Língua lugbara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lugbara
Falado em: Uganda Uganda
República Democrática do Congo República Democrática do Congo
Total de falantes: 1 040 000
Família: Nilo-saariana
 Sudânica central
  Central Oriental
   Moru-Madi
    Central
     Lugbara
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: lgg

A língua lugbara é a língua do povo lugbara. Falada no noroeste de Uganda na província Nilo Ocidental, e também na República Democrática do Congo, na Província Oriental.[1] A primeira escrita do lugbara foi desenvolvida por missionários em 1918, baseada no dialeto ayivu. No ano 2000, uma conferência realizada na cidade de Arua, noroeste de Uganda estabeleceu a criação de uma ortografia padronizada para o lugbara. Em 1992, o governo de Uganda a designou como uma das cinco "línguas da comunicação em larga escala" para ser usada como meio de instrução na educação primária; no entanto, diferente das demais línguas, o lugbara nunca foi de fato usado nas escolas.[2]

A língua aringa, também conhecida como baixo lugbara, é intimamente relacionada, sendo às vezes considerada um dialeto do lugbara.[3] Alguns estudiosos classificam o lugbara como um dialeto da língua ma'di, apesar desse argumento não ser aceito por todos.[4]

Escrita[editar | editar código-fonte]

O alfabeto latino para lugbara tem 28 letras menos 'q' e 'x' (alamakanda em língua aringa), o que significa as 24 português e quatro únicas, a saber: 'b como em' 'bua' , gostaria em dia ',' gostaria em wara 'e' y como em 'yetaa' . As letras são pronunciadas da seguinte forma: Ah, Ba, Cha, Da, Eh, Fa, Ga, Ha, Ie, Ja, Ka, La, Ma, Na, Oh, Pa, Ra, Sa, Ta, Uuw, Va, Wa, Ya e Za.

Algumas palavras são emprestadas de outros idiomas, por exemplo 'Safari' (viagem) do suaíli, 'Buku' (livro) do inglês, 'Kandi' (bola) do Lingala, etc. .[5] Também no vocabulário, existem várias palavras que têm significados variados quando pronunciadas de maneira diferente; por exemplo, Oli pode significar ar, vento (também Oliriko), assobiar, cortar ou rolar.

Classificação e dialetos[editar | editar código-fonte]

A língua aringa, também conhecida como Lugbara baixa, está intimamente relacionada e às vezes é considerada um dialeto de Lugbara..[6] Alguns estudiosos classificam a própria língua lugbara como um dialeto da língua do Sudão e Uganda) | língua Ma'di]], embora isso geralmente não seja aceito.[7] Ogoko e Rigbo, chamados "Southern Ma'di", deveriam ser classificados como dialetos de Lugbara.

Ortografia[editar | editar código-fonte]

O Lugbara foi escrito pela primeira vez por missionários cristãos em 1918, com base no dialeto Ayivu. Em 2000, foi realizada uma conferência na cidade de Arua, no noroeste de Uganda, sobre a criação de uma ortografia internacional padronizada para Lugbara.

Na educação[editar | editar código-fonte]

Em 1992, o Governo do Uganda o designou como uma das cinco "línguas de comunicação mais ampla" a ser usada como o[meio da instrução no ensino primário; no entanto, ao contrário dos outros quatro idiomas, nunca foi realmente usado nas escolas.[8] Mais recentemente, o Lugbara foi incluído no currículo de algumas escolas secundárias na região do Nilo Ocidental, incluindo o Colégio Joseph Joseph Ombaci e a Escola Secundária Muni Girls, ambas no Distrito de Arua.

Pronúncia[editar | editar código-fonte]

As frases lugbara são faladas em vários dialetos (clãs), mas a versão Muni (Ayivu), da qual muitas dos exemplos abaixo se baseiam, é a aprovada para o ensino nas escolas. O idioma possui aglomerados de ditongos e outros aspectos fonéticos notáveis, incluindo os seguintes:

aa como em morcego, por exemplo embataa

c como em igreja, por exemplo Candiru (também Chandiru)

dj como em dar o “fora” em, por exemplo odji, the ‘d’ is silent

ee como em emblema, por exemplo Andree

gb como em dobrar, por exemplo gbe, o ‘g’ é surdo. Gb em Lugbara não tem equivalente em Português. O que se destaca nessas línguas do Sudão é a maneira especial como 'kp, gb, 'd, 'b, 'y, 'w são pronunciadas.

i como em pousada, por exemplo di-i

oa como em oar, por exemplo Adroa

oo como em antigo, por exemplo ocoo, menos frequentemente oo como em comida, por exemplo ‘doo

uu como em mastigar, por exemplo cuu

z como em brim depois de n, por exemplo onzi. Caso contrário, a maioria das vezes permanece z como em zebra, por exemplo Ozu e quando a primeira letra de uma palavra.

Numeração[editar | editar código-fonte]

Número Nome
1. Alu
2. Iri
3. Na
4. Su
5. Towi
6. Azia
7. Aziri
8. Aro
9. Oromi
10. Mudri
11. Mudri drini alu
12. Mudri drini iri
13. Mudri drini na
20. Kali iri
21. Kali iri drini alu
22. Kali iri drini iri
23. Kali iri drini na
30. Kali na
40. Kali su
100. Turu alu
200. Turu iri
300. Turu na
1,000. Alifu alu
1M. Milioni alu

Frases[editar | editar código-fonte]

Lugbara Português
Mi ifu ngoni? Como você acordou? / Bom dia!
Ngoni? Como vai você?
[Ma] Muke! [Eu estou] Bem!
Ma azoru! Estou doente!
Mi aa ngoni? Boa tarde!
Ayiko ni ma fu! A felicidade está me matando! / Estou feliz!
Abiri ni ma fu(fu)! A fome está me matando! / Estou com fome!
Sawa si? Que horas são?
Sawa alu o’bitisi. 7:00 da manhã [Para marcar a hora, se menciona o número no diametralmente oposto do relógio. Sawa iri é 8 horas, Sawa na é 9 horas, etc.]
Sawa modri drini alu ondresi 17:00 da noite
Mi efi! Entre!
Ife mani ‘yi! Me dê agua!
Kirikiri! Por favor!
Ada! Verdade!
Inzo! Mentira!
Iko ma aza! Salva-me!
Ine! Veja-me!
Mi a'bua ozi si? Quantas bananas você vende?
Ajeni si? Qual é o preço?
Ale Obangulu! Eu quero purê de formigas brancas!
Ma mu Gili Gili-a ngoni? Como vou para Gili Gili?
Arojo ngoa? Onde está a farmácia?
Mi ru adi-i? Qual é teu nome?
Ma ru Joel-i! Eu me chamo Joel!
Awa’di fo! Obrigado!
Ale mi ra! Eu te amo!
Ma enga Ombaci-a. Eu sou de Ombaci.
Ma mu kanisa-a. Eu estou indo à igreja.
Mi ma agi! Você é meu amigo!
Ma mu Ariwara-a ngoni? Como chego a Ariwara?
Mosikiti ngwa? Onde fica a mesquita?
Mi ma ji Ragem-a ra? C você pode me levar para a Ragem?
Iji ma Ediofe-a! Leve-me para Ediofe!
Ba mucele ozi ngwa? Onde o arroz é vendido?
Aje/ andru/ drusi/ drozi Ontem, hoje, amanhã, depois de amanhã
Ila muke! Durma bemll!
Ale ra! I Quero! [A palavra 'ra' depois de um verbo indica positividade.]
Ale ku! [A palavra 'ku' depois de um verbo denota negatividade.]

Parentesco[editar | editar código-fonte]

Avô (a'bi)

Avó (dede, e'di)

Neto (mvia)

Neta (zia)

Pai (ati, ata)

Mãe (andri, andre, aia)

Marido (agupi)

Esposa (oku)

Filho (agupiamva, mvi)

Filha (zamva, zi)

Irmão (adrii)

Irmã (amvii)

Tios (atapuruka, [materno - adroyi, paterno - adropi])

Tias (andrapuruka)

Primo (atapurumva)

Irmão primo (atapuruka anzi)

Irmã prima (atapuruka ezopi)

Sobrinhos (adro anzi)

Sobrinhas (adro ezoanzi, ezaapi)

Sogro (anya)

Sogra (edra)

Cunhado (otuo)

Cunhada (apenas)

Dias da semana[editar | editar código-fonte]

1 semana (Sabatu alu, sabiti alu)

Um dia é chamado 'O'du' em Lugbara.

Domingo (Sabatu, sabiti, yinga, yumula)

Segunda-feira (O'du alu)

Terça-feira (O'du iri)

Quarta-feira (O'du na)

Quinta-feira (O'du su)

Sexta-feira (O'di towi)

Sábado (O'du azia)

Meses[editar | editar código-fonte]

A maneira mais simples de se referir a meses ( 'Mba' 'em Lugbara) é usar números, por exemplo, janeiro é Mba Alu, fevereiro é Mba Iri, maio é Mba Towi e assim por diante. Mas abaixo está a outra maneira latinizada (e sazonal) de mencioná-las.

Januari (Oco upa dupa sere)

Feburili (Kulini)

Marici (Zengulu)

Aprili (Ayi - estação chuvosa)

Mayi (Mayi)

Juni (Emveki)

Julayi (Irri)

Agoslo (Iripaku)

Sebitemba (Lokopere)

Okitoba (Abibi)

Novemba (Waa)

Desemba (Anyu fi kuma)

Cores[editar | editar código-fonte]

Eka (red)

Imve (branco)

Imve silili, imve whilili (branco muito puro)

Ini (preto)

Inibiricici, inicici (muito escuro)

Emvesi-enisi (preto e branco)

Foro [cinza]

Comida[editar | editar código-fonte]

Lugbara Português
Mucele (Arroz)
Funo ( mendoins)
Gbanda (Cassava)
Osu (Feijão, Kaiko em dialeto Terego)
Buruso, burusu ( Ervilhas)
Kaka (Milho)
Ago (Abóbora)
Anyu (Simsim)
Ondu (Sorgo)
Maku (Batatas)
[M]ayu[ni] (Inhame)
Onya (Formiga branca)
Ope (Galinha Angola)
Au (Frango)
Eza (Carne)
Ti eza (Carne Bovina)
E’bi (Peixe)
Kawa (Café)
Majani (Chá)
Idi (Mingau)
Kpete (Cerveja)
Nyanya (Tomates)

Aprendendo mais[editar | editar código-fonte]

Para estudar Lugbara, você pode precisar de um professor ou guia de idiomas, mas conhecer o básico e o vocabulário da pronúncia de preferência em um dicionário pode dar um bom começo. Pratique conversando com nativos fisicamente ou online e ouvindo música Lugbara.


Referências

  1. Gordon, Raymond (2005). «Lugbara language». Ethnologue: Languages of the World. Dallas, Texas: SIL International 
  2. Da Fonseca, N. «Writing unwritten languages». UNESCO. Consultado em 9 de maio de 2008. Arquivado do original em 21 de maio de 2011 
  3. Douglas Boone, Richard Watson, 1999. "Moru-Ma'di Survey Report." SIL Electronic Survey Reports SILESR 1999-001.
  4. Blackings, Mairi; Nigel Fabb (2003). A Grammar of Ma'di. [S.l.]: Mouton de Gruyter. p. 1. ISBN 3110179407 
  5. Ngaka, Willy; O'du'bua, Edward; Ongua, Paul Iga (2009). Lugbara - English Dictionary. [S.l.]: Fountain Publishers 
  6. Boone, Douglas; Watson, Richard (1999). «Moru–Ma'di Survey Report» (PDF). SIL Electronic Survey Reports SILESR 1999-001 
  7. Blackings, Mairi; Nigel Fabb (2003). A Grammar of Ma'di. [S.l.]: Mouton de Gruyter. 1 páginas. ISBN 3-11-017940-7 
  8. Da Fonseca, N. «Writing unwritten languages». UNESCO 

Notas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ongua Iga, Paul (1999). A Simplified Lugbara-English Dictionary. [S.l.]: Fountain Publishers. ISBN 9970021052 
  • Hinnebusch, T.J. (1973). Prefixes, Sound Change, and Sub grouping in the Coastal Kenyan Bantu Languages, unpublished PhD dissertation, UCLA.
  • Möhlig, W.J.G. (1992). "Language Death and the Origin of Strata: Two Case Studies of Swahili Dialects", in M. Brenzinger (ed.) Language Death: Factual and Theoretical Explanations with Special Reference to East Africa. Berlin & New York: Mouton de Gruyter. 157–179.
  • Mwalonya, J., Nicolle, A., Nicolle S. & Zimbu, J. (2004). Mgombato: Digo-English-Swahili Dictionary. Nairobi: BTL.
  • Nicolle, Steve. (2013). A Grammar of Digo: A Bantu language of Kenya and Tanzania. Dallas, TX: SIL International.
  • Nurse, D. & Hinnebusch, T.J. (1993). Swahili and Sabaki: A Linguistic History (University of California Publications in Linguistics 121). Berkeley & London: University of California Press.
  • Nurse, D. & Walsh, M.T. (1992). "Chifundi and Vumba: Partial Shift, No Death", in M. Brenzinger (ed.) Language Death: Factual and Theoretical Explanations with Special Reference to East Africa. Berlin & New York: Mouton de Gruyter. 181-121.
  • Walsh, M.T. (2006). "A Click in Digo and its Historical Interpretation", Azania, 41.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]