Guilhermina Ernestina da Dinamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guilhermina Ernestina
Princesa da Dinamarca
Eleitora do Palatinado
Princess Wilhelmina Ernestine of Denmark.jpg
Guilhermina Ernestina
Governo
Consorte Carlos II do Palatinado
Vida
Nascimento 20 de Junho de 1650
Flensburg, Dinamarca
Morte 22 de Abril de 1706 (55 anos)
Pai Frederico III da Dinamarca
Mãe Sofia Amália de Brunsvique-Luneburgo

Guilhermina Ernestina da Dinamarca (20 ou 21 de junho de 1650 - 22 ou 23 de abril de 1706) foi uma eleitora do Palatinado. Era uma das filhas do rei Frederico III da Dinamarca.

Família[editar | editar código-fonte]

Guilhermina foi a terceira de cinco filhas do rei Frederico III da Dinamarca e da duquesa Sofia Amália de Brunsvique-Luneburgo. Entre os seus irmãos estavam o rei Cristiano V da Dinamarca, o príncipe Jorge da Dinamarca, marido da rainha Ana da Grã-Bretanha, e a princesa Ulrica Leonor da Dinamarca, esposa do rei Carlos XI da Suécia. Os seus avós paternos eram o rei Cristiano IV da Dinamarca e a marquesa Ana Catarina de Brandemburgo. Os seus avós maternos eram o duque Jorge de Brunsvique-Luneburgo e a landegravina Ana Leonor de Hesse-Darmstadt.[1]

Casamento[editar | editar código-fonte]

A cunhada da sua mãe, a eleitora Sofia de Hanôver, arranjou o casamento entre Guilhermina e o seu sobrinho Carlos, o herdeiro do Palatinado. Ao contrário do que era costume na época, o casamento não se realizou por procuração, estando o noivo presente na cerimónia em Copenhaga no dia 20 de setembro de 1671. A 14 de agosto do ano seguinte, o casal partiu para Heidelberg na companhia de uma grande comitiva dinamarquesa. Guilhermina recebeu um avultado dote da Dinamarca, bem como as aldeias e castelos de Germersheim e Oppenheim da parte do seu sogro.

O casamento foi muito infeliz: Carlos tinha sido obrigado a casar-se pelo pai contra a sua vontade e não gostou da noiva desde o primeiro dia por causa da sua timidez e da sua aparência física. Há quem diga que a princesa fosse inválida fisicamente, algo que os distanciou ainda mais. Em 1677, a repulsa de Carlos pela sua noiva fez com que o seu pai considerasse seriamente um divórcio, mas os planos nunca chegaram até ao fim. O casal acabaria por não ter filhos.

Reinado e viuvez[editar | editar código-fonte]

A 28 de agosto de 1680, Carlos tornou-se eleitor do Palatinado, passando Guilhermina a ser sua consorte. O reinado do seu marido foi marcado pela dependência que tinha pelos seus favoritos. Carlos morreu a 26 de maio de 1685, deixado Guilhermina viúva e livre para viver com a sua irmã mais velha, a princesa Ana Sofia, no Castelo de Lichtenburg na Saxónia.

Referências