Conde da Vidigueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Armas de D. Vasco da Gama, Almirante da Índia, in Livro do Armeiro-Mor (fl 87r) (1509). Armas dos condes da Vidigueira e marqueses de Nisa

O título de Conde da Vidigueira foi um título nobiliárquico de Portugal. Foi concedido em 1519 pelo rei D. Manuel I de Portugal a Vasco da Gama, almirante da frota que logrou a descoberta do caminho marítimo para a Índia em 1498-1499; por esse feito tinha Vasco da Gama a 10 de Janeiro de 1500 recebido o tratamento de Dom e o título honorífico hereditário de Almirante da Índia.1

O título foi criado por decreto real emitido em Évora a 29 de Dezembro de 1519, após um acordo assinado a 7 de Novembro entre Vasco da Gama e D. Jaime I, Duque de Bragança, em que este último vendia as vilas da Vidigueira e Vila de Frades a Vasco da Gama, seus herdeiros e sucessores, bem como todos os rendimentos e privilégios relacionados.2

Vasco da Gama, Almirante da Índia, tornar-se-ia em 1524 o 6.º governador e 2.º Vice-Rei da Índia. O seu bisneto, o 4.º conde da Vidigueira, seria também por duas vezes Vice-Rei da Índia.

Após a expulsão dos Habsburgos e restauração da independência de Portugal em 1640, o novo rei D.João IV de Portugal concederia aos Gama condes da Vidigueira o novo título de Marquês de Nisa por decreto datado de 18 de outubro de 1646.

Condes da Vidigueira (1519)[editar | editar código-fonte]

Túmulo de D. Vasco da Gama, Almirante da Índia e 1.º conde da Vidigueira, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa

Titulares[editar | editar código-fonte]

  1. D. Vasco da Gama (1469-1524), Almirante da Índia, 2.º Vice-Rei da Índia
  2. D. Francisco da Gama, 2.º Conde da Vidigueira (ca. 1510-), filho do anterior
  3. D. Vasco da Gama, 3.º Conde da Vidigueira (ca. 1530-1578), filho do anterior
  4. D. Francisco da Gama, 4.º Conde da Vidigueira (1565-1632), filho do anterior. Foi por duas vezes Vice-Rei da Índia, em 1597-1600 e 1622-1628.

Armas[editar | editar código-fonte]

As armas dos Gama condes da Vidigueira eram: xadrezado de ouro e vermelho de três peças em faixa e cinco em pala, as de vermelho carregadas de duas burelas de prata; brocante em ponto de honra, um escudete de prata carregado de cinco escudetes de azul, alinhados em cruz, cada um sobrecarregado de cinco besantes de ouro.3 Timbre: naire nascente, vestido ricamente ao modo da Índia [...] os braços nús, segurando com a dextra um escudete das armas, e com a sinistra um ramo de canela da sua côr.4

Estas armas encontram-se no Livro do Armeiro-Mor (fl 87r), no Livro da Nobreza e Perfeiçam das Armas (fl 18v, onde o timbre é a gama dos Gama) e no Thesouro de Nobreza (fl 23r). Encontram-se também na Sala de Sintra.

Marqueses de Nisa (1646)[editar | editar código-fonte]

Titulares[editar | editar código-fonte]

  1. D. Vasco Luís da Gama (1612-1676), 1.º marquês de Nisa e 5.º conde da Vidigueira
  2. D. Francisco Luís Baltasar António da Gama (1636-1707), 2.º marquês de Nisa, filho do anterior
  3. D. Vasco José Luís Baltasar da Gama (1666-1735), 3.º marquês de Nisa
  4. D. Maria José Francisca Xavier Baltasar da Gama (1712-1750), 4.ª marquesa de Nisa
  5. D. Vasco José Jerónimo Baltasar da Gama (1733-1757), 5.º marquês de Nisa
  6. D. Rodrigo Xavier Teles de Castro da Gama Ataíde Noronha Silveira e Sousa (1744-1784), 6.º marquês de Nisa
  7. D. Eugénia Maria Josefa Xavier Teles de Castro da Gama (1776-1839), 7.ª marquesa de Nisa, casada com Domingos Xavier de Lima (1765-1802), célebre almirante, filho do 1.º marquês de Ponte de Lima e 7.º marquês de Nisa e 11.º Almirante da Índia por casamento
  8. D. Tomás Xavier Teles de Castro da Gama Ataíde Noronha da Silveira e Sousa (1796-1820), 8.º marquês de Nisa
  9. D. Domingos Vasco Xavier Pio Teles da Gama Castro e Noronha Ataíde Silveira e Sousa (1817-1873), 9.º marquês de Nisa
    1. D. Tomás Francisco Teles da Gama (1839-1903)
  10. D. José Teles da Gama Castro Ataíde Noronha da Silveira e Sousa (1877-1941), 10.º marquês de Nisa

Com a queda da Monarquia e a implantação da República Portuguesa em 1910 foram os titulares à data da implantação da República autorizados a manter e usar os seus títulos até à morte; os vários títulos da Casa de Nisa ficaram assim extintos em 1941.

Armas[editar | editar código-fonte]

As dos condes da Vidigueira.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. FREIRE, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra, Vol. III, p. 380
  2. Id., Ibid.
  3. Descrição heráldica in ACADEMIA PORTUGUESA DA HISTÓRIA: Livro do Armeiro-Mor, p. LV
  4. Descrição heráldica in FREIRE, Anselmo Braamcamp: op. cit., p. 384

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Livro do Armeiro-Mor (1509). 2.ª edição. Prefácio de Joaquim Veríssimo Serrão; Apresentação de Vasco Graça Moura; Introdução, Breve História, Descrição e Análise de José Calvão Borges. Academia Portuguesa da História/Edições Inapa, 2007
  • Livro da Nobreza e Perfeiçam das Armas (António Godinho, Séc. XVI). Fac-simile do MS. 164 da Casa Forte do Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Introdução e Notas de Martim Albuquerque e João Paulo de Abreu e Lima. Edições Inapa, 1987
  • FREIRE, Anselmo Braamcamp: Brasões da Sala de Sintra. 3 Vols. 3ª Edição, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1996