do campo, já há um certo consenso de que é uma derivação do termo latino clausa – clusa, com o significado de "lugar fechado", "estreito", "ravina".[11] Significados similares são atribuídos ao termo eslavo kluč[11] e ao alemão Klause – Kluse ("desfiladeiro")[12] Uma hipótese alternativa relaciona o nome da cidade ao seu primeiro magistrado, Miklus – Miklós / Kolos.[12]

A forma em húngaro do nome da cidade, registrado pela primeira vez em 1246, como Kulusuar, passou por diversas mudanças fonéticas ao longo dos anos (uar/vár significa "castelo" em húngaro); a variante Koloswar apareceu pela primeira vez num documento de 1332.[13] O nome saxão da cidade, Clusenburg/Clusenbvrg, apareceu em 1348, e em 1408 a forma Clausenburg foi usada.[13] O nome romeno da cidade costumava ser grafado de maneira alternada, tanto como Cluj como Cluş[14] – esta última tendo sido utilizada por Mihai Eminescu em sua obra Poesis. O nome da cidade foi mudado oficialmente para Cluj-Napoca[15] em 1974 pelas autoridades comunistas romenas.[16] Entre as possíveis etimologias de Napoca ou Napuca estariam o nome de algumas tribos dácias, como os Naparis ou Napaei, o termo grego napos (νάπος), que significa "vale arborizado", ou ainda da raiz indo-européia *snā-p- (Pokorny 971-2), "fluir", "nadar", "molhar".[17] Independentemente destas hipóteses, os acadêmicos concordam que o nome do assentamento é anterior à conquista romana, ocorrida no ano de 106.[17]

Em eslovaco a cidade é conhecida como Kluž..[18] Em iídiche é conhecida como קלאזין (Klazin) ou קלויזענבורג (Kloyznburg).[14]

História[editar | editar código-fonte]

Clavdiopolis, Coloswar vulgo Clavsenbvrg, Transiluaniæ ciuitas primaria". Gravura da Cluj medieval, de Georg Houfnagel (1617).

O Império Romano conquistou a região da Dácia em 101 e 106, durante o reinado do imperador Trajano, e Napoca, o povoado romano fundado pouco depois, foi registrado numa pedra miliária descoberta em 1758 nas vizinhanças da cidade.[19] O sucessor de Trajano, Adriano, garantiu a Napoca o estatuto de município, e deu-a o nome de Município Élio Adriano Napocense (em latim: municipium Aelium Hadrianum Napocenses). Mais tarde, no século II, a cidade ganhou o estatuto de colônia, e passou a se chamar Colônia Aurélia Napoca (em latim: Colonia Aurelia Napoca.[20] Napoca tornou-se a capital da província da Dácia Porolissense, e passou a ser a sede do procurador romano. A colônia foi abandonada em 274 pelos romanos,[19] e não existem mais referências a quaisquer assentamentos urbanos na região por boa prte do milênio seguinte.[21]

No início da Idade Média, dois grupos de edifícios existiam no local ocupado pela cidade hoje em dia: a fortaleza de madeira em Cluj-Mănăştur (Kolozsmonostor), e o povoado civil que se desenvolveu em torno da atual Piaţa Muzeului ("Praça do Museu"), no centro da cidade.[11] [22] Embora a data precisa da conquista da Transilvânia pelos magiares não seja conhecida, os primeiros artefatos deste povo encontrados na região datam da primeira metade do século X.[23] De qualquer maneira, depois deste período, a cidade passou a fazer parte do Reino da Hungria. O rei Estevão I fez da cidade a sede do condado-castelo de Kolosz, e o rei-santo Ladislau fundou a abadia de Cluj-Mănăştur (Kolozsmonostor), eventualmente destruída durante as invasões tártaras de 1241 e 1285.[11] Um castelo e uma aldeia foram construídos a noroeste da antiga Napoca no fim do século XII;[11] esta nova vila foi colonizada por numerosos grupos de saxões transilvanos, encorajados a fazê-lo durante o reinado do príncipe-herdeiro Estevão, Duque da Transilvânia.[10] As primeiras menções confiáveis ao povoado datam de 1275, num documento do rei Ladislau IV, quando a vila (Villa Kulusvar) foi doada ao Bispo da Transilvânia.[24] Em 19 de agosto de 1316, já durante o reinado de Carlos I da Hungria, Cluj recebeu o status de cidade (em latim: civitas), como recompensa pela contribuição dos saxões à derrota do voivode rebelde da Transilvânia, László Kán.[24]

Muitas corporações de ofício foram estabelecidas na cidade, na segunda metade do século XIII, e um substrato burguês, baseado no comércio e na produção de artefatos retirou a liderança da cidade das mãos da elite mais antiga, proprietária de terras.[25] Através dos privilégios concedidos por imperador do Sacro Império Romano-Germânico, Sigismundo de Luxemburgo, em 1405, a cidade optou por ficar fora da jurisdição dos voivodes, vice-voivodes e juízes reais, obtendo o direito de eleger um júri de doze membros todo ano.[26] Em 1488 o rei Matias Corvino (nascido em Klausenburg, em 1440) ordenou que o centunvirato—o conselho da cidade, que consistia de cem homens—tivesse uma de suas metades composta por homines bone conditiones ("homens de boas condições", os ricos), e a outra composta por artesãos e comerciantes; juntos, elegeriam o presidente do júri e o próproi júri.[26] Enquanto isso, um acordo foi assinado que estabeleceu que metade dos representantes do conselho da cidade deveriam ser escolhidos entre os húngaros, metade da população saxã, enquanto os cargos judiciais seriam ocupados em sistema de rodízio.[27] Em 1541 Klausenburg se tornou parte do Principado da Transilvânia, que conquistou a independência depois que os turcos otomanos ocuparam a parte central do Reino da Hungria; seguiu-se um período de relativo florescimento econômico e cultural.[27] Embora Alba Iulia tenha servido como capital política para os príncipes da Transilvânia, Klausenburg pode gozar de muito da atenção destes, que estabeleceram ligações entre a cidade e os principais centros da Europa Oriental na época, como Košice, Cracóvia, Praga e Viena.[26]

Em termos de religião, as idéias reformistas apareceram pela primeira vez no meio do século XVI. Durante o serviço de Gáspár Heltai como pregador, a tendência ao luteranismo cresceu em importância, assim como a doutrina suíça do calvinismo.[28] Em 1571 a Dieta de Turda adotou uma religião mais radical, o unitarianismo de Ferenc Dávid, caracterizado pela interpretação livre da Bíblia e pela negação do dogma da Trindade.[28] Estevão Báthory fundou uma academia jesuíta em Klausenburg, para promover o movimento anti-Reforma, sem obter, no entanto, muito sucesso.[28] Por um ano, entre 1600 e 1601, Cluj se tornou parte da união pessoal de Miguel, o Valente.[29] [30] Com o Tratado de Karlowitz, em 1699, Klausenburg passou a fazer parte da Monarquia de Habsburgo.[31]

O Palácio de Nova Iorque.

No século XVII Cluj sofreu com grandes calamidades, sofrendo com a praga e com incêndios devastadores.[28] O fim do século trouxe o fim da ocupação turca, porém viu a cidade ser esvaziada de muito de sua riqueza, de sua liberdade municipal, de sua posição central em termos de cultura, de sua significância política e até mesmo de sua população.[32] Gradualmente ela reconquistou a sua posição importante dentro da Transilvânia como quartel-general do Gubernium e das Dietas entre 1719 e 1732, e depois de 1790 até a revolução de 1848, quando o Gubernium foi movido para Hermannstadt.[33] Em 1791 um grupo de intelectuais romenos organizou uma petição, conhecida como Supplex Libellus Valachorum, que foi enviada para o imperador, em Viena; a petição exigia a igualdade da nação romena na Transilvânia, com relação às outras nações governadas pelo Unio Trium Nationum, porém acabou sendo rejeitada pela Dieta de Cluj.[28]

A partir de 1830 a cidade se tornou o centro do movimento nacional húngaro dentro do principado.[34] Este movimento teve como consequência a Revolução Húngara de 1848, que explodiu num confronto militar em que os austríacos ganharam o controle da Transilvânia, aprisionando os húngaros entre dois flancos. O exército húngaro, no entanto, comandado pelo general polonês Józef Bem, lançou uma ofensiva que recapturou Klausenburg no Natal daquele ano.[35] Após as revoluções de 1848 um regime absolutista foi estabelecido, sucedido por um regime liberal, em 1860. Foi neste período que a igualdade de direitos foi concedida aos romenos, ainda que apenas brevemente, já que em 1865 a Dieta de Cluj aboliu as leis votadas em Sibiu, e proclamou a Lei de 1848, garantindo a união da Transilvânia com a Hungria.[34] Antes de 1918, as únicas instituições de ensino que lecionavam em romeno na cidade eram duas escolas elementares geridas pela igreja. Os primeiros periódicos no idioma apareceram em 1903.[32]

Depois do Compromisso Austro-Húngaro de 1867, Klausenburg e toda a Transilvânia estavam novamente integrados ao Reino da Hungria. Durante este período, Kolozsvár esteve entre as maiores e mais importantes cidades do reino, e foi a capital do condado de Kolozs. A situação dos romenos na Transilvânia, no entanto, ainda era ruim, devido à opressão e perseguição que sofriam.[36] Esta situação encontrou expressão no Memorando Transilvano, uma petição enviada em 1892 pelos líderes políticos dos romenos transilvanos ao imperador austríaco, Franz Joseph. A petição pedia por igualdade de direitos com os húngaros, e exigia um fim às perseguições e tentatovas de magiarização.[36] O imperador repassou o memorando para Budapeste, e seus autores, entre eles Ioan Raţiu e Iuliu Coroianu, foram julgados e condenados a longas sentenças de prisão por "alta traição", em Kolozsvár/Cluj, em maio de 1894.[37] Durante o julgamento, aproximadamente 20.000 pessoas foram a Cluj demonstrar seu apoio aos réus pelas ruas da cidade.[37]

Em 26 de setembro de 1895 o imperador Franz Joseph visitou a cidade vizinha de Bánffy-Hunyad (atual Huedin, com o fim das manobras do exército húngaro na Transilvânia, e recebeu entusiásticas boas-vindas do povo local, que construiu um arco decorado com as flores e plantas da região especialmente para a ocasião.[38] Em 1897 o governo húngaro decidiu que apenas topônimos húngaros deveriam ser usados, e passou a proibir o uso de versões alemãs ou romenas do nome da cidade nos documentos oficiais.[39]

No outono de 1918, à medida que a Primeira Guerra Mundial chegava ao seu fim, Cluj se tornou um centro de atividade revolucionária, encabeçada por Amos Frâncu que, no dia 28 de outubro de 1918 fez um apelo pela "união de todos os romenos".[40] Trinta e nove delegados foram eleitos na cidade para comparecer à proclamação da união com o Reino da Romênia, em Alba Iulia, em 1 de dezembro do mesmo ano,[40] posteriormente reconhecida pelo Tratado de Trianon.[41] O período entre-guerras viu as novas autoridades embarcarem numa campanha de "romenização": uma estátua da Loba Capitolina, doada por Roma, foi erguida em 1921; em 1932 uma placa escrita pelo historiador Nicolae Iorga foi colocada na estátua de Matias Corvino, enfatizando a sua herança (paterna) romena; e uma imponente catedral ortodoxa começou a ser construída, numa cidade onde apenas um décimo dos habitantes pertencia à igreja estatal.[42] Esta empreitada, no entanto, teve pouca efetividade: em 1939, os húngaros ainda dominavam a economia, assim como (até um certo ponto) a vida cultural local—por exemplo, Cluj tinha cinco jornais diários em húngaro e apenas um em romeno.[42] Em 1940 Cluj, juntamente com o resto da Transilvânia do Norte, foi devolvida à Hungria, através da Segunda Arbitragem de Viena, imposta pela Alemanha nazista e pela Itália fascista.[43] [44] Depois da ocupação da Hungria pelos alemães, em março de 1944, um governo-fantoche foi instalado, sob Döme Sztójay,[45] [46] e medidas anti-semitas foram implementadas em grande escala na cidade. O quartel-general local da Gestapo localizava-se no Hotel New York. Em maio do mesmo ano as autoridades começaram a transportar os judeus para o Gueto de Cluj-Napoca.[43] O extermínio dos 16.148 judeus enclausurados ocorreu através de seis deportações para Auschwitz, entre maio e junho de 1944.[43] Apesar de correrem o risco de sofrer severas punições da administração húngara de Miklós Horthy, muitos judeus conseguiram cruzar a fronteira para a Romênia com a ajuda de intelectuais como Emil Haţieganu, Raoul Şorban, Aurel Socol e Miskolczy Dezső, além de diversos camponeses locais de Mănăştur.[43] Em 11 de outubro de 1944 a cidade de Cluj foi capturada pelas tropas romenas e soviéticas,[43] [47] e foi formalmente reintegrada ao Reino da Romênia pelos tratados de Paris em 1947. Em 24 de janeiro, 6 de março e 10 de maio de 1946, os estudantes romenos que haviam voltado para Cluj após a reintegração da Transilvânia do Norte se insurgiram contra as pretensões de autonomia de húngaros nostálgicos e contra as novas imposições dos soviéticos, o que resultou em distúrbios e violência nas ruas.[48]

Palácios no rio Someş.

A Revolução Húngara de 1956 teve um efeito poderoso na cidade; e houve a possibilidade real de que as demonstrações feitas por estudantes simpatizantes com seus companheiros do outro lado da fronteira pudesse escalar e virar uma revolta.[49] Os protestos deram às autoridades um pretexto para acelerar o processo de "unificação" das universidades locais, Babeş (romena) e Bolyai (húngaro),[50] que supostamente já era planejado antes dos eventos daquele ano.[51] [52] Os húngaros continuaram formando a maioria da população da cidade até a década de 1960, quando o número de romenos ultrapassou o de húngaros,[53] devido ao influxo populacional ocorrido como consequência das políticas de industrialização forçada da cidade implementadas pelo governo socialista.[54] Durante o período comunista a cidade experimentou um significativo desenvolvimento industrial, assim como um estímulo ao setor de construção civil.[54] Em 16 de outubro de 1974, quando a cidade celebrou 1850 anos desde sua primeira menção, como Napoca, o governo alterou oficialmente o nome da cidade, adicionando "Napoca" a ele.[16]

Durante a Revolução Romena de 1989, Cluj-Napoca foi um dos cenários da rebelião: 26 pessoas morreram e aproximadamente 170 ficaram feridas.[55] Com o fim do regime totalitário, o político nacionalista Gheorghe Funar elegeu-se prefeito, e governou a cidade pelos próximos 12 anos. Seu mandato foi marcado por uma forte presença de nacionalismo romeno e por atos de provocações étnicas contra a minoria húngara da cidade. Esta situação turbulenta afastou os investimentos estrangeiros;[56] no entanto, em junho de 2004 um novo governo assumiu o cargo, e a cidade entrou num período de rápido crescimento, tanto em termos econômicos quanto demográficos—e projeta-se que a população da cidade dobre de tamanho no fim da década de 2010.[56] Desde 2004 o prefeito tem sido Emil Boc, presidente do Partido Democrata.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Margens do rio Someşul Mic.
O jardim romano dentro do Parque Botânico de Cluj-Napoca.

Localizada na parte central da Transilvânia, Cluj-Napoca tem uma área de 179,5 km². A cidade está exatamente no ponto onde se encontram as montanhas Apuseni, o planalto de Someş e a planície transilvana.[57] Ela se estende pelos vales dos rios Someşul Mic e Nadăş, chegando até mesmo aos vales secundários dos rios Popeşti, Chintău, Borhanci e Popii.[58] [59] A parte sul da cidade ocupa as partes mais altas das encostas norte do Monte Feleac, e está cercada em três lados por morros e montanhas com alturas que variam de 500 a 700 metros de altura.[59] O planalto de Someş se situa a leste, enquanto a parte norte da cidade inclui Dealurile Clujului ("os morros de Cluj"), com seus picos, Lombului (684 m), Dealul Melcului (617 m), Techintău (633 m), Hoia (506 m) e Gârbău (570 m).[58] Outras montanhas se localizam nos distritos a oeste, e os montes de Calvaria e Cetăţuia (Belvedere) localizam-se próximo ao centro da cidade.

Construída nas margens do rio Someşul Mic, a cidade também é cruzada por riachos e canais, tais como o Pârâul Ţiganilor, Pârâul Popeşti, Pârâul Nădăşel, Pârâul Chintenilor, Pârâul Becaş, Pârâul Murătorii; o Canalul Morilor corre pelo centro da cidade.[58]

Uma flora variada cresce no Jardim Botânico de Cluj-Napoca; muitos animais também encontraram um refúgio ali. Fundado no século XIX, o parque também possui um lago artificial, com uma ilha, assim como o maior cassino da cidade. Outros parques importantes da cidade incluem o Parque Iuliu Haţieganu, da Universidade Babeş-Bolyai, que apresenta uma grande infra-estrutura para esportes, o Parque Haşdeu, com o distrito epônimo que contém as casas dos estudantes, e os parques "Cetăţuia" e da Ópera, o último situado atrás do prédio da Ópera Romena de Cluj-Napoca.

Arredores[editar | editar código-fonte]

A cidade é cercada por florestas e pradarias. Espécies raras de plantas, como a orquídea-calypso e a íris podem ser encontradas nas duas reservas botânicas de Cluj-Napoca, Fânaţele Clujului e Rezervaţia Valea Morii ("Reserva do Vale do Moinho").[60] Animais como javalis, texugos, raposas, coelhos e esquilos também vivem em áreas florestais próximas, como Făget e Hoia. Esta última é sede do parque etnográfico Romulus Vuia, com exibições que datam de 1678.[61] Diversas lendas urbanas narram encontros com extraterrestres na floresta de Hoia-Baciu, bem como a existência de redes imensas de catacumbas que ligariam as antigas igrejas da cidade, e até mesmo a presença de um monstro no lago vizinho de Tarniţa.[62] [63]

Uma estação de esqui moderna, com 750 metros de comprimento, está localizada no Morro Feleac, com uma diferença de altitude de 98 metros entre seus pontos mais alto e mais baixo.[64] Outra estação de esqui em Băişoara se localiza a aproximadamente 50 quilômetros de Cluj-Napoca.[65] A área metropolitana da cidade ainda inclui dois resorts de verão e spas, os Banhos de Cojocna e Someşeni.[66]

Existe um grande número de castelos nos campos em torno da cidade, construídos pelas famílias nobres que dominaram a cidade na Idade Média. O mais famoso deles é o Bonţida Bánffy Castle—já descrito como o "Versalhes da Transilvânia"[67] —na vila vizinha de Bonţida, a 32 km do centro da cidade. Em 1963 o castelo foi usado como set de filmagem para o filme Pădurea spânzuraţilor, do diretor Liviu Ciulei, indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1965 (e que rendeu a Ciulei o prêmio de melhor diretor).[68] Existem outros castelos localizados nos arredores da cidade; o castelo de Bonţida, na realidade, não é nem mesmo o único castelo da região construído pela família Bánffy: na comuna de Gilău, por exemplo, encontra-se o Castelo Wass-Bánffy,[69] enquanto outro Castelo Bánffy está localizado na região de Răscruci.[70]

O mosteiro de Nicula, construído durante o século XVIII, é um importante centro de peregrinação no norte da Transilvânia. No mosteiro encontra-se a célebre Madona de Nicula, supostamente responsável por muitos milagres, segundo seus devotos.[71] [72] O ícone teria chorado entre 15 de fevereiro e 12 de março de 1669.[73] Durante este período nobres, oficiais, clérigos e pessoais laicas vieram vê-los, e declararam-se "petrificadas" pela maravilha que haviam visto.[73] Durante a Festa da Dormição da Theotokos, em ocasião da morte da Virgem Maria, em 15 de agosto, mais de 150.000 pessoas de todo o país visitam o mosteiro.[71]

Clima[editar | editar código-fonte]

Cluj-Napoca tem um clima continental, caracterizado por verões quentes e invernos frios. O clima é influenciado pela proximidade da cidade com as Montanhas Apuseni, assim como pelo seu grau de urbanização.Algumas influências do oeste, especialmente do Atlântico, se fazem presentes durante o inverno e o outono. As temperaturas no inverno frequentemente caem para baixo de 0°C, embora raramente passem de -10 °C. Na média, a neve cobre o solo por 65 dias a cada inverno.[74] No verão a temperatura média é de aproximadamente 18 °C (média em julho e agosto), apesar de temperaturas poderem chegar a 35-40 °C, no meio do verão, especialmente no centro da cidade. Embora a precipitação e a umidade relativa do ar sejam baixas, podem ocorrer tempestades fortes durante as épocas mais quentes. Durante a primavera e o outono as temperaturas variam de 13 a 18 °C, e a precipitação tende a ser mais elevada que durante o verão, com chuvas mais fracas, porém mais frequentes.

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Cluj-Napoca Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Temperatura máxima média (°C) -1 1 8 18 21 23 20 13 5 1
Temperatura mínima média (°C) -6 -5 0 8 11 13 9 4 0 -3
Precipitação (mm) 2 2 2 7 8 8 4 4 3 2
Fonte: weatherbase.com[75] 16-03-2008

Lei e governo[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Prefeitura de Cluj-Napoca.
Mapa dos distritos de Cluj-Napoca (2007)

O governo da cidade é encabeçado por um prefeito, que desde 2004 é Emil Boc,[76] reeleito em 2008. As decisões são aprovadas e discutidas por um conselho local (consiliu local), composto por 27 representantes eleitos.[76] A cidade é composta por 15 distritos (cartiere) divididos radialmente, alguns com suas próprias estruturas administrativas locais, e a prefeitura procura desenvolver as estruturas administrativas locais para a maioria destes distritos.

Devido ao imenso desenvolvimento urbano dos últimos anos, em 2005 algumas áreas de Cluj passaram a ser chamados de distritos (Sopor, Borhanci, Becaş, Făget, Zorilor Sul), ainda que boa parte delas ainda esteja por construir.[77] Diversas áreas que até o momento não passam de canteiros de obra provavelmente também se tornarão distritos no futuro, como Tineretului, Lombului ou Oser.[78]

Como Cluj-Napoca é capital do condado de Cluj, ali se encontra o palácio da prefeitura, o quartel-general do conselho do condado (consiliu judeţean) e o governador (jude), que é apontado pelo governo central da Romênia.[76] O governador não pode ser membro de algum partido político, e seu papel é representar o governo nacional no âmbito local, agindo como ligação entre as duas partes e auxiliando na implementação dos Planos de Desenvolvimento Nacional e de programas de governo similares.[76] O autoal governador do distrito de Cluj (2007) é Călin Platon. Como todos os outros conselhos locais da Romênia, o conselho local de Cluj-Napoca, o conselho do condado e a prefeitura são eleitos diretamente, a cada quatro anos, pela população.[76]

Cluj-Napoca também é a capital da região histórica da Transilvânia, um status que é significante até hoje. Atualmente é a maior cidade na região de desenvolvimento do Noroeste, divisão equivalente às regiões NUTS-II na União Européia, e utilizada pela UE e pelo governo romeno para fins de análise estatística e desenvolvimento regional. A região de desenvolvimento do Noroeste não é, no entanto, uma entidade administrativa.[76] A área metropolitana de Cluj-Napoca entrou oficialmente em vigor a partir de junho de 2008,[5] abrangendo uma população de 360.000 habitantes.[4] Além de Cluj-Napoca, ela inclui comunas como Apahida, Feleacu, Ciurila, Floreşti, Gilău, Baciu e Chinteni.

O comitê executivo da União Democrática dos Húngaros na Romênia (UDMR) e todos os seus departamentos têm sede em Cluj,[79] [80] assim como as organizações locais e regionais da maioria dos outros partidos políticos romenos. Para contrabalançar a influência política da minoria húngara da Transilvânia, os nacionalistas romenos da região fundaram o Partido da Unidade Nacional Romena (PUNR), no início da década de 1990; o partido esteve presente no parlamento romeno durante a legislatura de 1992-1996.[81] O partido eventualmente transferiu sua sede principal para Bucareste, e acabou entrando em declínio à medida que a sua liderança se juntou ao Partido da Grande Romênia (PRM), ideologicamente semelhante.[81] Em 2008 o Instituto para a Pesquisa sobre as Minorias Nacionais, subordinado ao governo romeno, abriu sua sede oficial em Cluj-Napoca.[82]

Onze hospitais funcionam na cidade, dos quais nove são geridos pelo condado e dois, especializados em oncologia e cardiologia, pelo Ministério da Saúde. Existem ainda mais de uma centena de consultórios de médicos e dentistas na cidade.[59]

Sistema judiciário[editar | editar código-fonte]

Cluj-Napoca tem uma organização judiciária complexa, como consequência de seu status como capital do condado. O Tribunal de Justiça de Cluj-Napoca é a instituição judiciária local, e está sob a esfera do Tribunal do Condado de Cluj, que também exerce a sua jurisdição sobre os tribunais de Dej, Gherla, Turda e Huedin.[83] Recursos feitos aos vereditos destes tribunais e casos mais sérios são remetidos ao Tribunal de Recursos de Cluj. A cidade também é a sede dos tribunais comerciais e militares do condado.[83]

A cidade tem a sua própria força policial municipal, Poliţia Municipiului Cluj-Napoca, responsável por combater o crime em toda a cidade, que opera um número de divisões especiais e está subordinada à Polícia da Romênia.[84] A prefeitura tem a sua própria forma policial comunitária, a Poliţia Primăriei, que lida principalmente com as questões locais da comunidade. Também existe em Cluj-Napoca uma sede da Gendarmaria Romena.

Crime[editar | editar código-fonte]

Trecho do centro da cidade, visto desde Cetăţuia.

Cluj-Napoca e a área ao seu redor tiveram uma taxa de 268 condenações criminais por 100.000 habitantes durante 2006, número pouco acima da média nacional.[85] Depois da revolução de 1989 a taxa de condenações no condado entrou numa fase de crescimento sustentado, alcançando eventualmente uma alta histórica de 429 em 1998, quando começou a cair.[85] Embora o índice de criminalidade seja baixo, crimes leves costumam ser um problema, especialmente para estrangeiros, como em outras grandes cidades do país.[86] Durante a década de 1990 duas grandes instituições financeiras, Banca Dacia Felix e Caritas, foram à falência devido à fraudes e malversação de fundos.[87] [88] Também tornou-se notório o caso do assassino em série Romulus Vereş, "o homem do martelo"; durante a década de 1970 foi condenado por cinco acusações de homicídio e diversas de tentativa de homicídio, porém nunca chegou a ser encarcerado devido à alegação de insanidade: ele sofria de esquizofrenia, e culpava o Diabo por suas ações, sendo então internado no hospital psiquiátrico de Ştei, em 1976, após uma investigação forense que durou três anos, na qual cerca de quatro mil pessoas foram interrogadas. Lendas urbanas elevaram o número de vítimas de Vereş a até duzentas mulheres, embora o número real tenha sido bem menor; estas confusões podem ser creditadas à falta de atenção que o caso recebeu, apesar de sua magnitude, pela imprensa comunista da época, ansiosa por esconder as mazelas da sociedade do país.[89]

Uma pesquisa realizada em 2006 mostrou um alto grau de satisfação com o trabalho da polícia local; mais da metade das pessoas entrevistadas declararam-se satisfeitas (62.3%) ou muito satisfeitas (3.3%) com a atividade do departamento de polícia do condado.[90] O estudo indicou os índices mais altos de satisfação com os setores de supervisão de tráfego, com a presença dos policiais nas ruas; no lado negativo, a corrupção e a segurança nos transportes públicos continuavam sendo uma grande preocupação.

Esforços feitos pelas autoridades locais no distrito de Cluj-Napoca no fim da década de 1990 para reformar os dispositivos de proteção aos direitos infantis e a assistência às crianças de rua se provaram insuficientes, devido à falta de fundos, políticas incoerentes e à falta de real colaboração entre as partes envolvidas (Direção de Proteção dos Direitos Infantis, o Serviço de Assistência Social dentro da Diretoria Distrital para a Proteção Social e Laboral, o Centro Receptor de Menores, a Autoridade Guardiã dentro da Prefeitura, e a polícia). Existem diversas crianças vivendo nas ruas da cidade, cuja pobreza e falta de qualquer identidade documentada lhes causa constante conflitos com os agentes legais.[91] Através da cooperação entre o conselho local e a associação de presos Fundação Romênia, sem-tetos, crianças de rua e mendigos são agrupados, identificados e acomodatos nos Centros Cristãos para as Crianças de Rua e Pessoas Desabrigadas, respectivamente, e o centro Ruhama.[92] Os programas obtiveram algum sucesso, e o movimento flutuante de crianças, mendigos e sem-tetos que entram e saem do centro foi reduzido consideravelmente, e a maioria dos beneficiários vem sendo integrada com sucesso ao programa, em vez de retornar às ruas.[91]

A partir do ano 2000 Cluj-Napoca viu um aumento nos rachas e corridas de rua ilegais, que ocorrem quase sempre à noite, na periferia da cidade ou em áreas industriais, e ocasionalmente provocam acidentes e vítimas. Foram feitas algumas tentativas de se organizar corridas legais, como uma maneira de tentar solucionar o problema.[93]

Demografia[editar | editar código-fonte]

População histórica de Cluj-Napoca
Ano População Romenos Húngaros
1453 (est.) 6.000[94] n/d n/d
1703 Aumento 7.500[95] n/d n/d
1714 Baixa 5.000[96] n/d n/d
1785 Aumento 9.703[95] [97] n/d n/d
1787 Aumento 10.476[95] [97] n/d n/d
1835 Aumento 14.000[95] [98] n/d n/d
1850 Aumento 19.612 21.0% 62.8%
1880 Aumento 32.831 17.1% 72.1%
1890 Aumento 37.184 15.2% 79.1%
1900 Aumento 50.908 14.1% 81.1%
1910[b] Aumento 62.733 14.2% 81.6%
1920 Aumento 85.509 34.7% 49.3%
1930[c] Aumento 103.840 35.7% 46.5%
1941[d] Aumento 114.984 9.8% 85.7%
1948 Aumento 117.915 40% 57%
1956[e] Aumento 154.723 47.8% 47.9%
1966 Aumento 185.663 56.5% 41.4%
1977 Aumento 262.858 65.8% 32.8%
1992 Aumento 328.602 76.6% 22.7%
2002 Baixa 317.953[3] 79.4% 19.0%
2004 (est.) Baixa 298.006[99] n/d n/d
2005 (est.) Aumento 310.194[100] n/d n/d
2006 (est.) Baixa 297.600[101] n/d n/d
2007 (est.) Aumento 310.243[102] 80.8% 17.1%

Fonte: Varga E. Árpád[53] (quando outra não for especificada)

A população da cidade, de acordo com o censo de 2002, é de 317.953 habitantes,[3] ou 1,5% da população total da Romênia. A população da área metropolitana de Cluj-Napoca é estimada em 360.000 habitantes, enquanto a população da área de influência (periurbana) totalizada 400.000 residentes.[4] No entanto, de acordo com os dados de 2007 fornecidos pelo Serviço de Registro Populacional do Condado, a população total da cidade poderia chegar a 392.276 pessoas.[6] A variação entre este número e os dados do censo pode ser explicado parcialmente pelo crescimento real da população que mora em Cluj-Napoca, assim como pela maneira diferente que é feita a contagem; mais pessoas vivem em Cluj do que aquelas que são oficialmente registradas, segundo o diretor do centro de estudos populacionais local.[6] Além do mais este número não inclui a população flutuante—uma média de mais de vinte mil pessoas por ano, de 2004 a 2007, de acordo com a mesma fonte.[6]

No período moderno, a população de Cluj experimentou duas fases de crescimento rápido: a primeira ocorreu no fim do século XIX, quando a cidade cresceu em importância e tamanho, e a segunda durante o período comunista, quando uma campanha massiva de urbanização foi lançada, e muitas pessoas migraram das áreas rurais e até de além dos Cárpatos para a capital do condado.[103] Cerca de dois terços do crescimento populacional durante este período foram baseados nos influxos do saldo migratório; após 1966, a data em que o ditador Nicolae Ceauşescu baniu o aborto e os métodos contraceptivos, o aumento natural também foi significante, e responsável pela manutenção do terceiro lugar.[54]

Desde a Idade Média, a cidade de Cluj tem sido uma cidade multicultural, com uma vida religiosa e cultural diversificada. De acordo com o censo romeno de 2002, pouco menos de 80% da população da cidade são romenos; o segundo grupo étnico da cidade são os húngaros, que compõem 19% da população. O restante é formado por ciganos (1%), alemães (0.23%) e judeus (0.06%). Hoje em dia a cidade vem recebendo um grande influxo de imigrantes: 25.000 pessoas solicitaram por residência na cidade no ano de 2007.[104]

Em termos de religião, 69.2% da população são ortodoxos romenos, e 12.2% pertencem à Igreja Reformada. As comunidades católicas romanas e greco-católicas respondem por 5,5 e 5,8% da população, respectivamente, enquanto outros grupos religiosos como os unitaristas (1%), pentecostais (2.6%) ou batistas (1.2%) completam o resto do total.[3] Compartivamente, em 1930, 26,7% da cidade era de reformados, 22,6% de católicos gregos, 20,1% de católicos romanos, 13,4% de judeus, 11,8% de ortodoxos, 2,4% de luteranos e 2,1% de unitaristas.[105] Entre os fatores que contribuíram para estas mudanças demográficas estão o extermínio dos judeus da cidade,[106] a emigração,[107] o banimento da Igreja Greco-Católica entre 1948 e 1989[108] e o declínio gradual da população húngara.

Historicamente, a comunidade judaica teve papel central na história da Transilvânia, e até num contexto mais amplo.[109] Os judeus foram uma presença significativamente, e cada vez mais marcante, em Cluj, contribuindo significativamente para o dinamismo econômico da cidade e o seu florescimento cultural no fim do século XIX e início do século XX.[109] Embora a comunidade tenha contado com uma parte significativa da população da cidade durante o Período Entre-Guerras—entre 13 e 15 por cento[110] —estes números despencaram como uma consequência do Holocausto e da subsequente emigração; na década de 1990 restavam em Cluj-Napoca apenas algumas centenas de judeus.[109]

Igreja de São Miguel, a maior igreja de arquitetura gótica da cidade.

No século XIV a maioria dos habitantes da cidade, assim como a elite local, era formada por saxões,[27] em grande parte descendentes de colonizadores trazidos pelos reis da Hungria nos séculos XII e XIII, visando desenvolver e defender as fronteiras ao sul da província.[111]

Na metade do século seguinte aproximadamente metade da população tinha nomes húngaros. Na Transilvânia, como um todo, a Reforma Protestante acirrou divisões étnicas: saxões tornaram-se luteranos, enquanto os húngaros permaneceram católicos ou se tornaram calvinistas ou unitaristas. Em Klausenburg, no entanto, as fronteiras religiosas não eram bem demarcadas. Isolados tanto geograficamente das principais áreas de colonização alemã no sul da Transilvânia[109] como institucionalmente, devido à sua trajetória religiosa distinta, muitos saxões eventualmente foram assimilados à maioria húngara ao longo de diversas gerações. Novos colonizadores também falavam, em sua maioria, o húngaro, idioma que muito saxões gradualmente vieram a adotar.[27] (No século XVII), de mais de trinta cidades reais livres, apenas sete contavam com uma maioria húngara, e Kolozsvár/Klausenburg era uma delas;[112] o restante era, em sua maioria, dominada etnicamente pelos alemães.[112] ) Desta maneira Kolozsvár tornou-se húngaro-parlante, e o permaneceu até a metade do século XX, embora em 1880 4.8% de seus residentes se identificassem como "alemães".[113]

O ciganos formam uma minoria considerável na Romênia atual, e uma presença pequena, porém visível, em Cluj-Napoca/ apesar de compreenderem apenas 1% da população, são uma presença familiar no mercado central e em seus arredores, vendendo flores, roupas usadas e artigos de lata.[109] Embora sejam um importante foco de atenção do discurso público e representações midiáticas, a nível nacional, Cluj-Napoca, com sua relativamente pequena população de ciganos, não foi o foco principal de atividade etnopolítica do povo.[109]

Comunidade húngara[editar | editar código-fonte]

Beco Matias Corvino, situado em frente ao local onde nasceu o rei da Hungria homônimo.

Aproximadamente 60.000 húngaros vivem em Cluj-Napoca. A cidade tem a segunda maior comunidade urbana de húngaros na Romênia, depois de Târgu Mureş,[114] com uma vida cultural e acadêmica ativa: a cidade tem uma ópera e teatro estatal húngaro, assim como diversas instituições húngaras de pesquisa, como Erdélyi Múzeumi Egyesület (EME), Erdélyi Magyar Műszaki Tudományos Társaság e Bolyai Társaság.[115] A cidade é a sede da diocese reformada da Transilvânia, da diocese unitarista e de uma diocese da Igreja Evangélica Luterana, e todas treinam o seu clero no Instituto Teológico de Cluj. Diversas revistas e jornais são publicados no idioma húngaro, e a comunidade também tem direito à transmissões públicas e privadas, de rádio e televisão. Em 2007 7000 estudantes frequentaram cursos nos 55 cursos de especialização lecionados em húngaro na Universidade Babeş-Bolyai.[116] Em 2006 dois palestrantes húngaro-parlantes perderam seus empregos depois de ter afixado cartazes em húngaro nos prédios da universidade,[117] apesar de um decreto do reitor permitindo o uso de cartazes multilíngues..[118] Gheorghe Funar, prefeito de Cluj-Napoca de 1992 a 2004, tornou-se notório pelos seus atos de provocações étnicas, como a decoração das ruas da cidade nas cores da bandeira romena, e a organização de piquetes diante do consulado da Hungria na cidade; as tensões parecem ter se arrefecido, no entanto, depois que Funar deixou o cargo.[56]

Economia[editar | editar código-fonte]

Avenida Eroilor, a maior e mais elegante rua comercial da cidade.
Esplanada na Praça Unirii.
Avenida Regele Ferdinand, outra grande rua comercial.

Cluj-Napoca é um importante centro comercial da Romênia; diversas marcas locais tornaram-se conhecidas nacionalmente, e algumas até mesmo internacionalmente, como Banca Transilvania,[119] Farmec,[120] Jolidon,[121] e a cervejaria Ursus.[122]

A revista americana InformationWeek relatou que a maior parte da atividade de informática, especialmente na área de software, é produzida na cidade, que está se tornado rapidamente a tecnópolis da Romênia.[9] A empresa finlandesa Nokia investiu 200 milhões de euros numa fabricante de telefones celulares[123] e num centro de pesquisa em Cluj-Napoca.[124] A cidade também é a sede regional e nacional de empresas como MOL,[125] Aegon,[126] Perfetti Van Melle,[127] Bechtel,[128] Friesland Foods,[129] Office Depot, Genpact[130] e New Yorker.[131] O grupo financeiro britânico Dawnay Day, proprietário do centro comercial MacroMall, originalmente sediado em Braşov, também está investindo maciçamente em Cluj-Napoca; seu primeiro projeto, Atrium, em construção sobre o terreno da antiga fábrica Tricotaje Someşul, localizada no centro da cidade, está orçado em 85 milhões de euros.[132]

Cluj-Napoca também é um importante centro comercial regional, com diversos shopping centers e hipermercados. A Avenida Eroilor e as ruas Napoca e Memorandumului são os locais mais caros da cidade, com um preço médio de aluguel de 720 euros/ ao ano,[133] enquanto as avenidas Regele Ferdinand e "21 Decembrie 1989" também possuem altos preços de aluguel. Existem dois grandes shopping-centers: Polus Center Cluj, que contém um hipermercado Carrefour, e o Iulius Mall Cluj, que tem um hipermercado Auchan. Outros dois estão sendo construídos, e diversas outras cadeias internacionais de supermercados também possuem filiais na cidade.

Entre os varejistas de renome presentes na cidade estão marcas internacionais como United Colors of Benetton, Guess e Paco Rabanne, e os shopping-centers oferecem ao consumidor lojas como Mango e Zara. Hugo Boss,[134] JLo,[135] Pinko,[136] Gianfranco Ferre[137] e outras marcas famosas também anunciaram suas metas de abrir lojas em Cluj-Napoca até o fim de 2008.

O orçamento geral da cidade em 2008 chegou a 990 milhões de lei,[138] o equivalente a mais de 266 milhões de euros. Em relação aos anos anteriores, o orçamento aumentou 19% em 2006, 56% em 2007 e 35% em 2008.[139]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Em 2007, a indústria hoteleira do condado de Cluj oferecia um total de 6.472 leitos, dos quais 3.677 estavam em hotéis, 1.294 em pousadas e o resto em chalés, campings ou albergues.[140] Um total de 700.000 visitantes, 140.000 dos quais eram estrangeiros, pernoitavam.[140] Um número considerável de visitantes, no entanto, visitou Cluj-Napoca por menos de um dia, e seu número exato não é conhecido. O maior número de visitantes estrangeiros é da Hungria, da Itália, da Alemanha, dos Estados Unidos, da França e da Áustria.[140] Cerca de 140 agências de turismo ajudam a organizar as viagens domésticas e internacionais, e diversas empresas de aluguel de carros oferecem os serviços.[141]

Arte e cultura[editar | editar código-fonte]

Vista do centro de Cluj-Napoca a partir da Rua Victor Babeş, na região de Haşdeu

Cluj-Napoca tem uma cena cultural crescente e diversificada, que se espalha por diversos campos, como as artes visuais, as artes cênicas e a vida noturna. A cultura da cidade data aos tempos romanos: a cidade começou a ser construída naquele período, que deixou sua marca na orientação geográfica da cidade, centrada na atual Piaţa Muzeului, assim como em diversas estruturas existentes. A cidade medieval, no entanto, viu um deslocamento de seu centro rumo às novas estruturas civis e religiosas, especialmente a Igreja de São Miguel.[142] Durante o século XVI, a cidade se tornou o principal centro cultural e religioso da Transilvânia;[143] durante um breve período do início do século XIX, Kolozsvár foi o centro mais importante do teatro e ópera húngaros,[144] enquanto no início do século XX, ainda uma cidade húngara, tornou-se a principal alternativa à cinematografia de Budapeste.[145] Depois de sua incorporação ao Reino da Romênia, no fim da Primeira Guerra Mundial, a cidade - agora chamada de Cluj - viu um ressurgimento de sua cultura romena, mais visível com o término da construção da monumental catedral ortodoxa, em 1933, na frente do (recém-nacionalizado) Teatro Nacional Romeno.[146] Este lugar passou a ser visto como o centro "romeno", alguns quarteirões a leste do antigo centro "húngaro";[146] no entanto, a "romanidade" de Cluj, da mesma maneira que o domínio romeno da Transilvânia, não estava estabelecido de maneira segura, em absoluto, ainda no período entre-guerras.[146] O fim da década de 1960 viu um renascimento do discurso nacionalista, simultâneo à urbanização e industrialização da cidade, que teve como efeito a gradual romenização da cidade.[147] Hoje em dia a cidade hospeda pessoas de diferentes culturas, com suas respectivas instituições culturais, como o Teatro Estatal Húngaro, o Conselho Britânco, bem como diversos outros centros para a promoção de culturas estrangeiras. Estas instituições mantém manifestações ecléticas em homenagem às suas culturas, incluindo os bessarábios,[148] húngaros,[149] tunisianos,[150] e japoneses.[151]

Edifícios e locais importantes[editar | editar código-fonte]

Estátua de Matias Corvino em frente à Igreja de Cluj-Napoca.
O Parque Central de Cluj-Napoca.

Cluj-Napoca tem diversos edifícios e monumentos de destaque. Um destes é a Igreja de São Miguel, na Praça Unirii ("União"), construída no fim do século XIV no estilo gótico do período. A torre neogótica foi erguida apenas no século XIX; permanece a mais alta torre de igreja em toda a Romênia até hoje.[152]


Em frente à igreja está a estátua equestre de Matias Corvino, erguida em honra ao rei da Hungria nascido na cidade. A equivalente em importância à Igreja de São Miguel para a Igreja Ortodoxa Romena é a Catedral da Dormição da Theotokos, na Praça Avram Iancu, construída no período entre-guerras. A Igreja Greco-Católica Romena também tem uma catedral em Cluj-Napoca, a Catedral da Transfiguração.

Outro marco importante de Cluj-Napoca é o seu Palácio de Justiça, construído entre 1898 e 1902, e projetado pelo arquiteto Gyula Wagner no estilo eclético.[153] Este edifício faz parte de um conjunto erguido na Praça Avram Iancu, que também inclui o Teatro Nacional, o Palácio de Căile Ferate Române, o Palácio da Prefeitura, o Palácio das Finanças e o Palácio da Metrópole Ortodoxa. Outro importante grupo de edifícios ecléticos se localiza na Rua Iuliu Maniu, que apresenta prédios simétricos dos seus dois lados, seguindo a tendência urbanística do barão Haussmann.[154]

Um dos destaques da cidade é o seu jardim botânico, situado nas vizinhanças do centro. Além deste jardim, Cluj-Napoca também abriga diversos parques de grande tamanho, dos quais o mais notável é o Parque Central, com o Cassino Chios e um grande conjunto de estátuas. Muitas das personalidades de destaque da cidade estão enterradas no Cemitério Hajongard, que ocupa 14 hectares.

Como importante centro cultural, Cluj-Napoca tem diversos teatros e museus; alguns destes incluem o Museu do Camponês Romeno (Muzeul Ţăranului Român), o Museu Nacional de História da Transilvânia, o Museu Etnográfico, o Museu da Farmácia, o Museu de Geologia e o Museu Zoológico.

Artes plásticas e artes visuais[editar | editar código-fonte]

Em termos de artes plásticas e artes visuais, a cidade tem um grande número de galerias, que exibem arte romena clássica e contemporânea, assim como seleções de obras internacionais.

O Museu Nacional de Arte se localiza no antigo palácio do conde György Bánffy, a construção secular mais representativa do estilo barroco na Transilvânia.[155] [156] [157] O museu possui coleções extensas de arte romena, incluindo obras de artistas como Nicolae Grigorescu, Ştefan Luchian e Dimitrie Paciurea, assim como artistas estrangeiros como Károly Lotz, Luca Giordano, Jean Hippolyte Flandrin, Herri met de Bles e Claude Michel,[158] e foi indicado para Museu Europeu do Ano, em 1996.[159]

Artes cênicas e música[editar | editar código-fonte]

A cidade possui um grande número de instituições e estruturas destinadas às artes cênicas e à música. A mais famosa delas é o teatro neobarroco na Praça Avram Iancu.[160] Construído no início do século XX pela companhia vienense Helmer and Fellner, a estrutura está inscrita na lista de monumentos especialmente protegidos da UNESCO.[161] Desde 1919, pouco tempo depois da união entre a Transilvânia e a Romênia, o prédio é a sede do Teatro Nacional Lucian Blaga e da Ópera Nacional Romena. A Filarmônia da Transilvânia, fundada em 1955, dá concertos de música clássica, e organiza desde 1965 o Festival Toamna Muzicală Clujeană.[162] O multiculturalismo da cidade também é evidenciado pela Ópera e Teatro Húngaro, sede de quatro grupos diferentes de artistas. Existem também diversos teatros independentes, de menor tamanho, como o Teatro Puck, onde espetáculos de marionetes são exibidos.

Cluj-Napoca é o local de residência de diversos músicos romenos conhecidos localmente. Entre os exemplos de bandas locais está a Compact, popular grupo de rock,[163] sistem, banda de pop moderno—que terminou em terceiro lugar no Concurdo Eurovisão de Música de 2005,[164] a banda de rock alternativo Luna Amară,[165] assim como diversos produtores de música eletrônica, como Horace Dan D.[166] As integrantes do grupo pop radicado no Reino Unido, The Cheeky Girls, cresceram na cidade, onde frequentaram a Escola Superior de Coreografia e Arte Dramática.[167]

A vida noturna da cidade apresenta uma variedade grande de opções, e o número de discotecas e casas noturnas aumentou significantemente na década de 1990, e continua a aumentar. A maioria dos locais está espalhada pelo centro da cidade, a partir do mais antigo de todos, o Diesel Club,[168] na Praça Unirii. O jornal diário România Liberă classificou esta e outras duas discotecas da cidade como as três melhores da região de Transilvânia-Banat.[168] A área de Unirii ainda apresenta diversos bares e restaurantes, pizzarias e cafés; muitos estabelecimentos também oferecem atividades culturais como espetáculos de música e moda ou exibições de arte.[141] Um dos principais pontos da cidade é a Strada Piezişă ("rua torta"), uma via central localizada na área estudantil de Haşdeu, célebre por sua vida noturna agitada, onde um grande número de bares e cafés se localizam. A cena musical de Cluj-Napoca não se limita aos gêneros tradicionalmente divulgados internacionalmente; muitas discotecas, por exemplo, oferecem espetáculos onde os lăutari ("alaudistas") locais tocam as manele, um tipo de música de influência turca.

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Cluj-Napoca possui as seguintes cidades-irmãs:

Imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. População da Romênia em 1 de julho de 2007
  2. a b Populaţia la 1 iulie 2007 pe localităţi (em romeno). Instituto Nacional de Estatística (1 de julho de 2007).
  3. a b c d Municipiul Cluj-Napoca (data based on the 2002 census) (em romeno). Fundaţia Jakabffy Elemér.
  4. a b c Zona Metropolitană Urbană şi Strategii de Dezvoltare a Zonei Metropolitane Cluj-Napoca (em romeno). Cluj County Council. Página visitada em 12 de março de 2008.
  5. a b Zona metropolitană a Clujului: un sfert din judeţ (em romeno). Gândul (3 de outubro de 2007). Página visitada em 12 de março de 2008.
  6. a b c d e Wanted: clujeanul verde (em romeno). Foaia Transilvană (6 de março de 2008). Página visitada em 12 de maio de 2008.
  7. Catedrala "Sf. Mihail" (em romeno). Clujonline.com. Página visitada em 12 de março de 2008.
  8. Comunele din jurul Clujului se transformă în cartiere (em romeno). Ziua de Cluj (29 de outubro de 2007). Página visitada em 12 de março de 2008.
  9. a b Romania Proving Popular As Software Outsourcing Destination (em inglês). InformationWeek (4 de fevereiro de 2008). Página visitada em 12 de março de 2008.
  10. a b O istorie inedită a Clujului - Cetatea coloniştilor saşi (em romeno). ClujNet.com. Página visitada em 16 de março de 2008.
  11. a b c d e f g Lazarovici et al. 1997, p.32 (3.1 De la Napoca romană la Clujul medieval)
  12. a b Gaal, György (19 de julho de 2000). Kolozsvári kronológia - Kolozsvár kétezer esztendeje dátumokban (em húngaro). Szabadság. Página visitada em 15 de março de 2008.
  13. a b Asztalos, Lajos (4 de agosto de 2003). Kolozsvár neve (em hungaro). Szabadság. Página visitada em 15 de março de 2008.
  14. a b Szabó, Attila m.. Dicţionar de localităţi din Transilvania (em romeno). Página visitada em 15 de março de 2008.
  15. Herb, Guntram Henrik; Kaplan, David H. e White, George W.. Nested Identities: Nationalism, Territory, and Scale (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield, 1999. 275 p. ISBN 0847684679
  16. a b Cluj-Napoca. Istoric (em romeno). Clujonline.com. Página visitada em 14 de março de 2008.
  17. a b Lukács 2005, p.14
  18. Slovenské vžité názvy geografických objektov ležiacich mimo územia Slovenskej republiky (em eslovaco). Página visitada em 14 de julho de 2008.
  19. a b Lazarovici et al. 1997, pp.202-3 (6.2 Cluj in the Old and Ancient Epochs)
  20. Lazarovici et al. 1997, p.17 (2.7 Napoca romană)
  21. Brubaker et al. 2006, p.89
  22. Alicu 2003, p.9
  23. Madgearu, Alexandru. Românii în opera Notarului Anonim. [S.l.: s.n.], 2001. ISBN 973-577-249-3
  24. a b Lazarovici et al. 1997, p.204 (6.3 Medieval Cluj)
  25. Brubaker et al. 2006, pp.89-90
  26. a b c Lazarovici et al. 1997, p.38 (3.1 De la Napoca romană la Clujul medieval)
  27. a b c d Brubaker et al. 2006, pp.90-1
  28. a b c d e Lazarovici et al. 1997, p.205 (6.3 Medieval Cluj)
  29. Martâniuc, Cristina. Probleme actuale ale calităţii de subiect de drept internaţional public contemporan (PDF) (em romeno). CNAA (Republic of Moldova). Página visitada em 17 de março de 2008. "'În istoria poporului român, o uniune personală a fost creată în anul 1600 prin unirea politică a celor trei ţări Româneşti – Transilvania, Moldova şi Ţara Românească – sub un singur domnitor: Mihai Vodă Viteazul ("Na história do povo romeno, uma união pessoal foi criada em 1600 com a união política dos três países romenos - a Transilvânia, a Moldávia e a Valáquia - sob um único soberano, Miguel, o Bravo")"
  30. Ciorănescu, George. Michael the Brave - Evaluations and Revaluations of the Walachian Prince. [S.l.]: Radio Free Europe Research: RAD Background Report/191, 1976.
  31. Treaty of Carlowitz. Encyclopædia Britannica (2008). Página visitada em 14 de março de 2008.
  32. a b Brubaker et al. 2006, p.91
  33. Lazarovici et al. 1997, pp.42,44,68 (3.1 De la Napoca romană la Clujul medieval; 4.1 Centru al mişcării naţionale)
  34. a b Lazarovici et al. 1997, p.206 (6.4 Cluj in Modern Times)
  35. Bem's Campaign in Transylvania; Revolutionary Consolidation and Its Contradictions. MEK (Hungarian Electronic Library). Página visitada em 14 de março de 2008.
  36. a b Lazarovici et al. 1997, pp.74-5 (6.4 Centru al mişcării naţionale)
  37. a b Relaţia dintre elite şi popor în perioada memorandistă (PDF) (em romeno). Centrul de Resurse pentru Diversitate Etnoculturală. Página visitada em 15 de março de 2008.
  38. Hubmann, Franz, & Wheatcroft, Andrew (editor). The Habsburg Empire, 1840 – 1916. London: [s.n.], 1972. pp.292–3 p. ISBN 0-7100-7230-9
  39. Georges Castellan. A history of the Romanians. [S.l.]: Boulder: East European Monographs, 1989. p.148 p. ISBN 978-0-88033-154-8
  40. a b Lazarovici et al. 1997, p.207 (6.4 Cluj in Modern Times)
  41. Ernest A. Rockwell: Trianon Politics, 1994-1995, thesis, Central Missouri State University, 1995
  42. a b Brubaker et al. 2006, pp.100-1
  43. a b c d e Lazarovici et al. 1997, pp.140-1 (5.2 Dictatul de la Viena - 30 august 1940)
  44. Hungarians' Army Marches into Cluj; Receives a Frenzied Welcome From Magyars in Former Rumanian Territory But Atmosphere Is Tense Officers of Occupying Troops Charge That 12 Were Slain by Retreating Force. The New York Times (12 de julho de 1940). Página visitada em 15 de março de 2008.
  45. Peter Kenez. Hungary from the Nazis to the Soviets - the establishment of the Communist regime in Hungary, 1944-1948. [S.l.]: Cambridge University Press, 2006. ISBN 052185766X
  46. Evans, Richard J.. Lying About Hitler: History, Holocaust, and the David Irving Trial. London: Basic Books, 2001. p.95 p. ISBN 0465021530
  47. Russians Smash on; Memel Reported Cut Off as New Drive Reaches German Frontier Szeged, Cluj Seized Soviet Tanks Cross Tisza, Menacing Budapest, Berlin Admits Russians Smash on Near East Prussia. The New York Times (12 de outubro de 1944). Página visitada em 15 de março de 2008.
  48. Lazarovici et al. 1997, p.213 (6.5 Cluj in Modern Times)
  49. Lazarovici et al. 1997, p.153 (5.3 Perioada totalitarismului)
  50. Ludanyi, Andrew. (June 2006). "The Impact of 1956 on the Hungarians of Transylvania" (PDF). Hungarian Studies 20 (1): 93 pp.. Akadémiai Kiadó. DOI:10.1556/HStud.20.2006.1.9. ISSN 0236-6568.
  51. Kálmán, Aniszi. A Bolyai Tudományegyetem utolsó esztendeje: Beszélgetés dr. Sebestyén Kálmánnal. [S.l.]: Hitel, XII, No. 3, 1999. p.83 p.
  52. A romániai magyar fõiskolai oktatás: Múlt, jelen, jövõ. [S.l.]: Jelenlét Alkotó Társaság, 1990. p.21 p.
  53. a b Varga E. Árpád. Erdély etnikai és felekezeti statisztikája (1850-1992) (em húngaro). Página visitada em 16 de março de 2008.
  54. a b c Lazarovici et al. 1997, pp.154,159 (5.3 Perioada totalitarismului)
  55. O mură în gura comisiei "Evenimentele din decembrie" (em romeno). Academia Caţavencu (30 de janeiro de 1996). Página visitada em 21 de março de 2008.
  56. a b c Cluj: Buzz grips university town (em inglês). Financial Times (6 de março de 2008). Página visitada em 13-3-2008.
  57. Geografia judeţului Cluj (em romeno). INSSE - Direcţia Regională de Statistică Cluj. Página visitada em 15 de março de 2008.
  58. a b c Lukács 2005, pp.9-11
  59. a b c Amenajarea teritoriului, urbanism, infrastructură (PDF) (em romeno). Cluj-Napoca City Hall. Página visitada em 12 de março de 2008.
  60. Anton et al. 1973, pp.40-1
  61. Tourist Attractions. DNT Cluj (1999). Página visitada em 15 de março de 2008.
  62. Tatar, Florentina (8 de janeiro de 2008). Clujul subteran (em romeno). Monitorul de Cluj. Página visitada em 14 de março de 2008.
  63. Câmpan, Letiţia (11 de março de 2008). Miturile Clujului (em romeno). Clujeanul. Página visitada em 14 de março de 2008.
  64. Pârtia Feleac a fost inaugurată sâmbătă (em romeno). Realitatea.net (24 de dezembro de 2007). Página visitada em 12 de março de 2008.
  65. András et al. 2003, p.81
  66. András et al. 2003, p.131
  67. Cultural tourism. Transilvania Trust. Página visitada em 14 de março de 2008. "Formerly known as the Transylvanian Versailles, Bánffy castle, Bontida is one of the most beautiful historic buildings in the Carpathian basin."
  68. Enache, Cornel. Castelele Romaniei (II) (em romeno). Cronica Română. Página visitada em 16 de março de 2008.
  69. András et al. 2003, p.153
  70. András et al. 2003, p.92
  71. a b András et al. 2003, p.142
  72. Românii sărbătoresc Adormirea Maicii Domnului şi Ziua Marinei (em romeno). Gardianul. Página visitada em 14 de março de 2008.
  73. a b A monastery attracts thousands of Christians. National Institute for Research and Development in Informatics. Página visitada em 12 de março de 2008.
  74. Mediu: Cluj-Napoca (PDF) (em Romanian). Primăria Cluj-Napoca. Página visitada em 2008-03-21.
  75. Weatherbase data for Cluj-Napoca. Página visitada em 16 de março de 2008.
  76. a b c d e f Law no. 215 / 21 April 2001: Legea administraţiei publice locale (em romeno). Parliament of Romania. Página visitada em 12 de março de 2008.
  77. Hotărâre privind propuneri de atribuire denumiri strazi si cartiere in municipiul Cluj-Napoca (em romeno). Prefeitura de Cluj-Napoca (2005). Página visitada em 12 de março de 2008.
  78. Emil Boc îl sfidează pe Tăriceanu (em romeno). Foaia Transilvană (7 de junho de 2007). Página visitada em 12 de março de 2008.
  79. Estatuto da UDMR (em húngaro). União Democrática dos Húngaros na Romênia. Página visitada em 12 de março de 2008.
  80. Contatos da União Democrática dos Húngaros na Romênia (em romeno). Democratic Union of Hungarians in Romania. Página visitada em 12 de março de 2008.
  81. a b History of PUNR (em romeno). Partidul Unităţii Naţiunii Române. Página visitada em 12 de março de 2008.
  82. Institutul minorităţilor se înfiinţează la Cluj (em romeno). Ziua de Cluj (3 de agosto de 2007). Página visitada em 12 de março de 2008.
  83. a b Law no. 92 / 4 August 1992 for the judicial organisation (em romeno). Parliament of Romania. Página visitada em 12 de março de 2008.
  84. Lei no. 218 / 23 de abril de 2002: Lei sobre a organização e o trabalho da Polícia Romena (em romeno). Parlamento da Romênia. Página visitada em 12 de março de 2008.
  85. a b JUS107A - Rata criminalităţii (persoane condamnate definitiv la 100000 locuitori), pe regiuni de dezvoltare şi judeţe. INSSE. Página visitada em 9 de maio de 2008.
  86. Country Profile Romania 2006. Economist Intelligence Unit. Página visitada em 9 de maio de 2008.
  87. Dăianu, Daniel. Strain and Economic Adjustment. Romania' Travails and Pains (PDF). Romanian Center for Economic Policies. Página visitada em 9 de maio de 2008.
  88. Perlez, Jane (13 de novembro de 1993). Pyramid Scheme a Trap for Many Romanians. The New York Times. Página visitada em 9 de maio de 2008.
  89. Citeşte povestea celui mai temut criminal al Clujului: "Omul cu ciocanul" (em romeno). Clujeanul (17 de fevereiro de 2008). Página visitada em 12 de março de 2008.
  90. Poll organised by the Cluj Police Department (em romena). Departamento de Polícia de Cluj. Página visitada em 12 de março de 2008.
  91. a b Street Children and Juvenile Justice in Romania (DOC). "Asociaţia pentru Sprijinirea Integrării Sociale" (ASIS) in partnership with "The Consortium for Street Children". Página visitada em 12 de março de 2008.
  92. Acte necesare - Persoane fără adăpost (em romena). Primăria Municipiului Cluj-Napoca. Página visitada em 12 de março de 2008.
  93. Călina Berceanu (7 de abril de 2005). Cursele de maşini pe timp de noapte intră în legalitate (em romeno). Adevărul. Página visitada em 14 de março de 2008.
  94. Pascu 1974, p.102
  95. a b c d Pascu 1974, pp.222-3
  96. Pascu et al. 1957, p.60
  97. a b Jakab Elek, Kolozsvar Tortenete, II, Okleveltar, Budapesta, 1888, p.750
  98. Katona Lajos, Kolozsvar terulete es nepessege, in "Kolozsvari Szemle", 1943, no.4, p.294
  99. INS, Governo da Romênia. "România în cifre, 2004" (PDF) (em romeno). Página visitada em 22 de março de 2008.
  100. INS, Governo da Romênia. "Anuarul statistic 2006" (PDF) (em romeno). Página visitada em 12 de março de 2008.
  101. INS, Governo da Romênia. "Populatia Romaniei scade de la an la an" (em romeno). Página visitada em 12 de março de 2008.
  102. População das localidades romenas em 1 de julho de 2007 (em romeno). INSSE (4 de abril de 2008). Página visitada em 4 de abril de 2008.
  103. Brubaker et al. 2006, p.112
  104. Wanted: Clujeanul verde (em romeno). Foaia Transilvană (6 de março de 2008). Página visitada em 12 de março de 2008.
  105. Recensământul populaţiei din 1930: Populaţia Statornică în 1930 După Religie (em romeno). [S.l.]: Institutul Central de Statistică, 21 de março de 2008. p.588 p. vol. Volume 2, parte 2.
  106. Cluj Children Survivors (em inglês). JewishGen (janeiro de 2006). Página visitada em 5 de abril de 2008.
  107. Background Note: Romania (em inglês). Departamento de Estado dos Estados Unidos da América (outubro de 2007). Página visitada em 5 de abril de 2008.
  108. Boia, Lucian, & Christian, James. Romania: Borderland of Europe. London: [s.n.], 2001. p.150 p. ISBN 1-86189-103-2
  109. a b c d e f Brubaker et al. 2006, pp.17-8
  110. Mueller, Wolfgang. Portmann, Michael. Osteuropa vom Weltkrieg zur Wende. [S.l.: s.n.], 2007. p.39 p. ISBN 978-3-7001-3791-7 Página visitada em 22 de março de 2008.
  111. James P. Niessen (2006). Museums, Nationality, and Public Research Libraries in Nineteenth-Century Transylvania (em inglês) pp. 304. Project MUSE, University of Texas Press. Página visitada em 27 de maio de 2008.
  112. a b Szelényi, Balázs. (April 2004). "The Dynamics of Urban Development: Towns in Sixteenth and Seventeenth-Century Hungary". The American Historical Review: 22 pp..
  113. Brubaker et al. 2006, p.93
  114. 13. Populaţia municipiilor şi oraşelor după etnie la recensământul din 2002 (TPR15A). INSSE. Página visitada em 18 de março de 2008.
  115. Kiss, Dénes. Romániai magyar kulturális intézmények adatbázisa (em húngaro). Página visitada em 18 de março de 2008.
  116. The Babeş-Bolyai University today (PDF) (em romeno). UBB. Página visitada em 12 de março de 2008.
  117. Hungary asks Romania to reinstate 2 ethnic Hungarian professors expelled by university. International Herald Tribune (6 de dezembro de 2006). Página visitada em 18 de março de 2008.
  118. Motion supports sacked lecturer (PDF). The Times (23 de fevereiro de 2007). Página visitada em 18 de março de 2008.
  119. Banca Transilvania se extinde în afara României (em romeno) (18 de agosto de 2007). Página visitada em 18 de março de 2008.
  120. Farmec clujean (em romeno). Foaia Transilvană (10 de janeiro de 2008). Página visitada em 18 de março de 2008.
  121. Jolidon: International business outperforms local one. Ziarul Financiar (2008-02-13). Página visitada em 18 de março de 2008.
  122. Dieter Schulze, Ursus: Seceta scumpeste berea si majoreaza importurile de materie prima. Ziarul Financiar (18 de julho de 2007). Página visitada em 18 de março de 2008.
  123. Nokia to set up a new mobile device factory in Romania (em inglês). Nokia (2007-03-26). Página visitada em 2008-03-12.
  124. Birouri Nokia, inaugurate la Cluj (em romeno). Hotnews.ro (2007-06-21). Página visitada em 2008-03-12.
  125. Contacts (em romeno). MOL Romania. Página visitada em 2008-03-12.
  126. Contacts (em romeno). BT Aegon. Página visitada em 2008-03-12.
  127. Companies in the world. Perfetti Van Melle. Página visitada em 2008-03-12.
  128. Giganţii americani îşi deschid sedii la Cluj (em romeno). Ziua de Cluj (2007-08-24). Página visitada em 2008-03-12.
  129. Operating companies. Friesland Foods. Página visitada em 2008-03-18.
  130. Genpact şi Office Depot ocupã Iulius Business Center (em romeno). Ziua de Cluj (2008-02-08).
  131. New Yorker îşi stabileşte la Cluj sediul din România (em romeno). Ziua de Cluj (2008-04-22). Página visitada em 2008-04-22.
  132. Dawnay Day invests 135 m euros in Cluj (em inglês). Ziarul Financiar (2007-03-20). Página visitada em 2008-03-12.
  133. România – pe locul 30 in lume la cele mai scumpe artere comerciale (em romeno). Hotnews.ro (2007-11-07). Página visitada em 2008-03-12.
  134. Hugo Boss vine la Cluj (em romeno). Ziua de Cluj (2007-10-26). Página visitada em 2008-03-12.
  135. Jennifer Lopez îşi deschide magazin la Cluj (em romeno). Ziua de Cluj (2008-02-06). Página visitada em 2008-03-12.
  136. Nouă marcă de lux (em romeno). Ziua de Cluj (2007-10-31). Página visitada em 2008-03-12.
  137. Gianfranco Ferre vine la Cluj (em romeno). Ziua de Cluj (2008-01-09). Página visitada em 2008-03-12.
  138. Iancu, Ciprian (2008-01-31). Cluj-Napoca are un buget record (em Romanian). Clujeanul. Página visitada em 2008-03-18.
  139. Os valores em lei para os orçamentos de 2005, 2006, 2007 and 2008 são 396.303.743, 472.364.500[1] 739.214.224,[2] e 990.812.338, respectivamente.[3]
  140. a b c Turiştii au dublat populaţia Clujului (em romeno). Ziua de Cluj (2008-02-14). Página visitada em 2008-03-12.
  141. a b Strategia de dezvoltare a turismului în municipiul Cluj-Napoca (PDF) (em Romanian). Cluj-Napoca City Hall (2006). Página visitada em 2008-08-02.
  142. Băldescu, Irina. Transilvania Medievale: Le Citta Fondate Di Sibiu, Bistrita, Brasov, Cluj (em Italian). [S.l.]: Bonsignori. ISBN Bonsignori 88-7597-371-7
  143. Entry on Cluj-Napoca in Columbia Encyclopedia, Sixth Edition. Columbia University Press (2006). Página visitada em 2008-05-13.
  144. Schneider, David E.. (December 2003). "Batori Maria: Opera ket felvonasban (review)" 60 (2). Music Library Association.
  145. Gyöngyi Balogh. History of the Hungarian Film, from the beginning until 1945 (em inglês). National Filmarchive of Hungary. Página visitada em 2008-05-13.
  146. a b c Brubaker et al. 2006, pp.100-101
  147. Brubaker et al. 2006, pp.111-113
  148. Chiorean, Narcisa (2008-03-26). Compact, Gândul Mâţei şi Cătălin Josan cântă la Festivalul "Basarabia" (em romeno). Clujeanul. Página visitada em 2008-05-13.
  149. Bell, Charles (2008-03-22). Misguided youth using an ethnic excuse. Seven Times. Página visitada em 2008-05-13.
  150. Manifestări de cultură tunisiană (em romeno). Monitorul de Cluj (2007-03-06). Página visitada em 2008-05-13.
  151. Meseşan, Luiza (2008-04-17). Cultura japoneză a captat atenţia clujenilor (em romeno). Foaia Transilvană. Página visitada em 2008-05-13.
  152. Lukács 2005
  153. Prezentare instanţă (em romeno). Cluj Tribunal. Página visitada em 2008-03-12.
  154. Lazarovici et al. 1997, p.93 (4.2 Monumente de arhitectură din epoca modernă)
  155. Palatul Bánffy (em romeno). Cluj4all.com.
  156. Lukács 2005, pp.83-5
  157. Pascu 1957, p.63
  158. Official website of the National Museum of Art (em romeno). Página visitada em 2008-03-12.
  159. Muzeul Naţional de Artă din Cluj-Napoca (em romeno). CIMEC (Institutul de Cultură Morală). Página visitada em 2008-03-12.
  160. Teatrul şi Opera Naţională "Lucian Blaga" (em romeno). Clujonline.com. Página visitada em 2008-03-12.
  161. Website of the Romanian National Opera in Cluj-Napoca (em romeno). Romanian National Opera. Página visitada em 2008-03-12.
  162. Philharmonics current situation (em inglês). "Transylvania" State Philharmonic. Página visitada em 2008-03-12.
  163. Marine Could Face Trial In Car Crash (em inglês). The New York Times (2004-12-10). Página visitada em 2008-05-12.
  164. Romania: Eurovision Song Contest 2005 (em inglês). ESC Today. Página visitada em 2008-05-12.
  165. Biografia da banda no site de sua gravadora (em romeno). Roton. Página visitada em 2008-05-12.
  166. Horace Dan D. (em inglês). The DJ List. Página visitada em 2008-05-12.
  167. The Cheeky Girls: A cheeky night out (em inglês). The Independent (2003-12-06). Página visitada em 2008-05-12.
  168. a b Top 10 Cluburi din Transilvania şi Banat (em romeno). România liberă (2007-11-17). Página visitada em 2008-03-12.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cluj-Napoca
Coat of Arms of Cluj County
Condado de Cluj da Romênia
Flag of Romania
Cidades  Cluj-NapocaTurdaDejCâmpia TurziiGherlaHuedin
Comunas

Aghireşu  | Aiton  | Aluniş  | Apahida  | Aşchileu  | Baciu  | Băişoara  | Beliş  | Bobâlna  | Bonţida  | Borşa  | Buza  | Căianu  | Călăţele  | Cămăraşu  | Căpuşu Mare  | Căşeiu  | Cătina  | Câţcău  | Ceanu Mare  | Chinteni  | Chiuieşti  | Ciucea  | Ciurila  | Cojocna  | Corneşti  | Cuzdrioara  | Dăbâca  | Feleacu  | Fizeşu Gherlii  | Floreşti  | Frata  | Gârbău  | Geaca  | Gilău  | Iara  | Iclod  | Izvoru Crişului  | Jichişu de Jos  | Jucu  | Luna  | Măguri-Răcătău  | Mănăstireni  | Mărgău  | Mărişel  | Mica  | Mihai Viteazu  | Mintiu Gherlii  | Mociu  | Moldoveneşti  | Negreni  | Pălatca  | Panticeu  | Petreştii de Jos  | Ploscoş  | Poieni  | Râşca  | Recea-Cristur  | Săcuieu  | Sănduleşti  | Săvădisla  | Sânncraiu  | Sânmartin  | Sânpaul  | Sic  | Suatu  | Tritenii de Jos  | Tureni  | Ţaga  | Unguraş  | Vad  | Valea Ierii  | Viişoara  | Vultureni  |