São Martinho da Serra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de São Martinho da Serra
Bandeira de São Martinho da Serra
Brasão de São Martinho da Serra
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 20 de março de 1992 (22 anos)
Gentílico martinhense
Prefeito(a) Ivan Schieffelbein (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de São Martinho da Serra
Localização de São Martinho da Serra no Rio Grande do Sul
São Martinho da Serra está localizado em: Brasil
São Martinho da Serra
Localização de São Martinho da Serra no Brasil
29° 32' 16" S 53° 51' 18" O29° 32' 16" S 53° 51' 18" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Ocidental Rio-grandense IBGE/2008[1]
Microrregião Santa Maria IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Santa Maria, São Pedro do Sul, Quevedos, Júlio de Castilhos, Itaara
Distância até a capital 310 km
Características geográficas
Área 671,853 km² [2]
População 3 201 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 4,76 hab./km²
Altitude 453 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,766 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 74 416,664 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 20 956,54 IBGE/2008[5]
Página oficial

São Martinho da Serra é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

É uma das povoações mais antigas da região centro do estado. Começou com o Forte de São Martinho em 1774 e pertencia à Colônia Espanhola, era a ponta mais avançada dos Sete Povos das Missões. O forte (ou Entrincheiramento de São Martinho) foi tomado pela primeira vez pelo militar Rafael Pinto Bandeira em 1776. Em 1777, o tratado de Santo Ildefonso estabeleceu uma linha divisória entre as terras da Espanha e de Portugal, que passava exatamente nas terras de São Martinho, portanto ali era a fronteira. O forte foi retomado pela Coroa Portuguesa definitivamente em 1801, pelo Coronel Manoel dos Santos Pedroso (Maneco Pedroso), Borges do Canto e Gabriel Vicente de Almeida.

Mais tarde, no final do século XIX aparecem os primeiros imigrantes italianos e portugueses na região dando início à povoação de São Martinho e a colonização italiana e portuguesa em todo o Rio Grande do Sul.

Com a denominação de São Martinho, foi elevado a condição de Vila pela Lei n° 1.034, de 9 de maio de 1876, emancipando-se da Vila de Cruz Alta. Como município independente, São Martinho existiu até o ano de 1901 quando foi extinto e seu território dividido entre Santa Maria e a então Vila Rica, hoje Julio de Castilhos

O Município de São Martinho da Serra, denominação atual, só foi criado pela Lei Estadual n.º 9.593 de 20.03.1992, quando desmembrou-se de Santa Maria e ganhou autonomia político-administrativa.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localizado na região central do estado, tem como principal acesso através da saída norte de Santa Maria, são 17 km de estrada de chão até chegar aos dois principais acessos, o perau novo e o perau velho, famoso por fazer parte da história onde foram travadas as lutas das revoluções, possui 3 km.

Economia[editar | editar código-fonte]

É um município essencialmente agrícola, baseado na produção de soja, milho, feijão, arroz, trigo. Várias famílias garantem seu sustento através do artesanato, produção de leite e produtos coloniais. Possui muitas riquezas naturais, como cascatas e rios (Ibicui, Toropi, Iguaçupi). Atualmente o município também incentiva a exploração de pedras preciosas e semi-preciosas e plantação de mamona, para produção de biodiesel.

Cultura[editar | editar código-fonte]

É uma das sedes do Centro de Pesquisas Espaciais (INPE), juntamente com São José dos Campos (SP). É um observatório espacial que está dentro de uma área de 11 hectares. Os estudos tem como base a baixa, alta e média atmosfera, com coleta de dados meteorológicos, magnetosfera, ionosfera, camada de ozônio e clima espacial.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.