Gertrude Stein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gertrude Stein
Gertrude Stein, fotografada por Carl Van Vechten, 1935
Nascimento 3 de fevereiro de 1874
Allegheny, Pensilvânia, Estados Unidos
Morte 27 de julho de 1946 (72 anos)
Neuilly-sur-Seine, França
Sepultamento cemitério do Père-Lachaise
Nacionalidade norte-americana
Cidadania Estados Unidos
Irmão(s) Leo Stein
Alma mater Radcliffe College, Escola de Medicina Johns Hopkins, Universidade Harvard, Universidade Johns Hopkins
Ocupação Escritora, poeta
Movimento literário Literatura moderna
Magnum opus Ida
Movimento estético Literatura moderna, modernismo
Causa da morte câncer do estômago
Assinatura
Gertrude Stein- Autograph.svg

Gertrude Stein (3 de fevereiro de 1874, Pittsburgh, Estados Unidos - 27 de julho de 1946, Paris, França) foi uma escritora e poetisa estadunidense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Gertrude era a mais nova de cinco filhos de um casal judeu de classe média alta, Daniel e Amelia Stein.[1] Seu pai era um empresário rico com propriedades imobiliárias. Inglês e alemão eram falados em casa.[2]

Gertrude aos 3 anos

Aos três anos de idade, ela e sua família mudaram-se para Viena, e depois Paris. Acompanhados por governantes e tutores, os Steins esforçaram-se para imbuir seus filhos com as sensibilidades cultas da história e da vida europeias. Após um ano de permanência no exterior, retornaram para os Estados Unidos em 1879, estabelecendo-se em Oakland, Califórnia, onde seu pai tornou-se diretor da linha de bondes de São Francisco, a Market Street Railway, em uma época em que o transporte público era uma iniciativa privada.[3]

Tinha um apreciável círculo de amigos, como Pablo Picasso, Matisse, Georges Braque, Derain, Juan Gris, Apollinaire, Francis Picabia, Ezra Pound, Ernest Hemingway e James Joyce.

Mrs. Stein era realmente genial e escreveu "Autobiografia de Alice B. Toklas", livro fundamental da vanguarda dos anos 1910, 20 e 30. Com estilo muito próprio, a narrativa conta como jovens artistas e escritores vindos das mais diversas partes do mundo se encontram em Paris e detonam novos caminhos para a arte. Picasso vinha da Catalunha, Joyce da Irlanda, ela própria vinha da América, Nijinski era russo, havia vários franceses, como Cocteau, Apollinaire, Matisse. É bom lembrar que, apesar do nome, o livro foi escrito por Miss Stein, tendo como porta-voz Alice B. Toklas, sua companheira durante vinte e cinco anos. Compondo um interessante painel das três primeiras décadas deste século: "Gertrude Stein e o irmão visitavam frequentemente os Matisse que constantemente retribuíam as visitas. De vez em quando Madame Matisse convidava-os para almoçar, o que acontecia principalmente quando recebia alguma lebre de presente. Lebre estufada feita por Madame Matisse à moda de Perpignan era algo fora do comum. Tinha também vinho de primeira, um pouco pesado, mas excelente". Durante esse tempo, Miss Stein e sua companheira Alice viveram no número 27, rue de Fleurus. Este endereço se tornaria lendário e um importante ponto de encontro desses "gênios".

Gertrude Stein seria a primeira a pendurar em sua parede pinturas de Juan Gris, Matisse e Picasso. Mais tarde romperia com muitos deles, inclusive com Picasso, por quem manteve grande afeição. Antes porém, posaria noventa e três vezes para que o artista malaguenho desse por finalizado o seu retrato: "Mas em nada se parece comigo, Pablo", disse ela. "Mas certamente vai parecer, Gertrude, certamente...", respondeu o pintor. O rompimento dos dois se daria apenas em 1927, por ocasião da morte de Juan Gris. Gertrude acusou Picasso de não ter estimado Gris o bastante, ele retrucou e os dois tiveram um belo e histórico bate-boca.

Miss Stein adorava fazer provocações. A palavra génio exercia mesmo uma influência considerável em sua vida. Afinal, era uma escritora de estilo bastante peculiar e engenhoso, a inventora da escrita automática. Assim os intelectuais de seu tempo perguntavam se ela era mesmo gênio ou não passava de uma impostora. Ela dava o troco: "Ser gênio exige um tempo medonho, indo de um lugar a outro sem nada fazer", ou então: "um gênio é um gênio, mesmo quando nada faz".

Com a Primeira Guerra Mundial, Miss Stein e Alice viveram sua aventura alistando-se no F.A.F.F, um Fundo de proteção aos americanos que então viviam na Europa, dando folga a seus embates artísticos e literários, a aventura é narrada na Autobiografia. Após a guerra, a vida voltou ao normal, mas tudo já estava transformado para sempre, inclusive e principalmente Paris. Não tanto a fachada e a arquitetura da cidade, mas as pessoas e o ritmo da vida.

Encontra-se enterrada no Cemitério Père Lachaise, em Paris, ao lado de Alice B. Toklas[4].

A estética[editar | editar código-fonte]

Segundo a própria autora, suas principais referências são Cézanne e Flaubert, sendo, no entanto, seus textos cheios de repetições intencionais, como em uma espécie de "gagueira mental", geradores de um sem sentido muito próximo dos trabalhos dadaístas. É possível extrair algum sentido de seus poemas, de acordo com uma gestalt, porém, parecem eles muito mais a experimentos sonoros. O efeito, às vezes, é próximo do efeito da leitura de um poema surrealista, embora a técnica de composição seja completamente diferente, lembrando, por vezes, a poesia mais conhecida de E. E. Cummings. Seus poemas são, muitas vezes extensos, embora nunca cedam à lógica, explorando, além das repetições de vocábulos, o uso de palavras monossilábicas, assemelhando-se a poemas em prosa.

Cinema[editar | editar código-fonte]

É um dos personagens históricos retratado no filme Meia-noite em Paris de Woody Allen.[5]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Three Lives (The Grafton Press, 1909)
  • White Wines, (1913)
  • Tender buttons: objects, food, rooms (1914)
  • An Exercise in Analysis (1917)
  • A Circular Play (1920)
  • Stein, Gertrude (1999) [1922], Geography and Plays, ISBN 0-486-408744, Mineola, New York: Dover .
  • The Making of Americans: Being a History of a Family's Progress (escrito a 1906–8, publicado em 1925)
  • Four Saints in Three Acts (libretto, 1929: música de Virgil Thomson, 1934)
  • Useful Knowledge (1929)
  • Lucy Church Amiably (1930) Primeira edição publicada por Imprimerie Union em Paris. A primeira edição norte-americana foi publicada em 1969 por Something Press
  • How to Write (1931)
  • They must Be Wedded To Their Wife|They must. Be Wedded. To Their Wife (1931)
  • Stein, Gertrude (1998) [1932], Operas and Plays, ISBN 1-886449-16-3, Barrytown, New York: Station Hill Arts .
  • Matisse Picasso and Gertrude Stein with Two Shorter Stories (1933)
  • The Autobiography of Alice B. Toklas (1933)
  • Stein, Gertrude (1934), Portraits and Prayers, ISBN 978-1-135-76198-1, New York: Random House .
  • Lectures in America (1935)
  • The Geographical History of America or the Relation of Human Nature to the Human Mind (1936)
  • Everybody's Autobiography (1937)
  • Picasso (1938)
  • Doctor Faustus Lights the Lights (1938)
  • The World is Round, illus. Clement Hurd (W. R. Scott, 1939)
  • Paris France (1940)
  • Ida: A Novel (1941)
  • Three Sisters Who Are Not Sisters (1943)
  • Wars I Have Seen (1945a)
  • Stein, Gertrude, À la recherche d'un jeune peintre [Looking for a young painter], USA: Yale University 
  • ———————— (1945b), Fouchet, Max-Pol, ed., «À la recherche d'un jeune peintre», Paris, Revue Fontaine (42): 287–8 .
  • ———————— (1946a), Reflections on the Atom Bomb, University of Pennsylvania .
  • Brewsie and Willie (1946)
  • The Mother of Us All (libretto, 1946c: música de Virgil Thompson 1947)
  • Stein, Gertrude (1946d), Gertrude Stein on Picasso, ISBN 978-0-87140-513-5, London: BT Batsford .
  • ———————— (1995) [1949], van Vechten, Carl, ed., Last Operas and Plays, ISBN 0-8018-4985-3, Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press .
  • The Things as They Are (escrita como Q.E.D. em 1903, publicado em 1950)
  • Patriarchal Poetry (1953)
  • Alphabets and Birthdays (1957)
  • Stein, Gertrude (1970), Burns, Edward, ed., Gertrude Stein on Picasso, ISBN 0-87140-513-X, New York: Liveright Publishing .
  • Stein, Gertrude; van Vechten, Carl (1986), Burns, Edward, ed., The Letters of Gertrude Stein and Carl Van Vechten, 1913–1946, ISBN 978-0-231-06308-1, New York: Columbia University Press .
  • Stein, Gertrude; Wilder, Thornton (1996), Burns, Edward; Dydo, Ulla, eds., The Letters of Gertrude Stein and Thornton Wilder, ISBN 978-0-300-06774-3, Yale University Press .
  • Stein, Gertrude (1998a), Chessman, Harriet; Catharine R, eds., Writings 1903–1932, ISBN 978-1-883011-40-6, Library of America .
  • ———————— (1998b), Chessman, Harriet; Catharine R, eds., Writings 1932–1946, ISBN 978-1-883011-41-3, Library of America .
  • Toklas, Alice (1973), Burns, Edward, ed., Staying on Alone: Letters, ISBN 0-87140-569-5, New York: Liveright .
  • Grahn, Judy, ed. (1989), Really Reading Gertrude Stein: A Selected Anthology with Essays by Judy Grahn, ISBN 0-89594-380-8, Crossing Press 
  • Vechten, Carl Van, ed. (1990). Selected Writings of Gertrude Stein. ISBN 0-679-72464-8

Referências

  1. «Stein's Life and Career--by Linda Wagner-Martin». www.english.illinois.edu. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  2. Giroud, Vincent; Picasso, Pablo (2006). Picasso and Gertrude Stein (em inglês). [S.l.]: Metropolitan Museum of Art. ISBN 9781588392107 
  3. Lubow, Arthur. «An Eye for Genius: The Collections of Gertrude and Leo Stein». Smithsonian (em inglês) 
  4. Lit Hub (26 de Março de 2018). «HOW TO VISIT THE GRAVES OF 75 FAMOUS WRITERS». Consultado em 28 de Março de 2018 
  5. «Imdb». Consultado em 3 de março de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Gertrude Stein