Magia de Harry Potter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A magia é, na série dos livros de Harry Potter, uma herança genética que permite que os bruxos e bruxas pratiquem a feitiçaria.

Principais conceitos[editar | editar código-fonte]

Os conceitos básicos da magia são bastante simples até mesmo um bruxo de dois anos de idade pode praticar algum tipo de magia: possibilita o transporte, cuidados médicos, alimentação, recreação e meios de defesa.

Existem também feiticeiros que conseguem fazer magia sem a varinha, como quando Harry fez desaparecer o vidro que mantinha uma cobra presa no zoológico, libertando-a, e quando fez sua tia Guida inflar e sair voando pelos ares sem mesmo o uso de uma varinha. Isso ocorre quando o bruxo não tem pleno domínio de seus poderes.

Contudo, a magia não se limita a bruxos. Também existem as criaturas mágicas, animais muito antigos e de poder variável. Os dragões, por exemplo, são considerados as criaturas mágicas mais poderosas, pois seu sangue contêm diversos usos. Há muitas outras, como, por exemplo: hipogrifos, explosivins, basiliscos, bichos-papões, centauros, dementadores, diabretes, elfos domésticos e Testrálios.

As varinhas, principais meios de execução da magia, são feitas com algum tipo de madeira: carvalho, por exemplo, e alguma parte mágica, presente no núcleo, como pena de fênix, como a de Harry. Há sempre uma fonte mágica nas varinhas, pois, se fossem feitas apenas de madeira, não seriam capazes de conjurar nenhum feitiço.

De acordo com o Estatuto Internacional de Sigilo em Magia, os bruxos devem manter em segredo seus poderes e habilidades mágicas dos trouxas e, portanto, os últimos não devem saber de sua existência.

A magia é tratada como o quarto ramo da ciência, antecedido pela Biologia, Química e Física.

História[editar | editar código-fonte]

Início da História[editar | editar código-fonte]

Antigo Egito, Grécia e Índia Antigas[editar | editar código-fonte]

Bruxos egípcios colocavam maldições sobre tumbas; ainda hoje, desfazedores de feitiços contratados pelo banco Gringotes tentam recuperar o tesouro trancafiado nestas tumbas. Uma pirâmide tem esqueletos mutantes de trouxas que as invadiram e começaram a ganhar múltiplas cabeças. A magia é integrada à sociedade e os bruxos são mantidos em alta estima. Contudo, a magia negra era praticada ainda na Grécia Antiga. Herpo o Sujo criou o primeiro basilisco, bem como a primeira Horcrux.

Por volta de 1.000 d.C.[editar | editar código-fonte]

A crescente desconfiança por parte dos trouxas em relação à magia força os quatro maiores bruxos da época a fundar Hogwarts para mantê-los isolados. Salazar Slytherin constrói a Câmara Secreta após ter seu ponto de vista de que somente bruxos de puro-sangue deveriam ser aceitos em Hogwarts recusado. Esta separação das duas culturas continua e cresce durante os próximos 700 anos.

1.000 a 1.300[editar | editar código-fonte]

Enquanto a relação com o mundo trouxa se torna mais desconfiada, os bruxos restringem o contato a pessoas da mesma espécie. O Torneio Tribruxo e o quadribol se popularizam através de eventos internacionais.

Por volta de 1.300[editar | editar código-fonte]

Queima de bruxas; trouxas estavam com medo da magia, mas não tinham muitos meios de identificá-la. Wendelin a Esquisita deixou-se queimar da fogueira 47 vezes sob vários disfarces para curtir a sensação. Cresce a discriminação contra outros seres mágicos, como elfos domésticos e duendes.

Século XV[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1.400[editar | editar código-fonte]

Com o advento do Renascimento e da dependência cada vez maior dos trouxas no conhecimento científico, a ruptura da relação entre trouxas e bruxos está cada vez mais completa. Cada cultura passa a ter sua própria civilização: estruturas sociais, economias, governos, etc.

Alguns trouxas perseguem seus vizinhos bruxos, outros tentam explorar o poder mágico em seu próprio benefício e em soluções rápidas para seus problemas. No entanto, a Grã-Bretanha ainda possui bruxos na Corte (como o próprio Nick Quase Sem Cabeça). Beedle o Bardo escreve seus Contos, pregando uma mensagem de tolerância para com os trouxas, mas sua mensagem é subvertida ou perdida ao longo dos séculos seguintes.

Daisy Dodderidge constrói o Caldeirão Furado, abrindo um portal entre o mundo bruxo e o mundo trouxa.

Séculos XVI-XVII[editar | editar código-fonte]

1600 a 1700[editar | editar código-fonte]

Durante estes anos, duendes se rebelavam por toda a Grã-Bretanha e é fundado o Hospital St. Mungus para Doenças e Acidentes Mágicos.

A perseguição trouxa atinge seu ápice.

O governo do mundo mágico se reúne para pensar em soluções para a crise e criar o Estatuto Internacional de Sigilo em Magia de 1689 ou 1692. Isso não só define a separação das duas culturas, mas também estabelece a responsabilidade sobre os vários governos mágicos de cada país de manter tudo em segredo, de partidas de quadribol a dragões.

Ao longo dos anos, para os trouxas, a magia se torna conto de fadas e lendas. Por volta de 1750, os ministros da Magia de cada país assumem responsabilidade pelo controle e sigilo da fauna e flora mágica locais. As famílias mágicas começam a se agrupar em pequenas cidades em torno de toda a Grã-Bretanha, onde elas encontram segurança e anonimato.

Por volta de 1800[editar | editar código-fonte]

Gigantes guerreiam entre si, levando sua espécie à beira da extinção.

Em 1881, Grogan Stump faz uma reforma no Ministério da Magia e Alvo Dumbledore nasce.

Anos recentes[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1900[editar | editar código-fonte]

O preconceito contra trouxas e a ideia da supremacia puro-sangue ainda é muito intenso. Esses sentimentos são manipulados por Tom Riddle enquanto ele se torna Lord Voldemort e faz duas tentativas de tomar controle do mundo mágico britânico.

Em sua primeira tentativa, por volta de 1970, é contido por Lílian e Tiago Potter e, em 31 de outubro de 1981, derrubado por Harry Potter.

Os gigantes, em sua maioria lutando ao lado de Voldemort, recolhem-se no norte da Europa.

Em 1994, Voldemort reascende. Em 1997, toma o Ministério da Magia e Hogwarts, até que, em 2 de maio de 1998, é finalmente morto por Harry Potter.

Ver também[editar | editar código-fonte]