Jaime de Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Jaime Júlio Velho Cabral Botelho de Sousa (Ponta Delgada, 26 de Abril de 1875Lisboa, 6 de Dezembro de 1946), mais conhecido por Comandante Jaime de Sousa, foi um político e militar da Marinha Portuguesa, onde chegou ao posto de capitão-de-fragata, que exerceu as funções deputado e de Ministro das Colónias de 20 a 29 de Novembro de 1920 no governo de Álvaro de Castro[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Ponta Delgada de onde, depois de completar os estudos liceais, partiu para Lisboa, tendo ali concluído o curso da Escola Naval.

Foi eleito deputado às Cortes pelo círculo eleitoral de Ponta Delgada na vigência do regime da Monarquia Constitucional Portuguesa.

Após a Primeira Guerra Mundial exerceu funções diplomáticas como Ministro Plenipotenciário e Enviado Extraordinário de Portugal à Comissão de Reparações de Guerra.

Apesar de ter sido deputado durante o regime monárquico, após a implantação da República Portuguesa foi Ministro das Colónias (de 20 a 29 de Novembro de 1920) num dos efémeros governos presididos por Álvaro de Castro.

Publicou um livro intitulado Agonia de um herói : a derradeira viagem do "Adamastor" (Lisboa : Marítimo-Colonial, 1945), descrevendo a última viagem do cruzador Adamastor.

O seu nome é lembrado na toponímia da cidade de Ponta Delgada, atribuído à Rua Comandante Jaime de Sousa por deliberação camarária de 27 de Abril de 1967[2].

Referências

  1. Centenário da República
  2. José Andrade, A Face Humana da Toponímia de Ponta Delgada. Edição da Câmara Municipal de Ponta Delgada, 2001.