Vaccinium myrtillus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Vaccinium myrtillus é um arbusto que pertence à família Ericaceae (família da azálea).[1] [2] As plantas são arbustos de pequeno porte nativos da Eurásia e que também crescem em sub-bosques das florestas temperadas na Europa. Existe também o mirtilo americano, uma espécie nativa da América do Norte Vaccinium corymbosum É uma planta arbustiva, o fruto é uma baga que quando maduro adquire a coloração azul arroxeada, de tamanho pequeno, de sabor doce-ácido. Esta planta adapta-se bem ao clima temperado.

Cultivo[editar | editar código-fonte]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

A Embrapa introduziu o mirtilo no sul do Brasil em 1983, trata-se de algumas variedades cultivadas na Europa em regiões nas quais o inverno é bastante rigoroso, daí a dificuldade em cultivá-las no país, apenas conseguido de forma satisfatória no sul do Brasil, nas serras de nordeste do estado do Rio Grande do Sul e em cidades planálticas, visto que o planalto catarinense ou meridional se encontra na zona subtropical e a uma altitude média de 1000m. Cidades catarinenses como São Joaquim, Bom Jardim da Serra, Urupema e Itá (Fazenda NiceBerry)[3] , já estão introduzindo o fruto com sucesso, pois as temperaturas anuais deste logradouros encontram-se entre as mais baixas de todo o Brasil, com média de 11 °C a 13 °C anuais. No estado do Rio Grande do Sul, estas estão sendo inseridas, nas cidades mais altas das serras de Nordeste do estado, e em cidades com altitudes entre 900 a 1200m, tais como: São José dos Ausentes, Bom Jesus, Vacaria, Cambará do Sul, Jaquirana e São Francisco de Paula, visto, que apesar de serem altas e frias o ano inteiro, também possuem solo muito fértil e uma boa distribuição de chuva durante o ano todo.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal cresce espontâneamente no Norte do país (Minho e Trás-os-montes) e na Serra da Estrela. O concelho de Sever do Vouga introduziu, por acção de um estudo de uma fundação holandesa, a variante americana desta planta em 1986/7, quando não existia em Portugal nenhuma plantação desta espécie, apenas se realizando a colheita em plantas silvestres na região do Gerês e de Montalegre, onde recebe o nome de Arando ou Arandano. Em 2014, a cultura do mirtilo encontra-se bastante difundida em todo o território nacional, tendo forte potencial de vir se tornar uma grande parcela para a economia agrícola do país.

Uso medicinal[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Mirtilos

Atua em casos de diarréias graves. Embora a medida principal para o tratamento de diarreia seja a hidratação imediata. Indicado para ação local no alívio de inflamações na boca e catarros. Já foi muito utilizado contra febres. É atribuída à mirtilina a ação antibacteriana, sendo atualmente aceita como tratamento para infecção urinária baixa de repetição, principalmente em forma de suco.

Mirtilo é uma planta que trabalha bem na restauração da pequena circulação e por isto é usada em retinopatia diabética, falta de perfusão renal e pé diabético.

Pesquisas recentes mostram que o mirtilo também é eficaz no combate aos radicais livres e ao colesterol ruim no organismos.

A folha também tem sido utilizada na medicina tradicional para tratar diferentes doenças como o diabetes. O instituto americano, National Institutes of Health, o reconhece como "possivelmete efetivo para problemas na retina de pessoas com diabetes ou pressão sanguínea alta"[4] .

Uso culinário[editar | editar código-fonte]

Na culinária pode ser utilizada em müsli, geleias, doces, vinhos, bolos, panquecas e etc. Seu suco era empregado para tingir finos vinhos tintos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências