Igreja Ortodoxa Eritreia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Igreja Ortodoxa Eritreia Tewahedo
Eritrean Orthodox Cross.jpg
Cruz Eritreia (de mesmo padrão da Cruz Copta).
Fundador Felipe, o Evangelista (século I) e São Frumêncio (século IV)
Independência Peticionada em 1993; 1998 (Autocefalia)
Reconhecimento Igreja Ortodoxa Copta e Igreja Ortodoxa Etíope, como Igreja Autocéfala.
Primaz Cirilo
Sede Primaz Asmara, Eritreia
Território Eritreia
Posses  Estados Unidos e Europa
Língua Geez
Adeptos 3,03 milhões[1]
Site Site Oficial (em inglês)
Catedral Enda Mariam em Asmara, a Sede da Igreja Ortodoxa Eritreia Tewahedo.

A Igreja Ortodoxa Eritreia (ou Igreja Ortodoxa da Eritreia), conhecida oficialmente como Igreja Ortodoxa Eritreia Tewahedo (em tigrínia: ቤተ ክርስትያን ተዋህዶ ኤርትራ), é uma denominação oriental ortodoxa, Igreja Nacional da Eritreia, que fez parte da Igreja Ortodoxa Etíope Tewahido até 1993, quando o País se tornou independente da Etiópia.

Em 1994, a Igreja Ortodoxa Copta, que é a igreja-mãe da Igreja Ortodoxa Etíope, indicou um Arcebispo para a Igreja Ortodoxa Eritreia. Esta Igreja Nacional obteve também sua Autocefalia em 1998, com a consagração do seu primeiro Patriarca pelo Papa de Alexandria. Assim sendo, a Igreja Eritreia é atualmente uma igreja autocéfala independente da Igreja Copta Ortodoxa de Alexandria e da Igreja Ortodoxa Etíope Tewahido.

Uma das poucas Igrejas cristãs pré-coloniais da África subsariana, possui atualmente cerca de 3 milhões de fiéis, sendo assim a maior denominação da Eritreia, com afiliação estimada entre 50%[2] e 63%[3] da população. Atualmente, a Igreja Ortodoxa da Eritreia é governada pelo Santo Sínodo, cuja posição de primazia é atualmente ocupada pelo Patriarca Cirilo. Esta Igreja Oriental Ortodoxa utiliza a língua ge'ez e o rito alexandrino em sua liturgia.

Embora atualmente as Igrejas Copta, Etíope e Eritreia serem independentes umas das outras, elas estão ainda em comunhão total. Por isso, a Igreja Eritreia reconhece a supremacia honorária do Papa copta e, consequentemente, a necessidade de seu Patriarca, antes da sua entronização, de receber a aprovação do Sínodo da Igreja Ortodoxa Copta, que é a Igreja-Mãe da Igreja Ortodoxa Eritreia.

História[editar | editar código-fonte]

A história da Igreja Ortodoxa Eritreia está intrinsecamente ligada à história da Igreja Ortodoxa Etíope, que tinha e exercia a jurisdição sobre os ortodoxos eritreus até 1993, começando com a Missão de São Frumêncio e a conversão do Rei Ezana. O território correspondente à atual Eritreia já era parte do Reino de Axum à época da conversão deste mesmo Rei, que levou ao cristianismo à região.[4] Assim como os ortodoxos etíopes, os eritreus estavam sob jurisdição da Igreja Copta até 1959, quando foi eleito um Patriarca autocéfalo para a Abissínia.

Com a independência da Eritreia em 1993, o governo local, interessado em desvincular laços com a Etiópia, peticionou por uma Igreja Nacional ao Papa Shenouda III de Alexandria, o que foi concedido em 1998, com a consagração de abuna Filipe em 7 de maio, um dia depois da Eritreia invadir a região etíope do Tigré, dando início à sangrenta Guerra Etiópia-Eritreia.

Filipe foi aposentado em 2001 por questões de saúde, sendo sucedido pelo curto pontificado de Abuna Jacó, este sucedido pelo abuna Antônio. Em 2005, após tensões com o Governo Eritreu, o Abuna foi posto em prisão domiciliar, o que foi seguido por uma deposição formal no ano seguinte, deliberada durante uma reunião secreta do Sínodo da Igreja, após a qual ele foi deixado sem comunicação com o mundo exterior.[5][6][7] Em 27 de maio de 2007, o Sínodo elegeu o Abuna Dióscoro, que não foi reconhecido pelo Papa Shenouda III, o que fez desta situação uma violação da canônica particular à Igreja da Eritreia. Por este motivo, Dióscoro jamais foi reconhecido pelas Igrejas Orientais Ortodoxas. Antônio permaneceu sendo considerado, pelo resto da Igreja Oriental Ortodoxa, como Abuna da Eritreia, ainda que na prática a Igreja estivesse em situação de sede vacante desde a morte de Dióscoro.

Patriarca da Eritreia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de Abunas da Eritreia

Em 2021, o Santo Sínodo elegeu o Arcebispo Abuna Cirilo, como quinto Patriarca da Igreja Ortodoxa Eritreia Tewahedo.[8][9][10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Christian Population as Percentages of Total Population by Country». Global Christianity. Pew Research Center. Consultado em 22 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 17 de setembro de 2012 
  2. «Eritrea». U.S. State Department. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  3. Mapping the Global Muslim Population. Pew Research. Outubro de 2009
  4. Munro-Hay, Stuart C. (1991). Aksum: An African Civilisation of Late Antiquity. [S.l.]: Edinburgh University Press. p. 77. ISBN 0748601066 
  5. Christian Post: Eritrea Hides Ex-Orthodox Head from U.S. Officials
  6. «Orthodox patriarch of Eritrea sacked - Culture - Middle East Times». web.archive.org. 29 de setembro de 2007. Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  7. «Eritrea Imposes New Controls on Orthodox Church». ChristianHeadlines.com. Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  8. «H.G. Abune Qierlos (Cyril) elected as our Church's 5th Patriarch». Eritrean Orthodox Tewahdo Church Diocese of the U.S.A and Canada (em inglês). 14 de maio de 2021. Consultado em 11 de janeiro de 2022 
  9. User, Super. «H.G. Abune Kerlos (Cyril) elected as 5th Patriarch of the Eritrean Orthodox Tewahdo Church». lisantewahdo.org (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  10. «Official Consecration of His Reverend Abune Qerlos, 5th Patriarch of Eritrea». Eritrea Ministry Of Information (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre o cristianismo ortodoxo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.