Sérgio Sampaio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sérgio Sampaio
Ilustração do cantor
Informação geral
Nome completo Sérgio Moraes Sampaio
Também conhecido(a) como "Maldito" da MPB
Nascimento 13 de abril de 1947
Origem Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo
País  Brasil
Data de morte 15 de maio de 1994 (47 anos)
Gênero(s) MPB
Rock
Período em atividade cantor e compositor
Outras ocupações radialista
Gravadora(s) CBS, Sony Music, Philips, Universal Music, Warner Music
Afiliação(ões) Noel Rosa, Kafka, Augusto dos Anjos, Raul Seixas e outros.
Página oficial www.sergiosampaio.com

Sérgio Moraes Sampaio (Cachoeiro de Itapemirim, 13 de abril de 1947Rio de Janeiro, 15 de maio de 1994) foi um cantor e compositor brasileiro. Suas composições variam por vários estilos musicais, indo do samba e choro, ao rock'n roll, blues e balada.[1] Sobre a poética de suas composições, em que se vê elementos de Kafka e Augusto dos Anjos, que lia e apreciava,[2] declarou num estudo Jorge Luiz do Nascimento: "A paisagem urbana em geral, e a carioca em particular, na poética de Sérgio Sampaio, possui a fúria modernista. Porém, o espelho futurista já é um retrovisor, e o que o presente reflete é a impossibilidade de assimilação de todos os índices e ícones da paisagem urbana contemporânea."[3]

No dizer do cantor Lenine, Sampaio foi um nome marginalizado que equipara a Tim Maia e Raul Seixas, como um dos "malditos" da música popular brasileira.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Raul Gonçalves Sampaio, dono de uma tamancaria e maestro de banda, e de Maria de Lourdes Moraes, professora primária, era primo do compositor Raul Sampaio Cocco, autor de sucessos na voz do conterrâneo Roberto Carlos. Ali assistiu o pai compor a canção "Cala a boca, Zebedeu", quando tinha 16 anos e que veio a gravar mais tarde.[4] Tocando violão, era um artista nato que buscava mostrar seus trabalhos - "Ele estava sempre sedento para mostrar suas músicas, precisava de uma orelha e nunca fez doce para tocar", como registrou seu primo João Moraes.[1]

Aficcionado pelos programas de rádio, onde acompanhava os cantores da época como Orlando Silva, Sílvio Caldas ou Nelson Gonçalves, que o inspiravam, veio a tornar-se imitador de radialistas como Luiz Jatobá e Saint-Clair Lopes, conseguindo trabalho numa emissora da cidade natal, a XYL-9. Em 1964 tentou trabalhar no Rio de Janeiro na Rádio Relógio, retornando após quatro meses.[4]

Em fins de 1967 muda-se definitivamente para o Rio, inicialmente para tentar a carreira como radialista[4] , embora não tenha conseguido firmar-se em nenhum trabalho por frequentar a vida boêmia carioca, atraído pela música e a bebida; mora em pensões baratas e até na rua, chegando a mendigar comida.[2] [5]

Sergio tinha passado a cantar à noite, em bares, até que em fevereiro de 1970 demite-se da Rádio Continental para dedicar-se integralmente à música. Candidata-se no Festival Fluminense da Canção, etapa do Festival Internacional da Canção (III FIC) daquele ano, ficando entre os vinte finalistas com a música "Hei, você".[5]

No Rio de Janeiro conhece o baiano Raul Seixas, então produtor musical da gravadora CBS (atual Sony Music), dando início a uma longa amizade e parceria.[2] Raul é considerado o "descobridor" do artista.[2] Após ter feito um teste junto ao parceiro de Paulo Diniz, Odibar, acabou contratado no lugar deste, no ano seguinte, participando de diversas gravações, como parte do coro de Renato e seus Blue Caps.[5]

Assina, com o pseudônimo de Sérgio Augusto, a letra da canção "Sol 40 graus", gravada pelo Trio Ternura e que foi sucesso em 1971. O Trio gravou outras de suas composições, como "Vê se dá um jeito nisso" - uma parceria com Raulzito, com quem partilhou também "Amei você um pouco demais", gravada por José Roberto. Raul produz seu primeiro compacto em que Sergio experimenta algum sucesso com "Coco Verde", logo regravada por Dóris Monteiro.[5]

Volta a Cachoeiro em julho, onde participa do "II Festival de MPB", vencendo em primeiro lugar e ocupando também a quarta colocação. Dá início com Raul Seixas à produção de um projeto de ópera-rock, que tem as letras mutiladas pela censura do Regime Militar. Apesar disto as canções integram o primeiro disco de Raul Seixas: Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10, em que participam Míriam Batucada e Edy Star.[5]

Tenta mais uma vez vencer a quarta edição do FIC, no Maracanãzinho, com a música "No Ano 83", sendo eliminado na etapa inicial.[5]

Começa a gravar, finalmente, em 1972, ano em que sua canção "Eu quero é botar meu bloco na rua" participa do IV FIC e integra um compacto do Festival, que graças a ela vende 500 mil cópias, tornando-se sucesso no carnaval de 1973, e rendendo a Sergio o Troféu Imprensa como revelação de '72, na Rede Globo, emissora em que trabalhava o apresentador Silvio Santos.[5]

Em 1973 lança seu primeiro LP pela Philips, produzido por Raul e com o nome da canção de sucesso, com vários músicos de renome; o disco fracassa nas vendas, apesar da sua aparição em programas de televisão e da boa execução de canções como "Cala a boca, Zebedeu", de seu pai, nas rádios.[5]

Casou-se em 1974 com a também capixaba Maria Verônica Martins, afastando-se da carreira por algum tempo; o casamento durou até o final da década.[4] Tinha lançado, neste ano, com produção de Roberto Menescal, um compacto em que contraditoriamente reverencia e critica o conterrâneo Roberto Carlos.[5]

Em 1975 lança, agora pela gravadora Continental, outro compacto. No ano seguinte grava seu segundo LP, chamado "Tem que acontecer", e que conta com participações de artistas como Altamiro Carrilho e Abel Ferreira. Em 1977 mais um compacto pela Continental - "Ninguém vive por mim", último por essa gravadora. Realiza shows e tem composições gravadas por artistas como Zizi Possi, Marcos Moran e Erasmo Carlos, ficando cinco anos longe dos estúdios.[5]

Novamente se casa em 1981, com a arquiteta Ângela Breitschaft, com quem teve o filho João, afilhado de Xangai, separando-se em 1986.[4] A família da esposa patrocinara, em 1982, a gravação do compacto "Sinceramente", sem gravadora.[5]

Completamente afastado da mídia, após a separação volta para a casa paterna e em seguida para o Rio. A carreira só experimenta um recomeço quando se muda, no começo da década de 1990 para a Bahia, quando velhos sucessos são novamente lançados por Elba Ramalho, Luiz Melodia, Roupa Nova e outros. Em 1994 acerta com a gravadora Baratos Afins o lançamento de um disco com músicas inéditas, mas por consequência da vida desregrada, falece de pancreatite antes de concretizar o projeto.[5]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Ainda em 1975 tem um curta-metragem sobre sua vida exibido no Rio de Janeiro. Diversas homenagens ocorreram ao longo do tempo, em memória do artista, dos quais se destacam:[5]

  • Show "Balaio do Sampaio" - 1996, Rio de Janeiro, com cantores como Alceu Valença, Jards Macalé e outros, e poetas e músicos como Chico Caruso, Euclides Amaral, etc.
  • CD "Balaio do Sampaio" - 1996.
  • "Eu quero é botar meu bloco na rua" - 2000, biografia autorizada, por Rodrigo Moreira, Editora Muiraquitã
  • CD póstumo "Cruel" - 2005, lançado por Zeca Baleiro
  • "Velho bandido - O bloco de Sérgio Sampaio" - 2009, peça musical apresentada no Teatro de Arena.
  • CD "Hoje Não!" - 2009, 12 canções do Sérgio Sampaio (sendo uma delas inédita) interpretadas por Juliano Gauche & Duo Zebedeu.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua (LP, Philips, 1973)

(reeditado como CD em 2001 pela Mercury/Universal Music, sob número 73145429932)

  1. Leros e Leros e Boleros
  2. Filme de Terror
  3. Cala a Boca, Zebedeu (Raul Sampaio)
  4. Pobre Meu Pai
  5. Labirintos Negros
  6. Eu Sou Aquele que Disse
  7. Viajei de Trem com participação de Raul Seixas
  8. Não Tenha Medo, não
  9. Dona Maria de Lourdes
  10. Odete
  11. Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua
  12. Raulzito Seixas
Tem que Acontecer (LP, Continental, 1976, reeditado em CD pela Warner Music em 2002)
  1. Até Outro Dia
  2. Que Loucura
  3. Cada Lugar na Sua Coisa
  4. Cabras Pastando
  5. Velho Bode (Sérgio Sampaio/Sérgio Natureza)
  6. O que Pintá, Pintô
  7. A Luz e a Semente
  8. Quanto Mais
  9. Tem que Acontecer
  10. O Filho do Ovo
  11. Velho Bandido
  12. O Teto da Minha Casa
  13. Ninguém Vive por Mim
  14. Quatro Paredes
Sinceramente (LP, 1982)
  1. Homem de Trinta
  2. Na Captura
  3. Tolo Fui Eu
  4. Só para o Seu Coração
  5. Essa Tal de Mentira
  6. Meu Filho, Minha Filha
  7. Cabra cega (S. Sampaio/S. Natureza)
  8. Sinceramente
  9. Nem assim
  10. Doce Melodia
  11. Faixa Seis
Cruel (CD, 2006)
  1. Em Nome de Deus
  2. Roda Morta (Reflexões de um Executivo) (S. Sampaio/S. Natureza)
  3. Polícia Bandido Cachorro Dentista
  4. Brasília
  5. Magia Pura
  6. Rosa Púrpura de Cubatão
  7. Muito além do Jardim
  8. Real Beleza
  9. Pavio do Destino
  10. Quero Encontrar um Amor
  11. Quem É do Amor
  12. Cruel
  13. Uma Quase Mulher
  14. Maiúsculo

Antologias e participações[editar | editar código-fonte]

Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10 (LP, CBS, 1971)

(reeditado em CD pela Sony Music em 2010) (com Raul Seixas, Miriam Batucada e Edy Star)

  • Êta Vida (com Raul Seixas)
  • Eu Vou Botar pra Ferver (com Raul Seixas)
  • Eu Acho Graça
  • Chorinho Inconsequente (com Erivaldo Santos)
  • Quero Ir (com Raul Seixas)
  • Todo Mundo Está Feliz
  • Eu não Quero Dizer Nada
Carnaval Chegou (LP, 1972)

(Philips, 6349.058)

  • Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua (primeira gravação)
Phono 73 (LP, 1973)

(Philips)

  • Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua (ao vivo)
Convocação geral nº 2 (LP, 1975)

(Som Livre)

  • Cantor de Rádio
Balaio do Sampaio (CD, 1998)

(MZA/Polygram)

  1. Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua - Sérgio Sampaio
  2. Em Nome de Deus - Chico César
  3. Feminino Coração de Deus - Erasmo Carlos
  4. Rosa Púrpura de Cubatão - João Bosco
  5. Tem que Acontecer - Zeca Baleiro
  6. Meu Pobre Blues - Zizi Possi
  7. Pavio do Destino - Lenine
  8. Até Outro Dia - João Nogueira
  9. Velho Bode - Eduardo Dusek
  10. Que Loucura - Renato Piau
  11. Velho Bandido - Jards Macalé
  12. Cala a Boca, Zebedeu - Luiz Melodia
  13. Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua - Elba Ramalho
Sergio Sampaio (CD, 2002)

(Série Warner 25 Anos)

  1. Até Outro Dia
  2. Que Loucura
  3. Cada Lugar na Sua Coisa
  4. Cabras Pastando
  5. Velho Bode
  6. O Que Pintá, Pintô
  7. A Luz e a Semente
  8. Quanto Mais
  9. Tem que Acontecer
  10. O Filho do Ovo
  11. Velho Bandido
  12. O Teto da Minha Casa
  13. Ninguém Vive por Mim
  14. Quatro Paredes

Compactos simples[editar | editar código-fonte]

  • Coco verde/Ana Juan (1971) CBS
  • Classificados nº 1/Não adianta com participação de Raul Seixas (1972) 33745
  • Eu quero é botar meu bloco na rua (1972) Phillips/Phonogram
  • Meu pobre blues/Foi ela (1974) 6069 090
  • Velho bandido/O teto da minha casa (1975) 1-01-101-155
  • Ninguém vive por mim/História de boêmio (Um abraço em Nélson Gonçalves) (1977) 101-101-264

Videografia[editar | editar código-fonte]

  • Cachoeiro em Três Tons
  • Um Sampaio Teimoso

Referências

  1. a b Tatiana Wuo (30/12/2009). Obra de Sérgio Sampaio é gravada por músicos locais no CD 'Hoje Não!' Prazer & Cia - Agência Globo.. Página visitada em 21 de março de 2010.
  2. a b c d e Bruno Ribeiro. Sergio Sampaio Samba & Choro.com.. Página visitada em 21 de março de 2010.
  3. Jotabê Medeiros (12/3/2009). Discípulos revivem Sérgio Sampaio O Estado de São Paulo.. Página visitada em 21 de março de 2010.
  4. a b c d e Verbete Sérgio Sampaio, seção biografia Dicionário Cravo Albin.. Página visitada em 21 de março de 2010.
  5. a b c d e f g h i j k l m Verbete Sérgio Sampaio, seção dados artísticos Dicionário Cravo Albin.. Página visitada em 21 de março de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]