Cachorro-quente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Cachorro-quente típico dos Estados Unidos.

Cachorro-quente ou hot dog é uma comida típica dos Estados Unidos[1] em que se coloca salsicha dentro de um pão sovado.

Nos Estados Unidos, o preparo típico do cachorro-quente é colocando a salsicha com o molho agridoce, picles à base de pepino, mostarda e ketchup. Também são muito utilizados o chucrute (repolho azedo) e o chili, espécie de massa de feijão com carne moída picante. No Brasil, a forma de se fazer o cachorro-quente depende da região do país.

No estado de São Paulo, o preparo do prato utiliza purê de batata[2] , enquanto que no Rio de Janeiro, usa-se ovo de codorna. Já em Minas Gerais, é servido com milho verde e batata palha e na Paraíba, com carne moída e verdura picada por cima da salsicha. Em Pernambuco, o cachorro quente utiliza-se apenas do pão e carne moída, sem a salsicha, mas mantendo o nome do prato. Em Santa Catarina, especialmente durante a realização da Oktoberfest[3] , na cidade de Blumenau, além dos ingredientes tradicionais, acrescenta-se o chucrute (conserva de repolho fermentado típica da culinária germânica), dando um sabor muito especial[4] .

Em geral acompanha-se o cachorro-quente com maionese, ketchup, mostarda, molhos à base de tomate (quente ou frio), pimentão e cebola ou ainda outros ingredientes como batata palha, salpicão, maionese caseira, maionese temperada, tomate, beterraba, pepino, picles, ervilha, milho, purê de batata, toucinho, requeijão, farofa, entre outros.

História[editar | editar código-fonte]

Barracas de cachorro-quente em Nova Iorque em 1906.
Um cachorro-quente.

Existem três teorias sobre o surgimento desse peculiar sanduíche[5] :

  1. A mais conhecida é a de um açougueiro de Frankfurt, na Alemanha. Em 1852, ele resolveu batizar as salsichas que fabricava com o nome de seu cachorro dachshund.
  2. Um imigrante alemão, Charles Feltman, levou essa salsicha para os Estados Unidos em 1880. Lá, criou um sanduíche quente com pão, salsicha e molhos.
  3. Em 1904, na cidade de Saint Louis, nos Estados Unidos, um vendedor de salsicha quente criou uma maneira dos seus fregueses não queimarem a mão. A quem comprasse suas salsichas, ele oferecia luva de algodão limpíssima. Só que os clientes se esqueciam de devolvê-las e ele acabava tendo prejuízo. Seu cunhado, que era padeiro, sugeriu que o salsicheiro pusesse as luvas de lado e começasse a usar pão.

No Brasil, por volta de 1926, o empresário Francisco Serrador[6] , que idealizou a famosa Cinelândia, no centro da cidade do Rio de Janeiro, lança o cachorro-quente em seus cinemas. A novidade inspirou Lamartine Babo e Ary Barroso, a criarem em 1928, a marchinha de carnaval "Cachorro-Quente".

E a partir de 1945, depois da Segunda Guerra Mundial, quando o Brasil passou a sofrer grande influência da cultura americana, o cachorro-quente conquistou definitivamente espaço nesse país.

Recorde[editar | editar código-fonte]

No Brasil, a RankBrasil homologou e certificou o recorde de maior cachorro-quente, em 2014, para uma lanchonete localizada na cidade de Quatro Barras[7] que produziu o prato com 8,72 metros de comprimento e peso de 91,15 quilos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências