Fulgencio Batista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fulgencio Batista
presidente de Cuba Cuba
Período de governo 10 de outubro de 1940
a 1 de junho de 1944
Antecessor(a) Federico Laredo Brú
Sucessor(a) Ramón Grau San Martín
12º presidente de Cuba (2º mandato) Cuba
Período de governo 10 de março de 1952
a 1 de janeiro de 1959
Antecessor(a) Carlos Prío Socarrás
Sucessor(a) Anselmo Alliegro
Vida
Nascimento 16 de janeiro de 1901
Banes, Cuba
Morte 6 de agosto de 1973 (72 anos)
Marbella, Espanha
Dados pessoais
Religião Católico
Profissão Militar

Fulgencio Batista y Zaldívar (Banes, 16 de janeiro de 1901Marbella, 6 de agosto de 1973) foi quem ostentou o poder de facto em Cuba de 1933 a 1940 e o presidente oficial do país de 1940 a 1944 e novamente de 1952 a 1959, como ditador. Foi deposto por um golpe de estado comandado por Fidel Castro em 1959 e obteve exílio permanente na Ilha da Madeira e no Estoril em Portugal e depois em Espanha, morrendo na localidade de Guadalmina.

No primeiro período de seu governo entre 1933 e 1944, exerceu um governo forte. Batista consolidou o seu poder concentrando em si todas as nomeações para os cargos públicos. Durante o primeiro mandato de Batista, Cuba cooperou na Segunda Guerra Mundial com os aliados e declarou guerra ao Japão, Alemanha e Itália.

Em março de 1952 regressou ao poder, novamente mediante um golpe militar. Passou então a governar como um verdadeiro ditador, contando com o reconhecimento diplomático e apoio militar dos Estados Unidos. Instaurou um regime autoritário, mandando prender os seus opositores e restringindo as liberdades através do controle da imprensa, da universidade e do congresso, usando métodos terroristas e fazendo fortuna para si e para seus aliados[1] .

O regime de Batista foi derrubado em 1959 por um ataque de forças rebeldes comandadas por Fidel Castro, Che Guevara e Raúl Castro.

O apoio dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

O apoio do governo dos Estados Unidos ao autoritário governo ditatorial de Fulgencio Batista, por sete anos (1952-59), foi um dos episódios emblemáticos da Guerra Fria com seus ingredientes clássicos: um governante tirânico, corrupto e repressor sendo apoiado pelos Estados Unidos graças à suas posições favoráveis aos negócios americanos na ilha. Earl E. T. Smith, embaixador americano em Cuba nos dois anos que precederam a queda de Batista entusiasticamente deu-lhe seu apoio[2] .

Referências

Precedido por
Federico Laredo Brú
Presidente de Cuba
1940 - 1944
Sucedido por
Ramón Grau San Martín
Precedido por
Carlos Prío Socarrás
Presidente de Cuba
1952 - 1959
Sucedido por
Anselmo Alliegro
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.