José Jorge Letria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde outubro de 2013) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
José Jorge Letria
José Jorge Letria 2012
Nome completo José Jorge Alves Letria
Nascimento 8 de Junho de 1951 (63 anos)
Cascais
Nacionalidade Portugal português
Alma mater Universidade de Lisboa
Ocupação Jornalista, político, poeta e escritor
Filiação PCP (1972-1991)
PS (1995-)

José Jorge Alves Letria (Cascais, 8 de junho de 1951) é um jornalista, político, poeta e escritor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou Direito, História e História de Arte na Universidade de Lisboa, sendo Pós-Graduado em Jornalismo Internacional e Mestre em "Estudos da Paz e da Guerra nas Relações Internacionais" pela Universidade Autónoma de Lisboa .

José Jorge Letria além de ser escritor e poeta também é jornalista.

Jornalista desde 1970 até dezembro de 2003, começou por colaborar nos suplementos Juvenil e A Mosca do Diário de Lisboa.

Seguidamente, foi redactor e editor de jornais como o República, Diário de Notícias, O Diário e Jornal de Letras, foi ainda chefe da redacção do semanário Musicalíssimo e correspondente do diário de Barcelona, Tele-Express, e da revista Delibros do Ministério da Cultura de Espanha.

Tendo sido, igualmente, professor de jornalismo, experiência da qual resultou a publicação de três livros sobre a matéria.

Foi autor de programas de rádio e de televisão, destacando-se, a esse nível, a sua participação, durante vários anos, na equipa de criadores da Rua Sésamo, em Portugal e autor dos textos do programa "Pastéis de Belém", na rádio TSF.

Iniciou o seu percurso político como membro do PCP em 1972, tendo-se desvinculado deste partido em 1991.

Foi um dos poucos civis que se encontravam ao corrente do levantamento militar de 25 de Abril de 1974, tendo colaborado com os militares na Direcção da Emissora Nacional desde o 27 de abril. Foi responsável pela programação musical da Estação oficial até meados de 1975.

Aderiu ao PS em 1995 e foi entre 1994 e 2001 vereador da Cultura da Câmara Municipal de Cascais, onde criou a revista Boca do Inferno.

Integrou durante seis anos o Bureau Executivo da Associação dos Eleitos Locais e Regionais da Grande Europa para a Cultura, tendo sido membro da Comissão de Redacção do Livro Branco sobre as Políticas Culturais na Europa.

Foi vice-presidente da Fundação D. Luís I., para a área da Cultura, em Cascais, e presidente da Fundação São Francisco de Assis, também sede em Cascais, destinada ao acolhimento e tratamento de animais abandonados.

Como dirigente associativo foi membro da direcção do Sindicato dos Músicos e da Associação Portuguesa de Escritores e Vice-Presidente da Direcção e da Administração da Casa da Imprensa.

É membro da World Literary Academy.

Foi, desde setembro de 2003, vice-presidente e administrador da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) e, desde setembro de 2007, seu administrador-delegado e integra, desde abril de 2005, em representação da SPA, o Comité Executivo do Conselho Internacional de Autores Dramáticos, Literários e Audiovisuais. Desde 2010 é Presidente do Conselho de Administração da SPA[1] .

Integra desde finais de Setembro de 2009 os corpos sociais da Fundação Paula Rego.

Recebeu em novembro de 2009 o Prémio Manuel de Arriaga, instituído pela Sociedade Protectora dos Animais para distinguir personalidades individuais ou colectivas que se destaquem anualmente pelo seu contributo para a defesa e divulgação dos direitos dos animais. Foi tida em conta a acção pública do distinguido ao longo dos anos, mas também a publicação de livros como "Amados Cães", "Amados Gatos" e do recente romance "Coração Sem Abrigo", que tem como personagens centrais um sem-abrigo e o seu cão de companhia num contexto de solidão urbana.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Uma das obras mais comoventes do autor foi "Coração Sem Abrigo".

O essencial da sua obra poética encontra-se condensado nos dois volumes da antologia "O Fantasma da Obra", publicados respectivamente em 1994 e em 2003, ano em que completou três décadas de actividade literária em livro, e foi objecto de uma dissertação de Mestrado apresentada em 2003 na Universidade Aberta pela Drª Fátima Azóia.

O seu livro para crianças "O Homem que Tinha uma Árvore na Cabeça"… integrou, em 2002, a lista "Books and Reading for Intercultural Education", da União Europeia.

Autor de quase duas centenas de títulos publicados em cerca de cinquenta editoras diferentes, metade dos quais na área literatura infanto-juvenil, a sua obra para a infância foi o tema da dissertação de Mestrado da Drª Maria Teresa Macedo, na Universidade do Minho.

Sobre a sua experiência na madrugada do 25 de Abril publicou, em 1999, o livro "Uma Noite Fez-se Abril".

Foi autor do ensaio "O Terrorismo e os Media - O Tempo de Antena do Terror".

Tem livros traduzidos em várias línguas (castelhano, francês, inglês, italiano, coreano, japonês, russo, búlgaro, romeno, húngaro e checo).

Está representado em numerosas antologias poéticas em Portugal e no estrangeiro, designadamente em França, onde o seu livro "Um Amor Português", com tradução de Séverine Rosset, foi publicado com a chancela das Edições Albin Michel.

A sua obra literária foi distinguida, até à data, com inúmeros prémios.

Como escritor distingue-se na poesia, no conto, no teatro e, sobretudo, na literatura para a infância e juventude.

Títulos do autor[editar | editar código-fonte]

Para Crianças e Jovens
  • "A Minha Primeira República", Dom Quixote, ilustrações de Afonso Cruz, 2009
  • "Henriqueta, a Tartaruga de Darwin", Texto/Leya, ilustrações de Afonso Cruz, 2009
  • "Galileu à Luz de uma Estrela", Texto/Leya, ilustrações de Afonso Cruz, 2009
  • "O Dia em que o Homem Beijou a Lua", Portugália, ilustrações de Carla Nazareth, 2009
  • "A Alfabeto dos Países", Oficina do Livro, Ilustrações de Afonso Cruz, 2009
  • "Era Uma Vez um Rei Conquistador", Oficina do Livro, ilustrações de Afonso Cruz, 2009
  • "Machado dos Santos-Herói da Rotunda", Texto/Leya, ilustrações de Afonso Cruz, 2010
Para Adultos
  • "Um Amor Português", Editorial Notícias, 2000
  • "Meu Portugal Brasileiro", Oficina do Livro, 2008
  • "O Que Darwin Escreveu a Deus", Oficina do Livro, 2009
  • "Coração Sem Abrigo", Oficina do Livro, 2009
  • "A Última Valsa de Chopin", Oficina do Livro, 2010
  • "O Vermelho e o Verde", sobre a implantação da República, ed. Planeta, 2010
  • "E Tudo Era Possível" - retrato de juventude com Abril em fundo -, Clube do Autor, 2013

Discografia[editar | editar código-fonte]

Nos anos 70 foi um activo cantor de intervenção, ao lado de nomes como José Afonso, Manuel Freire, Adriano Correia de Oliveira e Francisco Fanhais, entre outros, tendo gravado entre 1968 e 1981, cerca de uma dezena de discos e realizou centenas de espectáculos, nomeadamente na Galiza e em Madrid entre 1972 e 1973.

Prémios e distinções[editar | editar código-fonte]

  • Em 1992, foi agraciado com a medalha da International des Arts et des Lettres, de Paris, juntamente com os escritores Natália Correia e David Mourão-Ferreira
  • Em 9 de Junho de 1997 foi feito Oficial da Ordem da Liberdade,[2] pelo Presidente da República Jorge Sampaio
  • Em junho de 2002, foi distinguido com a Medalha de Honra do Município de Cascais, tendo sido atribuído o seu nome à Escola EB 1 da vila, por si frequentada na infância.
  • Premiado com dois Grandes Prémios da Associação Portuguesa de Escritores em conto e em teatro.
  • Prémio Internacional UNESCO atribuído em França.
  • Prémio Aula de Poesia de Barcelona.
  • Prémio Plural do México.
  • Prémio da Associação Paulista de Críticos de Arte atribuído em São Paulo.
  • Prémio Gulbenkian.
  • Grande Prémio Garrett da Secretaria de Estado da Cultural.
  • Premiado duas vezes com o Prémio Eça de Queirós-Município de Lisboa.
  • Prémio Ferreira de Castro de Literatura Infantil que ganhou três vezes, tal como o Prémio "O Ambiente na Literatura Infantil"
  • Prémio Garrett.
  • Prémio José Régio de teatro.
  • Prémio Camilo Pessanha do IPOR.
  • Prémio Maria Rosa Colaço, em 2006, para o texto inédito "A Fala das Coisas" (conto infanto-juvenil)
  • Prémio Nacional de Poesia Nuno Júdice, de 2007, para a colectânea inédita "Sobre Retratos".
  • Prémio Manuel d'Arriaga da Sociedade Protectora dos Animais em 2009.

Referências

  1. Histórico da SPA. Sociedade Portuguesa de Autores. Página visitada em 14 de Outubro de 2013.
  2. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas. Presidência da República Portuguesa. Página visitada em 2014-05-23. "Resultado da busca de "José Jorge Letria"."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]