Sociedade Alternativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2013).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde Fevereiro de 2008).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

Sociedade Alternativa faz parte de uma filosofia, defendida por Raul Seixas, baseada nos escritos do ocultista britânico Aleister Crowley e sua Lei de Thelema: "Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei."

O escritor ocultista britânico Aleister Crowley influenciou muito Raul Seixas, especialmente em suas composições. Assim como Paulo Coelho, escritor e autor de best sellers, que por sinal era parceiro musical de Raul. Os dois fundaram a Sociedade Alternativa na década de 1970. A Sociedade Alternativa é uma utopia idealizada por Raul Seixas e jamais realizada, que tinha como objetivo seguir os preceitos da ordem O.T.O, seguidora dos ensinamentos de Crowley.

Cquote1.svg Sociedade alternativa, Sociedade novo aeon, É um sapato em cada pé, É direito de ser ateu, Ou de ter fé, Ter prato entupido de comida, Que você mais gosta, É ser carregado, ou carregar gente nas costas, Direito de ter riso de prazer, E até direito de deixar, Jesus Sofrer Cquote2.svg
Novo Aeon (Raul Seixas)

Sociedade Alternativa[editar | editar código-fonte]

A Sociedade Alternativa foi algo muito discutido no Brasil enquanto Raul Seixas estava no auge de sua meteórica carreira. Até os dias de hoje pessoas almejam alcançar essa sociedade. Na realidade, nem Raul Seixas sabia explicar direito o que era essa tal Sociedade Alternativa. Talvez fosse como ele dizia na música Gita: "Eu que já andei pelos quatro cantos do mundo, foi justamente num sonho que ele me falou!"

Tudo começou em 1972, quando Raul Seixas conheceu Paulo Coelho, hoje autor brasileiro best-seller mundial, que na época estava envolvido com Marcelo Motta, líder da O.T.O., que era regida pelos escritos do mago Aleister Crowley. Raul tomou a iniciativa de procurá-lo, ao ler um artigo sobre discos voadores numa revista alternativa que Paulo Coelho dirigia, chamada "A Pomba". Tornaram-se parceiros na busca da Sociedade Alternativa e ensinamentos de Aleister Crowley, sendo que Coelho se tornou, também, parceiro musical de Raul, ajudando a compor clássicos como "Eu Nasci Dez Mil Anos Atrás" e "Gita".

Apesar da concepção ter se dado em 1974, a dupla, e Raul Seixas já esboçava as idéias de tal Sociedade ainda no Krig-ha, Bandolo!, onde os shows eram verdadeiros espetaculos teatrais e divagações místico-filosóficas. Eles procuravam, cada um à sua maneira, um caminho alternativo - caminho próprio e pleno, um caminho que o establishment nunca poderia oferecer. Como base desses pensamentos ganhou força entre ambos a obra de um dos maiores estudiosos do ocultismo do século XX, Aleister Crowley.

Paulo Coelho.

Crowley nasceu na Inglaterra em 1875 e é largamente considerado um dos maiores estudiosos do ocultismo e dos assuntos esotéricos contemporâneos. Foi um menino prodígio: aos 4 anos de idade lia a Bíblia em voz alta. Dedicou sua vida ao estudo das assim denominadas ciências ocultas e deixou vasta obra teórica, onde tenta mostrar como desenvolver e entrar em contato com uma forma especial de energia interior que denominou "Sagrado Anjo Guardião" ou, em inglês, "Holy Guardian Angel". O Objetivo do Mago que busca contato com tal energia é nada menos que usá-la produtivamente para modificar por completo sua vida.

Para desvincular-se de preconceitos religiosos, Crowley se auto-intitulava a Grande Besta 666, fato que gerou imensas controvérsias durante sua vida, sendo ele alvo de constante difamação pelos tablóides ingleses, reconhecidamente exagerados, para não dizer caluniosos. Se tal atitude "anticristã" seria controversa até mesmo no presente, que dizer do início do século, imensamente mais conservador, cheio de tabus e de irracionalidade religiosa. Durante toda a sua vida Aleister lutou para popularizar o esoterismo, revelando, por diversas vezes, segredos de seitas fechadas, afirmando que o conhecimento é livre, e assim deve permanecer - o que não o tornou exatamente popular entre muitos dos seguidores dessas seitas que o consideraram um traidor de juramentos, alguns chegando a advogar as mais severas punições físicas em resposta a seu "crime" e sua "traição".

No vídeo "Raul Seixas também é documento" do diretor Paulo Severo, Raul diz numa entrevista que "...se você não está na Sociedade Alternativa, a Sociedade Alternativa sempre esteve dentro de você. A Sociedade Alternativa foi um... eu pertencia a uma sociedade esotérica na época, em 74, que me deu um terreno em Minas Gerais pra eu construir uma cidade chamada Cidade das Estrelas, onde o advogado era o não-advogado, o policial era o não-policial, os conceitos, valores trocados, né? Uma organização nova... daí o pessoal bateu no meu ombro disse, 'ô, dá um pulinho lá fora, pô guri...' isso era 74, Geisel, né?"

Sonhar nunca custou nada - e sonhar é uma das maiores virtudes do homem. Raulzito não se importou em sonhar. Sonhou sonhos multicores com a Sociedade Alternativa, mesmo que o mundo ao seu redor lhe dissesse que essa linda utopia era inatingível. Kika Seixas, ex-mulher de Raul que mantém ligação direta com a obra do artista, define a Sociedade Alternativa como sendo apenas um sonho, mais um ponto de vista do público do que dele mesmo.

Kika lembra que, certa vez, irritada com os discursos de Raul, lhe disse: "Isso aí é um papo completamente impossível, que Sociedade Alternativa é essa, cara? Como é que você quer criar algo, em que base? O que é isso, que palhaçada é essa? Sociedade Alternativa porra nenhuma, você não é capaz de gerir a sua própria vida, a sua família". Ela lembra ainda que o músico ficou muito magoado e arrasado naquele dia.

O Livro da Lei[editar | editar código-fonte]

A obra de Aleister Crowley que mais se destaca é The Book Of The Law (O Livro da Lei). Esse foi o texto fundador da Sociedade Alternativa, que é a expressão da vontade de ver as idéias de Crowley sendo postas em prática.

O Livro da Lei foi publicado apenas uma vez no Brasil, em 1976 , mas foi misteriosamente retirado de circulação. Hoje só encontramos publicações em inglês e espanhol, em livrarias especializadas em esoterismo. Normalmente os círculos de pessoas interessadas em misticismo têm um certo receio da obra de Crowley. Isso se justifica: essa profunda identificação de Crowley com a Verdadeira Tradição não deixa margem a que as correntes ligadas ao obscurantismo absorvessem e neutralizassem sua força. Como no caso da figura do diabo, Crowley foi identificado ao longo deste século com o Maligno, destruidor, perigoso, etc.., mas a verdade é que ele próprio induziu a que tudo isso acontecesse para que o escândalo divulgasse sua obra.

O contato com as idéias do Livro da Lei, marcariam a carreira de Raul Seixas para sempre. Não importa o trabalho de Raul que peguemos a partir daí, sempre encontraremos uma influência filosófica e mística no pensamento do compositor.

A mais clara e famosas dessas referencias foi a célebre canção "Sociedade Alternativa", onde várias frases do livro são citadas. A mais conhecida: "Faze o que tu queres, há de ser tudo da lei."

No final da música, composta por Raul e Paulo Coelho em 1974, eles avisam: "O número 666 chama-se Aleister Crowley."

Não só essa música, mas todo o álbum "Gita" continha uma série de referencias às idéias e vida de Crowley, como por exemplo a música "Loteria da Babilônia" que fala sobre ser um jogador de xadrez, saber trechos da Bíblia e invenção de baralhos, possivelmente de Tarô. O nome do disco é uma homenagem ao livro sagrado dos indianos, e a música "O Trem das Sete" também está repleta de citações.

Na canção, Raul usa como alegoria um trem que passava em sua cidade durante a infância. Esse trem passará para buscar os iluminados já aptos a entrar na Era de Aquário. A letra diz: "Vê, é o sinal das trombetas dos anjos e dos guardiões, lá vem Deus deslizando no céu entre Brumas de mil megatons, e o mal vem de braços e abraços com o bem num romance astral."

Esse seriam os sinais de que o trem estaria chegando e quem quisesse poderia embarcar, já que: "não precisa passagem nem mesmo bagagem no trem."

Em 1975, Raul anuncia a Nova Era lançando o disco "Novo Aeon", uma outra denominação da mesma Era de Aquário. Em 1976 um dos maiores sucessos de Raul "Há 10 Mil Anos Atrás" também com citações a Nova Era. Observe-se que, pela mística, há dez mil anos atrás nós estávamos na era de Leão-Aquário, que é diametralmente oposta à nova era de Aquário-Leão que agora está sendo buscada.

A música "Love Is Magick" composta por Raul é inspirada nas idéias de Crowley, que chamava seu conhecimento do ocultismo de magick, com "k", para diferenciá-lo de outras disciplinas.

No seu penúltimo álbum, "A Pedra do Gênesis", de 1988, Raul reafirma-se crowleyano na canção "Lei", que, apesar de constar nos créditos como sua, é, da primeira à última linha, uma transcrição fiel de uma das páginas mais conhecidas de Crowley.

Liber OZ[editar | editar código-fonte]

Este texto é a introdução clássica ao famoso O Livro da Lei de Aleister Crowley. Foi escrito em 1904.

No item 5 o verbo diz "Quereriam", ou seja: Poderiam Querer. Na verdade , ninguém pode ou consegue contrariar o direito de quem exerce sua verdadeira vontade. Tudo se refere a um processo de crescimento interior. No entanto , o próprio Raul Seixas recitava o texto de forma incorreta, gravando-o inclusive na música A Lei (do LP A Pedra do Gênesis), dizendo: Todo homem tem o direito de matar todos aqueles que contrariarem esses direitos. O que dá margem à perigosas interpretações para quem desconhece estes detalhes.

A Cidade das Estrelas[editar | editar código-fonte]

O lastro teórico da Sociedade Alternativa era, basicamente, os textos de Crowley e as letras de Raul Seixas e Paulo Coelho. Existe uma ausência de material documental que explique como fazer para chegar a ser um cidadão dessa Sociedade Alternativa, por isso, diversas interpretações foram sendo feitas. Falta material coerente para definir o que seria a Sociedade Alternativa, mesmo assim, muitos raul-seixistas continuam sonhando com a chamada Cidade das Estrelas.

Na realidade, a intenção de Raul não era fundar uma comunidade, tinha que ser algo anárquico, mais espiritual do que material. Dessa forma estaríamos de acordo com Crowley, que defendia uma revolução interna do ser humano, que não tinha nada ver com construção de cidades concretas. A Sociedade Alternativa seria apenas a reunião de todos aqueles que estivessem preparados para entrar na Era de Aquário, ou seja, embarcar no Trem das Sete.

Exílio nos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Roberto Menescal, músico e amigo de Raul conta uma história que ilustra a ingenuidade da dupla que pretendia trazer boas novas ao mundo com a sua Sociedade Alternativa. Em 1974, Raul e Paulo Coelho receberam um convite do porta-voz do general Ernesto Geisel, que dizia querer maiores informações sobre a Sociedade Alternativa. Segundo Menescal, ficaram na maior alegria quando receberam o comunicado, porque realmente acreditavam que o governo militar queria discutir com eles suas idéias. Fizeram então diversos contatos com assessores do governo militar, o resultado dessa confiança traduziu-se em buscas ilegais em seus apartamentos, prisão e posterior exílio nos Estados Unidos. Os jornais da época falavam que Raul tinha ido para os Estados Unidos bater um papo com John Lennon. A história do exílio só estourou nos anos 80, quando se podia falar um pouco do que aconteceu na época.

Segundo Raul, ele foi torturado para poder dizer os nomes das pessoas que faziam parte da Sociedade Alternativa, que segundo Geisel, era um movimento revolucionário contra o governo. Então Raulzito resolveu mentir, dizendo que tinha pacto com o demônio ao invés de dizer que tinha parte com a revolução.

Em uma entrevista, Raul disse o seguinte: "Literalmente é choque no saco. Fui torturado mesmo no governo Geisel. Me pegaram no Aterro do Flamengo, me botaram uma carapuça e fiquei três dias num lugar desconhecido. Aí vieram três pessoas: um bonzinho, outro mais inteligente - que fazia as perguntas – e um mais ‘agreste’, mais violento. Depois me colocaram num aeroporto e fui direto para o Greenwich Village (bairro nova-iorquino)"

O Imprimatur[editar | editar código-fonte]

Apesar da falta de teoria, a Sociedade Alternativa tinha seu selo, uma espécie de logotipo. O Imprimatur, que em latim significa imprima-se. Na Igreja Católica Apostólica Romana, essa expressão significa a liberação para publicação, após a aprovação de uma autoridade eclesiástica, de um livro sobre assunto teológico ou moral previamente censurado.

Este selo pode ser identificado nas capas dos discos "Krig-ha, Bandolo!", "Gita", "Novo Aeon" e "Há Dez Mil Anos Atrás". A expressão Sociedade Alternativa – Imprimatur está escrita com letras góticas, à moda da cultura medieval. No centro do logo, vemos a representação de uma cruz que é uma variação da chamada cruz Ansata, um hieróglifo egípcio que significa vida e busca de conhecimento e evolução. Na parte inferior da cruz, vemos dois pequenos degraus que transformam a cruz numa chave, que nos abrirá para o mundo.

Cruz Ansata[editar | editar código-fonte]

A cruz Ansata (ou Ankh) pode ser facilmente encontrada em toda a literatura que mostra a pictografia egípcia. Para os egípcios, era a Cruz da Vida. Representava ainda o Laço da Sandália do peregrino, do buscador, daquele que quer evoluir, aprender, crescer e desfrutar dos prazeres da intensa auto-afirmação de seu próprio eu. Em muitas pinturas egípcias, o deus (o sol) está com seus braços colocando esta cruz no nariz das pessoas. Corresponde ao Sopro da Vida. É um símbolo da unidade entre o bem e o mal no Cosmos. No selo da Sociedade Alternativa, a cruz Ansata aparece com dois degrauzinhos em baixo, simbolizando tanto os degraus da iniciação, quanto dando forma de uma chave: a chave que abriria a porta para a alegria de viver, para a construção de um mundo melhor.

Uma Vida sem Regras[editar | editar código-fonte]

Raul Seixas não se preocupou em elaborar informações concretas sobre a Sociedade Alternativa, isso só iria criar ainda mais regras, o que seria um contra-senso. O "Maluco Beleza" defendia a liberdade acima de tudo, onde cada um poderia fazer o que quiser. Uma sociedade contendo regras, seu próprio dinheiro, documentos não tem nada de alternativa e Raul Seixas não defendia a criação de uma sociedade nesses meios, e sim uma revolução interna do ser humano. Uma sociedade livre, porque quanto maior o número de regras, menor a chance de alguém se tornar uma metamorfose ambulante.

Segundo Raul, valia a pena continuar sonhando com a Nova Era, já que estamos vivendo num mundo caótico e as coisas sempre acabam mudando.

Em uma entrevista em 1986, o grão-vizir do rock brasileiro declara: "A Sociedade Alternativa continua vigorando o tempo todo não importa de que maneira. São alternativas concretas mesmo, que têm de solidificar. Mas não mais com palavras, nem com porta-estandarte... até fui preso por causa disso."

Numa outra entrevista, desta vez em março de 1987, Raul fala o seguinte sobre a Sociedade Alternativa:

"Ela sempre existiu, desde o tempo do Egito antigo. Inclusive o filósofo e estudioso Mister Crowley que é o papa maior dessa entidade, se baseou nos papiros egípcios (não aquele em que eu fumei maconha. Esses, cá entre nós, deviam ser muito mais gostosos), uma coisa de Osiris, Iris e Horus – pai, mãe e filho. Ele descobriu um segredo terrível por lá."

"Eu não sei que segredo era esse, porque eu era neófito. Só na quarta iniciação eles contavam o segredo (risos). Por isso eu disse que nunca começou, nem nunca terminou a Sociedade Alternativa. Vi que meu ponto de vista não estava muito longe da AA(Astrum Argentum). E sempre será. Não adianta mentir, mistificar."

Manifesto[editar | editar código-fonte]

O texto que segue abaixo está no manifesto/gibi A Fundação Krig-Ha, distribuído no primeiro show de Raul em SP em 1973. Escrito por Raul e Paulo Coelho, entre outras pessoas, esse manifesto lança a ideia da Sociedade Alternativa. No ano seguinte, todas as cópias desse manifesto seriam recolhidos pela Polícia Federal e queimados como "material subversivo". Raul foi preso e torturado pelo DOPS e é "convidado" a se retirar do país, retornando ao Brasil pouco mais tarde devido ao sucesso de seu disco Gita. No pioneiro festival de rock Hollywood Rock realizado no verão de 1975 no Rio de Janeiro, Raul leu novamente um manifesto sobre a Sociedade Alternativa, ato que pode ser visto no documentário Ritmo Alucinante lançado no mesmo ano e que registrou o evento.

Prefácio[editar | editar código-fonte]

Nós vos saudamos, Maria. Nós vos saudamos, José. E nós saudamos os artistas brasileiros que tiveram o silêncio do resto do mundo quando seus trabalhos e seus corpos foram censurados, mutilados, desaparecidos.

Manifesto[editar | editar código-fonte]

  • O espaço é livre. Todos têm direito de ocupar seu espaço.
  • O tempo é livre. Todos têm que viver em seu tempo, e fazer jus às promessas, esperanças e armadilhas.
  • A colheita é livre. Todos têm direito de colher e se alimentar do trigo da criação.
  • A semente é livre. Todos têm o direito de semear suas idéias sem qualquer coerção da INTELEGÊNZIA ou da BURRÍCIA.
  • Não existe mais a classe dos artistas. Todos nós somos capazes de plantar e de colher. Todos nós vamos mostrar ao mundo e ao Mundo a nossa capacidade de criação.
  • "Todos nós" somos escritores, donas-de-casa, patrões e empregados, clandestinos e careta, sábios e loucos.
  • E o grande milagre não será mais ser capaz de andar nas nuvens ou caminhar sobre as águas. O grande milagre será o fato de que todo dia, de manhã até a noite, seremos capazes de caminhar sobre a Terra.

Saudação final do 11° manifesto.

Sucesso a quem ler e guardar este manifesto. Porque nós somos capazes. Todos nós, todos nós somos capazes.

Escrito por: Raul Seixas, Paulo Coelho, Sylvio Passos, Christina Oiticica, Toninho Buda, Ed Cavalcanti.

A Humanidade[editar | editar código-fonte]

Quando indagado sobre a evolução da humanidade, Raul Seixas responde:

Cquote1.svg Essa é uma pergunta que exige muita reflexão. Tem um livro meu de metafísica em que questiono a tese aristotélica das cinco perguntas básicas: porque, quem, onde, como, qual... Não existem perguntas porque não existem respostas. Não existem respostas porque não existem perguntas. Eu não pergunto absolutamente mais nada. As coisas são, e pronto. Nós seres humanos, somos verbos. Somos e estamos, é única coisa que a gente sabe. Conjecturar, quem há de? E é bonito assumir essa coisa de somente ser... Está todo mundo perguntando até hoje e ninguém tem resposta. Mas ser por ser é bom, torna a vida mais leve e menos violenta. Se todo mundo pensasse assim, as coisas certamente seriam mais fáceis.... Cquote2.svg

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Revista Caros Amigos – Especial: O Fenômeno Raul Seixas – Agosto/1999
  • Raul Seixas e o Sonho da Sociedade Alternativa, de Luciane Alves – Editora Martin Claret/SP
  • Revista Bizz – 1986 / 1987
  • O Mago - Fernando Morais (Editora Planeta, 2008)
  • Novo Aeon: Raul Seixas no torvelinho de seu tempo, de Vitor Cei Santos – Editora Multifoco/RJ, 2010.