Jamena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jamena
  Cidade  
Place de la nation2 (Tchad).jpg
Símbolos
Brasão de armas de Jamena
Brasão de armas
Localização
Jamena está localizado em: Chade
Jamena
Localização de Jamena no Chadde
Coordenadas 12° 6' 47" N 15° 2' 57" E
País Chade
Setor Autônomo Jamena
Administração
Distritos
Prefeito Mahamat Zène Bada
Características geográficas
Área total 100 km²
População total (Censo 2013) 1 093 492 hab.
Densidade 11 000 hab./km²
 • Conurbação 2 899 763
Altitude 298 m
Fuso horário UTC (UTC+1)

Jamena, ou N'Djamena,[1][2][3][4] é a capital e a maior cidade do Chade, centro da atividade econômica do país, sendo também uma região autônoma (ou com estatuto especial).

Localiza-se na confluência do rio Logone com o rio Chari, formando uma conurbação transfronteiriça com a cidade de Cousséri (nos Camarões), capital do departamento de Lagoa e Chade, que está na margem ocidental de ambos os rios.[5] Tinha 1.093.492 habitantes em 2013.

Fundada em 1900 pelos franceses, foi conhecida pelo nome de Fort-Lamy até 1973. Após a independência chadiana, ganhou o nome de Jamena (1973) e tornou-se uma região com estatuto especial, subdividida em 10 distritos ou arrondissements.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Antes da independência chadiana, a cidade chamava-se Fort-Lamy, em homenagem ao herói de guerra francês Amédée-François Lamy, morto em combate nos Camarões pouco antes da fundação de Jamena. Seu nome atual deriva do nome árabe Niǧāmīnā, que significa "local de descanso". Este era o nome de uma aldeia próxima ao sítio original da cidade, que após o crescimento, foi absorvido por Jamena.

História[editar | editar código-fonte]

Pessoas circulando na antiga Fort Lamy.

Jamena foi fundada como Fort-Lamy pelo comandante francês Émile Gentil, em 29 de maio de 1900, recebendo o nome de Amédée-François Lamy, um oficial do exército francês que havia sido morto, poucos dias antes, na Batalha de Cousséri. Rapidamente tornou-se uma importante cidade comercial, sendo elevada a capital da região e da colônia do Chade Francês, que depois uniu-se à África Equatorial Francesa.[6][7]

Décadas de 1940-1960[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, os franceses dependiam do aeródromo da cidade para transportar tropas e suprimentos.[8] Em 21 de janeiro de 1942, um único piloto alemão de uma Heinkel He 111, do Comando Especial Blaich (Sonderkommando Blaich), do sul da Líbia Italiana, bombardeou com sucesso o aeródromo de Fort-Lamy, destruindo suprimentos, combustíveis e dez aeronaves.[9]

Fort-Lamy recebeu sua primeira correspondência bancária em 1950, quando o Banco da África Ocidental (BAO) abriu uma agência lá.[7]

Em 6 de abril de 1973, o presidente François Tombalbaye mudou seu nome para Jamena, como parte de seu programa de africanização.[7]

Décadas de 1970 e 1980: guerras[editar | editar código-fonte]

A cidade foi parcialmente destruída durante a Guerra Civil do Chade, entre 1965 e 1979, principalmente na Primeira Batalha de Jamena. Como efeitos do conflito, a cidade foi ocupada, na Segunda Batalha de Jamena, por forças estrangeiras durante a intervenção na Líbia de 1980-81, como parte do conflito Líbio-Chadiano, sendo governada pelo Governo de Unidade Nacional de Transição (GUNT).[10] Um período de turbulência na cidade seguiu-se pela tentativa frustrada de golpe do primeiro-ministro do norte, Hissène Habré, contra o presidente sulista Félix Malloum. Enquanto Malloum e o exército nacional leal a ele foram derrotados, a intervenção líbia e de outras facções do norte rivais à Habré complicou a situação, levando a uma nova destruição de Jamena em 1980. Jamena foi dividida em setores controlados por vários senhores da guerra, com a maior parte citadina dominada por Goukouni Oueddei.[11]

Após divergências entre Goukouni e Muammar Gaddafi, e a desaprovação internacional da intervenção líbia, as tropas estrangeiras deixaram a capital e o Chade em 1981. Isso abriu as portas para Habré, que marchou sobre Jamena, ocupando a cidade, com pouca resistência, em 1982.[12]

Nestes anos, quase toda a população fugiu de Jamena em busca de refúgio na margem oposta do rio Chari, nos Camarões, próximo à cidade de Cousséri. Permaneceram em campos de refugiados até 1981-82, após o fim dos confrontos. Até 1984, as instalações e serviços da capital estavam sujeitos a racionamento e as escolas permaneciam fechadas.[13]

Década de 1990 - presente[editar | editar código-fonte]

Em 13 de abril de 2006, a cidade esteve sob ataque do grupo rebelde Frente Unida para a Mudança Democrática, ocorrendo a Terceira Batalha de Jamena.

No entanto, em 2007, o Chade retornou a uma guerra civil e o palácio presidencial, localizado na cidade, foi tomado de assalto por rebeldes armadas, que penetraram também nas zonas nobres da capital, provocando caos e inúmeros estragos. Entretanto, o então embaixador do Chade na Etiópia afirmou que a cidade estaria sob controle das forças oficiais e que o presidente, Idriss Deby, estaria seguro no seu palácio. O presidente permaneceu sitiado em seus escritórios até a Quarta Batalha de Jamena, quando conseguiu expulsar os rebeldes que cercavam a capital.[14]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de Jamena tirada da Estação Espacial Internacional (ISS) durante a expedição 23, em 18 de maio de 2010.

Localiza-se na confluência do rio Logone com o rio Chari, numa rica e populosa planície fértil que é cercada por zonas áridas, já nos limites do Sahel com as savanas subsaarianas. Está no centro-sul ocidental da nação, na fronteira do Chade com os Camarões.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A cidade tinha apenas 9.976 habitantes em 1937, mas uma década depois, em 1947, a população quase dobrou para 18.435. Em 1968, após a independência, a população chegava a 126.483. Em 1993, sua população havia multiplicado por quatro, chegando a 529.555 habitantes, crescimento devido ao retorno dos refugiados que estavam nos Camarões. A cidade ultrapassou a marca de um milhão em população no início de 2010.

Religião[editar | editar código-fonte]

O islão é a religião com maior número de seguidores em Jamena, abrangendo uma parcela de cerca de 50% da população, seguido pelo cristianismo, com 45%. Esse equilíbrio entre o número de cristãos e muçulmanos dá-se pela posição geográfica da cidade em relação ao país, entre o norte (mais islâmico) e o sul (mais cristão). O cristianismo católico na localidade está sob a égide da Arquidiocese de Jamena.[15]

Política[editar | editar código-fonte]

Jamena sedia a maioria dos organismos políticos do país, incluindo a Assembleia Nacional do Chade, o Supremo Tribunal e o Tribunal de Recursos. Além disso, estão na cidade as sedes de muitas organizações e partidos políticos, além de todos os ministérios nacionais e todas as embaixadas estrangeiras — incluindo as embaixadas da França e dos Estados Unidos.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Cultura e lazer[editar | editar código-fonte]

Após o fim da guerra, vagarosamente a cidade de Jamena vem retomando sua reputação de jardim do Sahel. A cidade vem crescendo e se modernizando rapidamente, oferecendo grandes mercados, artigos artesanais e uma pujante vida cultural.

A cidade é dividida em duas seções: a europeia ou administrativa e a maior, mais palpitante, seção africana. Alguns locais de interesse para a visitação dos turistas são a mostra do Museu Nacional do Chade e o enorme Grande Marché.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

A maior e mais importante instituição de ensino superior do país, a Universidade de Jamena, está sediada nesta cidade. Há ainda a Escola Nacional de Administração, que igualmente a instituição anteriormente citada, é pública.[16]

Dentre as privadas, a principal é a Universidade Emi Koussi, além de um polo de ensino da instituição confessional islâmica saudita Universidade Rei Faisal.[16]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Dentro dos projetos da Rede Rodoviária Transafricana, a cidade de Jamena serve como um ponto de conexão entre várias rodovias. Pela Rodovia Trípoli–Cidade do Cabo têm acesso à Bertoua (sul dos Camarões) e a Faya-Largeau e Zouar (norte do Chade). Além desta, serve de conexão para a Rodovia Dacar–Jamena, de acesso à Cousséri e Cano (oeste), e para Rodovia Jamena–Jibuti, de acesso à Abéché e Geneina (oeste).[17]

A cidade é servida pelo Aeroporto Internacional de Jamena, o maior e mais movimentado do país.[18]

Referências

  1. Serviço das Publicações da União Europeia. «Anexo A5: Lista dos Estados, territórios e moedas». Código de Redacção Interinstitucional. Consultado em 18 de janeiro de 2012 
  2. Porto Editora. «Jamena». Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Infopédia – Enciclopédia e Dicionários Porto Editora. Consultado em 18 de janeiro de 2012 [ligação inativa]
  3. Macedo, Vítor (Primavera de 2013). «Lista de capitais do Código de Redação Interinstitucional» (PDF). Sítio web da Direcção-Geral da Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 41). 15 páginas. ISSN 1830-7809. Consultado em 23 de maio de 2013 
  4. Instituto Internacional da Língua Portuguesa. «Jamena». Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa. Consultado em 28 de maio de 2017 
  5. Cahiers de l'Afrique de l'Ouest Dynamiques de l'Urbanisation Africaine 2020: Africapolis, Une Nouvelle Géographie Urbaine. OCDE. 20 fevereiro 2020
  6. Roman Adrian Cybriwsky, Capital Cities around the World: An Encyclopedia of Geography, History, and Culture, ABC-CLIO, USA, 2013, p. 208
  7. a b c Zurocha-Walske, Christine (2009). Chad in Pictures. [S.l.]: Twenty-First Century Books. p. 17. ISBN 978-1-57505-956-3. Consultado em 15 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 30 de abril de 2016 
  8. Zeleza, Tiyambe; Dickson Eyoh (2003). Encyclopedia of twentieth-century African history. [S.l.]: Taylor & Francis. p. 379. ISBN 978-0-415-23479-5. Consultado em 15 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 19 de maio de 2016 
  9. MESSERSCHMITT Bf 108 – 'TAIFUN' Arquivado em 2012-03-23 no Wayback Machine. accessed: 29 April 2011
  10. «N'Djamena (Chad)». Encyclopædia Britannica Online. 2009. Consultado em 29 de novembro de 2009. Cópia arquivada em 25 de março de 2011 
  11. Collelo, Thomas (Dezembro de 1988). Chad: A country study. [S.l.]: Federal Research Division / Civil War and Multilateral Mediation, 1979–82 
  12. R. Buijtenhuijs, Le Frolinat et les guerres civiles du Tchad, pp. 177–225
  13. Samuel Decalo, Historical Dictionary of Chad, Scarecrow, 1987, pp. 229–230
  14. Rebeldes controlam parte da capital do Chade após confrontos, BBC Brasil, in Globo Online
  15. 2020 Report on International Religious Freedom: Chad. U.S. Departament of State. 12 de maio de 2021.
  16. a b 2021 Chadian University Ranking. UniRank. 2021.
  17. Mindur, Maciej. Economic and transport aspects of the African Union. Scientific Journal of Silesian University of Technology. Setembro de 2018.
  18. Presentation. N'Djamena International Airport. 2021.
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Chade, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.