Dimenidrinato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dimenidrinato
Alerta sobre risco à saúde
Difenidramina.png
8-Chlorotheophylline.svg
Identificadores
Número CAS 523-87-5
PubChem 10660
DrugBank APRD00924
ChemSpider 10210
Código ATC R06AA02
DCB n° 03051
Primeiro nome comercial ou de referência Dramin (100 mg)
Propriedades
Fórmula química C24H28ClN5O3
Massa molar 469.95 g mol-1
Aparência Pó cristalino branco ou cristais incolores.[1] Sem odor.
Ponto de fusão

102 a 106 °C[2]

Solubilidade em água Pouco solúvel[1]
Solubilidade Facilmente solúvel no álcool e ligeiramente solúvel no

éter.[1]

Farmacologia
Via(s) de administração oral, I.V, via retal
Metabolismo hepático[2]
Excreção urina[2]
Riscos associados
Frases R R22
Frases S -
LD50 1320 mg·kg-1 (Rato, oral) [3]
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O dimenidrinato é um medicamento utilizado como anti-emético e anti-vertiginoso,[4] principalmente os decorrentes de viagens e os da gravidez. Farmacologicamente pertence a classe dos anti-histamínicos e inibidores de H1. Quimicamente é um sal cloroteofilinado do agente anti-histamínico difenilidramina, ou seja, é composto por difenidramina e 8-Cloroteofilina.[5]

Mecanismo de ação[editar | editar código-fonte]

O medicamento possui mecanismo de ação ainda não esclarecido totalmente. A relação de seus efeitos pode ser provavelmente atribuída a difenidramina (metade).[2] Dimenidrinato causa depressão do Sistema Nervoso Central e possui propriedades de inibição da estimulação vestibular.[2] Além disto é um anti-colinérgico, anti-emético, anti-histamínico e anestésico local. Promove também a inibição da acetilcolina nos sistemas vestibular e reticular.[2]

Reações adversas[editar | editar código-fonte]

Dimenidrinato pode provocar xerostomia, taquicardia, visão turva, discinésia orofacial e alucinações. O efeito adverso mais comum é a sonolência.[6]

Doses usuais[editar | editar código-fonte]

As doses mais aplicadas e definidas nas bulas dos medicamentos com o fármaco apresentam limites diários de administração e são as seguintes:

  • Adultos: 50 a 100 mg a cada 4 ou 6 horas. Máximo de 400 mg/dia.[4] [7]
  • Crianças de 2 a 6 anos[5]
    • 5 a 10 ml (12,5 a 25 mg) a cada 6 a 8 horas, não excedendo 30 ml (75 mg) em 24 horas
  • Crianças de 6 a 12 anos[5]
    • 10 a 20 ml (25 a 50 mg) a cada 6 a 8 horas, não excedendo 60 ml (150 mg) em 24 horas
  • Crianças acima de 12 anos e adultos[5]
    • 20 a 40 ml (50 a 100 mg) a cada 4 a 6 horas, não excedendo 160 ml (400 mg) em 24 horas[5]

Overdose[editar | editar código-fonte]

Em associação com álcool pode provocar delírios.[8]

Na overdose pode produzir agitação, visão borrada, confusão mental, instabilidade, pupilas dilatadas, delírios, depressão, convulsão, tremores, batimento cardíaco acelerado, dificuldade de respirar, boca e nariz secos, pele avermelhada, entre outros.[9]

A reversão de um quadro de overdose do fármaco pode ser atingida utilizando carvão ativado, lavagem gástrica, laxantes e antídotos.[9]

Notas e referências

  1. a b c Farmacopeia Portuguesa VII
  2. a b c d e f Anvisa. Fundamentos farmacológicos-clínicos dos medicamentos de uso corrente 2002. Rio de Janeiro : ENSP, 2002. Fármacos utilizados em alergia - Monografias. Acesso em 8 de março de 2010
  3. Sicherheitsdatenblatt Sigma-Aldrich
  4. a b P.R. Vade-mécum ABIMIP 2006/2007
  5. a b c d e Bula do medicamento
  6. Prontuário Farmacêutico Infarmed. Dimenidrinato. Página visitada em 09/03/2010.
  7. Infarmed. Dimenidrinato. Página visitada em 14/05/2010.
  8. Diário do Nordeste. Comprimido para dançar. Página visitada em 08/03/2010.
  9. a b Kirk MA, Baer AB. Anticholinergics and antihistamines. In: Shannon MW, Borron SW, Burns MJ, eds. Haddad and Winchester's Clinical Management of Poisoning and Drug Overdose. 4th ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier; 2007:chap 39.