Eleições legislativas de Angola de 2008

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Angola
Coat of arms of Angola.svg

Este artigo é parte da série:
Política e governo de
Angola



Portal:Angola ·  Portal:Política
Outros países Atlas ver  editar 

As Eleições legislativas de 2008 em Angola foram realizadas em a 5 e 6 de Setembro de 2008, como anunciado pelo presidente José Eduardo dos Santos a 27 de Dezembro de 2007[1] [2] .

Os angolanos votaram pela primeira vez, desde 1992, para escolher, entre 14 formações políticas, o seu segundo parlamento desde que se tornou independente de Portugal, em 1975. Para isso a União Africana foi convidada a enviar observadores para o processo de votação e apuração dos votos. A União Europeia mandou uma equipa de 90 observadores.[3]

Concorreram às legislativas em Angola 10 partidos políticos e quatro coligações. Estavam registados 8,3 milhões de eleitores para eleger os 220 deputados à Assembleia Nacional e o novo Governo.[4] [5] Os partidos PDA, PSD, PREA (entre dezenas de outros partidos) não reuniram as pré-condições exigidas pela Comissão Nacional Eleitoral.

Recenseamento[editar | editar código-fonte]

O registo de eleitores deveria ter tido lugar entre o final de 2006 e o ano de 2007. Originalmente, estava programado para acontecer em 1997, mas foi adiado numerosas vezes devido a problemas organizacionais e logísticos.[6] [7] . No início de Agosto de 2007, um mês antes do final do período de registo, mais de sete milhões de eleitores já haviam se recenseado para as eleições.[8] . Mais de oito milhões estavam recenseados em Agosto de 2008.[4]

Acusação de intimidação[editar | editar código-fonte]

A oposição acusou o partido no poder há cerca de 30 anos de atacar uma delegação que fazia campanha na cidade de Londuimbali, na região central do país[9] .

Em comunicado, a UNITA afirmou que o MPLA, no poder, realizou um "ataque violento com mais de 100 agressores munidos de pedras e paus" a uma delegação que fazia campanha da oposição na Província de Huambo.

Pedido de reorganização[editar | editar código-fonte]

O principal partido da oposição no país, União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), por meio do seu presidente Isaias Samakuva pediu a repetição das eleições legislativas no país no prazo de oito dias devido aos atrasos que marcaram o pleito realizado no dia 5, descrita pelo líder da oposição como "um desastre", com inúmeros atrasos por todo o país. Além disso, foi pedido à comissão a realização de um novo pleito. Os observadores da União Europeia reclamaram, também, da desorganização na votação, na qual o partido da situação, MPLA, esperava estender o seu governo de mais de três décadas[10] .

Resultados [11] [editar | editar código-fonte]

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) divulgou em 10 de Setembro os últimos resultados parciais das legislativas angolanas, os quais confirmam a vitória do governista Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) com 81,76% dos votos emitidos.

Segundo a CNE, o MPLA recebeu 4.520.453 votos, contra 572.523 da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), que correspondem a 10,36% e colocam o principal partido opositor em segundo lugar na preferência do eleitorado angolano.

Em terceiro lugar ficou o Partido de Renovação Social (PRS), com 173.546 votos, que representam 3,14% do total.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre política é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.