Volver

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Volver
Volver - Voltar (PT)
Volver (BR)
Flag of Spain.svg Espanha
2006 • cor • 121 min 
Direção Pedro Almodóvar
Roteiro Pedro Almodóvar
Elenco Penélope Cruz
Carmen Maura
Lola Dueñas
Blanca Portillo
Género drama
Idioma espanhol
Página no IMDb (em inglês)

Volver (em espanhol: voltar, especificamente, voltar a um lugar, agitar, retroceder,pronunciado: bolˈβeɾ) é um filme espanhol de 2006, do gênero drama, dirigido por Pedro Almodóvar.

Foi produzido pelos estúdios Canal+ España / El Deseo S.A. / TVE / Ministerio de Cultura e distribuído pela Sony Pictures Classics / Fox Film do Brasil. A música é Alberto Iglesias, a fotografia de José Luis Alcaine, com desenho de produção de Salvador Parra, figurino de Sabine Daigeler, edição de José Salcedo e efeitos especiais de El Ranchito.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Existem filmes em que basta apenas uma boa referência para carregar multidões às salas de cinema. “Um filme de Steven Spielberg”, “Produzido por Jerry Bruckheimer”, ou “Estrelado por Jack Nicholson” ou qualquer coisa com os lábios e pernas de Angelina Jolie são destaques do mês. Elevado à categoria de grandes astros, Pedro Almodóvar é hoje um desses grandes diretores: basta assinar a película para ter um bom tanto de ingressos garantidos. Mais do que isso, Volver é bom por si só. A história de Volver é ótima, envolvente e forte.

O filme fala de duas irmãs, Raimunda e Sole, que retornam à casa da família depois que um incêndio fatal mata os pais. Mais tarde, em um outro reencontro, as irmãs conversam com a Tia Paula, já muito doente e um tanto ensandecida, que jura que é a mãe delas quem cuida da casa e dela mesma. A história absurda é desconsiderada e as irmãs voltam ao que seria vida normal.

Penélope Cruz é Raimunda. Um dia, chega em casa e encontra a filha Paula paralisada: vítima de abuso sexual, Paula se protege matando o pai a facadas. Mãe protetora que é, Raimunda toma as rédeas da situação e decide dar um jeito no corpo do marido. Nesta mesma noite, sua tia também havia falecido. Sole vai ao enterro sozinha e lá se encontra com o fantasma da sua mãe, interpretado por Carmem Maura. Ou melhor: o fantasma da mãe, Irene, é que se encontra com ela, fugindo escondido no porta-malas do carro.

O 16º longa-metragem de Almodóvar é, na verdade e novamente, sobre mulheres: três gerações de uma mesma família do interior da Espanha. Irene é a mãe que precisa ser perdoada pela filha Raimunda. Esta é jovem, trabalhadora, forte e amorosa. Sole, também filha de Irene, foi deixada pelo marido, tem medo de mortos e possui um salão de cabeleireiro clandestino. E Paula, a mais nova de todas, aprende com as parentas como é ser uma daquelas mulheres.

Volver, como o próprio nome anuncia, é um retorno ao que de melhor o diretor e roteirista sabe fazer: falar sobre mulheres. Almodóvar assumiu que o longa trata muito sobre ele mesmo, e, por isso, volta à região onde nasceu, à infância e ao universo feminino. é um filme de atrizes, segundo o diretor, e sem elas, o filme não existiria: “Minha vocação é ser o primeiro espectador delas”, afirma.

O filme não é fantasioso, não é escrachado nem melodramático. Além das mulheres, o filme é sobre a morte e como ela pode ser natural para muitos povos, como se morrer não passasse de um ato civil, uma necessidade orgânica, mas não definitiva, divisória ou fatal. Uma falsa russa, o cadáver de um homem escondido em um freezer e um morto que pede para pintar os cabelos parecem levar o filme para um desencadeamento bizarro, mas, antes que possamos perceber, Almodóvar apresenta dramas tão diários e realidades tão próximas de nós, que tudo se torna verossímil, acreditável e absurdamente real.

O primeiro depois de “Má Educação”, de 2004, seguido de “Fale Com Ela”, de 2002, e “Tudo Sobre Minha Mãe”, de 1999, “Volver” vem recebendo elogios por onde passa e colecionando prêmios. Penólepe Cruz já recebeu o Hollywood Award e, em Cannes, Volver ganhou o prêmio coletivo por interpretação feminina e de melhor roteiro.

Os 121 minutos do filme são primorosos. Colorido como sempre, bem acompanhado como sempre, polêmico como sempre, Almodóvar é indispensável. O roteiro é muito bem conduzido, levando à calmas lágrimas e sorrisos de satisfação. Imperdível, como sempre.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o


Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 2007 (EUA)

  • Indicado na categoria de melhor atriz (Penélope Cruz).

Globo de Ouro 2007 (EUA)

  • Indicado nas categorias de melhor atriz - drama (Penélope Cruz) e melhor filme estrangeiro.

BAFTA 2007 (Reino Unido)

  • Indicado nas categorias de melhor atriz (Penélope Cruz) e melhor filme estrangeiro.

European Film Awards 2006

  • Venceu nas categorias de melhor diretor, melhor atriz (Penélope Cruz), melhor roteiro, melhor fotografia e melhor trilha sonora.
  • Indicado na categoria de melhor filme.

Prêmio Goya 2007 (Espanha)

  • Venceu nas categorias de melhor filme, melhor diretor, melhor atriz (Penélope Cruz), melhor atriz coadjuvante (Carmen Maura) e melhor trilha sonora.
  • Indicado nas categorias de melhor atriz coadjuvante (Lola Dueñas e Blanca Portillo), melhor fotografia, melhor figurino, melhor maquiagem, melhor direção de produção, melhor direção de arte, melhor roteiro original e melhor som.

Festival de Cannes 2006 (França)

  • Venceu nas categorias de melhor atriz (Penélope Cruz, Carmen Maura, Lola Dueñas, Blanca Portillo, Yohana Cobo e Chus Lampreave) e de melhor roteiro.

Festival de San Sebastián 2006 (Espanha)

  • Recebeu o Prêmio FIPRESCI.

Prêmio David di Donatello 2007 (Itália)

Prêmio César 2007 (França)

  • Indicado na categoria de melhor filme estrangeiro.

Prêmio Bodil 2007 (Dinamarca)

  • Indicado na categoria de melhor filme não-americano.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • O filme foi exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio de 2006.
  • Pela atuação em Volver, Penélope Cruz tornou-se a primeira espanhola a ser indicada na categoria de melhor atriz num Oscar.
  • Volver é o livro escrito por Leocádia, personagem principal de La flor de mi secreto (também de Almodóvar).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]