Diários de Motocicleta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diarios de motocicleta
Diários de Che Guevara (PT)
Diários de Motocicleta (BR)
Brasil Chile Peru Reino Unido Argentina Estados Unidos Alemanha França
2004 • cor • 126[1] min 
Direção Walter Salles
Produção Edgard Tenenbaum
Michael Nozik
Karen Tenkoff
Roteiro José Rivera
Baseado em Diários de Motocicleta de Che Guevara
Elenco Gael García Bernal
Rodrigo de la Serna
Mercedes Morán
Jean Pierre Noher
Facundo Espinosa
Mía Maestro
Gênero drama biográfico
Idioma espanhol
quíchua
Música Gustavo Santaolalla
Cinematografia Eric Gautier
Edição Daniel Rezende
Estúdio FilmFour
BD Cine
Distribuição Buena Vista International (Argentina)
Focus Features (Estados Unidos)
Lançamento Estados Unidos 15 de janeiro de 2004 (Festival de Sundance)
Brasil 7 de maio de 2004
França 19 de maio de 2004 (Festival de Cannes)
Argentina 29 de julho de 2004
Portugal 14 de outubro de 2004
Receita US$57,663,224[2]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Diarios de motocicleta (no Brasil, Diários de Motocicleta; em Portugal, Diários de Che Guevara) é um filme de drama biográfico de 2004 produzido pela Argentina, Brasil, Chile, Reino Unido, Peru, Estados Unidos, Alemanha, França, com direção de Walter Salles. A produção é sobre a viagem e livro de memórias escrito por Ernesto Guevara de 23 anos de idade, que mais tarde se tornaria conhecido internacionalmente como o icônico comandante guerrilheiro marxista e revolucionário Che Guevara. O filme narra a expedição de 1952, inicialmente por moto, em toda a América do Sul por Guevara e seu amigo Alberto Granado. Como a aventura, inicialmente centrada em torno de hedonismo juvenil, se desenrola, Guevara se descobre transformado por suas observações sobre a vida do campesinato indígena empobrecido. Através dos personagens que eles encontram em sua jornada continental, Guevara e Granado testemunham em primeira mão as injustiças que o rosto destituído e estão expostos a pessoas e classes sociais que eles nunca teriam encontrado de outra forma. Para sua surpresa, a estrada apresenta-lhes tanto uma imagem verdadeira e cativante da identidade latino-americana. Como resultado, a viagem também planta a semente inicial de dissonância cognitiva e radicalização dentro de Guevara, que supostamente viria a ver a revolução armada como forma de combater as desigualdades econômicas endêmicas do continente.

O roteiro é baseado principalmente no livro de mesmo nome de Guevara de literatura de viagem, com um contexto adicional fornecido pelo Traveling with Che Guevara: The Making of a Revolutionary por Alberto Granado. Guevara é interpretado por ator mexicano Gael García Bernal (que já interpretou Che na minissérie de 2002 Fidel) e Granado pelo ator argentino Rodrigo de la Serna, que coincidentemente é um primo de segundo grau na vida real de Guevara em seu lado maternal.[3] Dirigido pelo brasileiro Walter Salles e escrito pelo dramaturgo porto-riquenho José Rivera, o filme foi uma co-produção internacional entre as empresas de produção da Argentina, Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, Chile, Peru e França. Produtores executivos do filme foram Robert Redford, Paul Webster, e Rebecca Yeldham, os produtores foram Edgard Tenenbaum, Michael Nozik e Karen tenkoff, e os co-produtores foram Daniel Burman e Diego Dubcovsky.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Che Guevara (Gael García Bernal) era um jovem foi estudante de medicina que, em 1952, decide viajar pela América do Sul com seu amigo Alberto Granado (Rodrigo de La Serna). A viagem é realizada em uma moto, que acaba quebrando após 8 meses. Eles então passam a seguir viagem através de caronas e caminhadas, sempre conhecendo novos lugares. Porém, quando chegam a Machu Pichu, a dupla conhece uma colônia de pessoa com hanseníase[4] e passam a questionar a validade do progresso econômico da região, que privilegia apenas uma pequena parte da população.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Viagem[editar | editar código-fonte]

Durante a viagem Ernesto Guevara e Alberto Granado percorrem:

A viagem vai dos dia 4 de janeiro de 1952 a 26 de julho de 1952 e eles percorrem mais 12.425 km.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

The Motorcycle Diaries teve recepção geralmente favorável por parte da crítica especializada. Em base de 37 avaliações profissionais, alcançou uma pontuação de 75% no Metacritic. Por votos dos usuários do site, atinge uma nota de 7.8, calculada de 84 votos e usada para avaliar a recepção do público.[5]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 2005 (EUA)

  • Venceu na categoria de Melhor Canção, por Al otro lado del río, do compositor uruguaio Jorge Drexler.
  • Indicado na categoria de Melhor Roteiro Adaptado.

BAFTA 2005 (Reino Unido)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme em Língua não Inglesa.
  • Recebeu o prêmio Anthony Asquith pela música.
  • Indicado nas categorias de Melhor Filme, Melhor Fotografia, Melhor Atuação de Ator Principal (Gael García Bernal), Melhor Atuação de Ator Coadjuvante (Rodrigo De la Serna) e Melhor Roteiro Adaptado.

Festival de Cannes 2004 (França)

  • Recebeu os prêmios François Chalais, do Júri Ecumênico e o Grande Prêmio Técnico.
  • Indicado à Palma de Ouro.

Grande Prêmio BR do Cinema Brasileiro 2005 (Brasil)

  • Indicado na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Prêmio César 2005 (França)

  • Indicado na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Globo de Ouro 2005 (EUA)

  • Indicado na categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira (Brasil).

Prêmio Goya 2005 (Espanha)

  • Venceu na categoria de Melhor Roteiro Adaptado.

Independent Spirit Awards 2005 (EUA)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme e Melhor Estreia (Rodrigo De la Serna).
  • Indicado na categoria de Melhor Diretor.

Festival Internacional de Cine de Donostia - San Sebastián 2004 (Espanha)

  • Recebeu o Prêmio do Público.

Referências

  1. DIARIOS DE MOTOCICLETA - THE MOTORCYCLE DIARIES (15) British Board of Film Classification (7 de julho de 2004). Visitado em 13 de novembro de 2013.
  2. The Motorcycle Diaries (em inglês) no Box Office Mojo
  3. Durbin, Karen. The New York Times, Arts Section, 12 de setembro de 2004. Último acesso: 23 de março de 2008.
  4. http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/portal.php/terminologia
  5. The Motorcycle Diaries (em inglês) Metacritic. Visitado em 4 de setembro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]