Miklós Horthy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Miklós Horthy
Retrato oficial de S.A.S. como regente do reino da Hungria
Regente do Reino da Hungria
Período de governo 1 de março de 1920
a 15 de outubro de 1944
Sucessor(a) Ferenc Szálasi
Vida
Nascimento 18 de junho de 1868
Kenderes, Áustria-Hungria
Morte 09 de fevereiro de 1957 (88 anos)
Estoril, Portugal
Progenitores Mãe: Paula Halassy
Pai: István Horthy
Dados pessoais
Esposa Magdolna Purgly
Partido Sem partido
Religião Calvinismo

Miklós Horthy de Nagybánya, foi um militar húngaro da marinha com o posto de almirante & estadista, que serviu o seu país como regente do reino da Hungria, entre duas guerras mundiais, e quase toda a segunda guerra mundial. Pelo caráter do seu cargo, ele recebeu do legislativo nacional, o tratamento de "Alteza Sereníssima".

Miklós começou sua carreira militar como tenente de fragata da marinha austro-húngara em 1896, e alcançou o posto de almirante em 1918; Serviu na Batalha do Estreito de Otranto, e tornou-se comandante-em-chefe da marinha, no último ano da primeira guerra mundial. Em 1919 na sequencia de uma série de balanços envolvendo a Hungria, Ele retornou a Budapeste com as forças armadas nacionais e estabeleceu um novo governo, que ressuscitou a monarquia, e trouxe estabilidade a nação.

O novo governo com forte nacionalismo conservador (provado com a volta da monarquia), teve como grandes atos a proibição da existência de partidos comunistas, e a adoção de uma política que visava retomar os territórios perdidos com o tratado de Trianon; o antigo soberano Carlos IV, tentou em vão recuperar o seu trono real duas vezes, mas sem sucesso, até que em 1921, o parlamento, efetivamente destronou os Habsburgos, permanecendo então o sólio vago de direito para todo o sempre.

Na década seguinte, a de 1930, a já mencionada política do regente, levou a uma aliança com a Alemanha Nazista. Com o apoio do governante alemão Adolf Hitler, a Hungria foi capaz de recuperar terras húngaras perdidas. Sob a liderança de S.A.S. a Hungria participou da invasão da União Soviética & da invasão alemã da iugoslávia. No entanto vários atos de Miklós ao longo dos anos, como a contribuição com os esforços de guerra e a deportação de judeus húngaros, contradizendo com as tentativas de um '''acordo de paz''' com os '''Aliados''', levou os alemães a invadir e tomar o controle do país em março de 1944. Em outubro do mesmo ano o regente anunciou que o país iria render-se e retirar-se do Eixo. Mas os alemães não deixariam essa posição do antigo aliado barato; S.A.S. foi forçado a renunciar, foi preso, e levado para a Alemanha; Lá permaneceu até o fim da guerra, quando foi libertado.

Foi testemunha no Tribunal de Nuremberg, e em 1948 Miklós se estabeleceu e viveu em Portugal.

Suas memórias Ein Leben für Ungarn (Uma vida para a Hungria), foram publicadas primeiramente em 1953.

Miklós continua a ser ainda hoje uma figura que causa divisão, incertezas, tristezas na Hungria de hoje.

Primeiros anos e carreira militar[editar | editar código-fonte]

A mãe & o pai de Miklós: Paula Halassy e István Horthy.

Miklós nasceu na cidade de Kenderes em 1868, ele foi o quarto de oito filhos do casal que o gerou.

Miklós entrou para a academia naval Austro-Húngara em Fiume (hoje Rijeka, Croácia) aos 14 anos; Por ser o idioma oficial da academia o alemão, o jovem Miklós falou até a sua morte um húngaro com perceptível sotaque alemão. Ele também falava fluentemente os idiomas: italiano, croata, inglês francês.

Ainda sendo um homem jovem, ele viajou ao redor do mundo e serviu como diplomata para o império Austro-Húngaro, na Turquia e em outros países. Miklós casou-se com Katyanna Purgly, na cidade de Arad, em 1901. Eles tiveram 4 filhos: Katyanna em (1902), Paula em (1903), István em (1904) e Miklós em (1907).

Katyanna Purgly, esposa do Almirante Miklós Horty.
Miklós em roupa militar no ano de 1915.

Durante os anos de 1911 e 1914 ele foi um ajudante do campo naval do kaiser Francisco José I, homem por quem Miklós tinha imensurável respeito.

No início da guerra, Miklós foi o comandante do cruzador SMS dos Habsburgos. Em 1915 ele ganhou uma reputação de ousadia enquanto comandava o novo cruzador ligeiro SMS Novara. Ele planejou o ataque de 1917 na Barragem de Otranto, que esquentou ainda mais a guerra.

O Militar ganhou reputação e posto até o final da guerra, recebendo honra até mesmo do novo imperador & rei Carlos IV.

Os Tratados que se seguiram após o fim do grande conflito, transformou o seu país em uma nação sem litoral, e os seus serviços agora não eram precisos na nova Hungria, sabendo disso Miklós se aposentou e passou a viver com sua família em Kanderes. Ele nem tinha ciência de que o futuro iria lhe reservar.

Período entre guerras (1919 - 1938)[editar | editar código-fonte]

Comandante do Exército Nacional[editar | editar código-fonte]

O Comunista Kún, que tomou o poder e proclamou a nova república Soviética Húngara.

Um trauma nacional marcou a nação após a guerra. O primeiro foi a perda, de grandes porções do território húngaro que fazia fronteira com outros países. Estas eram terras que tinham sido da Hungria como parte do Império Austro-Húngaro; Eles foram cedidos às Nações da Checoslováquia, Romênia e Iugoslávia. Ratificados com o Tratado de Trianon , em Versalhes, custam Hungria dois terços de seu território e um terço de seus falantes nativos húngaros e a população um golpe terrível psicológico. Um outro golpe que marcou também a nação foi a fraqueza da jovem democracia Húngara, o comunista Béla Kun, tomou o poder na capital Budapeste. Isso deixou marcas indeléveis no povo, que nunca se esqueceu do ocorrido[1] .

Kun e seus colegas proclamaram a República Soviética de Húngara, eles prometeram a restauração da antiga grandeza da Hungria. Em vez disso, "seus esforços" falharam, e o povo foi tratado com uma repressão de estilo soviético, stalinista, sob a que faziam coisas com quem era contra o então regime. Este período de violência veio a ser conhecido como o Terror vermelho.

Tibor Szamuely, um comunista convicto e colaborador próximo de Kun, se vangloriou dizendo que "O Terror é a principal arma do nosso regime".[2] .

Dentro de semanas de seu golpe de estado, a popularidade de Kun despencou. Em 30 de maio de 1919, os políticos anti-comunistas formaram um governo contra-revolucionário na zona sul da cidade de Szeged, ocupada por forças francesas no momento

Lá ainda Gyula Károlyi pediu ao antigo Almirante Horthy, considerado um herói de guerra, para ser o Ministro da guerra no novo governo e assim assumir o comando de uma força contra-revolucionária que seria nomeado junto com o exército nacional. Horthy consentiu e chegou em Szeged, em 6 de junho. Logo depois, o gabinete foi reformado e Miklós não foi dado um assento nele.

Em 6 de agosto forças entraram na capital. O governo comunista entrou em colapso e os seus líderes fugiram. Em retaliação ao Terror vermelho, grupos reacionários agora exigido vingança em uma onda de dois anos de repressão violenta, hoje conhecida como o Terror branco. Estas represálias foram organizadas e realizadas por oficiais de exército nacional, particularmente Pál Prónay, Gyula Ostenburg-Moravek de Horthy e Iván Héjjas. Suas vítimas eram principalmente comunistas, sociais-democratas e judeus. A maioria dos judeus húngaros não eram adeptos dos bolcheviques, mas grande parte da liderança da República Soviética de Hungria tinha sido feita por jovens intelectuais judeus e a raiva sobre a revolução comunista foi facilmente traduzida em hostilidade anti-semita.

Em Budapeste, Prónay instalou sua unidade no Britannia Hotel. Ele continuou o seu programa de viciosos ataques; Em seu diário, Prónay relatou algumas coisas sobre Miklós:

me reprovou por muitos cadáveres judeus encontrados em várias partes do país, especialmente no Transdanubia. Isso, enfatizou, que a estrangeira pressionasse contra nós. Ele me disse que devemos parar de assediar pequenos judeus; em vez disso, deveríamos matar alguns judeus (governo de Kun) grandes como Somogyi ou Vazsonyi – essas pessoas merecem punição muito maiores... em vão, tentei convencê-lo que os jornais liberais seriam contra nós de qualquer maneira, e não importava que matamos apenas um judeu ou matamos todos[3]

A responsabilidade de Miklós pelos excessos do Prónay é controversa'. Em várias ocasiões, Miklós estendeu a mão para impedir uma explosão particularmente excessiva de crueldade anti-judaica. Prónay e os judeus de Praga passaram a absolver Miklós do Terror branco logo no outono de 1919, quando eles lançaram um comunicado negando a revolução Kun e culpando o terror em algumas unidades dentro do exército nacional. Miklós nunca foi encontrado por ter exercido atrocidades no terror branco. Mas seu biógrafo americano, Thomas Sakmyster, concluiu que ele "tacitamente apoiou as alas direita de destacamentos de oficiais" que realizaram o terror. O Almirante também teve razões práticas para fazer vista grossa para o terror e seus oficiais forjados: ele precisava dos policiais dedicadas para estabilizar e recuperar a Hungria. No verão de 1920, o governo de Miklós tomou medidas para frear e eventualmente dispersar os batalhões reacionários. Prónay foi colocado em julgamento para extorquir um político judeu rico e por "insultar o Presidente do Parlamento", tentando encobrir a extorsão. Considerado culpado de duas acusações, Prónay era agora uma responsabilidade e uma vergonha. Seu comando foi revogado, e ele foi denunciado como um criminoso comum no piso do Parlamento Húngaro.[4] '.

Depois de cumprir penas de prisão curtas, Prónay tentou convencer Miklós para restaurar seu comando no batalhão. Prónay entrou na política como membro da oposição de direita do governo. Na década de 1930, ele procurou e não conseguiu emular os nazistas, gerando um movimento de massas fascista húngaro. Em 1932, ele foi acusado de incitamento, condenado a seis meses de prisão e despojado de seu posto de Tenente Coronel. Prónay apoiaria a pró-nazista Arrow Cross e conduzir ataques aos judeus antes de ser morto por tropas soviéticas em algum momento, durante ou após o cerco de Budapeste.

Miklós entra em Budapeste em 16 de novembro de 1919. Ele é cumprimentado por oficiais da cidade em frente ao Hotel Gellert.

Se Miklós sabia ou aprovava o Terror branco, isso não se sabe. Ele se recusou a pedir desculpas para a selvageria de seus destacamentos de oficial, escrevendo mais tarde: "Eu não tenho nenhuma razão para encobrir atos de injustiça e atrocidades cometidas quando uma vassoura de ferro sozinha poderia varrer o país limpo." Ele apoiou a justificação poética do Edgar von Schmidt-Pauli a represálias brancas ("inferno solto na terra não pode ser subjugado pelo bater de asas") comentando, "os comunistas na Hungria, discípulos dispostos dos bolcheviques russos, tinham realmente de deixar o inferno a solta."

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) em um relatório interno do delegado George Burnier, disse em abril de 1920:

Existem duas distintas organizações militares na Hungria: o exército nacional e uma espécie de guarda civil, que foi formada quando o regime comunista caiu. É o último que tem sido responsável por todos os atos condenáveis cometidos. O governo conseguiu recuperar o controle dessas organizações apenas há algumas semanas. Eles são agora disciplinados e irão colaborar com as forças de polícia.


Regente da Hungria[editar | editar código-fonte]

Miklós Horty faz juramento e é o novo regente do reino húngaro.

Em 1 de março de 1920, a Assembleia Nacional da Hungria restabeleceu o Reino da Hungria. No entanto, era evidente que as potências vencedoras da guerra não aceitariam qualquer retorno do antigo rei Carlos IV (Karoly IV da Hungria) do exílio. Em vez disso, com oficiais do Exército Nacional controlando o edifício do parlamento, a Assembleia votou para instalar Miklós como regente; ele derrotou Albert Apponyi por uma votação humilhante de 131 votos a 7.

Bandeira do reino da Hungria.

O Estado húngaro era legalmente um reino, mas não tinha rei, como as potências da Entente não teriam tolerado qualquer retorno dos Habsburgos. O país manteve o seu sistema parlamentar após a dissolução da Áustria-Hungria, com um primeiro-ministro nomeado como chefe de governo. Como chefe de Estado, o regente tinha influência significativa através de seus poderes constitucionais e a lealdade de seus ministros para com o trono. Apesar de seu envolvimento na elaboração da legislação foi minúscula, ele, no entanto, teve a capacidade de garantir que as leis aprovadas pelo parlamento húngaro fossem conforme suas preferências políticas.

Busca dos territórios perdidos[editar | editar código-fonte]

A primeira década do governo regencial de Miklós foi marcada principalmente pela estabilização do sistema político húngaro, a sua economia, bem como a diminuição do número de crimes, e a falta de cultura do povo. O parceiro de Miklós nestes esforços foi o seu primeiro-ministro, István Bethlen . O apoio político e econômico britânico para o vulgarmente conhecido anglófilo regente, desempenhou um papel importante na estabilização e consolidação da era regencial no início da nova era.

O regente em Budapeste em 1931.

Bethlen procuraram estabilizar a economia, enquanto a construção de alianças com nações que poderia avançar a causa da Hungria. Essa causa foi, principalmente, revertendo as perdas do Tratado de Trianon. As humilhações da Trianon continuou a ocupar o lugar central na política externa húngara, e na imaginação popular; o slogan anti-Trianon "Nem, NEM soha!" ("Não, não, nunca!") Tornou-se um lema onipresente de indignação húngara.

Mas a estabilidade do reino era precária, e a Grande Depressão afetou muito o equilíbrio econômico de Bethlen. S.A.S. substitui-o por um velho reacionário confederado de seus dias: Gyula Gömbös. Gömbös era um anti-semita declarado e um fascista em brotação. E embora ele concordou nas demandas de Miklós para moderar sua retórica anti-judaica e trabalhar de forma amigável com a grande classe profissional judaica da Hungria, o mandato de Gömbös começou balançando o humor político da Hungria poderosamente para a direita. Ele fortaleceu os laços da Hungria com o estado fascista italiano. E mais fatidicamente, quando Adolf Hitler chegou ao poder na Alemanha, em 1933, ele encontrou em Gömbös um colega.

Gömbös resgatou a economia não assegurando garantias comerciais com a Alemanha - uma estratégia que colocou a Alemanha como o principal parceiro comercial da Hungria e amarrou o futuro da Hungria ainda mais firmemente a Hitler. Ele também assegurou a Hitler que a Hungria se tornaria rapidamente um estado de partido único inspirado no controle do partido nazista da Alemanha. Ele morreu em 1936, mas ele deixou o país caminhando para uma parceria mais firme com a Alemanha.

II Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Bandeiras Húngaras & Alemãs juntas na capital alemã.

Aliança com a Alemanha Nazista[editar | editar código-fonte]

A Hungria entrava agora em uma aliança com o regime de Hitler, e o regente começou a desempenhar um papel maior e mais público em navegar o país por este caminho muito perigoso.

Miklós viu claramente o seu país como preso entre duas potências mais fortes, ambas perigosos; evidentemente ele considerava Hitler ser o mais manejável dos dois. Hitler também era capaz de exercer grande influência sobre a Hungria, não só como o principal parceiro comercial do país; ele também alimentou vários das principais ambições do regente: manter a soberania húngara e satisfazer o anseio nacional para recuperar antigas terras perdidas. A estratégia de S.A.S. foi cautelosa, às vezes até mesmo relutante. Como o regente concedeu ou resistiu às exigências de Hitler, especialmente no que diz respeito à ação militar húngara e o tratamento dos judeus na Hungria, continua a ser o tema central pelo qual a sua regência foi julgada.

O relacionamento de S.A.S. com Hitler era, por sua própria conta, e era tensa, e em grande parte devida segundo ele, a sua falta de vontade de dobrar as políticas de seu país aos desejos do governante alemão. Em uma visita de Estado de Miklós a Alemanha, em agosto de 1938, Hitler pediu para que Miklós participasse na invasão planejada da Alemanha a Tchecoslováquia. Em troca o regente relatou mais tarde: "Ele me deu a entender que, como recompensa, devemos ser autorizados a manter o território que tínhamos invadido". o regente alegou que as terras disputadas pelo país deveriam ser resolvidas por meios pacíficos.[5]

O regente na liberação de Košice em 11 de novembro de 1938.

Três meses mais tarde, após o Acordo de Munique colocar o controle do sul da Tchecoslováquia nas mãos Alemãs, Hitler permitiu a Hungria anexar quase um quarto da Eslováquia. O regente entusiasticamente entrou em território re-adquirido (que foi predominantemente habitado por húngaros para cerca de 88%) à frente de suas tropas, recebidos por emocionais húngaros étnicos: "Quando passei ao longo das estradas, as pessoas se abraçavam, caiu sobre o seu joelhos e chorou de alegria por causa da libertação havia chegado a eles por fim, sem guerra, sem derramamento de sangue ". Mas, como "pacífica" como esta anexação era, e como assim como pode ter parecido para muitos húngaros, foi na verdade um acordo de guerra com a Alemanha, em que a Hungria era agora cúmplice da mesma.

A Hungria já estava comprometida com a Eixo: em 24 de fevereiro de 1939, ela se juntou ao Pacto Anti-Comintern, e em 11 de abril retirou-se da Liga das Nações. Na América, jornalistas ianques começaram a se referir à Hungria como "o chacal da Europa"; E no Brasil se referiam a Hungria como a discípula de Hitler.

Esta combinação de ameaça e recompensa transformou a Hungria em mais ou menos um estado cliente nazista.[6] Em março de 1939, quando Hitler tomou o que restava da Tchecoslováquia pela força, a Hungria foi permitido anexar a Carpathian Ruthenia, bem depois de um conflito com a Primeira República Eslovaca a Hungria ganhou novos territórios. Quanto a Transcarpathia, pequenos conflitos ocorreu entre grupos nacionalistas ucranianos e os militares húngaros, antes daquela região ser assegurada.

Em agosto de 1940, Hitler interveio em nome da Hungria, mais uma vez, atribuindo territórios a Hungria.

O regente durante a entrada do seu país na Checoslováquia em Komárno em novembro de 1938.

Mas, apesar da sua cooperação com o regime nazista, S.A.S. e sua regência seria melhor descrito como "conservador autoritário"[7] do que "fascista". Certamente Miklós era tão hostil aos movimentos fascistas e ultra-nacionalistas que surgiram na Hungria entre as guerras como ele era ao comunismo. O líder Cruz de Flechas, Ferenc Szálasi, foi várias vezes preso por ordem do regente.

John F. Montgomery, que atuou em Budapeste como embaixador dos Estados Unidos entre 1933-1941, admirava abertamente esse lado do personagem do regente e relatou o seguinte incidente em seu livro de memórias: Em março de 1939, apoiantes Seta Cruz interrompeu uma performance na Ópera de Budapeste, cantando "Justiça para Szálasi!" alto o suficiente para o regente ouvir. A briga começou, e quando Montgomery foi tomar um olhar mais atento, ele descobriu que

...Dois ou três homens estavam no chão e ele [Miklós] tinha outro pelo pescoço, batendo o rosto e gritando que eu aprendi depois foi: "Então você trairia seu país, você" O Regente estava sozinho, mas ele tinha a situação na mão.... O incidente foi típico não só de ódio profundo do regente da doutrina alienígena, mas do tipo de homem que ele é. Embora ele tenha sido em torno de 72 anos de idade, não lhe ocorreu para pedir ajuda; ele foi em frente como um capitão com um motim em suas mãos.[8]

O regente durante a entrada do seu país na Checoslováquia em Komárno em novembro de 1938.

E no entanto, no momento do episódio, o regente havia permitido ao seu governo ceder as exigências alemãs que queriam que os húngaros promulgassem leis que restringissem a vida dos judeus do país. A primeira lei anti-judaica húngara de 1938, limitou o número de judeus nas profissões, o governo e o comércio para vinte por cento, e a segunda reduziu a cinco por cento, no ano seguinte 250.000 judeus húngaros perderam seus empregos como resultado. A terceira de agosto 1941 proibiu judeus de se casarem com não judeus, e definiu que ninguém tenha dois avós judeus como "racialmente judeu." Um homem judeu que teve relações sexuais fora do casamento com um "residente mulher não-judia decente na Hungria" poderia ser condenado a três anos de prisão.[9]

Guerra[editar | editar código-fonte]

A Hungria entrou gradualmente na guerra. Em 1939 e 1940, as unidades de voluntários lutaram na Guerra de Inverno. Em abril de 1941, a Hungria tornou-se efetivamente um membro do Eixo. O regente permitiu que Hitler entrasse no território para a invasão da Iugoslávia e, finalmente, enviou suas tropas para reivindicar sua participação no banquete dos territórios do desmembrado reino da Iugoslávia. O primeiro-ministro Pál Teleki , horrorizado que ele não tinha conseguido evitar este conluio com os nazistas contra a Iugoslávia, cometeu suicídio.

O regente com o governante Alemão Adolf Hitler.

Em junho de 1941, o governo húngaro finalmente cedeu às exigências de Hitler de que a nação deveria contribuir para os esforços de guerra do Eixo. Em 27 de junho, a Hungria participou da Operação Barbarossa e declarou guerra à União Soviética. Os húngaros enviaram tropas e material apenas quatro dias depois de Hitler começar sua invasão da União Soviética.

Dezoito meses mais tarde, mais mal equipados e menos motivados do que os seus aliados alemães, 200.000 militares do II Exército húngaro acabaram segurando a frente sobre o rio Don a oeste de Stalingrado.[10]

O primeiro massacre do povo judeu no território húngaro ocorreu em agosto de 1941, quando funcionários do governo ordenaram a deportação de judeus, sem cidadania húngara (principalmente refugiados de outros países ocupados pelos nazistas) para a Ucrânia. Cerca de 18 a 20.000 destes deportados foram abatidos por Friedrich Jeckeln e suas tropas da SS, apenas cerca de 3 mil sobreviveram. Essas mortes são conhecidos como o Massacre de Kamianets-Podilskyi. Este evento, em que a matança de judeus contados pela primeira vez na casa das dezenas de milhares de pessoas, é considerado o primeiro massacre em larga escala do Holocausto. Por causa das objeções de liderança da Hungria, as deportações foram suspensas.[11]

Charge do Séc. XX satiriza Sua Alteza Sereníssima como apreciador da música hitlerista. (Note que o instrumento musical é uma cabeça humana, provavelmente a de um judeu, e seu choro é o som musical).

No início de 1942, Miklós já estava buscando colocar alguma distância entre ele e o regime de Hitler. Em março, ele demitiu o primeiro-ministro pró-alemão László Bárdossy, e substituiu-o por Miklós Kállay, um moderado que S.A.S esperava afrouxar os laços da Hungria com a Alemanha.[12]

Então, em janeiro de 1943, o entusiasmo da Hungria com a guerra, nunca especialmente alta, sofreu um tremendo golpe. O exército soviético, no pleno momento de seu retorno triunfante após a Batalha de Stalingrado,praticamente eliminou o II Exército húngaro em luta de alguns dias. Nesta única ação, as baixas de combate húngaros deram um salto de 80.000 militares.[13]


As autoridades alemãs culparam os judeus da Hungria pela derrota do país. Na esteira do desastre, Hitler exigiu em abril de 1943 em uma reunião com o regente punir os 800.000 judeus que ainda vivem na Hungria, que de acordo com Hitler foram responsáveis por esta derrota. Em resposta o regente e seu governo forneceram 10.000 judeus para serem deportados para batalhões de trabalho. No entanto, com a crescente conscientização de que os aliados poderiam muito bem ganhar a guerra, tornou-se mais conveniente não acatar mais pedidos alemães. Cautelosamente, o governo húngaro começou a explorar os contatos com os Aliados, na esperança de negociar uma rendição.[14]

Ocupação da Hungria[editar | editar código-fonte]

Em 1944, o Eixo estava perdendo a guerra, e o Exército Vermelho estava nas fronteiras da Hungria. Temendo que os soviéticos invadissem o país, Kállay com a aprovação do regente, colocaram para fora numerosos tentáculos aos Aliados. Ele até prometeu se render incondicionalmente a eles uma vez que atingissem o território húngaro. Hitler enfurecido convocou o regente para uma conferência em Klessheim (hoje na Áustria). Ele pressionou o regente para fazer maiores contribuições para o esforço de guerra, e novamente ordenou-lhe para ajudar na matança de mais judeus da Hungria. Miklós agora permitiu a deportação de um grande número de judeus (cerca de 100.000). [15]

O tanque alemão Tiger II com soldados em Budapeste.

A conferência foi um ardil. Como Miklós estava voltando para casa no dia 19 de março, a Wehrmacht invadiu e ocupou a Hungria. Ao regente foi dito que ele só poderia permanecer no cargo se ele demitisse Kállay e nomeasse um novo governo que coopera-sse plenamente com Hitler e seu plenipotenciário em Budapeste, Edmund Veesenmayer. O regente concordou e nomeou seu embaixador na Alemanha, o General Döme Sztójay, como primeiro-ministro. Os alemães originalmente queriam que o regente reconduzi-se Béla Imrédy (que tinha sido primeiro-ministro 1938-1939) ao poder, mas Miklós teve influência suficiente para obter a aceitação de Veesenmayer em admitir Sztójay. Contrariamente às esperanças do regente, o governo de Sztójay passou imediatamente a participar do holacausto.

Os principais agentes dessa colaboração foram Andor Jaross, o ministro do Interior, e os seus dois secretários de Estado anti-semitas, László Endre e László Baky (que viriam a ser conhecidos como o trio da "deportação"). Em 14 de abril Endre, Baky e o coronel da SS Adolf Eichmann começaram a deportação dos restantes judeus húngaros. A estrela amarela e leis de guetização, e deportação foram realizados em menos de 8 semanas com a ajuda do novo governo húngaro e autoridades, particularmente a Gendarmaria (csendőrség). A deportação de judeus húngaros para Auschwitz começou em 15 de maio de 1944, e continuou a um ritmo de 12 mil por dia até 09 de julho.

Pouco antes das deportações começarem, dois prisioneiros judeus eslovacos, Rudolf Vrba e Alfréd Wetzler, escapou de Auschwitz e passou detalhes do que estava acontecendo dentro dos campos. Este documento, conhecido como Relatório Vrba-Wetzler, foi rapidamente traduzido para o alemão e passou entre grupos judaicos e, em seguida, aos funcionários dos Aliados. Detalhes do relatório foram transmitidas pela BBC no dia 15 de junho e impresso no The New York Times em 20 de junho. Os líderes mundiais, incluindo o Papa Pio XII (25 de Junho), o presidente Franklin D. Roosevelt em 26 de junho, e do rei Gustaf V da Suécia em 30 de junho, posteriormente defendeu que o regente deveria usar sua posição nacional para deter as deportações. O Presidente Franklin Roosevelt especificamente ameaçou retaliações militares se os transportes não cessarem. Em 2 de julho, os bombardeiros aliados executaram os bombardeios mais pesados infligidos á Hungria durante a guerra. Uma rádio Húngara acusou os judeus de orientar os bombardeiros para as suas metas com as transmissões de rádio e sinais de luz, mas em 7 de julho Miklós finalmente ordenou que os transportes parassem. Por essa época, 437 mil judeus foram enviados para Auschwitz, a maioria deles para a morte. O regente foi informado sobre o número de judeus deportados alguns dias mais tarde: "aproximadamente 400.000". Por muitas estimativas, uma em cada três pessoas assassinadas em Auschwitz entre maio e julho de 1944, foi um judeu húngaro.[16]

Subsiste alguma incerteza sobre quando o regente poderia ter sabido sobre o número de judeus húngaros que foram deportados, seu destino, e seu destino pretendido - assim como o que ele poderia ter feito sobre isso. Segundo o historiador Péter Sipos, o governo Húngaro já tinha conhecimento sobre o genocídio dos judeus desde 1943.[17] . [18] Alguns historiadores argumentaram que o regente acreditava que os judeus estavam sendo enviados para os campos de trabalho, e que eles retornariam à Hungria após a guerra.

Em 15 de julho de 1944 Anne McCormick, uma correspondente estrangeira para o New York Times escreveu em defesa da Hungria como o último refúgio dos judeus na Europa, declarando que "os húngaros tentaram proteger o judeus."[19]

Fim da regência & prisão[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1944, os nazistas estavam estranhos com a guerra, e a Roménia retirou-se do eixo, deixando a Alemanha e seus aliados. Em Budapeste, Miklós mudou sua posição política para reconsolidar sua influência. Ele demitiu Sztójay e os outros ministros Nazi-amigáveis instalados na primavera, substituindo-os por um novo governo sob Géza Lakatos. Ele parou as deportações em massa de judeus, e ordenou que a polícia usa-sse sua força mortal se os alemães tentassem retomá-las. Enquanto alguns grupos menores continuaram a ser deportados de trem.

O regente também reabriu as antenas de paz com os Aliados, e começou a considerar estratégias para se render à força aliada. Como foi amargamente anti-comunista, suas relações com os nazistas levaram-no a concluir que os comunistas eram um mal muito menor. O regente estava trabalhando para tentar se render aos soviéticos, preservando a autonomia do governo húngaro. Os Soviéticos prontamente aceitaram os termos de rendição. Em 15 de outubro de 1944, o regente disse a seus ministros que a Hungria tinha assinado um armistício com a União Soviética. Ele disse: "Está claro hoje que a Alemanha perdeu a guerra ... a Hungria em conformidade concluiu um armistício preliminar com a Rússia, e cessem todas as hostilidades contra ela"

Os nazistas tinham antecipado o movimento do regente. Em 15 de outubro, depois do regente ter anunciado o armistício em um programa de rádio em todo o país, Hitler deu início a Operação Panzerfaust, enviando o commandante Otto Skorzeny para Budapeste com instruções para remover Miklós do poder. O filho do regente, Miklós Horthy Jr, estava reunido com representantes soviéticos para finalizar a rendição quando Skorzeny e suas tropas invadiram a reunião e raptou Horthy Jr. com uma arma. Amarrado em um tapete, Miklós Jr. foi imediatamente levado para o aeroporto e voou para a Alemanha para servir como refém. Skorzeny ousadamente levou um comboio de tropas alemãs e quatro tanques Tiger II para o Vienna Gates of Castle Hill , onde os húngaros tinham recebido ordens para não resistir. Apesar de uma unidade não tinha recebido a ordem, os alemães rapidamente capturado Castle Hill com derramamento de sangue mínima.: Apenas sete soldados foram mortos e vinte e seis feridos.[20]

O regente foi capturado mais tarde, e foi levado para o escritório da Waffen SS, onde foi interrogado durante a noite. Vessenmayer (aquele que o capturou) disse a ele que se ele não retratasse a rendição e não renunciasse, seu filho seria morto na manhã seguinte. Budapeste foi tomada. Com a vida de seu filho no balanço, Miklós consentiu em assinar um documento renunciando oficialmente a seu cargo e nomeando Ferenc Szálasi , líder da Cruz de Flechas, como seu sucessor.

Miklós conheceu Skorzeny três dias depois no apartamento de Pfeffer-Wildenbruch e foi dito que ele seria transportado para a Alemanha em um próprio trem especial. Skorzeny disse a Miklós que ele seria um "convidado de honra" em um castelo bávaro seguro. Em 17 de outubro, Miklós foi pessoalmente escoltado por Skorzeny em cativeiro em Schloss Hirschberg na Baviera , onde foi guardado de perto, mas autorizado a viver no conforto.

Com a ajuda da SS, a liderança Seta Cruz moveu-se rapidamente para assumir o comando das forças armadas da Hungria, e para evitar a rendição que Miklós tinha arranjado, embora as tropas soviéticas estavam agora dentro do país. Szálasi retomou a perseguição de judeus e outros "indesejáveis".. De uma população judaica húngara pré-guerra estimada em 825 mil, apenas 260 mil sobreviveram.

Em dezembro de 1944, Budapeste foi sitiada pelas forças soviéticas. A liderança Seta Cruz recuou através do Danúbio para as colinas de Buda no final de janeiro, e em fevereiro a cidade se rendeu às forças soviéticas.

Miklós permaneceu sob prisão domiciliar na Baviera até que a guerra na Europa terminou. Em 29 de abril, seus guardiões da SS fugiram em face do avanço aliado. Em 1 de Maio, Miklós foi libertado primeiro, e então preso, por elementos do 7o Exército dos Estados Unidos.

Exílio[editar | editar código-fonte]

Após sua prisão, o ex-regente foi movido entre uma variedade de locais de detenção, antes de finalmente chegar ao estabelecimento prisional em Nuremberg, no final de Setembro de 1945. Lá, ele foi solicitado a fornecer evidências para o Tribunal Militar Internacional, em preparação para o julgamento da liderança nazista. Embora ele foi entrevistado várias vezes sobre seus contatos com alguns dos réus, ele não depôs pessoalmente. Em Nuremberg, ele se reencontrou com seu filho, Miklós.

Miklós veio gradualmente a acreditar que sua prisão tinha sido organizada pelos ianques, a fim de protegê-lo dos soviéticos. Na verdade, o ex-regente relatou ter sido informado de que Josip Broz Tito, o novo governante da Iugoslávia, pediu que Miklós fosse acusado de cumplicidade com o massacre de 1942 de civis sérvios e judeus pelas tropas húngaras em uma certa região. O historiador Sérvio Zvonimir Golubović afirmou que o ex-regente não era só ciente desses massacres genocidas, mas havia aprovado eles. No entanto, as autoridades do julgamento não indiciaram Miklós por crimes de guerra. O ex-embaixador John Montgomery, que teve alguma influência em Washington, também contribuiu para a libertação de Miklós em Nuremberg.[21]

De acordo com as memórias de Ferenc Nagy, que atuou por um ano como primeiro-ministro no pós-guerra, a Hungria, a liderança comunista húngara também estava interessado na liberação de Miklós de Nuremberg. Nagy disse que Joseph Stalin foi mais indulgente: que Stalin disse a Nagy durante uma reunião diplomática em abril de 1945, para não julgar Miklós, porque ele era velho e tinha oferecido um armistício em 1944.

Em 17 de dezembro de 1945, Miklós foi libertado da prisão e permitiram que ele se juntasse a sua família na cidade alemã de Weilheim, Bavaria. Os Horthys viveram lá por quatro anos, apoiados financeiramente pelo embaixador John Montgomery, seu sucessor, Herbert Pell , e pelo Papa Pio XII, a quem o ex-político conhecia pessoalmente.

Em março de 1948, o ex-regente voltou a depor no Julgamento dos Ministérios, o último dos Julgamentos de Nuremberg, ele testemunhou contra Edmund Veesenmayer, o administrador nazista que havia controlado a Hungria durante as deportações para Auschwitz na primavera de 1944. Edmund foi condenado a 20 anos de prisão, mas foi liberado em 1951.

Em 1950, a família Horthy conseguiu encontrar uma casa em Portugal, graças aos contatos de Miklós Jr. com diplomatas portugueses na Suíça. Miklós e membros de sua família foram transferidos para a cidade litorânea de Estoril. Seu "amigo" ianque, John Montgomery, recrutou um pequeno grupo de húngaros ricos para angariar fundos para a sua manutenção no exílio. De acordo com a filha-de-lei de Miklós, a condessa Ilona Edelsheim Gyulai, judeus húngaros também apoiaram a família do ex-regente no exílio cobrindo suas despesas de subsistência, incluindo o industrial Ferenc Chorin e advogado László Pathy.[22]

A cripta da família Horthy em Kenderes, onde o próprio Horthy foi enterrado novamente em 1993.

No exílio, Miklós escreveu suas memórias, Ein Leben für Ungarn (Português: uma vida para a Hungria), publicado sob o nome de Nikolaus von Horthy, no qual ele narrou muitas experiências pessoais desde a sua juventude até o final da II Guerra Mundial. Ele alegou que sempre desconfiava de Hitler durante a maior parte do tempo, e que ele tentou sempre executar as melhores ações e nomear os melhores funcionários do seu país. Ele também destacou os maus tratos da Hungria por muitos outros países desde o fim da Primeira Guerra Mundial Miklós foi um dos poucos chefes de estado do eixo a sobreviver à guerra e, portanto, pode escrever memórias do pós-guerra.

Miklós nunca perdeu o seu profundo desprezo pelo comunismo; Ele protestou contra a influência que a vitória dos Aliados tinha dado para o estado totalitário de Stalin. "Eu não sinto vontade de dizer 'eu avisei'", escreveu o ex-chefe de estado, nem para expressar amargura das experiências que foram forçados sobre mim. Pelo contrário, sinto admiração e espanto pelos "humanos" caprichos da humanidade.

Miklós morreu em Estoril, Portugal em 1957.


Títulos nobiliárquicos & Tratamentos[editar | editar código-fonte]

Estilo real de tratamento de
Sr. Miklós Horty
Coat of arms of Hungary (1915-1918, 1919-1946; angels).svg

Brasão do Reino da Hungria

Estilo real Sua Alteza Sereníssima
Estilo alternativo Senhor
  • 1918-1920: "O Sr. Miklós Horty"
  • 1920-1944: "Sua Alteza Sereníssima, O Sr. Miklós Horty - Regente da Hungria"
  • 1944-1957: "O Sr. Miklós Horty"

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lázár, István, Hungary: A Brief History, Budapest: Corvina, 1993 (Edição inglesa) Traduzido por Albert Tezla; Capítulo 13
  2. Deak, Istvan, "A Hungarian Admiral on Horseback," de Essays on Hitler's Europe, University of Nebraska Press, 2001, pp. 150-151
  3. Szabo and Pamlenyi: A hatarban a halal kaszal, pp.160 e 131
  4. Sakmyster, T.: Hungary's Admiral on Horseback: Miklós Horthy, 1918-1944, Columbia Univ. Press, 1993.
  5. Miklós Horthy: Memoirs, R. Speller, 1957, reimpresso em 2000 [1], página 159, citação: "I have already stated that my aim was to achieve the revision of the Treaty of Trianon by peaceful means."
  6. John Flournoy Montgomery, Hungary: The Unwilling Satellite Parte 2: An Oasis in Hitler's Desert
  7. Miklós Lojkó: Meddling in Middle Europe: Britain and the 'Lands Between, 1919-1925, Central European University Press, 2005 [2]
  8. Montgomery, John F. Hungary: The Unwilling Satellite, Parte 1: Qual o Preço da Independência?
  9. Patai, Raphael, The Jews of Hungary, Wayne State University Press, p. 548
  10. Deak, István, Endgame in Budapest, Hungarian Quarterly, Autumn 2005
  11. Holocaust in Hungary. About the Kamianets-Podilskyi massacre (em idima húngaro).
  12. Borhi, László, Hungary in the Cold War 1945–1956: Between the United States and the Soviet Union, Central European University Press, Nova Iorque 2004
  13. Lázár, István, Hungary: A Brief History, Cápitulo 14
  14. Deak, Endgame in Budapest
  15. Braham, Randolph, The Politics of Genocide, Wayne State University Press, pp. 59–62
  16. Wilkinson, Alec, Picturing Auschwitz, New Yorker Magazine, 17 March 2008. pp. 49–51
  17. Péter Sipos, Horthy Miklós és Magyarország német megszállása, História (volume 04), 1994
  18. Ilona Edelsheim-Gyulai, Becsület és kötelesség, parte 1, página 264. Európa press, Budapest, 2001. ISBN 963-07-6544-6
  19. John Flournoy Montgomery, Hungary: The Unwilling Satellite.8: A Refuge for One Million Jews Historicaltextarchive.com.
  20. War and Game: Operation Panzerfaust.
  21. Tibor Frank, Discussing Hitler: Advisers of U.S. Diplomacy in Central Europe, 1934-1941, Central European University Press, 2003, página 45 [3]
  22. From the Annotated Memoirs of Admiral Miklós Horthy (acessado em 5 de setembro de 2009).
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.