Orfeu Negro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Orfeu Negro
Orfeu Negro (PT)
Orfeu do Carnaval (BR)
Orfeu Negro, 1959
 Brasil França Itália
1959 • cor • 100 min 
Direção Marcel Camus
Produção Sasha Gordine
Roteiro Marcel Camus
Jacques Viot
Vinícius de Moraes (peça)
Elenco Breno Mello
Marpessa Dawn
Lourdes de Oliveira
Léa Garcia
Idioma Português
Música Tom Jobim
Luiz Bonfá
Direção de fotografia Jean Bourgoin
Edição Andrée Feix
Estúdio Dispat Films
Gemma Cinematografica
Tupan Filmes
Página no IMDb (em inglês)

[1] Orfeu Negro ou Orfeu do Carnaval[2] (na França, Orphée Noir; na Itália, Orfeo Negro) é um filme ítalo-franco-brasileiro de 1959, dirigido por Marcel Camus e com roteiro adaptado por Camus e Jacques Viot a partir da peça teatral Orfeu da Conceição, de Vinícius de Moraes.

A trilha sonora é de Tom Jobim e Luís Bonfá. Vinícius e Antônio Maria também tiveram músicas incluídas, mas, assim como Agostinho dos Santos, que interpretou a música-tema de Orfeu, "Manhã de Carnaval", não receberam os créditos. O filme teve outra versão em 1999, sob o nome Orfeu, dirigida por Cacá Diegues.

É, à data, o único filme brasileiro a ter ganho o Oscar de melhor filme estrangeiro, em 1960,[3] apesar da Academia reconhecer o filme como francês.[4]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O enredo é inspirado na mitologia grega, na história de Orfeu e Eurídice. A adaptação ambientou a obra no Brasil, em uma favela do Rio de Janeiro, na época do Carnaval. Eurídice vem fugida do sertão nordestino para morar na favela com sua prima Serafina. Ela tem medo de um homem que está perseguindo-a e quer matá-la; ela não sabe o motivo, mas pensa que esse homem talvez tenha gostado dela e, como ela não lhe deu confiança, ele agora quer se vingar. Ela apaixona-se perdidamente por Orfeu, que é noivo da bela e sedutora Mira. O tempo passa, Mira passa a perseguir Eurídice, com ciúmes. Serafina ajuda a prima a namorar Orfeu. Eurídice conhece o carnaval carioca ao lado de Orfeu, mas sempre se apavora e corre quando vê que o tal homem está perto.

Um dia, ela revela tudo a Orfeu. Ele a protege e diz que vai ficar ao seu lado. O namoro deles é puro e inocente, sem malícia. Passa o tempo. Um dia, se divertindo no último dia de carnaval, Eurídice teme que o homem apareça, e acha melhor voltar para a favela, que fica perto. Ela entra num beco escuro, para subir a favela, mas ela não conhece bem o local e fica assustada. O homem a encontra e a persegue. Ela sai correndo desesperada e entra num galpão velho e escuro. Ela tenta se esconder do homem, mas este a acha. Desesperada, ela pula de um tablado e se segura em um fio de alta tensão. Orfeu chega e liga a tensão, Eurídice cai e morre eletrocutada. Orfeu briga com homem e fica inconsciente, quando acorda se dá conta dos fatos. Ele fica desolado.

A ambulância chega e leva o corpo ao Instituto Médico Legal. Ele não pode ir junto. Quarta-feira de cinzas e Orfeu só sabe chorar. Ele vai atrás do corpo, faz uma sessão espírita na qual Eurídice baixa no corpo de uma senhora, mas, enfim, Orfeu acha seu corpo. Ele sequestra-o e leva à favela. Mira vê e começa a bater e brigar. Sem querer, ele cai da ribanceira com o corpo morto nos braços e morre também! O amor verdadeiro que uniu esse casal por um curto período de tempo resistiu à morte!

Elenco principal[editar | editar código-fonte]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

Festival de Cannes 1959 (França)

Oscar 1960 (EUA)

  • Vencedor na categoria de melhor filme em língua estrangeira (português/diretor).

Globo de Ouro 1960 (EUA)

  • Venceu na categoria de melhor filme estrangeiro (Brasil).

British Academy of Film and Television Arts 1961 (Reino Unido)

  • Indicado na categoria de melhor filme em língua estrangeira (Brasil, França e Itália/produção).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]