Lung Boonmee raluek chat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lung Boonmee raluek chat
O Tio Booonmee, Que Se Lembra das Suas Vidas Passadas (PT)
Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas (BR)
 • 114 min 
Direção Apichatpong Weerasethakul
Produção Simon Field
Keith Griffiths
Charles de Meaux
Apichatpong Weerasethakul
Roteiro Apichatpong Weerasethakul
Elenco Thanapat Saisaymar
Jenjira Pongpas
Sakda Kaewbuadee
Gênero Comédia dramática
Idioma Tailandês
Cinematografia Sayombhu Mukdeeprom
Yukontorn Mingmongkon
Charin Pengpanich
Edição Lee Chatametikool
Distribuição Tailândia
Reino Unido
França
Alemanha
Espanha

Lung Boonmee raluek chat (em tailandês: ลุงบุญมีระลึกชาติ; pt: O Tio Booonmee, Que Se Lembra das Suas Vidas Passadas, br: Tio Boonmee Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas) é um filme tailandês de 2010, premiado com a Palma de Ouro no Festival de Cannes de 2010.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Dirigido por Apichatpong Weerasethakul, conta a história de um homem que sofre de insuficiência renal e decide colocar fim aos seus dias em uma fazenda, na companhia de seus familiares e amigos. Os espíritos de sua esposa e de seus filhos desaparecem quando ele passa por uma experiência edificante.[1]

Ele decide se encontrar em uma gruta, o primeiro local de nascimento de sua primeira vida passada, com pessoas de sua convivência.[1]

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Thanapat Saisaymar como Uncle Boonmee
  • Jenjira Pongpas como Jen
  • Sakda Kaewbuadee como Tong
  • Natthakarn Aphaiwonk como Huav, esposa de Boonmee
  • Geerasak Kulhong como Boonsong, filho de Boonmee
  • Kanokporn Thongaram como Roong, amigo de Jen
  • Samud Kugasang como Jaai, chefe de trabalho de Boonmee
  • Wallapa Mongkolprasert como a princesa
  • Sumit Suebsee como soldado
  • Vien Pimdee como o fazendeiro

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Ao ser apresentado no Festival de Cannes 2010, o filme de Apichatpong Weerasethakul recebeu críticas muito elogiosas da maior parte da imprensa. No jornal Le Monde, Isabelle Regnier o classificou de "absolutamente maravilhoso" e que merecidamente deveria receber a Palma de Ouro[2] . Louis Guichard do Télérama relata o "momento único da competição" (o filme inspirou a redação da própria edição do semanário).[3]

A revista americana Variety fala de um objeto concreto "maravilhosamente estupendo".[4]

O Libéracion reconhece a obra como '"delirante e magistral".[5]

O Telegraph o classificou como um filme cinco estrelas (o máximo), bem como os sítios culturais como Fluctuat[6] e Excessif (que lhe deu sua própria Palma)[7] . O Berliner Zeitung descreve o filme como um dos momentos mais extraordinários que um festival já ofereceu.[8]

O sítio Les Inrockuptible declara que trata-se do filme "mais audacioso e surpreendente do festival"[9] . O Paris Match afirma que Uncle Boonmee é o "mais belo poema cinematográfico da competição", constatação parecida com a da revista inglesa Screen que o qualifica como um filme puramente "maravilhoso".[10]

As inovações formais e as narrativas do filme são louvadas pelos críticos, que insistem sobre a sua capacidade de fazer o espectador mergulhar na história. O adjetivo "mágico" também é onipresente. Louis Guichard do Télérama menciona uma obra de um "poeta e visionário", um assombro "doce", "sensual" e "malicioso" formado por imagens mentais e oníricas, cujos efeitos resgatam o brilho cinematográfico de Jean Cocteau.[11]

As palavras escolhidas por Jean-Marc Lalanne de Inrockuptibles são sensivelmente parecidas. Ele vê o filme caracterizado pela "doçura" e "bondade" e que sua narrativa pode levar ao ápice e aos delírios mais extremos. Ele ainda acrescenta que o cinema de Weerasetakul conta o que o "cinema contemporâneo pode propor de mais intenso".[12]

O Paris Match fala de uma "audácia visual e narrativa insana" que permite atingir um estado de graça e serenidade.[13]

O jornal inglês The Guardian julga a atmosfera do filme como formada por esquetes "estranhas, engraçadas, espirituais e inconstantes".[14]

Danièle Heymann, do semanário Marianne, evoca um filme "totalmente envolvente" e que o filme ganhou a simplicidade de Apichatpong Weerasethakul. A representação familiar dos espíritos mostra o talento do seu autor ao tornar natural o que é estranho ou desconhecido.[15]

A crítica do Time Out reconhece as grandes qualidades plásticas do filme, mas se recusa a crer que elas identificam o filme, pois os personagens são imprevisíveis.[16]

Os críticos do Figaro chamam o filme de "lamentável", "interminável" e "cheio de visões desinteressantes".[17]

Referências

  1. a b c Reuters/Le Monde. (23 de maio de 2010). Cannes: triomphe de la Thaïlande au 63e Festival. Acesso em 23 de maio de 2010
  2. Regnier, Isabelle. (22 de maio de 2010). Des animaux dans la tête (merci Apichatpong Weerasethakul). Le Monde, acesso em 23 de maio de 2010
  3. Guichard, Louis. (22 de maio de 2010). Télérama attribue la Palme à... Apichatpong Weerasethakul!. Télérama, acesso em 23 de maio de 2010
  4. Chang, Justin. (21 de maio de 2010). Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives. Variety, acesso em 23 de maio de 2010
  5. Azoury, Philippe. (22 de maio de 2010). Weerasethakul, Thaï king size. Libéracion, acesso em 23 de maio de 2010
  6. Fluctuat. Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives. Acesso em 23 de maio de 2010
  7. Excessif. Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives. Acesso em 23 de maio de 2010
  8. Westphal, Anke. Jenseits der Menschenrechte Cannes treibt die Aufarbeitung des französischen Kolonialismus voran: Eine Festivalbilanz, Berliner Zeitung, 22 de maio de 2010, 117, 27
  9. Lalanne, Jean-Marc. (22 de maio de 2010). Uncle Boonme who can recall his past lives, le film le plus audacieux du festival. Les Inrockuptible
  10. Adams, Mark. (21 de maio de 2010). Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives. Paris Match, acesso em 23 de maio de 2010
  11. Guichard, Louis. (21 de maio de 2010). Séance tenante #9 : “Hors-la-loi” et “Oncle Boonmee, celui qui se souvient de ses vies antérieures”. Télérama, acesso em 23 de maio de 2010
  12. Les Inrockuptibles. (22 de maio de 20100. Uncle Boonme who can recall his past lives, le film le plus audacieux du festival. Acesso em 23 de maio de 2010
  13. Valy, Yannick. (21 de maio de 2010). Le journal de la Croisette du 21 mai. Paris Match, acesso em 23 de maio de 2010
  14. Salomons, Jason. (23 de maio de 2010). Waiting for Godard. The Guardian, acesso em 23 de maio de 2010
  15. Garcin, Jérôme. Le Masque et la Plume, spéciale Cannes, France Inte, 23 de maio de 2010
  16. Time Out. Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives. Acesso em 24 de maio de 2010
  17. Le Figaro. Notre top 5 des nanars du 63e Festival de Cannes. Acesso em 24 de maio de 2010