Tapiti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTapiti
Representação de tapitis por John James Audubon

Representação de tapitis por John James Audubon
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Mammalia
Ordem: Lagomorpha
Família: Leporidae
Género: Sylvilagus
Espécie: S. brasiliensis
Nome binomial
Sylvilagus brasiliensis
(Linnaeus, 1758)

O tapiti (Sylvilagus brasiliensis (L.)), também conhecido como candimba, coelho-do-mato, lebre1 e coelho-brasileiro, é um mamífero lagomorfo, noturno, da família Leporidae, encontrado do México à Argentina.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Tapiti" vem do tupi tapii'ti1 . "Candimba" vem do quimbundo kandemba2 . "Coelho" tem origem pré-romana, através do termo latino cuniculu3 . "Lebre" vem do termo latino lepore4 .

Descrição[editar | editar código-fonte]

Tal espécie mede entre 21 e 40 cm de comprimento, pesando até 1,25 quilograma. É bem menor que a lebre-europeia (Lepus europaeus), com orelhas pequenas, estreitas e cauda muito reduzida. Tem coloração pardo-amarelado, mais escura no dorso e ventralmente mais clara.

Frequenta as bordas de florestas densas, podendo ainda ser encontrados em banhados e margens de rios. É um animal de hábitos noturnos e, durante o dia, esconde-se em buracos ou tocas que ele mesmo cava, tendo uma área de ação reduzida. Segundo o Dicionário Aurélio, no entanto, o tapiti não escava buracos, vivendo escondido em meio à vegetação1 . Alimenta-se de cascas, brotos e talos de muitos vegetais. O período de gestação é de aproximadamente 30 dias, podendo ocorrer duas ninhadas anuais, com dois a sete filhotes que nascem com os olhos bem fechados, sem pelos e dependentes.

Apesar de tratar-se de uma espécie de ocorrência frequente há pouco anos, atualmente tornou-se escassa e somente observada em áreas protegidas, onde ainda existem florestas. Faltam estudos sobre os impactos da competição entre a lebre-europeia e o tapiti por espaço, alimento, abrigo e área de reprodução. A primeira, no entanto, é uma espécie naturalmente adaptada a áreas abertas, seus filhotes são nidífugos e tem área de ação maior que os tapitis. Em muitos aspectos, estas diferenças podem assumir significados vantajosos para a espécie exótica, que tem grande capacidade de adaptação e ambiente propício com o desaparecimento das florestas para dar lugar a campos de cultura.

Referências

  1. a b c FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 649
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.333
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.425
  4. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 016
Ícone de esboço Este artigo sobre lagomorfos, integrado no Projeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.