Cestoda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCestoda
Taenia saginata

Taenia saginata
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Platyhelminthes
Classe: Cestoda
van Beneden, 1849
Subdivisões
ver texto
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Cestoda

Cestoda é uma classe do filo Platyhelminthes que se caracterizam pela ausência do sistema digestório. Os alimentos são absorvidos pela pele que têm revestimento semelhante aos dos trematódeos. Todos os representantes desta classe são parasitas internos.

Os adultos habitam o intestino de vertebrados, enquanto as larvas instalam-se em outros hospedeiros. Possuem o corpo dividido em três regiões: escólex, colo e proglotes.

Taenia solium[editar | editar código-fonte]

A teníase é uma parasitose intestinal, decorrente da ingestão de cisticercos; o verme adulto, no intestino humano, provoca aumento da motilidade intestinal e inflamação crônica eosinofílica. Os sintomas são: dor abdominal, sensação de fome, astenia, náuseas, diarreia e perda de peso mesmo na vigência de bom apetite. O diagnóstico é feito pela visualização de ovos ou proglotes nas fezes. [1]

O indivíduo adulto possui ventosas e ganchos no escólex, onde há a eliminação de proglotes.

Esses proglotes vindos de um homem contaminado, possui milhares de ovos. O hospedeiro intermediário (porco ou homem) ingere os ovos e desenvolve o cisticerco nos seus tecidos, principalmente no tecido muscular. Depois, o homem pode ingerir carne contaminada e mal cozida, levando ao desenvolvimento da tênia adulta no intestino. O período pré-patente é de sessenta a setenta dias. .

A cisticercose se constitui no desenvolvimento de cisticercos no tecido humano, decorrentes da ingestão acidental de ovos da Taenia. Ocorre em locais diversos do organismo, principalmente no cérebro (neurocisticercose), olhos, músculos e fígado. Manifesta-se por convulsões, perda da acuidade visual, psicoses, fadiga, cãibras. O diagnóstico é feito por métodos de imagem e sorologia. 

A prevenção inclui saneamento básico e cozimento adequado da carne. O congelamento e o resfriamento da carne reduzem a viabilidade dos cisticercos para alguns dias.

Taenia saginata[editar | editar código-fonte]

A teníase e uma infecção intestinal que leva à inflamação crônica eosinofílica da mucosa intestinal; manifesta-se por dor abdominal, sensação de fome, astenia, perda de peso mesmo na vigência de bom apetite, náuseas, diarreia. O adulto não possui ganchos no escólex, apenas ventosas.

Seu ciclo constitui-se:

Na eliminação de proglotes nas fezes da pessoa contaminada, cada uma possuindo vinte a setenta mil ovos. O hospedeiro intermediário (boi) ingere os ovos e desenvolve o cisticerco nos músculos. Depois, o homem pode ingerir carne contaminada e mal cozida, levando ao desenvolvimento da tênia adulta no intestino. O período pré-patente é de sessenta a setenta dias.

A prevenção inclui saneamento básico e cozimento adequado da carne. O congelamento e o resfriamento da carne permitem a viabilidade dos cisticercos por alguns dias. O homem é o grande agente de contaminação do ambiente e por isso deve ser tratado adequadamente com medicação tenicida.

O ciclo de vida de Taenia saginata começa, quando os ovos são passados ​​nas fezes de um ser humano infectado em uma proglotide ou um segmento de tênia. Eles podem sobreviver alguns meses fora no ambiente. Se uma vaca (o hospedeiro intermediário) se alimenta de vegetação contaminada, ingere ovos maduros ou proglótides gravidas.

No intestino delgado larvas chamadas oncosferas eclodem, penetram na parede intestinal, entram na corrente sanguínea e migram para o tecido muscular, onde se diferenciam em cisticercos.

Os cisticercos minúsculos podem sobreviver por anos e ainda infectar os seres humanos quando comem a carne. Se a carne não é cozida corretamente, os cisticercos não morrem e assim se alojam no intestino delgado e se desenvolvem em adultos dentro de dois meses. Os adultos se anexam à parede intestinal com seu usando seus ganchos, localizados na cabeça da escólex. Os proglótides amadurecem e crescem à medida que se afastam do pescoço. São cerca de 16-20 mm de comprimento e 5-7 mm de largura e tem seus próprios órgãos reprodutivos. Eles absorvem nutrientes através de suas membranas e produzem até 100 000 ovos por dia. Eles se movem com a cauda e podem se movem nas fezes para fora do corpo humano.

Uma Taenia saginata completa é de cor esbranquiçada e tem cerca de 1000-2000 proglótides e cerca de seis deles destacam todos os dias. Os ovos geralmente permanecem dentro dos proglótides até que eles estão fora no ambiente. Quando a proglótide se rompe, libera os ovos. Se as fezes caem em pastagem para gado, uma vaca pode ingerir acidentalmente proglótides ou ovos e recomeçar seu ciclo. A Taenia saginata pode viver até 25 anos e crescer até 5 metros, mas em alguns casos pode atingir comprimentos de mais de 10 metros.

Ciclo[editar | editar código-fonte]

A figura abaixo representa ciclo da teníase e da cisticercose:

Ciclo Taenia sollium e Taenia saginata

Sintomas[editar | editar código-fonte]

O principal indicativo da doença é a perda de peso, uma vez que esses parasitas não possuem sistema digestivo e então competem com o hospedeiro pelos nutrientes. Outros sintomas característicos incluem:[2]Teníase (T.saginata e T.solium) [3]

  • Prurido anal;
  • Dor abdominal;
  • Náuseas;
  • Constipação;
  • Vômitos;
  • Sonolência
  • Mal estar generalizado;
  • Falta de apetite;
  • Inquietação;
  • Diarreia;
  • Irritabilidade.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

  • Detecção de ovos ou proglotes nas fezes;
  • Detecção através do exame ELISA e
  • Multiplex PCR detecta espécie o platelminto mesmo antes do aparecimento de proglotes com ovos nas fezes.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento é feito com os fármacos: Praziquantel, Niclosamida e Mebendazol.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

  • Saneamento básico;
  • Higiene pessoal;
  • Não ingerir carnes cruas/mal passadas;
  • A: Taenia solium scolex B: Taenia saginata scolex C: Taenia solium scolex D: Diphyllobothrium spp. E: Taenia saginata
    Realizar exames de rotina.

[4]Cisticercose (T.solium)[editar | editar código-fonte]

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas podem aparecer meses ou anos depois de ter contraído a doença. Eles incluem:

  • Dores de cabeça;
  • Convulsões;
  • Transtornos de visão;
  • Alterações psiquiátricas;
  • Vômitos;
  • Demência e perda da consciência.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

  • Detecção por radiologia
  • Testes imunológicos comprovam a presença de anticorpos contra antígenos do platelminto;

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento contempla o uso de purgativos, contudo deve ser evitado o uso de Praziquantel, uma vez que a morte da larva causa inflamação.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

A prevenção que se aplica a cisticercose é similar a da teníase.

Sistemática[editar | editar código-fonte]

A sistemática filogenética trabalha na maioria das vezes com varias hipóteses para a classificação filogenética dos grupos, com isso a taxonomia frequentemente atualiza como bases dados morfológicos e principalmente moleculares.

Alguns trabalhos relatam a hipótese de somente duas ordens para cestoda sendo elas: Cyclophyllidea e Pseudophyllidea. [5]

A tradicionalidade das subclasses Cestodaria e Eucestoda.[6] vem caindo em desuso, análises moleculares constataram que o subclasse Cestodaria é Parafilético,[7] dividindo-se em em duas classes, Gyrocotylidea e Amphilinidea. A subclasse Eucestoda ramifica-se em cinco ordens segundo estudos da Universidade de Michigan.[8]

Classificação de Cestoda na atualidade. [9]

O seguinte cladograma mostra a posição sistemática do grupo:

Plathelminthes

Catenulida


Rhabditophora
Macrostomorpha

Haplopharyngida



Macrostomida



Trepaxonemata

Polycladida


Neoophora

Bothrioplanida



Lecithoepitheliata



Proseriata


Eulecithophora
Rhabdocoela

Dalyellioida



Endoaxonemata



Kalyptorhynchia



Typhloplanoida



Temnocephalida



Adiaphanida

Prolecithophora



Fecampiida



Tricladida



Neodermata

Polyopisthocotylea



Monopisthocotylea


Cestoda

Gryrocotylidae



Amphilinidea



Eucestoda



Trematoda

Aspidogastrea



Digenea









Referências

  1. «Taenia Saginata - Beef Tapeworm». www.parasitesinhumans.org. Consultado em 22 de maio de 2017 
  2. «TENÍASE | sintomas, tratamento, causas». Saúde, Doenças e Medicina. 25 de agosto de 2012 
  3. USP. Cestóides de importância médica, endêmicos no Brasil. Disponível em: http://lineu.icb.usp.br/~gwunder/8Cestoides.pdf. Acesso em 22/05/2017.
  4. «Cisticercose: causa, sintomas, tratamento e prevenção. - Brasil Escola». Brasil Escola. Consultado em 22 de maio de 2017 
  5. «Ordens da Classe Cestoda - Naturdata.com». naturdata.com. Consultado em 22 de maio de 2017 
  6. Brusca, R.c.; Brusca, G.J. (2003). Invertebrates 2 ed. [S.l.: s.n.] 
  7. «The Gyrocotylidea: an aberrant group of tapeworms». Klaus Rohde. 31 de dezembro de 2011. Consultado em 22 de maio de 2017 
  8. «ADW: Cestoda: CLASSIFICATION». animaldiversity.org (em inglês). Consultado em 22 de maio de 2017 
  9. Zamparo, David. Phylogenetic analysis of the Rhabdocoela (Platyhelminthes) with emphasis on the Neodermata and relatives. [S.l.]: Zoologica Scripta. pp. 30: 59–77 

Ver também[editar | editar código-fonte]