Juba (Sudão do Sul)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Juba

Jūbā
جوبا

—  Cidade  —
Vista aérea de Juba
Vista aérea de Juba
Juba está localizado em: Sudão do Sul
Juba
Coordenadas 4° 51' N 31° 36' E
País  Sudão do Sul
Estado Equatória Central
Condado Juba
Administração
 - Prefeito Mohammed El Haj Baballa
Altitude 550 m (1 804 pés)
População (Censo 2008)[1]
 - Total 230 195
Fuso horário EAT (UTC+3)
Casa típica em Juba

Juba (em árabe: جوبا, transl. Jūbā) é a capital e a maior cidade do Sudão do Sul. É também a capital do estado da Equatória Central e do condado de Juba.

História[editar | editar código-fonte]

Hotel Juba em 1936.

No século XIX estabeleceu-se um posto de comércio e uma missão chamada Gondokoro nas imediações de Juba. Era o posto mais a sul das guarnições do Império Otomano onde existia um punhado de soldados quase sempre doentes com malária e outras doenças da região.

Juba também foi a base das expedições de Samuel Baker que exploraram o Sudão do Sul e o Uganda em 1863 a 1865 e 1871-1873, respectivamente.[2]

Em 1922, um pequeno grupo de comerciantes gregos chegou à área e estabeleu Juba na margem oeste do Nilo Branco. Os gregos, que tinham excelentes relações com a tribo indígena de Juba (o Bari), construíram o que é hoje o distrito de negócios. Os edifícios que atualmente abrigam o Buffalo Commercial Bank, o Nilo Commercial Bank, o Hotel Paraíso, Casa do Cônsul Noruega e muitos outros, foi originalmente construído pelos gregos e foram as únicas estruturas permanentes até o início dos anos 1940.

A partir de 1899 a 1956, Juba pertenceu ao Sudão Anglo-Egípcio, gerido conjuntamente pelos Reino Unido e pelo Egito. A esperança britânica para unir o sul do Sudão e o Uganda desapareceu em 1947 por causa de um acordo feito em Juba, também conhecido como a Conferência de Juba, para unificar o Norte e o Sul do Sudão. Em 1955, uma revolta por parte de soldados do sul da cidade Torit desencadeou a Primeira guerra civil sudanesa, só terminou em 1972. Durante a Segunda Guerra Civil do Sudão Juba era um lugar estratégico que foi o centro de muitas batalhas.

Em 2005 Juba se tornou a sede temporária e de capital do governo semiautônomo de Sudão do Sul, embora o capital proposta provisoriamente enquanto se aguardava a assinatura do Acordo de Paz foi Rumbek. Com o advento da paz, as Nações Unidas aumentaram a sua presença em Juba, considerando que até agora muitas operações no sul do Sudão tinham sido operadas pelo Quênia. Sob a direção do Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), o Nações Unidas, estabeleceram um acampamento conhecido como "campo de OCHA", que foi a base para muitas agências das Nações Unidas e para várias organizações não-governamentais.

Governo[editar | editar código-fonte]

Juba é administrada por um conselho municipal liderado pelo prefeito Mohammed El Haj Baballa. Esse conselho foi formado em Março de 2011 e Baballa nomeado para conduzi-la pelo governador Clement Wani Konga. O ex-Yei County Comissário David Lokonga Moisés foi apontado como vice-prefeito. Um comitê ministerial para manter Juba limpa e com saneamento básico também foi criado por decreto governamental, ao mesmo tempo[3] .

Antes de março de 2011, a área hoje administrada por Juba Municipal[3] foi dividido em Juba, Kator e payams Muniki. Agora é uma subdivisão independente de Município de Juba, de que é a sede do condado[4] .

População[editar | editar código-fonte]

O Departamento de Pesquisa de Juba estimou em 250.000 habitantes a população da cidade em 2006, incluindo 87.000 IDPs graças a meios aéreos.[5] USAID Sudan Monthly Update Mar 2006 (reliefweb.int)

Evolução da população
Ano População
1973 (censo) 56.737
1983 (censo) 83.787
1993 (censo) 114.980
2006 (estimativa) 250.000

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Ponte de Juba.

A cidade é um porto fluvial e no extremo sul do tráfego ao longo do rio Nilo, apropriadamente chamada de Bahr al Jabal, que é uma seção de Nilo Branco. Antes da guerra civil, Juba foi também um centro de transportes, com estradas que ligam a Quênia, Uganda e República Democrática do Congo.

Por causa da guerra, Juba deixou de ser considerada um centro de transporte. As estradas e o porto de rio não estão em uso devido à sua degradação. As Nações Unidas e o governo do Sudão do Sul são responsáveis ​​pela reparação das estradas, mas a reparação completa está prevista para durar muitos anos. Até 2.0013, a Onu gastou US$ 250 milhões na construção e reconstrução de Aeroportos (passou de 24 para 85, sendo somente 3 semi-asfaltados) e de estradas, que passou de 68 para 248 km.

Em 2003, a Fundação Suíça for Mine Ação (FSD), começou a limpar a estrada de Juba para o Uganda e o Quênia. Esperava-se que estas estradas fossem completamente limpas e reconstruídas no decorrer de 2006 - 2008. A reconstrução de estradas, que são na sua maioria sem pavimentação, exige esforço, trabalho e tempo devido a temporada de trabalho limitado devido à prolongada estação chuvosa que vai de de março até Outubro.

As estradas são muito importantes para o processo de paz no Sudão do Sul, as pessoas precisam ir para casa e voltar a ter novamente o que consideram uma vida normal. A primeira estrada começou a ser reconstruída é a rodovia para Uganda. Este caminho é particularmente importante, uma vez que muitos dos habitantes originais de Juba, fugiram para Uganda durante a guerra. A partir de 2009, três ruas pavimentadas em Juba, um re-surgiu em julho do mesmo ano. A principal delas é uma estrada de cimento, construída pelos britânicos em 1950.

Também é necessário citar o oleoduto que inicia-se na região de Abyel, ao Norte de Juba, e atravessa o Sudão do Sul e o Sudão do Norte (que não possui poços de petróleo) com a extensão de 1.800 Km até o Porto Sudão no Mar Vermelho, mas devido a dissenções entre os dois Países, está sendo construído um novo oleoduto pelo Sul que atravessará o Quênia com a extensão de 1.200 km. Com isso o Sudão do Sul deixará de pagar royalties ao Sudão do Norte, empobrecendo-o ainda mais.

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

A cidade é servida por um aeroporto particular no norte da cidade desde 2009, está aberto ao tráfego internacional, incluindo voos diários para Cartum, Nairobi e Entebbe.

Ensino[editar | editar código-fonte]

Juba abriga desde 2008 a Faculdade de Artes e Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Sudão. A cidade também tem uma universidade nacional, a Universidade de Juba.

Religião[editar | editar código-fonte]

O Arcebispo Paulino Lukudu Loro é, desde 1983, o bispo católico à frente da Arquidiocese de Juba, a sua sede é a Catedral de St. Theresa.

Economia[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2010 , várias empresas regionais e internacionais têm estabelecido presença em Juba. O conglomerado bancário queniano Commercial Bank tem sede sudaneses no sul na cidade e uma rede de agências de onze filiais em todo o Sul do Sudão Os três indígenas do sul do Sudão ou seja, os bancos comerciais;.[6] Buffalo Commercial Bank, Banco do Marfim e Nilo Comercial banco, todos mantêm a sua sede em Juba. Equity Bank, outra prestadora de serviços de finanças regionais também tem uma filial em Juba. National Insurance Corporation (NIC), a principal provedora de serviços de seguro de Uganda mantém um escritório na cidade[7] .

Clima[editar | editar código-fonte]

Juba tem um clima tropical húmido e seco (Köppen Aw), e como ela se encontra perto do equador, as temperaturas são altas o ano inteiro. No entanto, há pouca chuva de novembro a março, que é também a época do ano com as temperaturas mais altas e máximas alcançando 38 °C em fevereiro. De abril a maio mais de 100 milímetros de chuva caem por mês. A precipitação total anual é de 1000 mm.

Referências

  1. South Sudan em www.citypopulation.de
  2. Shipman, Pat. To The Heart of the Nile: Lady Florence Baker and the Exploration of Central Africa (em inglés). Harper Paperbacks [S.l.] p. 448. ISBN 9780060505578. 
  3. a b Stephen, Juma John (3 April 2011). "CES Governor Appoints Mayor For Juba City Council" [S.l.: s.n.] Gurtong. Consult. 28 July 2011. 
  4. "Central Equatoria State". NileBuffalo Gazette. 2008. Consult. 28 July 2011. 
  5. Isaac Vuni (8 de julio de 2009). "South Sudan parliament throw outs census results" (em inglés). [S.l.: s.n.] Sudan Tribune. 
  6. About KCB Southern Sudan
  7. NIC Expands Into Sudan

Ligações externas[editar | editar código-fonte]