Carnaval de Recife e Olinda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carnaval de Recife e Olinda
Vista aérea da Ilha de Antônio Vaz com o Galo da Madrugada sobre a Ponte Duarte Coelho no carnaval de 2014.
Local(is) Cidades do Recife e de Olinda,
 Pernambuco,  Brasil
Gênero(s) Frevo, Maracatu, Manguebeat, Caboclinhos, Cavalo-Marinho, Ciranda, Coco de roda

O Carnaval de Recife e Olinda diz respeito à festa de momo realizada nas cidades do Recife e de Olinda, no estado brasileiro de Pernambuco. Os principais polos carnavalescos são o Centro Histórico do Recife e o Centro Histórico de Olinda, e os ritmos musicais predominantes são o frevo e o maracatu.

Considerado o carnaval mais diverso culturalmente no país, o Carnaval de Recife e Olinda tem como característica principal a democratização da brincadeira. Os foliões participam intensamente das manifestações, sem a necessidade de uma distinção por mortalhas ou abadás.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros sinais dos festejos carnavalescos em Pernambuco sugiram ainda no século XVII, quando trabalhadores das Companhias de Carregadores de Açúcar e das Companhias de Carregadores de Mercadorias se reuniam para a Festa de Reis, formando cortejos carregando caixões de madeira e improvisando cantigas em ritmo de marcha. Mas foi dois séculos mais tarde que a festa se popularizou e tomou o formato conhecido atualmente.[2]

Marcada pela tradição, a folia de momo pernambucana preserva manifestações culturais datadas do período colonial como o Maracatu Nação, e do século XIX como o Frevo, o Maracatu Rural e os Caboclinhos.[2]

Carnaval do Recife[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Carnaval do Recife

No Recife o carnaval tem sua abertura com a saída do maior bloco carnavalesco do mundo, o Galo da Madrugada, no sábado pela manhã.[1] No bairro do Recife Antigo, começa a tarde com feirinhas de artesanato e apresentações de grupos percussivos, entre outras atrações. Seguindo, logo mais à noite, uma agenda de shows que são realizados em palcos espalhados por todos os bairros do Recife e região metropolitana, onde acontece simultaneamente a realização do RECBEAT, o carnaval da juventude alternativa recifense. Na noite da segunda-feira, no Pátio do Terço, é realizada uma das manifestações mais emocionantes da cultura negra no nordeste, a Noite dos Tambores Silenciosos, pontualmente a meia-noite.

Foliões nas ruas do Recife Antigo.
Bloco Galo da Madrugada no Recife.
Praça da Independência durante o carnaval recifense.

Carnaval de Olinda[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Carnaval de Olinda

O Carnaval de Olinda ostenta dezenas de bonecos gigantes, sendo o mais conhecido deles O Homem da Meia-Noite, que está nas ruas desde 1932 e é responsável por dar início, oficialmente, às zero hora do sábado de Zé Pereira, ao carnaval olindense. Além dos tradicionais blocos e troças que percorrem suas ladeiras, embalados pelo ritmo do frevo. São exemplos destes a Pitombeira dos Quatro Cantos, fundada em 1947, quando um grupo de rapazes desfilou pelas ruas da Cidade Alta cantando e empunhando galhos de pitombeira; e o "Elefante de Olinda", fundado em 1952 por um grupo de rapazes da Cidade Alta, que durante o Carnaval saíram pelas ruas com um elefante de porcelana cantando uma música improvisada em homenagem ao animal. A grande concentração destes blocos e troças se dá na frente da Prefeitura Municipal, onde pode-se encontrar o maior número de foliões por metro quadrado.

Foliões nas ruas do Centro Histórico de Olinda.
Decoração carnavalesca da Prefeitura de Olinda.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «O Galo da Madrugada». Fundação Joaquim Nabuco. Consultado em 15 de setembro de 2014 
  2. a b «Caindo na folia muito antes do frevo». Diario de Pernambuco. Consultado em 28 de fevereiro de 2017 
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Carnaval de Recife e Olinda