Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Fellini 8 ½ (PT)
Oito e meio (BR)
 Itália/ França
1963 • p&b • 138 min 
Direção Federico Fellini
Codireção Lina Wertmüller
Produção Angelo Rizzoli
Roteiro Ennio Flaiano
Tullio Pinelli
Federico Fellini
Brunello Rondi
Elenco Marcello Mastroianni
Claudia Cardinale
Anouk Aimée
Género Drama
Idioma Italiano
Música Nino Rota
Direção de arte Piero Gherardi
Direção de fotografia Gianni Di Venanzo
Figurino Piero Gherardi
Edição Leo Cattozzo
Página no IMDb (em inglês)
Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

(br: Oito e meio — pt: Fellini 8 ½) é um filme franco-italiano de 1963, do gênero drama, dirigido por Federico Fellini e com trilha musical assinada pelo compositor Nino Rota.

Oito e meio é um filme autobiográfico, com muitas cenas retiradas da vida do próprio diretor. Segundo o próprio Fellini, algumas cenas foram concebidas através de seus sonhos. O título do filme é uma referência à carreira do próprio diretor, que até então já havia dirigido seis longa-metragens, dois episódios de filme e havia co-dirigido um longa-metragem.

Fellini chegou a cogitar a possibilidade de escalar o ator Laurence Olivier como o protagonista de Oito e meio, mas acabou optando por Marcello Mastroianni.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme retrata a crise de criatividade de um cineasta chamado Guido Anselmi, que demonstra um certo esgotamento no seu estilo de vida e resolve se internar em uma estação-de-águas para buscar inspiração.

Usa de uma estratégia engenhosa para contornar o bloqueio criativo que—conta-se—o próprio Fellini estaria sentindo: contar a própria dificuldade de realizar um filme. E ainda obter o prestígio de fazer um filme metalinguístico, que usa a linguagem do cinema para comentar um filme que seus personagens estão fazendo.

O filme tem grandes influências da psicanálise jungiana, da qual Fellini era um entusiasta.[1] Um exemplo é o grande foco nos sonhos do protagonista para explicar sua persona e acontecimentos de sua infância. O uso da fotografia preta e branca também serve para reforçar o conceito jungiano de sombra.[2]

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Marcello Mastroianni .... Guido Anselmi
  • Claudia Cardinale .... Claudia
  • Anouk Aimée .... Luisa Anselmi
  • Sandra Milo .... Carla
  • Rossella Falk .... Rossella
  • Barbara Steele .... Gloria Morin
  • Madeleine LeBeau .... Madeleine, a atriz francesa
  • Caterina Boratto .... mulher misteriosa
  • Eddra Gale .... La Saraghina
  • Guido Alberti .... Pace, o diretor
  • Mario Conocchia .... Conocchia, o diretor de produção
  • Bruno Agostini .... o secretário de produção
  • Cesarino Miceli Picardi .... Cesarino

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1964 (EUA)

BAFTA 1964 (Reino Unido)

  • Recebeu uma indicação na categoria de melhor filme.

Festival de Moscou 1963 (Rússia)

  • Ganhou o Grand Prix.

Prêmio Bodil 1964 (Dinamarca)

  • Venceu na categoria de melhor filme europeu.

Prêmio NYFCC 1963 (EUA)

  • Venceu na categoria de melhor filme estrangeiro.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FELLINI, Federico. The Book of Dreams. Nova Iorque, Rizzoli, 2008
  2. Fellini e psicanálise Cinemaitalianorao.blogspot.com.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]